quarta-feira, 29 de julho de 2009

E se uma irmã ou filha sua estivesse numa revista pornô?

Abigail Pereira Aranha
Eu gosto de pornografia (a normal, claro), defendo o sexo sem relacionamento estável (não o casual) e defendo o casamento aberto. Mas e se em uma revista, uma foto ou um vídeo pornográfico estivesse uma filha ou irmã minha? Ou se eu descobrisse que o trabalho dela, que ela dizia ser outro, fosse como prostituta ou stripper? Ou se ela mesma me dissesse que faria um material pornográfico ou trabalharia com o corpo? Antes de dar a minha resposta, vou fazer algumas considerações. E vou fazer de conta que eu sou uma senhora de uns 40 anos (eu só tenho 18) e nunca vivi na putaria.
Alguns homens gostam de "azarar" e de materiais "impróprios para menores", mas acreditam que as moças da família deles são diferentes. Isso se chama arrogância. Muitas pessoas se acham com mais direitos que o resto da humanidade. É o caso do homem "caçador", que se acha merecedor de transar com todas as mulheres atraentes que puder encontrar, ou ver os seus corpos sempre que conseguir. Cada vez que consegue, é um troféu para ele. E esse mesmo "caçador" das filhas e irmãs alheias é "protetor" das dele. Então, quando a filha ou irmã transa com o namorado... a coisa se inverte. O caso é diferente, a moça é da família dele, é pra casar. Qualquer conversa dela com um homem traz o medo de que a fêmea da casa do "caçador" seja a caça de alguém. Nós também temos uma visão diferente dos nossos pais, dos nossos irmãos e dos nossos filhos, nem sempre os vemos como indivíduos com uma individualidade, como o resto da humanidade.
Alguns homens gostam de pornografia, mas dividem as mulheres em mulheres que têm valor e mulheres que não têm valor, valor esse na contramão de sua vida sexual, e esperam que as da sua família estejam no primeiro grupo. Isso é contraditório. Se todas as mulheres fossem liberais, esses homens protestariam contra a falta da moral e dos bons costumes. Se todas as mulheres fossem puritanas, e seus maridos "machistas", eles dificilmente veriam ou conversariam com uma mulher que não fosse da família ou sua esposa. E esse "machão" é "protetor" das suas filhas e irmãs.
E há os homens que ligam a relação entre homem e mulher a um relacionamento estável e não gostam de pornografia. Isso se chama puritanismo. Isso não é exatamente respeito à mulher e disciplina do desejo sexual, o que é bom e eu também tenho (sério). Isso é repressão sexual, mesmo quando não chega a neurose. Esses têm um conceito do sexo altamente negativo. Não disse o apóstolo Paulo que "bom seria que o homem não tocasse em mulher" (I Co 7. 1)? Se o sexo é admitido dentro do casamento, é porque só a pureza da instituição do casamento supera, ou chega perto de superar, a imundice da prática e do desejo sexuais.
Vamos supor que demonstrar gosto pelo sexo ou uma desinibição em relação ao corpo seja a maior mácula moral para uma mulher. As mulheres que aparecem na pornografia são a maioria mulheres "comuns" do dia-a-dia. Veja bem: não são ninfomaníacas que se passam por mulheres "decentes", mas mulheres como a vizinha ou a balconista. Muitas fazem esses materiais uma vez só e pelo dinheiro que é pago. Para citar um exemplo, Rita Cadillac fez alguns vídeos pornôs pelo dinheiro, mas parece não ter gostado muito da experiência.1
Agora, vamos às perguntas. E se uma filha ou irmã minha estivesse num material pornográfico e eu descobrisse por acaso? Não deixaria de ser uma surpresa, mas nada de indignação. E se ela dissesse antes que estaria nesse material? Talvez eu faria algumas perguntas e veria o material depois. Em ambos os casos, eu poderia gostar ou não de acordo com o material em si. E não mostraríamos a todos os meus parentes, amigos e conhecidos porque nem todos teriam a mesma mentalidade que nós. E se ela fosse prostituta ou stripper e eu descobrisse por acaso, ou se ela mesma me dissesse que entraria em um desses trabalhos? Eu teria preocupação com ela estar com homens que não respeitam a mulher, que podem incluir o vizinho carola que proíbe a filha de usar batom. É isso. Ver a filha ou a irmã numa revista pornográfica ou trabalhando como prostituta para mim não seria o fim do mundo. E pra você?
======
1 "Rita comentou sobre os filmes pornográficos que protagonizou. 'Fiz por necessidade, precisava de dinheiro. Mas valeu para ver que aquilo não era o que queria para mim'." ("O gingado de uma ex-chacrete poderosa", Super Notícia, 15 de janeiro de 2009. Disponível em <http://www.otempo.com.br/supernoticia/noticias/?IdNoticia=22238>. Seção Variedades.)

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Mostrando a pornografia como ela (não) é

Abigail Pereira Aranha
Vamos começar citando um texto cristão conhecido, "Qual o problema em gostar um pouco de pornografia?", do rev. Augustus Nicodemus (que eu achei em http://www.ipb.org.br/estudos_biblicos/index.php3?id=6), com alguns comentários.
Consumir deliberadamente material pornográfico é contribuir para uma das indústrias mais florescentes do mundo e que, não poucas vezes, é controlada pelo crime organizado. Segundo um relatório oficial em 1986, a indústria pornográfica nos Estados Unidos é a terceira maior fonte de renda para o crime organizado, depois do jogo e das drogas, movimentando de 8 a 10 bilhões de dólares por ano.
Só páginas cristãs com referência a este texto trazem o dado de que "a indústria pornográfica nos Estados Unidos é a terceira maior fonte de renda para o crime organizado". Uma outra fonte traz que as três maiores fontes de renda ilegal no mundo são o tráfico de drogas, o tráfico de armas e o tráfico de pessoas1.
Não são poucos os relatórios feitos por comissões de pesquisadores que denunciam a estreita relação entre a pornografia e a crescente onda de estupros, assédio sexual e exploração infantil nos países "civilizados". Vários dos temas mais comuns em pornografia do tipo hardcore incluem cenas de seqüestro e estupro de mulheres, geralmente com espancamento e tortura, além de outras formas obscenas de degradação. A mensagem que a pornografia passa aos consumidores é que quando a mulher diz "não" na verdade está dizendo "sim", e que se o estuprador insistir, ela não somente aceitará como também passará a gostar. Assim, a violência contra a mulher é exposta como algo válido e normal. A mulher é vista como objeto sexual a ser usado ao bel-prazer dos homens.
(...) Associado com a pornografia hardcore está o surto de violência sexual contra as mulheres e crianças nas sociedades modernas onde esse material pode ser obtido facilmente. Estudos por especialistas americanos mostram que existe uma estreita relação entre pornografia e a prática de crimes sexuais. Eles afirmam que 82% dos encarcerados por crimes sexuais contra crianças e adolescentes admitiram que eram consumidores regulares de material pornográfico. O relatório oficial do chefe de polícia americano em 1991 diz: "Claramente a pornografia, quer com adultos ou crianças, é uma ferramenta insidiosa nas mãos dos pedofílicos [viciados em sexo com crianças]". A pornografia está estreitamente associada ao crescente número de estupros nos países civilizados. Só nos Estados Unidos, o número conhecido pela polícia cresceu 500% em menos de 30 anos, que corresponde ao aumento da popularidade e facilidade em se encontrar material pornográfico. Cerca de 86% dos condenados por estupro admitiram imitação direta das cenas pornográficas que assistiam regularmente.
Não conheço esses "não poucos" relatórios. Deve ser porque eu vejo pornografia, hehehehe. Só conheço dois estudos sobre o assunto, que dizem o contrário:
Wilson estabeleceu uma correlação entre a maior disponobilidade de material pornográfico (1960 – 1969) e delitos sexuais cometidos por adolescentes. Contrariamente ao que se esperava, o total de prisões de jovens por delitos sexuais diminui de 4% enquanto as prisões por outros crimes dobraram.
(...) Gebhard analisou as atitudes de 1500 delinquentes sexuais presos por delitos sexuais, comparando-os a delinquentes não-sexuais e a não delinquentes. Os delinquentes sexuais apresentaram o mais baixo nível de excitação perante os estímulos, exceção feita a homossexuais. Também notou-se que o delinquente sexual tinha uma experiência menos freqüente e menos intensa de pornografia, particularmente os que tinham se aproveitado de meninas pequenas.
EDITORA EDUCACIONAL BRASILEIRA. Enciclopédia pedagógica da educação sexual: a sexologia sem preconceitos. Curitiba: Editora Educacional Brasileira, pág. 142. Grifo no original. Do título "A pornografia e seus efeitos".
Mas se dermos crédito ao dado de que "82% dos encarcerados por crimes sexuais contra crianças e adolescentes admitiram que eram consumidores regulares de material pornográfico", é plausível que o comportamento criminoso os tenha levado a também consumir pornografia, não que a pornografia os tenha levado a esses crimes.
Uma pesquisa feita por Josh McDowell em 22 mil igrejas americanas revelou que 10% dos adolescentes havia aprendido o que sabiam sobre sexo em revistas pornográficas. 42% deles disse que nunca aprendeu qualquer coisa sobre o assunto da parte de seus pais. E outros 10% confessaram ter assistido a um filme de sexo explícito nos últimos 6 meses.
Para a falta de educação sexual no meio cristão, o autor propõe "desenvolver uma abordagem que trate da sexualidade de forma bíblica, positiva e criativa; tratar desses temas desde cedo com os adolescentes da Igreja expondo o ensino bíblico de forma positiva". Disse bem, mas isto soa como "já que não conseguimos proibir a educação sexual nas escolas, temos de administrar a derrota".
O autor cita no texto que pornografia pode ser encontrada no Brasil em "canais abertos de televisão". Que haja banalização do sexo na televisão, nós concordamos. Mas será que "pornografia" significa a mesma coisa para nós dois?
Agora, vamos a um texto ilustrativo de Cristiane Cardoso. Foi publicado no blogue Melhor do que Comprar Sapatos em 12 de março, disponível em http://melhordoquecomprarsapatos.blogspot.com/2009/03/pornografia.html. Vamos fazer comentários a esse texto que também se aplicam ao anterior:
Pornografia
Fiquei horrorizada outro dia quando visitei um fórum de discussões numa página do facebook sobre o filme Prova de fogo. As pessoas estavam condenando o filme pela sua mensagem contra a pornografia. De acordo com elas, isto é bom para o relacionamento sexual no casamento, pois apimenta mais as coisas. Eu queria gritar: "HOLA da terra! Que tipo de argumento é esse? Em que ano nós estamos?
Eis aqui o que eu penso sobre a pornografia. Ela é uma forma de denegrir a imagem das mulheres, do sexo e dos relacionamentos. Ela faz os homens parecerem animais e as mulheres um lixo. E por quê? Em quem você acha que o seu marido está pensando quando está na cama com você depois desse tipo de filme? Quem excita o seu marido, você ou o filme? E você ainda pensa que está tudo bem? Eu sinto muito por você – você de fato não enxerga o seu valor.
E para completar, este mal escancarado tem criado pervertidos dentro de boas famílias, os quais depois de um tempo, quando tudo se torna repetitivo, passam para a pornografia infantil. E já que a compulsão por coisas novas continua a lhes pedir por mais, eles se tornam estupradores. E o ciclo continua, bem diante dos nossos narizes, com a aprovação da maioria dos cidadãos deste mundo, pornografia não tem problema – dizem eles.
As mulheres não são objetos sexuais. As mulheres devem ser respeitadas, admiradas e cuidadas. Se você olha para a mulher da forma como eles retratam nestes filmes, vídeos, sites, revistas, rádio e canais de TV (note como esta peste se espalha!), você não a merece de forma alguma, seja ela uma amiga, uma esposa, uma namorada ou uma filha.
Na fé,
Cristiane Cardoso
A pornografia comum não leva à pedofilia. Você já imaginou um homem se acostumar a ver mulheres com seios desenvolvidos e querer penetrar crianças com a metade do tamanho?
A pornografia comum não leva ao estupro. O estupro não vem mais da vontade de fazer sexo do que do desprezo às mulheres em geral ou da vontade de se vingar da vítima em particular. Sem dúvida as cenas são inspiradoras, mas todas são com agressão? Mesmo quando realizá-las não é possível, o alívio pode vir de outras formas. Mas mesmo que ver sexo fizesse um homem a tentar fazer sexo a qualquer custo, por que esse homem não acha uma mulher que também esteja interessada? Qual a solução, então? Ainda mais puritanismo e soberba feminina? Duvidamos que alguém se reconheça num desses textos que mostra a pornografia comum levando a crimes ou perversões sexuais.
A pornografia comum não leva ao desrespeito à mulher. Quem não tinha antes uma visão pejorativa da mulher não vai gostar de uma cena ou palavras onde ela é desrespeitada, nem de imediato nem com a repetição. Então sexo hétero é desrespeito à mulher e ponto final? Aliás, desrespeitar a mulher e não reconhecer que uma mulher é mais do que um corpo é acreditar que a qualificação moral dela anda na direção contrária a quanto ela gosta de sexo ou quanto e com quantos ela já usou seu órgão sexual. Eu e algumas pessoas que gostam de pornografia (normal, bem entendido) achamos uma violência contra a mulher que Deus tenha achado digna de morte a mulher que perdeu a virgindade antes do casamento (Dt 22. 13 – 22), ao passo que os cristãos mais devotos crêem que alguma coisa, pelo menos na época, poderia justificar tal mandamento.
O combate à pornografia causa males reais sob a alegação de combater males alguns reais e outros imaginários. Uma professora foi suspensa na Itália, em novembro de 2007, por ter gravado vídeos eróticos2. Na China, o governo fechou 91 páginas por oferecer "conteúdos obscenos"3 e determinou que os computadores fossem vendidos com um programa para bloquear tais conteúdos4. Não é de surpreender que este seja o mesmo país onde um número estimado de trinta mil fiscais vigiam fóruns de debates e apagam comentários sobre temas proibidos5, sendo que quase todas as conexões do país passam por dezessete cabos6. A pornografia infantil é problemática e deve ser combatida, mas a educação sexual, o ensino de valores sólidos e a conquista da confiança dos filhos pelos pais são uma medida mais eficaz que bloquear o acesso das crianças a isso ou aquilo. Os filtros anti-sexo para proteger os menores são os protótipos de filtros contra qualquer conteúdo que convenha a um governo ou uma religião proibir.
E pornografia para pessoas normais existe. O que um cristão escreve sobre pornografia não é dirigido a quem a conhece e a procura, mas a quem não a conhece nem quer conhecer, que são exatamente os cristãos tradicionalistas. O cristão mediano conhece mal outros ramos do próprio Cristianismo, e pior ainda quem não leva seu Deus tão a sério quanto ele. Viciados em pornografia até existem, e devem ser tratados. Mas viciado em pornografia não é quem gosta mais de sexo que a bisavó do pastor. E o que se diz no meio cristão sobre pornografia não é para que um cristão possa ajudar um compulsivo e evitar o perigo de ele mesmo se tornar um, é para convencer homens e mulheres sexualmente insatisfeitos e jovens que cresceram levados à igreja pelos pais a continuarem a demonizar o sexo.
NOTAS:
1 NEGRÃO, Patrícia. Contra o tráfico de mulheres e crianças. Cláudia, ed. Abril, [s. d.]. Disponível em http://claudia.abril.com.br/materias/3551/?sh=31&cnl=35. Acesso em 02 de julho de 2009.
2 EFE. Professora italiana divulga vídeos eróticos e é suspensa. G1, 22 de novembro de 2007. Disponível em http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL189048-5602,00-PROFESSORA+ITALIANA+DIVULGA+VIDEOS+EROTICOS+E+E+SUSPENSA.html. Acesso em 02 de julho de 2009.
3 EFE. Governo chinês fecha 91 sites com pornografia. G1, 11 de janeiro de 2009. Disponível em http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL951068-6174,00-GOVERNO+CHINES+FECHA+SITES+COM+PORNOGRAFIA.html. Acesso em 02 de julho de 2009.
4 AP. PCs vendidos na China terão software para bloquear pornografia. G1, 08 de junho de 2009. Disponível em http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL1186714-6174,00-PCS+VENDIDOS+NA+CHINA+TERAO+SOFTWARE+PARA+BLOQUEAR+PORNOGRAFIA.html. Acesso em 02 de julho de 2009.
5 LORES, Raul Juste. Internet na China é monitorada por 30 mil pessoas, que até apagam posts. Folha Online, 10 de agosto de 2008. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u431438.shtml. Acesso em 10 de julho de 2009.
6 GARATTONI, Bruno. A outra Muralha da China. Superinteressante, ed. Abril, nº 255, agosto de 2008. Disponível em http://super.abril.com.br/revista/255/materia_revista_290808.shtml?pagina=1. Acesso em 22 de dezembro de 2008
~ * ~ * ~ * ~ * ~ * ~
E umas dicas de páginas:

quarta-feira, 15 de julho de 2009

O machismo não é uma ditadura masculina

Abigail Pereira Aranha

Quando se diz que uma sociedade é machista, sugere-se que é uma sociedade dominada pelos homens, onde as mulheres são submetidas aos interesses masculinos. Mas será que é o que aconteceu nas sociedades que chamamos de machistas? O modo de ser dessas sociedades não foi o poder de homens conquistadores sobre as mulheres.

Em algumas sociedades machistas, as mulheres não tinham vida fora de casa. Não trabalhavam ou estudavam. Quando saíam, estavam com o marido ou alguém da família. Isso não parece coisa de marido que quer esconder da mulher que o próximo homem que ela vir pela frente tem o pau maior que o dele?

Que ditaduras masculinas foram estas em que o homem era o provedor da casa? Será este o único reino onde era a nobreza que "pegava no pesado"?

Que ditaduras masculinas foram estas que puniam o estupro, às vezes com pena de morte? Nem todos os homens são estupradores, mas todos os estupradores são homens. Se os traficantes de drogas assumissem o poder, as drogas seriam ilegais?

Que ditaduras masculinas foram estas que proibiram a prostituição? São os homens que combatem um ramo de que eles mesmos são clientes? Quem detesta mais a prostituta que a mulher casada?

Que ditaduras masculinas foram estas em que quanto mais mulheres o homem pega mais homem ele é? Que grande coisa é esta de se exibir com uma vadia diferente toda semana? Que grande coisa é esta de ter amante, às vezes tendo filhos com ela? Foi ele que "traçou" uma mulher fora do casamento ou ela que pegou um homem casado? Já reparou que homem comprometido consegue mulher mais fácil? Um homem pode te dizer que compra um carro, compra uma roupa, faz uma faculdade ou se comporta de tal maneira para "pegar mulher".

Que ditaduras masculinas foram estas em que as mulheres se casavam cedo com um marido escolhido pelos pais? São os broxas que vão tirar onda com esposas com idade pra ser filhas ou netas deles ou as mocinhas que vão sair da adolescência com a vida ganha? (Bom, as duas coisas.) Se as mocinhas pudessem escolher, iam escolher o cafajeste mais rico que pudessem mesmo.

Que ditaduras masculinas foram estas em que o sexo só era aceito dentro do casamento? E em que o homem só conseguia casamento depois de bancar o príncipe encantado pra moça e provar pros irmãos que não queria só transar e cair fora e pros pais que pode dar um futuro pra princesinha. Já no primeiro livro da Bíblia, num episódio que teria acontecido perto de 2000 a. C., Jacó trabalha quatorze anos para seu tio Labão apenas para se casar com a filha dele, Raquel, sendo sete destes quatorze anos só depois de ter sido trapaceado pelo pai da moça (Gênesis 29:15 a 28). E se a esposa do João só podia transar com o João e a esposa do Pedro só podia transar com o Pedro, o João não teria a sua própria esposa transando com o Pedro, mas o João não podia transar com a esposa do Pedro, que era mais bonita e simpática que a dele. Os homens criaram um problema para eles mesmos?

Que ditaduras masculinas foram estas onde havia poligamia? O homem tinha duas mulheres pra transar ou duas mulheres pra sustentar, fora os filhos? E se numa população com meio a meio de homens e mulheres, como os homens opressores conseguiriam conviver onde metade dos homens tinham duas mulheres cada um e a outra metade não tinha mulher nenhuma?

Que ditaduras masculinas foram estas em que o casamento era, a princípio, para a vida toda? Quem ganhava com isso? A mulher que ia garantir sustento e a família dela que ia pegar carona no sucesso do homem, ou o homem que ia "traçar" uma mocréia que perdeu a beleza e a disponibilidade sexual com vinte anos de casamento?

Que ditaduras masculinas foram estas em que se faziam versos exaltando mulheres, não raro motivados por pouco mais que a beleza física delas? Na Idade Média foram feitas muitas cantigas, onde a mulher era tão maravilhosa que o homem não era digno dela. E se os homens eram uns beatos ignorantes e supersticiosos, imagine as madames.

Que ditaduras masculinas foram estas onde o homem tinha de ser pelo menos trabalhador, se não pudesse ser rico, e a mulher tendo beleza já tinha muito valor de mercado?

Que ditaduras masculinas foram estas onde o homem tinha que ser cavalheiro, romântico, solícito, e a mulher que desse um sorriso para um homem era uma declassificada? As mulheres não deviam aprender a serem simpáticas aos homens, e não que quanto mais frias com eles, mais respeitáveis elas são?

Soa estranho mostrar uma mulher com pouca formação escolar e profissional e dependente economicamente do marido como alguém que domina o mundo. Mas o machista opressor seria um homem que, embora não o diga abertamente, se reconhece feio, desinteressante, de mau desempenho sexual, grosseiro e inferior à mulher que pretende dominar. Isso parece o retrato de um imperador? Esse é um escravo da buceta inseguro. Escravos não governam e pessoas inseguras não conseguem governar.

O machista opressor é um escravo da buceta mal assumido. E tentando ser senhor de uma buceta, acaba sendo seu servo. Além de não ser um culto ao masculino, o suposto machismo opressor é um reconhecimento mal disfarçado de uma suposta superioridade da mulher, com uma reação hostil e temerosa a ela. O machismo, que tem nome de exaltação do macho, é, na verdade, o feminazismo praticado pelos homens.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Página no Facebook