quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Direita cristã, acabou! - parte 6: notas de cinco dias

Abigail Pereira Aranha

No dia 07, eu publiquei no A Vez dos Homens que Prestam a tradução do artigo "I Don't Want Your Pity: Sex Work and Labor Politics" (Eu não quero sua piedade: trabalho sexual e política de trabalho), da Belle Knox, publicado no The Huffington Post em 14 de abril de 2014. Dois dias depois, eu publiquei "A liberdade sexual, a pornografia e a legalização da prostituição não vão levar a sociedade à ruína, só a direita cristã" no A Vez dos Homens que Prestam (http://avezdoshomens.blogspot.com/2015/10/a-liberdade-sexual-pornografia-e.html). A minha ideia era mostrar como a direita cristã não está apenas inexpressiva intelectualmente, está caminhando também para perder a relevância, para a esquerda moderada, até como oposição à extrema-esquerda. E lá vêm mais exemplos confirmando o que eu dizia, só do dia 07 ao dia 11.

NOTA 01

Comentário do meu amigo Yan Cabral sobre aquele artigo da Belle Knox: "Provavelmente não vão deixar colar o link aqui, mas vai no google, e busca bele knox + facial + efukt, veja a parte final, onde tem a entrevista, e você verá que ela não é tão inteligente quanto parece". Bom, eu achei o atalho e até que consegui colar: http://efukt.com/21134_The_Duke_University_Feminist_Pornstar.html. Outros domínios são bloqueados no Facebook, como o XVideos, o Pornhub e, me lembrei agora, o do masculinista Canal do Búfalo. Mas tem mais uma coisa muito importante que ele disse, que eu vou apontar comentando outro comentário. O meu outro amigo Filezinho Recife comentou: "Certamente ela não é uma Valentina Nappi ou uma Mercedes Carrera no quesito 'inteligência' (e nem sequer na performance nas telas), mas assim que ler a matéria e ver a entrevista indicada acima, te mando minhas impressões, Abigail...". Bom, os atalhos que eu coloquei no comentário são traduções de textos delas cujos originais ele me indicou, para que os leitores que não sabem vejam do que o meu amigo está falando. De fato, a Belle Knox me pareceu meio fraquinha, com o agravante de ela ser feminista. ESTE É O PROBLEMA, porque o artigo dela foi fantástico. Ah, para quem não sabe quem é a Belle Knox: ela é uma estudante da Universidade Duke, precisou fazer filmes pornôs para conseguir bancar o curso, alguns babacas da faculdade acabaram descobrindo e espalhando, e deu um alvoroço até de abaixo-assinado pedindo a exclusão dela de lá. Ela foi a garota ideal: uma vítima dos conservadores puritanos com experiência de vida e inteligência suficientes para acabar com eles, mas que não bate com as lésbicas feministas que também odeiam as profissionais do sexo.

NOTA 02

No mesmo dia 09, três horas antes de eu publicar o meu texto, o professor, filósofo e jornalista Olavo de Carvalho publicou o artigo "Chavões e realidades" no Diário do Comércio (http://dcomercio.com.br/categoria/opiniao/chavoes_e_realidades). Ele diz no texto, repetindo uma postagem da própria página de 03 de outubro: "A esquerda mundial está hoje MUITO mais unificada e organizada do que sessenta ou setenta anos atrás. Ela encontrou desde os anos 80 do século XX meios de articular tendências ideológicas distintas numa estratégia comum sob um comando unificado. Ganhou em força de atuação conjunta o que perdeu no debate ideológico. Quem não percebe isso não merece ser ouvido em matéria de política". Na página dele, o leitor Will Tapajero comentou mostrando que eu não entendi sozinha, hehehehe: "'Ganhou em força de atuação conjunta o que perdeu no debate ideológico.' #OlavoTemRazão só isso explica porque eles avançam, enquanto são repudiados!"

NOTA 03

Postagem na página da Luana Basto, no mesmo dia 09, com uma imagem com o título "Mulher invade jogo e sai pegando na bunda de todos os jogadores":


"Beleza, agora parem por um momento e Imaginem um campo cheio de jogadoras mulheres e um homem fazendo isso. Imaginaram? Ok, agora perguntem quantas feministas condenaram a atitude dessa mulher. Ela é esperta, né? Até porque, se fosse homem, com certeza as feministas diriam que é um ''OMI ESTUPRADOR''! O que vai acontecer com ela? Nada. Tá todo mundo muito ocupado rindo e achando ela foda.

Igualdade, real igualdade? Moçx, seu feminismo é uma FARSA."

- Marcela Menezes

(https://www.facebook.com/LuanaBasto3.0/photos/a.133320807010645.1073741828.129350924074300/169823526693706)

Respondi lá:

De fato, não devemos ver muitas mulheres feministas se pronunciando sobre o caso, mas talvez alguns HOMENS feministas aprovando. Mesmo as lésbicas não vão condenar a moça porque o princípio do Feminismo é que a mulher não seja criticada faça o que fizer. Mas a heterossexualidade do movimento feminista é de meia dúzia de idiotas úteis. Não, o Feminismo não é uma farsa, é a fixação um duplo padrão para toda a vida social, ou um triplo padrão: para homens, para mulheres bonitas ou acima da mediocridade e para mulheres repulsivas e medíocres.

Nesta postagem, as mulheres comentaristas, na maioria, condenam uma demonstração de liberdade heterossexual feminina. Vocês erram três vezes. 1) Vocês conseguem dissociar liberdade individual de liberdade sexual. 2) Vocês conseguem defender o que chamam de liberdade individual e ser contra a liberdade sexual. 3, esta é a pior) Vocês atribuem a defesa da liberdade sexual HETEROSSEXUAL ao Lesbofeminismo.

O problema do Feminismo é o contrário de defender a sexualidade hétero, é demonizá-la, é tratar aversão da mulher a homem como dignidade e liberdade. Neste sentido, as mulheres conservadoras mal se distinguem do pior do LGBT-Feminismo. Outro problema é que a direita cristã é intelectualmente inexpressiva e insignificante: vocês acham que o salário mínimo é intromissão do Estado e atrapalha a vida social, mas aplaudem quando um homem é preso por procurar uma prostituta onde isso é crime, ou quando um governo censura um portal pornográfico, como o governo da Rússia fez com o Pornhub. Marx disse ainda no Manifesto Comunista que quando a burguesia acusava os comunistas de atacar a liberdade, a liberdade a que eles se referiam era apenas a deles mesmos. Vocês não vão acabar com o Feminismo maldizendo todas as garotas menos caipiras e sexualmente reprimidas que as bisavós de vocês, o que vocês vão conseguir com isso é ajudar as feministas lésbicas a acabar com o que sobra de heterossexualidade do universo feminino.

NOTA 04

Naquele texto do dia 09, "A liberdade sexual, a pornografia e a legalização da prostituição não vão levar a sociedade à ruína, só a direita cristã", eu citei o texto "Prostituição: Rachel Moran desafia Anistia Internacional" (e eu disse que a Belle Knox tinha acabado com ela um ano e meio antes). No dia seguinte, o Júlio Severo, que tinha feito a tradução, publicou o texto no próprio blogue. O meu amigo Eduardo Moraes me mandou esta mensagem no mesmo dia 10:

Mensagem que enviei para Julio Severo:

"Instituto que se diz cristão dá espaço para feministas é uma vergonha!

O maior inimigo do cristianismo é o feminismo, que demoniza homens e prega a guerra de gênero.

Caro, Julio, é errado criminalizar a prostituição, mais errado ainda criminalizar a clientela masculina, que é o objetivo das feministas radicais.

Feministas radicais promovem a misandria e o lesbianismo. E estão usando pessoas como você, Julio, para avançar com a agenda feminista radical. Acorde!"

Ele me mandou estas outras no dia 11:

O Julio é um feministo! Esses conservadores são uma vergonha.

Olha a resposta que ele me deu:

"Entenda que nem toda mulher que está num prostíbulo ou algo parecido está ali porque quer. Há muitas mulheres escravizadas, e até meninas também. Mas TODOS os homens que vão a um prostíbulo ou lugar semelhante vão porque querem. Nenhum deles é forçado a ir ali. Por isso, os cafetões e clientes deveriam ser punidos com força máxima."

Minha resposta:

"Forçar a mulher a se prostituir é crime! É justamente isso que a Anistia quer combater. Tirando a prostituição da ilegalidade fica mais fácil combater a exploração."

NOTA 05

Os amigos brasileiros se lembram do cardeal Odilo Scherer, que foi desafiado pelo Olavo de Carvalho para um debate porque apoiou uma proposta esquerdista de reforma política, mas preferiu fugir com aquele fingimento de superioridade que as nossas pessoas de destaque costumam usar nessas horas? No dia 10, ele publicou no Estadão o texto "Família, um bem inestimável" (http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,familia--um-bem-inestimavel,10000000310). Ele diz, por exemplo, que "já não é clara para todos a razão de ser da família; muitos deixam de se casar e de constituir família, por acharem que ela traz mais problemas que soluções". Cacete! Qualquer masculinista ou antiesquerdista, ou qualquer homem mais observador, sabe a porcaria que isso significa hoje em dia. Grande chance de divórcio, com o homem perdendo metade dos bens mais uns 30% da renda por anos depois. Se o divórcio não acontecer, filhos insuportáveis, talvez conhecidos da polícia aos 14 anos. Se o casal for cristão e os filhos bem comportados, criados nos valores cristãos, o conselho tutelar e a direção da escola podem vir infernizar quando os garotos mostrarem o que pensam sobre casamento, homossexualismo, feminismo, etc. O homem tem o maior risco de todos os tempos de viver o Inferno na Terra depois de casado, e cada vez menos chance de achar uma mulher que PAREÇA merecer este risco, inclusive em igrejas tradicionais, que são cada vez mais clubes de socialistas enrustidas e vadias em fim de carreira, fora aquelas senhoritas que tratam alergia a homem como superioridade moral. "Se a sociedade descuidar da família, colherá muitos problemas", diz ele. Mas o mais legal foi esta pérola: "Poderíamos imaginar uma sociedade sem base na família?" Quem JÁ COLHE muitos problemas são os homens casados e os divorciados. Então, se eu fosse homem, eu diria como Charlie Brown Jr: "sei que isso tudo é verdade, mas eu quero que se foda essa porra de sociedade, pago minhas contas, sou limpinho, não sou como você, filho da puta, viadinho". Ah, e o vocalista da banda, o Chorão, foi um homem casado que cometeu suicídio. Os meus amigos católicos talvez não viram nada de errado em um clérigo socialista defender a família. Mas casamentos e famílias infernais também podem sustentar um inferno sociopolítico. O artigo do Odilo Scherer comprova: o Socialismo e o Feminismo não precisam destruir a família tradicional nem as igrejas históricas, só transformá-las em lixos descaracterizados depois de uma destruição intelectual e cultural.

NOTA 06

Mas no mesmo dia 10, eu ganhei a lembrança do meu amigo Filezinho Recife compartilhando o meu texto "Viva a prostituição, a pornografia e... as liberdades civis" com o comentário "Compartilhando novamente um dos melhores textos já escritos por minha amiga Abigail Pereira Aranha, cujo link tem uma seção dedicada à minha pessoa. Leiam!". Vou tentar imaginar por que ele se lembrou desse texto, de novembro do ano passado: 1) eu escrevi sobre prostituição, pornografia e liberdade no dia anterior; 2) três dias antes, eu compartilhei a tradução de um artigo de uma atriz pornô sobre profissionais do sexo; 3) a seção dedicada a ele foi uma seleção de licenciosidades que ele compartilhou no Facebook e foi suspenso por isso; 4) essa mesma selecão também foi uma homenagem à frigidez de quem denunciou o perfil dele; 5) no meu texto então mais recente, eu abordei a questão da censura à pornografia na internet; 6) esta seleção foi uma homenagem minha ao amigo em particular e à amizade gostosa, mesmo virtual, entre mulheres e homens em geral. Obrigada, querido! Você não imagina o meu prazer de ser compartilhada pelos meus amigos homens. Bom, imagina sim, tanto que já viu o duplo sentido da frase anterior. Quiá, quiá, quiá, quiá, quiá!

NOTA 07

Como piada pronta, eu estava traduzindo "Why Governments Love Feminism" (Por que os governos amam o Feminismo), do Angry Harry, enquanto escrevia este texto. Mais uma indicação e contribuição do amigo Bradon Kamato. Terminei a tradução hoje, está em http://avezdoshomens.blogspot.com/2015/10/por-que-os-governos-amam-o-feminismo.html. Mas eu observei que esse texto, antes de ser um texto bom, é uma confirmação da falência intelectual da direita que eu tenho discutido mais dedicadamente no último mês e meio. Ele tem uma análise boa, mas a explicação junta nostalgia puritana com ultraliberalismo de burguês de terceira geração, e isso quase põe o texto a perder. Há dez ou quinze anos atrás, ele não teria as notícias que foram citadas e mal circularia entre cristãos mais fervorosos, já considerados "radicalistas" nas próprias igrejas. Quais os problemas? Ele começa descrevendo que o que ele chama de "desarmonia" é uma estratégia do governo e do alto escalão do serviço público para garantir poder e dinheiro, e que as pessoas não demandariam o Estado nem pagariam uma carga tributária extorsiva se o conjunto dos relacionamentos interpessoais estivesse bem. Mesmo que isso seja verdade, aparecem três outros problemas. Primeiro: toda essa tragédia é só para sustentar meia dúzia de parasitas? Segundo: se um cidadão comum como ele pôde perceber tudo aquilo, por que um leitor dele mal pode chegar no intervalo do café no trabalho, mesmo entre homens, e comentar que leu aquele texto e o que ele diz? Terceiro: o Feminismo é de meados do século XIX, por que tudo isso não aconteceu antes? O autor não escreve como um pregador retrô, mas se entrega ao dizer que há cem anos atrás, o Estado era muito mais limitado em funções e o serviço público tinha participação muito menor que os 20% da população empregada no Reino Unido de hoje. Se o texto é de 2014, em 1914 já existia o Feminismo, os comunistas já tinham feito vários congressos e escrito vários livros, o Anarquismo já tinha se separado do movimento socialista e já tinha acontecido uma revolução russa fracassada, mas estava quase acontecendo a Revolução Russa que deu origem à União Soviética. Portanto, ele amaldiçoa as galinhas mas acha bom o tempo em que elas não existiam porque eram ovos sob o corpo da mesma mãe se preparando para nascer. Não foi por acaso que a esquerda começou pela cultura, pela imprensa e pelas universidades: qualquer projeto de engenharia social exige mudanças comportamental, intelectual e cultural coletivas; ou mesmo qualquer projeto de poder exige conquista no mínimo dos ambientes de veiculação de informação e produção de ciência e cultura. A direita não entendeu até hoje que nunca vai vencer uma revolução cultural esquerdista sem fazer ela mesma uma revolução cultural contrária. Falar em guerra cultural hoje é fanfarronice, a cultura de direita ou a cristã propriamente dita são vergonhosamente escassas, e só ganham visibilidade porque a própria esquerda perdeu a aparência de autoridade moral ou intelectual.

Um exemplo disso é a proposta natimorta do autor: "apoiar apenas aqueles políticos que prometem escancaradamente reduzir a carga tributária e opor-se com mais veemência aos políticos que são susceptíveis de aumentá-la". Primeiro problema: a própria esquerda, pelo menos no Brasil, já foi contra aumento de carga tributária, e ela era menor que a de hoje, quando ainda não estava no poder formal. Segundo problema: qualquer militante de esquerda razoável pode refutar o discurso de "reduzir o tamanho do Estado" lembrando que a própria direita nem sempre dizia isso quando estava no poder formal. Terceiro problema: o que dizer quando alguém mencionar países com cargas tributárias acima de 40% com excelentes serviços públicos sem pagamento direto? Quarto problema: pelo menos os serviços públicos que atendem os pobres, como a saúde pública, não são de interesse da iniciativa privada, portanto, aí começa o problema, a direita vai ter de começar convencendo os pobres de que eles não vão se f%@er nesta história, porque é isso que a esquerda vai dizer a eles.

Até o começo da década passada, ainda podíamos encontrar cristãos tradicionais pregando a submissão às autoridades e louvando a dureza da polícia. Pelo menos no Brasil a partir do governo Lula e nos Estados Unidos a partir do segundo mandato de George W. Bush, só meia dúzia de venais mal disfarçados e paspalhos desavisados defende o governo em púlpitos. Então, qualquer militante socialista razoável pode replicar ao autor que ele não via problemas com governo quando a polícia prendia grevistas, homossexuais e prostitutas; ou quando governos católicos penalizavam protestantes ou vice-versa; ou quando a censura oficial recolhia obras consideradas indecentes na época, mas "softcore" hoje, a reboque de vacas neuróticas. Atenção: uma coisa é termos uma esquerda decadente intelectualmente que pode ser facilmente desmoralizada, outra coisa é a desmoralização da direita quando ignora até isso.

NOTA 08

Escrevi pra caramba sobre o texto "Por que os governos amam o Feminismo", mas eu tenho que destacar mais um problema, que me lembrou um trecho do artigo "O ovo e o pinto", do Olavo de Carvalho:

Toda a lógica do comunismo, em última análise, deriva da ideia hegeliana do "trabalho do negativo", ou destruição criativa. Mas "destruição criativa" é apenas uma figura de linguagem, uma metonímia. A destruição de uma coisa só pode dar lugar ao crescimento de outra se esta for movida desde dentro por uma força criativa própria, que nada deve à destruição. Esperar que a destruição, por si, crie alguma coisa, é como querer que nasça um pinto de um ovo frito.

A base de todo o texto do Angry Harry foi um pinto nascendo de um ovo frito. Ele não viu que uma comunidade onde um divórcio é tão fácil para a mulher e tão danoso para um homem é uma comunidade onde o casamento é impensável para um homem. Ele também não viu que uma comunidade onde um homem chamar uma mulher de "querida" pode ser considerado abuso sexual é uma comunidade em que os homens vão se afastar cada vez mais das mulheres. Portanto, mesmo que a indústria do divórcio e da pensão alimentícia seja bilionária e o governo invista bilhões de dólares no Feminismo, estão fazendo buraco sob o próprio alicerce. O serviço público e a indústria do divórcio e da pensão alimentícia vão implodir quando o país se reduzir a mulheres de competência medíocre em massa na força de trabalho, outra legião de mulheres que não trabalha ou trabalha em meio expediente porque tem pensão alimentícia, delegacias e tribunais dedicados a intrigas de lésbicas intratáveis, burocracias inchadas de parasitas sem qualificação e homens e mulheres evitando uns aos outros. Isso mostra, aliás, que não é o governo que "ama" o Feminismo e se serve através dele, é o Feminismo que se serve do governo. Mas quem percebeu tudo isso, além dos masculinistas, foram as mulheres honestas da população. Elas já estão repudiando o Feminismo publicamente.

NOTA 09

Também no dia 10, o amigo Aldir Gracindo compartilhou no Facebook o artigo "I'm a mother of 2 boys, and I can't (and won't) support feminism" (Eu sou u'a mãe de dois rapazes, e eu não posso - e não vou - apoiar o feminismo), de Tara Kennedy-Kline. Foi publicado no mesmo dia 10 na Mamamia Women's Network, http://www.mamamia.com.au/parenting/no-longer-a-feminist. Como comentei no perfil do meu amigo: "Em resumo: a mamãezinha estava tentando dar mais dois betas pro mundo, mas viu como o Lesbofeminismo está deixando as mulheres cada vez mais impensáveis não apenas para casamento, mas para qualquer contato pessoal civilizado; daí, em vez de dois capitães salva-putas, ela pode ter dois MGTOW". Xi! Explicando para quem não é da Real: "beta" é um homem como as mulheres dizem que querem (inteligente, honesto, trabalhador, bom de cama, etc) mas que elas rejeitam exatamente por serem isso mesmo; "capitão salva-putas" é um homem que se casa com uma mulher que se entregou para vários cafajestes e babacas desde a flor da idade até não poder mais quando já não pode mais; "MGTOW" é "Men Going Their Own Way", é um movimento de homens antifeministas que desistiram de relacionamentos.

NOTA 10

Aquele meu texto sobre "A liberdade sexual, a pornografia e a legalização da prostituição", eu também publiquei como nota no Facebook. Compartilhei no grupo True Outspeak - Olavo de Carvalho e um rapaz comenta, dia 11 às 00:55: "Quem é essa perturbada mental?". O Olavo é fantástico, mas tem uns fãs que são horríveis.

NOTA 11

Vou sair um pouco do assunto, mas preciso registrar: nos dias 10 e 11, eu ganhei a lembrança de quatro amigos em menos de 30 horas.

Amigo Oculto nº 1:


(Imagem original em https://www.facebook.com/MariaNanquim/photos/a.378924082134573.113035.378896718803976/1211743708852602) "Abigail Pereira Aranha (...) quem sentaria em cima de um joystick de atari?". Gostei da piada, mas aproveito para fazer um esclarecimento público: eu tenho HORROR a dildo, acho que dildo / consolo é coisa de lésbica e de vadia dissimulada.

Amigo Oculto nº 2:


"ké ke axas Abigail?"

"Abigail Pereira Aranha Gostei do desenho e de você ter se lembrado de mim."

"Amigo Oculto nº 2 sabes como eu me lembro sempre de ti kuando se trata destas cenas"

Amigo Oculto nº 3:


"E aí, Abigail?" ("Com namorado empresário, Lola Benvenutti deixa a prostituição", 180 Graus, http://180graus.com/noticias/com-namorado-empresario-lola-benvenutti-deixa-a-prostituicao). Essa postagem foi no grupo secreto Night Club Real, as outras duas e a próxima foram no meu perfil.

Amigo Oculto nº 4:


"lembrei de vc!nesta foto Abigail Pereira Aranha!como diz vc quia!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!"

"Motel R$ 5,00"

"Fuja da crise. Tenha seu próprio negócio. Fod truck."

"É na crise que surgem novos negócios..."

(Imagem original em https://www.facebook.com/umclickcomunicacao/photos/a.574174389322288.1073741825.258120330927697/908829942523396)

Mas tem uma outra coisa: eu estava vendo essa última imagem no meu celular no dia 12, eu estava com meu pai, minha mãe e alguns irmãos, então eles viram que eu vi alguma coisa que eu gostei muito e ficaram curiosos. Mostrei. Uma das minhas irmãs comentou: "Eu, hein! Pra um amigo meu ver qualquer coisa relacionada a sexo e se lembrar de mim, eu prefiro nem ser lembrada". Então, eu disse que o Amigo Oculto nº 4 é um leitor que já compartilhou comigo várias coisas sérias, entre elas me indicou um texto que eu traduzi e essa tradução ("13 mentiras que os homens dizem a si mesmos para permanecerem em maus relacionamentos") aumentou as visitas ao meu blogue A Vez das Mulheres de Verdade em 170%. Eu mostrei o que o Amigo Oculto nº 3 compartilhou comigo e disse que ele não era só um grande leitor meu, eu também mostrei que ele é o mesmo que compartilhou o meu texto "Viva a prostituição, a pornografia e... as liberdades civis" no dia anterior. Xi! Entreguei o amigo oculto, hehehehe! Eu não falei do Amigo Oculto nº 1, mas ele é um leitor meu também. Também não falei do Amigo Oculto nº 2, mas ele é um grande leitor meu de Portugal, desde a década passada, ele acompanhava o A Vez das Mulheres de Verdade no Wordpress. Mas ele também me inscreveu em vários grupos de debates, inclusive ele estava naquele grupo secreto Night Club Real, que eu criei, e participava com notícias variadas, de Portugal e do Brasil, e até com receitas culinárias. A minha irmã ficou espantada com o amigo que se lembrou de mim quando viu a Kombi-motel, e se ela visse o amigo que compartilhou o desenho do "facesitting" e me disse "eu me lembro sempre de ti quando se trata destas cenas"?

Talvez seja um pensamento bobo meu, mas eu fiquei pensando também nas garotas musas da direita cristã no Facebook, como a Ana Caroline Campagnolo Bellei, a Luana Basto ou a Indiana Ariete. Se um amigo delas compartilhasse aquela imagem com os controles de "videogames" perguntando "quem sentaria em cima de um joystick de Atari", talvez, entendendo a piada, elas só manifestariam um desagrado por mensagem privada. Só pra ficar no caso "menos grave".

Mas por que eu estou compartilhando isso? Esta é uma amostra do sucesso do meu trabalho, dentro da popularidade que eu consegui. Os meus amigos que me "marcam" no Facebook em tudo que compartilham sobre sexo, prostituição, pornografia e "crentes da bunda quente" (um outro amigo já me mostrou um vídeo sobre linha "gospel" para sex-shops), e os mais entusiasmados também me "marcam" em fotos e vídeos eróticos e pornográficos, são exatamente os mesmos amigos, e eu gostaria de destacar isso, que conversam comigo sobre antifeminismo, antiesquerdismo, atualidades políticas, e outros assuntos. Estes amigos mostraram como uma mulher pode ser vista como "devassa" e como alguém com quem dá para conversar coisa séria, inclusive direitos humanos dos homens e liberdades individuais. Mais do que isso, essa seleção, casual, mostrou um pouco do que eu estava discutindo pouco antes, que é onde o Feminismo e o Conservadorismo erram juntos, mas o Feminismo com pouco menos burrice. Não são mutuamente exclusivos a sexualidade feminina e a dignidade da mulher, ou ser vista como mulher e ser vista como pessoa humana completa, ou uma mulher ser irmã de um homem e filha de outro e ser comida por outros quatro, ou uma mulher pregar e viver a licenciosidade e ser vista como uma pessoa com dignidade humana e intelectual. Mas não apenas ser mulher é diferente de ser homem por causa do sexo, não apenas são as possibilidades prazeirosas que vêm das diferenças entre homens e mulheres que explicam e justificam qualquer intercâmbio entre os gêneros que não aconteceria entre pessoas do mesmo gênero, também a antissexualidade conservadora só ajuda a imitação feminista do masculino pelas mulheres e do feminino pelos homens. E a repressão ao sexo pelos conservadores e a hostilidade aos homens pelos feministas só podem tirar dos homens o interesse pela sociedade, porque fazem impensável que o gênero masculino e o feminino colaborem um com o outro por um interesse comum, que, aliás, nem pode existir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário