sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

O machismo foi criado pelas mulheres - parte 10: mulheres hostilizam outras mulheres porque estas parecem "vadias", mas a culpa é dos homens e do machismo

A evolução da putice

Mulheres se empenham em agressão indireta e chamar de vagabunda, mesmo em estudos de pesquisa / investigação clínica. Por quê?

Olga Khazan - 20 de novembro de 2013


(stilettobootlover_83/flickr)

Um dia, em Ontário, 86 mulheres heterossexuais foram emparelhadas em grupos de duas - ou com uma amiga ou uma estranha - e levadas para um laboratório na Universidade de McMaster. Lá, um pesquisador / investigador disse que elas estavam prestes a tomar parte em um estudo sobre amizades femininas. Mas logo foram interrompidas por uma das duas mulheres.

Metade das participantes eram interrompidas por uma mulher loira atraente magra, com o cabelo em um coque, vestida com uma camiseta simples azul e saia cáqui, a quem os pesquisadores chamaram "a confederada conservadora."

A outra metade se encontraram em companhia da "confederada sexy", a mesma mulher, em vez disso vestindo uma blusa decotada, uma saia preta curta, botas, e seu cabelo sensualmente sem o coque.

Tracy Vaillancourt, professora de psicologia na Universidade de Ottawa, e uma estudante de PhD, Aanchal Sharma, em seguida, aferiram as reações das mulheres quando as confederadas, sensuais e não sensuais, saíram da sala. A métrica que elas usaram? Uma escala de "putice", é claro.

"Por que putice?", perguntei a Vaillancourt, perguntando por que ela escolheu usar uma palavra tão carregada.

"Putice é o termo que as pessoas usam", explicou ela. "Se eu pedir a alguém para descrever o que é isso, esse alguém diria que é 'mal-intencionado'."


Modelos "conservadora" e sexy (Aggressive Behavior)

As mulheres que fazem a classificação eram mais ou menos da mesma idade que os participantes, de 20 a 25, e observaram sinais como rolar o olho, olhando a confederada em cima ou em baixo, ou rindo sarcasticamente. Em um caso, um participante disse que a confederada sexy estava vestida para ter relações sexuais com o professor. Uma não esperou a mulher sexy sair da sala antes de exclamar: "Que porra é essa?!"

"Isso foi um 10 na escala de 1 a 10 de putice", Vaillancourt me disse.

O que Vaillancourt e Sharma descobriram, de acordo com um estudo publicado recentemente na revista Aggressive Behavior foi, essencialmente, que a confederada sexy não ia estar fazendo amigas do grêmio tão cedo. As mulheres eram muito mais propensas a serem mal-intencionadas com a confederada sexy, com o grande tamanho do efeito de 2, e suas reações mal intencionadas foram mais pronunciados quando as participantes estavam com as amigas, em vez de estranhas.


(Aggressive Behavior)

Vaillancourt sempre tinha sido interessada em bullying e popularidade, mas para ela, isso mostrou que as mulheres tendem a ter neblina entre si simplesmente por parecerem promíscuas.

O termo clínico para a putice as mulheres é "agressão indireta" - essencialmente, a agressão não se quer ser pego por ela.

"Você tende a fazer isso de modo que você não vai ser detectado", explicou ela. "Ou você dá uma desculpa para o seu comportamento, como, 'Eu só estava brincando." Agressão direta é apenas o que é: agressão física ou verbal".

Os psicólogos Roy Baumeister e Jean Twenge também têm teorizado que as mulheres, não os homens, são em grande parte as que suprimem as sexualidades uns dos outros, em parte através deste tipo de agressão indireta.

"A evidência favorece a visão de que as mulheres têm trabalhado para reprimir a sexualidade uma da outra porque o sexo é um recurso limitado que as mulheres usam para negociar com os homens, e a escassez dá às mulheres uma vantagem", escreveram eles.

Alguns poderão argumentar que é apenas natural para as mulheres em laboratório tratar mal a mulher vestida de forma provocativa. Afinal, este era um ambiente universitário, e vindo uma intrusa, "os peitos estavam prestes a saltar para fora", como uma participante disse. Que desagradável!

Então Vaillancourt realizou outro experimento no qual ela simplesmente mostrou às participantes do estudo uma das três imagens: Duas com a mulher vestida de forma conservadora e a mulher sexy, vestida como descrito anteriormente. Outra mostrava a mulher sexy com o seu corpo e rosto alterados digitalmente para parecerem mais pesados.


Fotos magra e pesada "sexys" (Aggressive Behavior)

Ela, então, perguntou a um grupo diferente das mulheres se elas gostariam de ser amigas da mulher na foto, apresentá-la a seu namorado (se elas tinham um), ou deixá-la passar um tempo com o namorado sozinha.

As participantes tendiam a responder "não" a todas as três perguntas para as mulheres "sexys" pesada ​​e magra. Elas eram quase três vezes mais prováveis, por exemplo, de apresentar a mulher vestida de forma conservadora ao seu namorado que a mulher sexy magra.

Para Vaillancourt, isto mostrou que as mulheres, "estão ameaçadas por, desaprovam, e punem as mulheres que parecem e / ou agem como promíscua", independentemente do seu peso.

O estudo de Vaillancourt é um pequeno, mas é um dos primeiros a demonstrar o "slut-shaming" (chamar de vagabunda) num contexto experimental. Mas as mulheres não saem muito bem em pesquisas anteriores sobre a agressão indireta, também.

Outros estudos têm mostrado que as mulheres universitárias graduandas são mais propensas a fofocar sobre alguém sob rumores de que teria prejudicado a sua própria reputação. As mulheres são mais propensas a formar alianças sociais e então gerenciar ameaças de estranhas através de exclusão social, em vez de, digamos, bater uma na outra. As garotas são mais propensas a ostracizar uma recém-chegada ou ser amiga de alguém por vingança.

Em sua pesquisa na década de 1990, o psicólogo da Universidade do Texas David Buss descobriu que as mulheres eram mais propensas que os homens a "derrogar", ou insultar, as suas rivais de acasalamento de duas maneiras, como ele descreveu para mim em um e-mail:

Em primeiro lugar, o fator "vagabunda": "espalhar fofocas que a mulher rival é 'fácil', dormiu com muitos parceiros, e está basicamente, nos meus termos, prosseguindo com uma estratégia de acasalamento de curto prazo."

Em segundo lugar, na aparência física: "Dizer que a mulher é feia, tem coxas gordas, e uma impressionante variedade de outras coisas cruéis sobre a aparência física e o modo de se vestir de uma rival, como vestindo roupas reveladoras, decotes ou saias curtas."

Em seu livro, The Evolution of Desire: Strategies of Human Mating (A Evolução do Desejo: Estratégias de Acasalamento Humano), Buss argumenta que as mulheres fazem isso porque, evolutivamente, as mulheres que estão dispostas a ter sexo casual minam os objetivos de mulheres que querem relacionamentos de longo prazo. Mulheres "vadias" insinuam para os homens que está tudo bem não se comprometer porque sempre haverá alguém disponível para dar o leite de graça, por assim dizer. A "derrogação" de seus pares visa, assim, prejudicar a reputação destas fêmeas desenfreadas.

É importante notar que as mulheres (e os homens) nem sempre envergonham conscientemente os seus rivais no curso de seus esforços de namoro. Um estudo de 2010 na revista Personal Relationships descobriu que houve pouca diferença entre os sexos em termos de estratégias utilizadas para atrair um companheiro. E as mulheres mais velhas geralmente não são tão indiretamente agressivas quando se trata de situações românticas como aquelas em seus 20 anos são.

"Eu não estaria incomodada por alguém vestida como essa", disse Vaillancourt, referindo-se à mulher vestida mais sedutora. "Mas se eu tivesse 20 anos, eu poderia estar incomodada por isso."

***

"Slut-shaming" é uma pedra angular da história de amor. Hester Prynne teve seu Scarlett A. Anna Karenina caiu de seu poleiro na sociedade depois de um caso com um oficial de cavalaria. Em um igualmente importante trabalho cultural, o She's All That de 1999, a garota popular Taylor humilha a ex-patinho feio Laney em uma festa após a última ser submetida a um embelezamento milagroso através da remoção de seus óculos e rabo de cavalo. (Isto é, alguém vai notar, talvez a melhor representação artística possível da experiência de Vaillancourt.)

Muitas das recentes manchetes em todas as pesquisas sobre agressão indireta feminina propõem que as mulheres têm "evoluído" para ser dessa maneira. Mas alguns estudiosos da agressão indireta argumentam que só porque o "slut-shaming" que Vaillancourt descobriu é um dos truques mais antigos no livro, não significa que ele é evolutivo ou "instalado".


Elizabeth I: cadela real?

(Wikimedia Commons)

"Por que essas mulheres estão fazendo isso? Eu acho que há muitas maneiras como nós poderíamos explicar isso", Agustin Fuentes, presidente do departamento de antropologia da Universidade de Notre Dame, me disse. "Em nossa sociedade, se lhe é dada a escolha entre estas imagens, você vai dizer, 'Eu não quero o meu cara ao lado de uma garota com uma saia curta.' Mas isso não é porque, evolutivamente falando, seu cara é mais propenso a trair você com a garota de saia curta."

Ele argumenta que, apesar de este e outros estudos mostrarem o quão importante a aparência física é para a maneira como as mulheres respondem umas às outras, há muita bagagem cultural em jogo para dizer que tudo isso vem de nossos ancestrais primatas. A combinação short-saia-botas, por exemplo, já é uma "imagem carregada de significado", disse ele.

Em sua própria pesquisa recente, Anne Campbell, uma psicóloga da Universidade de Durham, no Reino Unido, defendeu que as mulheres jovens tendem a usar agressão indireta em maior medida do que os homens jovens, em parte porque essa é a forma mais socialmente aceitável para as mulheres competirem.

Mas mesmo Campbell salienta que é difícil dizer se este fenômeno é evolutivamente ou culturalmente orientado.

E não é como se os homens não atacassem uns aos outros quando competem por recursos escassos, também.

Antes de 7 anos de idade, disse Fuentes, meninos e meninas são igualmente diretamente agressivos. Mas depois da infância, isso se torna menos aceitável para as meninas se agredirem fisicamente, assim as mulheres tornam-se muito mais agressivas indiretamente (ou "mal-intencionada"), enquanto os homens continuam a ser o bom e velho diretamente agressivo. Mas pelo tempo que as pessoas chegam em idade ativa e mais além, disse Fuentes, os níveis de agressão indireta entre os sexos até mesmo se revelam.

"Aos 15 anos, você pode se envolver como um macho em agressão direta, sem muitas repercussões", disse ele. "Mas aos 25, você está na cadeia."

Na verdade, Buss descobriu que os homens são "cadelas" sobre seus rivais, também, eles só tendem a insultar a sua falta de dinheiro ou status, as coisas que as mulheres tradicionalmente têm valorizado em companheiros, em vez de sua aparência física. Eles não fazem tanto "slut-shame", Buss argumenta, porque as mulheres ainda vão namorar homens "galinhas".

"Os homens derrogam outros homens sobre as coisas que as mulheres valorizam [sugestões para a proteção e sugestões para recursos e status], e as mulheres derrogam outras mulheres sobre as coisas que os homens valorizam [fidelidade sexual e atração física]," ele me disse.

***

Estudos baseados em alunos de graduação são frequentemente denunciados por não serem representativos da vida real, mas, neste caso, a faixa etária é bastante válida. A notícia está cheia de histórias de mulheres universitárias e adolescentes se sentindo envergonhadas depois de terem sido agredida sexualmente ou mesmo cometendo suicídio depois de serem chamadas de "prostitutas" por seus pares.

Então, não podemos fazer nada sobre nossas tendências mal intencionadas? Apesar de seu ceticismo sobre isso refletindo sobre a evolução, Fuentes disse que o estudo é interessante porque mostrou que a agressão indireta é muito real e pode ser estimulada com apenas uma imagem.

"Estas construções sociais são reais para nós", disse Fuentes, "Mas nós podemos mudar isso."

A malícia é prejudicial para a autoestima das vítimas, mas Vaillancourt argumenta que, ao nos tornarmos mais cientes disso, podemos tentar suprimi-la.

"Estudos mostram que se você alterar a cognição, você muda o comportamento", disse ela. "Esse comportamento faz mal. As pessoas ficam deprimidas se são atacadas desta forma."

Buss não é tão otimista, dizendo que não é fácil mudar algo que pode, seja através da evolução ou condicionamento, tornar-se reflexiva.

Ele disse que conter a putice é uma área em que os homens podem ser uma ajuda, em vez de simplesmente o objeto da competição.

"A única maneira em que isso poderia mudar é se os homens parassem de valorizar a fidelidade sexual e a atratividade física em companheiros de longo prazo", disse ele.

"É improvável que isso aconteça", embora, uma vez que "essas preferências de companheiro evoluídas em homens são tão 'instaladas' como preferências alimentares evoluídas para coisas ricas em gordura e açúcar."

A natureza humana pode ser uma vadia.

"The Evolution of Bitchiness", The Atlantic, 20/11/2013, http://www.theatlantic.com/health/archive/2013/11/the-evolution-of-bitchiness/281657.

Escrevi em "O machismo foi criado pelas mulheres - parte 1: como o machismo comecou", novembro de 2010

Continuando, as mães criavam os filhos desde quando o homem nem era homem direito. Não faz mais sentido elas criarem filhos que farão um mundo em que elas vão ser valorizadas, e não discriminadas, exploradas, reprimidas? Voltando ao homem macaco. Os machos escolhiam as fêmeas mais atraentes fisicamente e as fêmeas escolhiam os machos mais fortes, mais valentes, melhor caçadores. Se você acredita em Evolução, o que você imagina que uma fêmea poderia fazer pra perpetuar os seus genes mesmo sendo uma baranga?

Que tal uma sociedade onde em primeiro lugar o sexo é um palavrão - literalmente? Que tal uma sociedade onde um homem só vai ter chance de fazer sexo com uma única mulher, a vida toda? Onde uma mulher pode morrer se transar com o parceiro estável de outra mulher? Você pensou nas mulheres mortas por adultério achando que é violência do homem contra a mulher? Eu vou falar disso em outro texto. Que tal uma sociedade onde essa relação não tem só sexo, mas a obrigação de sustentar a mulher? E que tal se essa relação for indissolúvel, ou pelo menos uma desgraça pra desfazer?

Está certo que eu não tirei isso de nenhuma pesquisa arqueológica, mas você vai concordar que pelo menos faz sentido. E se eu estiver certa, não tem como provar.

(http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2010/11/o-machismo-foi-criado-pelas-mulheres.html)

Conclusão

Primeiro, obrigada ao amigo Bradon Kamato por ter compartilhado o texto original no perfil dele no Facebook. Já lhe devo, pelo que me lembro agora, outras três traduções que eu publiquei aqui a pedido dele, de textos sobre questões masculinas ou Feminismo que fizeram muito sucesso neste blogue. Dessa vez, eu fui só fazer uma visita à linha do tempo dele e achei o original, pensei no texto e resolvi deixar como surpresa.

Eu construí meu trabalho, se eu puder, estimular pensamento são e lógico, independentemente dos nossos autorreivindicados centros de conhecimento e informação, que de 2010 até agora só foram aumentando em taxas de militantes esquerdistas, fanfarrões e profissionais simplesmente medíocres. Se eu vejo uma fonte "confiável" confirmando o que eu disse, através de apenas pensamento são, três anos antes, isso não é bom porque esta fonte confirmou o que eu disse, é bom porque esta fonte, embora tentasse dizer o contrário, não poderia deixar de confirmá-la.

Sim, eles tentaram explicar isso de alguma forma que poderia salvar o Feminismo! Embora os dados empíricos mostrassem o que eu venho dizendo desde 2010, o machismo foi criado por mulheres, o que este artigo diz na conclusão? MULHERES agredindo uma à outra por SUAS próprias conveniências é MACHISMO e é algo por que OS HOMENS devem ser responsabilizados. Que tal um homem BATENDO OU ASSASSINANDO outro homem porque uma mulher fez uma queixa de assédio sexual, como o caso Emmett Till e centenas de outros no ano passado no Brasil, por exemplo? Isto é Feminismo e algo que as mulheres podem ser uma ajuda para parar?

Ah, David Buss disse que "a única maneira em que isso poderia mudar é se os homens parassem de valorizar a fidelidade sexual e a atratividade física" quando escolhem uma mulher. OK, agora a sua próxima pesquisa está marcada em alguns bairros pobres, para selecionar algumas mulheres feias ou adúlteras, ou ambos, e contar quantas delas são casadas. Hua, hua, hua, hua, hua!

Meu trabalho na blogosfera é uma proposta de, em primeiro lugar, pensamento inteligente, em um sentido de apreensão mental do mundo real na vida cotidiana. Em uma coincidência, minha licenciosidade pessoal, o próprio sexo livre e a estultícia feminina são alguns dos meus assuntos habituais desde 2006. É por isso que eu percebi o que este estudo mostra três anos antes de este artigo.

Se "a evidência favorece a visão de que as mulheres têm trabalhado para reprimir a sexualidade uma da outra", ela explica, além de um patriarcado que vilipendia a prostituição, a pornografia, a promiscuidade e a sensualidade, a existência de mulheres feministas disfarçadas de professoras universitárias que defendem a criminalização da pornografia e da prostituição, mesmo do sexo hétero em si? Assim, o único caminho para as mulheres que parecem ser ou realmente são libertinas não receberem animosidade de outras mulheres passa por não colocar o universo feminino como padrão da vida da sociedade ou inabaláveis vítimas de homens. Portanto, descartar o ginocentrismo e o Feminismo. Seu espantalho machismo ou patriarcado vai junto.

Abigail Pereira Aranha

Seção de sexo, safadeza, putaria, mulher pelada, pornografia
Section of sex, lust, licentiousness, naked woman, pornography
Section de sexe, luxure, débauche, femmes nues, pornographie
Sezione de sesso, libertinaggio, lussuria, donna nuda, pornografia
Sección de sexo, perrez, putaría, mujer desnuda, pornografía

German anal bukkake gangbang

Wild Group Sex - Here is the place with the craziest orgies, the hottest chicks and the naughtiest action!

Gangbang bukkake anal alemão

Wild Group Sex - Aqui é o lugar com as orgias mais loucas, as garotas mais quentes e a ação mais lasciva!

Gangbang bukkake anal allemande

Wild Group Sex - Voici l'endroit avec les orgies les plus folles, les filles les plus chaudes et l'action plus lascive!

Orgia bukkake anal alemán

Wild Group Sex - ¡Aquí es el lugar con las orgías más locas, las chicas más calientes y la acción más lujuriosa!

Gangbang bukkake anale tedesco

Wild Group Sex - Qui è il luogo con le orge più folli, le ragazze più calde e l'azione più lussuriosa!


german anal bukkake gangbang
Lexxxi Luxe gets plowed by 2 BBC
Lexxxi Luxe é arada por 2 BBC (BBC: Big Black Cock - grande rola / pixa negra)
Lexxxi Luxe est labourée par 2 BBC (BBC: Big Black Cock - grosse bite noire)
Lexxxi Luxe es arada por 2 BBC (BBC: Big Black Cock - gran polla negra)
Lexxxi Luxe è solcata da 2 BBC (BBC: Big Black Cock - grande cazzo nero)

GILF Nina Hartley gets an anal

(GILF: Granny I'd Like to Fuck)

The Humanist: You're a self-described radical feminist. Please explain what a radical feminist is.

Nina Hartley: I'm a feminist and some of my ideas are radical, but I'm not a "radical feminist," which occupies its own sub-division of feminist thought. Radical feminists, for all their bloviating and over-intellectualizing about it, really, really just don't like men. Period. Their philosophy boils down to "Men bad. Women good." I reject that notion categorically. Unfortunately, the "men bad, women good" meme has taken hold in the public consciousness and people now think that feminists don't like sex or men, which is bunk.

I'm more a classical liberal feminist: equal pay for equal work, on-site day care, single-payer health coverage, equal opportunity through skills and aptitude instead of gender, generous maternity and paternity leave, and the like. I believe that men and women are both victimized by the patriarchal culture, just in different ways, by different means, for different reasons, and with different results.

I'm well hated in radical feminist circles for the supposed harm I do to women and by the fact that I have sex on camera, both for and with men. I no longer try to talk to them, as I realize radical feminists are just another form of hate group. They really believe that women can't consent to any sexual encounter and I categorically reject that.

"Atheism, Ethics, and Pornography: An Interview with Nina Hartley", The Humanist, August 26, 2010, http://thehumanist.com/magazine/september-october-2010/features/atheism-ethics-and-pornography-an-interview-with-nina-hartley.

GILF Nina Hartley leva um anal

(GILF: "Granny I'd Like to Fuck", vovó que eu gostaria de foder)

The Humanist: Você é uma auto-descrita feminista radical. Por favor, explique o que é uma feminista radical é.

Nina Hartley: Eu sou uma feminista e algumas das minhas ideias são radicais, mas eu não sou uma "radical feminista", que ocupa sua própria sub-divisão do pensamento feminista. Feministas radicais, por toda a sua verborragia e superintelectualização sobre isso, realmente só não gostam de homens. Ponto. Sua filosofia se resume a "Homens maus. Mulheres boas." Eu rejeito essa noção categoricamente. Infelizmente, o meme "homens maus, mulheres boas" fecundou na consciência pública e agora pensam que as feministas não gostam de sexo ou homens, o que é mentira.

Eu sou mais uma feminista clássica de esquerda: igualdade de remuneração para trabalho igual, creche no local, cobertura de saúde de pagamento único, igualdade de oportunidades com habilidades e aptidão em vez de gênero, maternidade e paternidade generosas, e afins. Eu acredito que homens e mulheres são ambos vitimados pela cultura patriarcal, só de diferentes maneiras, por meios diferentes, por diferentes razões e com resultados diferentes.

Eu sou bem odiada em círculos feministas radicais pelo suposto mal que eu faço para as mulheres e pelo fato de que eu faça sexo na câmera, para e com os homens. Eu já não tento falar com elas, como eu percebo que feministas radicais são apenas outra forma de grupo de ódio. Eles realmente acreditam que as mulheres não podem consentir qualquer encontro sexual e eu rejeito categoricamente isso.

"Atheism, Ethics, and Pornography: An Interview with Nina Hartley" (Ateísmo, ética e pornografia: entrevista com Nina Hartley), The Humanist, 26 de agosto de 2010, http://thehumanist.com/magazine/september-october-2010/features/atheism-ethics-and-pornography-an-interview-with-nina-hartley.

GILF Nina Hartley prend une anale

(GILF: "Granny I'd Like to Fuck", mamie je voudrais baiser)

The Humanist: Tu es une décrit lui-même féministe radicale. S'il vous plaît expliquer ce qu'est un féministe radicale est.

Nina Hartley: Je suis féministe et certaines de mes idées sont radicales, mais je ne suis pas une "féministe radicale", qui occupe son propre sous-division de la pensée féministe. Les féministes radicales, pour tout leur verbiage et plus-intellectualisation à ce sujet, vraiment, vraiment tout simplement pas apprécient les hommes. Point final. Leur philosophie se résume à "Hommes mauvais. Femmes bonnes." Je rejette catégoriquement cette idée. Malheureusement, le mème "hommes mauvais, femmes bonnes" a pris racine dans la conscience publique et les gens pensent maintenant que les féministes ne aiment le sexe ou les hommes, qui est un mensonge.

Je suis plus une féministe de gauche classique: un salaire égal pour un travail égal, la garde d'enfants sur place, la couverture de santé à payeur unique, l'égalité des chances grâce à des compétences et des aptitudes à la place de l'égalité, maternité et paternité généreuses, et autres. Je crois que les hommes et les femmes sont à la fois victimes de la culture patriarcale, juste de différentes manières, par des moyens différents, pour des raisons différentes, et avec des résultats différents.

Je suis bien détesté dans les cercles féministes radicales pour le préjudice supposé que je fais pour les femmes et par le fait que je fais sexe à la caméra, à la fois pour et avec les hommes. Je ne cherche plus à leur parler, je me rends compte que les féministes radicales sont juste une autre forme de groupe de haine. Elles croient vraiment que les femmes ne peuvent pas consentir à toute rencontre sexuelle, et je rejette catégoriquement.

"Atheism, Ethics, and Pornography: An Interview with Nina Hartley" (Athéisme, l'éthique et la pornographie: une entrevue avec Nina Hartley), The Humanist, 26 de août de 2010, http://thehumanist.com/magazine/september-october-2010/features/atheism-ethics-and-pornography-an-interview-with-nina-hartley.

Gilf Nina Hartley lleva un anal

(GILF: "Granny I'd Like to Fuck", abuela me gustaría follar)

The Humanist: Eres una autodenominada feminista radical. Por favor, explique lo que una feminista radical es.

Nina Hartley: Soy feminista y algunas de mis ideas son radicales, pero yo no soy una "feminista radical", que ocupa su propia subdivisión del pensamiento feminista. Las feministas radicales, por toda su verborrea y el exceso de intelectualización acerca de eso, realmente, realmente no les gusta los hombres. Período. Su filosofía se resume en "Hombres malos. Mujeres buenas." Rechazo esa idea categóricamente. Por desgracia, lo meme "hombres malos, mujeres buenas" ha arraigado en la conciencia pública y la gente piensa ahora que las feministas no les gusta el sexo o los hombres, lo que es una tontería.

Yo soy más una feminista de izquierda clásica: igual salario por igual trabajo, cuidado de niños en el lugar, la cobertura de salud de pagador único, igualdad de oportunidades a través de habilidades y aptitudes en lugar de género, maternidad y paternidad generosas, y similares. Yo creo que los hombres y las mujeres son a la vez víctimas de la cultura patriarcal, sólo que en diferentes maneras, por diferentes medios, por diferentes razones, y con diferentes resultados.

Yo soy bien odiaba en los círculos feministas radicales por el supuesto daño que hago a las mujeres y por el hecho de que tengo relaciones sexuales en cámara, tanto para y con los hombres. Ya no trato de hablar con ellas, ya que me doy cuenta de las feministas radicales son sólo otra forma de grupo de odio. Ellas realmente creen que las mujeres no pueden dar su consentimiento para cualquier encuentro sexual y yo categóricamente rechazo eso.

"Atheism, Ethics, and Pornography: An Interview with Nina Hartley" (Ateísmo, Ética, y la pornografía: una entrevista con Nina Hartley), The Humanist, 26 de agosto de 2010, http://thehumanist.com/magazine/september-october-2010/features/atheism-ethics-and-pornography-an-interview-with-nina-hartley.

GILF Nina Hartley prende un anale

(GILF: "Granny I'd Like to Fuck", nonna vorrei scopare)

The Humanist: Sei una femminista radicale auto-descritta. Si prega di spiegare quello che una femminista radicale.

Nina Hartley: Sono una femminista e alcune delle mie idee sono radicali, ma io non sono una "femminista radicale", che occupa la propria suddivisione del pensiero femminista. Femministe radicali, per tutta la loro prolissità e super-intellettualizzazione a questo proposito, davvero, davvero non le piace agli uomini. Periodo. La loro filosofia si riassume in "Uomini cattivi. Donne buone". Io respingo categoricamente tale nozione. Purtroppo, gli "uomini cattivi, donne buone" meme ha preso piede nella coscienza pubblica e la gente ora pensano che le femministe non le piace il sesso e gli uomini, che è una bugia.

Sono più di una classica femminista di sinistra: la parità di retribuzione a parità di lavoro, servizi per l'infanzia sul posto, copertura sanitaria singolo contribuente, pari opportunità attraverso le competenze e l'attitudine al posto del genere, maternità e paternità generose, e simili. Credo che gli uomini e le donne sono entrambi vittime di cultura patriarcale, solo in modi diversi, con diversi mezzi, per diversi motivi, e con risultati diversi.

Io sono bene odiata nei circoli femministi radicali per il danno presunto che devo fare per le donne e per il fatto che faccio sesso sulla camera, sia per e con gli uomini. Io no cerco più di parlare con loro, come mi rendo conto femministe radicali sono solo un'altra forma di gruppo di odio. Loro davvero credono che le donne non possono acconsentire a qualsiasi incontro sessuale ed io categoricamente rifiuto questo.

"Atheism, Ethics, and Pornography: An Interview with Nina Hartley" (Ateismo, Etica, e pornografia: un'intervista a Nina Hartley), The Humanist, 26 di agosto di 2010, http://thehumanist.com/magazine/september-october-2010/features/atheism-ethics-and-pornography-an-interview-with-nina-hartley.