sábado, 31 de março de 2012

Antes masturbação fazia crescer pelo na mão, agora pular a cerca faz o pinto quebrar

Sexo fora do casamento pode fazer pênis "quebrar", indica estudo

do F5

Casos extraconjugais podem partir mais do que corações.

Segundo um novo estudo, sexo fora do casamento ou em circunstâncias que fujam da rotina podem aumentar o risco de fraturas penianas.

Publicado pelo urologista Dr. Andrew Kramer, da Universidade de Maryland, o estudo mostra que nestas situações o sexo pode ser mais apressado ou envolver posições estranhas, o que aumenta o risco das fraturas.

Dos casos 16 analisados por Kramer entre 2004 e 2011 no hospital da universidade, metade dos homens que se acidentaram estavam praticando sexo fora do casamento.

A maioria estava fazendo sexo em lugares incomuns, inclusive banheiros, carros e elevadores.

Apenas três estavam fazendo sexo com a mulher em sua própria cama.

Uma fratura peniana acontece quando o pênis está ereto. Não existem ossos no órgão; a fratura refere-se à ruptura de uma mebrana que cerca o tecido esponjoso do pênis.

http://noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/2011/10/02/sexo-fora-do-casamento-pode-fazer-penis-quebrar-indica-estudo.jhtm

Comentários de Universidade Plebéia Revolucionária

É brincadeira o que virou a Ciência. Agora, até pregação moralista disfarçada de Estatística?

Se o problema é o lugar diferente, a posição diferente, ou mesmo a empolgação, é porque os casamentos costumam ser monótonos e principalmente sem sexo. E se o problema é a rapidinha, primeiro muitos homens não conseguem nem "levantar" se tiverem que fazer correndo. Já peguei muitos homens assim (que são assim, por isso as minhas rapidinhas foram poucas).

Antes, casal casado ter prazer durante o sexo desagradava o Senhor Deus dos Exércitos, às vezes até maldição mandava pra comunidade inteira. Depois, masturbação fazia ficar louco e dar pelo nas mãos. Depois, a AIDS era maldição de Deus contra os adúlteros, as prostitutas, as galinhas, os clientes das putas e das galinhas e as bichas. Até que a água da enxurrada chegou na casa das mulheres casadas recalcadas. Agora essa? Vão se fuder. Ou melhor, vão fuder gostoso.

Abigail Pereira Aranha

Seção de sexo, safadeza, putaria, mulher pelada, pornografia

Governor Palin Gets Nailed

(Governadora Palin Gets Nailed / Governadora Palin Gets Nailed)

Sósia da Sara Palin, com dois caras.

Doble Sara Palin, con dos chicos.

Sara Palin look-alike, with two guys.

http://www.extremetube.com/video/governor-palin-gets-nailed


Governor Palin Gets Nailed brought to you by ExtremeTube.com

domingo, 25 de março de 2012

Desenvolva o humor e o sarcasmo

Abigail Pereira Aranha

O que as pessoas pobres de espírito querem na vida infernizando as pessoas com um mínimo de decência e inteligência? Três coisas, basicamente: serem levadas a sério, calar as verdades que elas não gostam e fazer os nobres de espírito tão infelizes quanto elas. O deboche, a ironia, o humorismo, o sarcasmo quebram as pernas dessa turma nos três pontos.

Mas veja uma coisa: a piadinha que realmente funciona revolucionariamente é a que diz uma verdade que estão tentando calar. Piadinha com defeitos físicos, racismo, etc é mau gosto. É até ponto para o adversário.

Preste atenção a uma coisa: qual a pessoa com a qual você não pensaria em fazer uma piada? Pode ser ESTA a pessoa que MERECE uma piada. Por quê? Porque esta pessoa pode estar parecendo muito imponente para ter algum defeito ou muito forte pra humilhar alguém, mas tudo isso pode ser (é) uma farsa que ela monta pra própria vida.

Quando você fizer ou vir alguém fazer uma piadinha e alguém não gostar, e você sabe que a piada não foi de mau gosto, não se preocupe com o que a pessoa vai dizer de porque não gostou. Os pobres de espírito não têm sabedoria pra admitir o dedo na ferida, nem caráter suficiente pra dizer por que uma piadinha os ofendeu, nem sanidade suficiente para você responder ao que eles dizem. E as vezes o piadista só acertou no que não viu. Vamos falar de novo, a gente está ficando meio insistente, no caso do Rafinha Bastos. O dedo na ferida (talvez ele nem pensou nisto, mas se pensou ele falou bem) foi o tanto de tribufu que já inventou estupro só pra prejudicar homem (ou foi estuprada mesmo por algum pobretão). Como ele mesmo disse: "você já viu uma mulher gostosa na TV reclamando que foi estuprada?" Aí, para as odeio-pica do movimento feminista e os descargas de TPM amiguinhos delas terem assunto pra falar (ou assunto pra DESVIAR), o cara teve que ter dito duas ou três frases que pudessem ser desviadas do assunto. Aí está a história do rebuliço da frase dele "toda mulher que eu vejo na rua reclamando que foi estuprada é feia pra caralho".

Não se esqueça: pessoas com um mínimo de decência estão em guerra que o resto do mundo está travando contra elas. Então, o nosso problema não é estar em paz com mulheres que odeiam sexo (lésbicas enrustidas), com cachaceiros fracassados, com mulherzinhas que vivem com cara amarrada. Quando o assunto é pessoas nobres contra espíritos pobres, o nobre que vai de bandeira branca volta com um buraco na testa. O problema não é como manter a paz, mas como acertar mais tiros e ser menos acertado.

Quem ri e aceita o riso (não a zombaria) merece respeito.

terça-feira, 13 de março de 2012

Sentindo falta de mão-de-obra qualificada, Mercadinho? Você está acabando com ela

Abigail Pereira Aranha

Essa conversa de que falta mão-de-obra qualificada, que tem vaga sem candidato à altura, etc é conversa de patrão filho da mãe pra exigir demais e pagar pouco. Mercado é igual mulher: fala que falta homem que presta, mas destrata os bons e valoriza o lixo. Mas vamos supor que é verdade. Vou contar a história do Paulinho.

O Paulinho sempre foi um rapaz estudioso, desde o Ensino Fundamental. Porque ele gostava de conhecer mais, e sempre quis aplicar o conhecimento para o bem geral em alguma coisa em que ele se saísse melhor, mesmo antes de decidir a profissão.

Mas aí, o que ele via? Primeiro, que ele ficava isolado da turma. Quase sem amigos, na escola e na faculdade, e sem namorada. Até aí, tudo bem, ele não perdia muito em companhia e sabia disso. Ele teve colega de classe até que morreu esfaqueado em briga de uma turminha com outra em baile funk enquanto ele estava estudando. Mas além disso, ele nunca tinha as melhores notas da classe. Quem tinha era as vadiazinhas que namoravam os babacas da turma do fundão e pagavam pelos trabalhos da escola e da faculdade, ou um rapaz inteligente alguns anos à frente dela que "ajudava" nos trabalhos.

E sabe uma outra coisa que atrapalhava o Paulinho? Professorinhas cretinas, que detestavam ser questionadas, ou perguntas que ele fazia e elas não sabiam responder.

Aí, enquanto ele estudava para aprender e para ser um profissional sério, as vadiazinhas não estavam só dando pros babacas da turma do fundão ou pros marginaizinhos da porta da escola. Elas também estavam preparando o terreno profissional na trapaça. O Paulinho queria ganhar tudo na raça, como sempre fez. Elas estavam saindo com playboys, ou com professores. Ou estavam pedindo pro tio que deu em alguma coisa na vida pra dar uma "ajuda" em emprego ou estágio.

O Paulinho está na faculdade. Com muito custo, conseguiu um estágio em que ele fez mais pela empresa que a empresa por ele. Aprendeu mais observando trabalho de colegas do que pelo que ele recebeu pra fazer. Além de os chefes da empresa serem uns paspalhos que detestam empregado que sabe mais do que eles, eles também adoravam fazer gracinhas para as meninas do estágio (de 12 estagiários, só ele e um outro eram homens). Ele conhecia duas das mocinhas, as duas eram umas ninfetinhas toupeiras com carta de recomendação de um dos mesmos professores que não quiseram dar uma pra ele.

O Paulinho se forma e vai tentar uma vaga. Primeiro, ele não tem experiência na profissão, além do estágio. Daí, ele perde muitas vagas. Depois, ele passa por aquelas entrevistas de RH pseudointelectual e aquelas dinâmicas de grupo cretinas. Aí, percebem que ele não é dinâmico, aberto a mudanças, de bom convívio, etc o suficiente para trabalhar na empresa (sempre era), ou tinha outro candidato melhor.

Aí, até que enfim, o Paulinho consegue um emprego na formação dele, numa empresa ordinária.

Aqui encerro a história do Paulinho, até porque tem bem mais amargura que doçura.

O Mercado é considerado como uma divindade infalível, principalmente pelos palestrantes paspalhos que nunca pegaram um ônibus na vida e mal acordaram antes das seis horas para uma aula de manhã na faculdade paga pelo papaizinho. Palestrantes que vivem de palestras e livros para animar funcionários de empresas com matriz do Inferno ou ensinar desempregados a conseguir um "bom" emprego como se faltasse algo para conseguir algo decente na vida.

Mas não, as diretorias das empresas públicas e privadas e os altos escalões de serviços públicos são infestados de imbecis. Existem bons chefes? Claro que sim, mas eles podem te dizer a dor que é ter alguma qualidade em uma posição de chefia. No Mercado, empresas se preocupam mais com a maracutaia feita com político ou funcionário do que com conquistar o cliente pela qualidade e pelo bom atendimento. No Mercado, um ônibus pode não ter cobrador para a empresa não gastar 2 salários mínimos.

No Mercado, só existem regras para mim ou para você. Qualquer sandice decretada pela empresa vira a lei sobre a sua vida ou a minha. Eu posso ser demitida porque falei de putaria (ou menos que isso) numa rede social pelo sujeitinho que está comendo a anta da minha colega ninfetinha casada. Não sei se você já se deu conta, mas em quase todas as empresas nós temos uma ditadura islâmica usando o chão do estado democrático de direito brasileiro. E antes que eu me esqueça: viva a anarquia, o ateísmo e o sexo livre e solto. Se o meu patrão não gostasse de mim pra caramba, nessa eu ia rodar bonito.

No Mercado também existe nepotismo e prostituição mal assumida. Por isso que se você é bom não vai ter um sucesso que você merece, porque você não pode mandar no sobrinho do sócio ou na piranha que senta na pica do diretor geral. Disciplina rigorosa nas empresas é controle das folhas de papel que você gasta. Bom, é bem mais, mas não o tanto que deveria ser.

No Mercado, ser bom profissional atrai o ódio, e não a admiração. Por isso, a maior preocupação do bom profissional empregado, numa empresa ou no serviço público, é evitar a colega desagradável e se defender do verme que está tentando armar para tirá-lo de lá.

Qual é, diga-se de passagem, um dos cursos mais populares? Administração. Com todo respeito aos bons administradores, qualquer bicha mimada ou piriguete mal acostumada pode fazer esse curso, qualquer filhinho de papai que nunca foi a uma agência de empregos pode dar palestras de motivação depois de formado. E depois de formado vai mandar nas pessoas cujos trabalhos exigem inteligência e conhecimentos úteis e, o que é pior, vai determinar como elas vão fazer esses trabalhos.

Ah, e já ia me esquecendo. Já existem projetos de lei para cotas para negros nas empresas e para incentivos para empresas abertas por mulheres. Depois dessas porcarias aprovadas, não venham me falar em meritocracia.

O bom profissional que é também uma pessoa de grandeza moral está sujeito a sentir que perdeu tempo estudando de verdade, sendo ético, sendo legal, sendo trabalhador. Então, muitos que poderiam ser ou continuar sendo bons profissionais se cansaram de ser comandados por imbecis, perder vagas para bucetas, ver lambanças que aconteceram e eles avisaram que ia acontecer, ver idiotas crescendo mais que eles, e agora trabalham apenas o suficiente para continuarem no emprego.

sexta-feira, 9 de março de 2012

TERRORISMO CLIMÁTICO: 0087 - NOTÍCIAS AQUECIMENTISTAS: QUANDO O RIDÍCULO...

TERRORISMO CLIMÁTICO: 0087 - NOTÍCIAS AQUECIMENTISTAS: QUANDO O RIDÍCULO...: A FARSA DO AQUECIMENTO GLOBAL 19 /10/ 2011 por Willis Eschenbach (Tradução: Maurício Porto) No New York Times, há um artigo sobre uma pesquisa que sugere uma ligeira retração de plantas e animais com o aquecimento global.

quarta-feira, 7 de março de 2012

Do perfil da Abigail: homens brancos europeus na História

Você, feminista, enche a boca citando grandes mulheres a maioria filha ou esposa de homens ilustres?
Você, orgulho negro, enche a boca citando grandes negros do Brasil e dos Estados Unidos, ou que estudaram na Europa?
E os homens brancos na História? Nossa lista começa com o seu Adolf.
Adolf von Baeyer, Albert Einstein, Alessandro Volta, Anton de Bary, Benjamin Franklin, Charles Augustin de Coulomb, Christiaan Huygens, David Hume, Francis Crick, Friedrich Engels, Galileu Galilei, Gottfried Wilhelm von Leibniz, Gustav Ludwig Hertz, Henri Poincaré, Isaac Newton, Jacobus Henricus van't Hoff, Jakob Bernoulli, James Watson, Jean-Baptiste Joseph Fourier, Johann Bernoulli, Johannes Kepler, John Napier, Joseph Banks, Karl Marx, Leonhard Euler, Leonardo da Vinci, Leonardo Fibonacci, Max Planck, Noam Chomsky, Niels Bohr, Pedro Nunes (Petrus Nonius), Pierre Curie (o marido da Marie), René Descartes, Robert Boyle, Svante Arrhenius, Stephen Hawking, Voltaire, Walther Hermann Nernst
Todos homens, todos brancos, todos viveram nos Estados Unidos ou na Europa, todos fizeram trouxeram de lá contribuições boas para a humanidade.
HOMENS E BRANCOS NA HISTÓRIA
Muito mais que escravizar negros, estuprar índias e proibir a esposa de ter vida social.
15 de julho, Dia do Homem (no Brasil)
19 de novembro, Dia Internacional do Homem
Ah, mas eu nunca disse que os homens e os brancos só fizeram isso. E o contrário, você já disse? Ou é só porque eu toquei no assunto, favelada lésbica?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Página no Facebook