segunda-feira, 11 de junho de 2012

As cidades brasileiras não têm salvação, nós temos - parte 2: arquiteto não é urbanista

Disciplinas referentes a Urbanismo da grade curricular do curso de Engenharia Civil

Referência: UFMG, https://www2.ufmg.br/civil/civil/Home/Grade-Curricular/VERSAO-2010-1

Topografia I

Topografia II

Introdução as Ciências do Ambiente

Controle Ambiental

Introducao à Geologia

Gerenciamento Resíduos Sólidos Urbanos

Mecânica dos Solos I

Mecânica dos Solos II

Noções de Arquitetura e Urbanismo

Análise de Sistemas de Transporte

Sistema de Abastecimento de Água

Planejam. Urbano, Regional e Transportes

Hidrologia Aplicada

Sistemas Esgotamento Sanitário e Pluvial

Geotecnia Ambiental

Projetos de Estradas e Vias Urbanas

Construção de Estradas e Vias Urbanas

(optativa) Tópicos em Políticas Públicas

(optativa) Estruturas de Pontes

(optativa) Qualidade da Água

(optativa) Tratamento de Águas de Abastecimento

(optativa) Tratamento de Águas Residuárias

(optativa) Transportes Sobre Trilhos

(optativa) Análise Técnico-Econômica de Transportes

(optativa) Tráfego Urbano

(optativa) Transportes Públicos

(optativa) Obras de Terra e Enrocamento

(optativa) Geologia de Engenharia e Mecânica Rochas

(optativa) Tópicos em Demografia

(optativa) Introdução à Demografia

(optativa) Psicologia Comunitária Ecologia Humana I

(optativa) Tópicos em Sociologia Urbana

(optativa) Tópicos Tecnologia da Arquit. e Urbanismo

Disciplinas referentes a Urbanismo da grade curricular do curso de Arquitetura

Referência: UFMG, https://www2.ufmg.br/arquitetura/arquitetura/Colegiado-Home/Curso-Diurno/Estrutura-Curricular

História da Arte, da Arquitetura e da Cidade Antiga Medieval. Sem comentários.

Fundamentação para Projeto de Arquitetura e Urbanismo I. Uma ementa vaga: "Sensibilização para prática de projeto de Arquitetura e Urbanismo. Desenvolvimento da habilidade de percepção individual e compreensão do espaço. Introdução ao exercício de projeto pela problematização de situações. Proposição e execução de ideias. Instrumentação e desenvolvimento da capacidade para expressar e representar ideias por meios analógicos e digitais, visando ao desenvolvimento de linguagem própria". A disciplina Desenho Projetivo para Engenharia tem uma ementa mais objetiva e mais modesta que esta, do 1º período, que já fala de "proposição e execução de ideias".

Introdução ao Urbanismo. Fala de "interdisciplinaridade do conhecimento urbanístico", o que é bom.

História da Arte Arquitetura Cidade Renascimento Barroco. Sem comentários.

Cartografia e Topografia. A Engenharia Civil tem Topografia I e II.

Fundamentação para Projeto de Arquitetura e Urbanismo II. Matéria do 2º período com outra ementa imprecisa e sem modéstia: "Introdução ao exercício de projeto pela problematização de situações, proposição e execução de ideias, apoiada no conhecimento do desenho projetivo e do desenho técnico. Investigação das ferramentas de desenho aplicadas à expressão e representação da arquitetura e urbanismo no processo de projeto".

Urbanismo I. Matéria do 3º período. Na altura em que um estudante de Engenharia Civil nem mesmo está fazendo disciplinas específicas, está matéria tem na ementa "erosão e movimento de massa", o que o estudante de Engenharia Civil verá em duas Mecânicas dos Solos e "macro e microdrenagem e suas especificações", que custa ao estudante de Engenharia Civil uma Hidrologia Aplicada e uma Sistemas de Esgotamento Sanitário e Pluvial.

Teoria Urbana. "Estudos e análises críticas das teorias sobre os agrupamentos urbanos e sobre as cidades da Antigüidade Clássica até a contemporaneidade". É a ementa.

Saneamento e Estudos Ambientais. A ementa menciona "manejo de águas pluviais e abastecimento de água, manejo de resíduos sólidos e manejo de efluentes líquidos", pontos que o estudante de Engenharia Civil verá em uma disciplina cada um. Mostra-se óbvio que tal matéria é um generalismo próprio para quem irá chefiar especialistas sem assumir responsabilidade, mas sempre os méritos.

Projeto Integrado de Arquitetura e Urbanismo. A ementa é tão pomposa quanto o nome. Além de imprecisa.

Paisagem e Ambiente.

Planejamento Regional. Código GEO023, logo oferecida pelo Departamento de Geografia. Interessante. A ementa fala de "técnicas de análise cartográfica e interpretação de imagens por satélites" como o ítem mais preciso.

Projeto Paisagístico.

(optativa) Tóp em Arquitet. Brasileira e Revitalização de Edif e Cidades.

(optativa) Legislação Urbana e Ambiental.

(optativa) Habitação e Meio Ambiente.

(optativa) Tóp. Sustentabilidade: Mobilidade e Transp. Urb.. Sustentabilidade e mobilidade são palavras de moda por estes anos. O estudante de Arquitetura não tem disciplinas desta área de transportes. O de Engenharia Civil tem quatro obrigatórias.

(optativa) Tópicos em Arq. Contemporânea, Cidade.

Epílogo

Renato Melo Arquitetura - projeto de metrô para Belo Horizonte

Para que o leitor tenha ideia do que eu digo, esta é uma proposta para o metrô de Belo Horizonte do arquiteto Renato Melo (http://www.renatomelo.com/projetos/08004bhmetro/index.html). Dois erros crassos. O primeiro pode ser exemplificado em um trecho da rede: na linha 4, o acesso à estação Estrela Dalva (região Oeste) deverá estar em algum ponto com cota cerca de 1.000 m e o acesso à estação Seis Pistas (Nova Lima) deve ter cota cerca de 1.150 m. Em uma distância de 4 km, a inclinação média do trecho será de cerca de 4%, um valor crítico para um trem. E a construção só deste trecho será quase impraticável por esse e alguns outros motivos que não exporei aqui para não alongar a discussão. O segundo erro é que vários trechos não apresentam uma densidade demográfica ou um índice de passageiros por quilômetro que torne a linha viável, como o trecho Cidade Administrativa - Vespasiano da linha 1.

Não adianta dizer que o urbanismo é um trabalho multidisciplinar, o que é certo e já ouvi. Estudantes de Engenharia Civil são diplomados como "engenheiros civis", estudantes de Geografia são diplomados como "geógrafos", estudantes de Engenharia Ambiental são diplomados como "engenheiros ambientais", mas estudantes de Arquitetura são diplomados como "arquitetos urbanistas".

Também não cabe dizer que o arquiteto tem uma visão social e humanista que falta ao engenheiro civil, geólogo, florestal ou ambiental. Há engenheiros que têm tal sensibilidade e não poucos arquitetos a quem ela falta. Atrevo-me a dizer que um humanista (ou mais, um humanófilo) que possa receber uma formação técnica para ser um bom engenheiro civil e possa "assinar" os seus projetos urbanos produzirá obras mais valiosas do que toda a literatura acadêmica que leva o nome de Urbanismo.

Também não cabe dizer que o arquiteto tem uma visão ampla e de conjunto que falta aos engenheiros, especialmente o civil, que executarão o projeto. O engenheiro civil tem um conhecimento que falta aos executores especializados no trabalho braçal, como o pedreiro, e tal conhecimento permite uma visão geral da obra que faz possível ao primeiro conduzir o trabalho dos últimos, em geral levando a um resultado tão bom quanto a qualidade do trabalho dos que o executam. O arquiteto urbanista, não: ele é chefe de profissionais que, sem exceção, conhecem mais que ele as suas atribuições, e levará os méritos não só de suas artes concebidas com uma certa liberdade artística (para não usar um termo pesado) como do que são atribuições conjuntas com outros profissionais - como o monumento concretizado pelo engenheiro civil ou o parque florestal concretizado pelo engenheiro ambiental. O arquiteto urbanista estuda teorias urbanistas em geral importadas e sem instrumental para a prática. As disciplinas relacionadas ao Urbanismo são em geral sem pré-requisitos (assim, uma não "prende" a outra). Na verdade, o arquiteto urbanista tem nome e atribuição mas não tem formação para o urbanismo. Espero ter conseguido expor isto aqui.

Abigail Pereira Aranha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Página no Facebook