sábado, 14 de agosto de 2010

Reconhecendo o valor da religião: nenhum

Abigail Pereira Aranha
Será que a religião não tem nada que se salva? Não, a religião não tem nada que presta. Mas não existe gente que não é religiosa que reconhece a importância da religião? Existe, ou eles pensam errado ou eles não querem horrorizar o povo. Eu vou mostrar porque a religião não é nem lixo, porque lixo ainda pode ser reaproveitado.
Vamos começar com a parte dos princípios morais. A humanidade tem lá os seus defeitos, mas a maioria das pessoas talvez ainda não seja tão imbecil a ponto de só se comportar como gente por medo do Inferno.
Se formos ver melhor, vamos ver que a moral dos religiosos é servilidade, fanatismo e horror a sexo.
Se a religião é tão importante pra formação moral, por que o ateu tem muito mais facilidade do que o religioso pra ver como uma lei que pune o adultério com apedrejamento é tosca, e não tenta achar algum sinal de sabedoria divina nela?
Uma tal de Thereza Christina Jorge, que diz que é jornalista, escreveu essa: "As colunas da moralidade do Ocidente estão nos Dez Mandamentos, escritos por Moisés no Pentateuco. E a figura desse grande líder tem sido objeto de fascínio de intelectuais de todos os tempos." ("A Bíblia inspira a Literatura", http://www.ufmbb.org/joomla/index.php?option=com_content&view=article&id=198:a-biblia-inspira-a-literatura&catid=1:artigosdiversos&Itemid=59). Minha filha, o que você entende por moral? Imposição de falta de orgasmo e superstição?
O que a religião fez pelo desenvolvimento científico? Nada. Só fez contra. Imagine a humanidade no começo. Muita gente vai pensar no homem das cavernas, eu não acredito na Evolução mas a imagem serve. A raça humana está perdida, sofre com o calor, sofre com o frio, sofre com a chuva, sofre com a falta de chuva, não sabe de onde vêm os raios, não sabe nem como funciona o próprio corpo. Aí vêm uma dúzia de vigaristas e oferece o quê? Meteorologia? Medicina? Agricultura? Engenharia? Não, eles vêm trazer um sistema com lendas moralistas, deuses e representantes deles que deviam ser obedecidos. Pra fazer o mundo mais aterrorizante do que já era, pra eles terem status em cima do medo e da ignorância dos outros.
É por isso que religião e ciência sempre estiveram e sempre vão estar em conflito. É o conflito da Terra chata sustentada por colunas que balançam em todo acesso de ira divina com a Terra que gira em torno do Sol. Quando a religião e a ciência não estão em conflito, uma teve que se render a outra. Quantas pessoas com inteligência e grandeza poderiam pôr a humanidade séculos à frente sem líderes religiosos comedores de carniça e um povinho analfabeto com medo de castigos após a morte?
E a contribuição da religião para as artes? Vou contar uma história pra vocês. Em 2001, o Talibã demoliu duas estátuas de Buda no Afeganistão. Disse um porta-voz do Talibã que foi por causa da demolição de uma mesquita na Índia. O que pra um é uma glória, pro outro não é nada, ou coisa suja. Por que o Alcorão é melhor que a Doutrina de Buda? Por que o cristão pode achar os dois uns lixos?
Mas e os grandes religiosos? Os cientistas que acreditavam num deus, ou as pessoas que fizeram bem ao próximo, não contam a favor da religião? Não. Liberdade religiosa, ou de falta de religião, é uma coisa recente, que alguns países não têm até hoje. Então, um cientista cristão do século XVII era de um país onde católicos e protestantes achavam uns que os outros tinham parte com o Diabo, e os dois tinham horror aos ateus. E as pessoas religiosas que trabalhavam em causas sociais não foram exemplos de religiosos, foram exemplos de pessoas. Exemplo de religioso foi a mulher sexualmente insatisfeita casada com o único homem que tocou na vida que denunciou o próprio filho à Inquisição porque ele tinha uma Bíblia.
Conclusão: sim, não sobra nada. Sobram fanáticos semianalfabetos, guerras santas, gente que não tem mais ânimo de viver, falta de sexo, golpes de estado em nome de deuses, bloqueio a páginas de safadeza, gente alienada, etc.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Página no Facebook