quarta-feira, 29 de julho de 2015

A pedofilia e os anos dourados da direita

Abigail Pereira Aranha

Vou ter de dar um puxão de orelha nos amigos cristãos de direita, mas desde o começo eu entrei pra somar. Como eu sou anarquista, ateia e contra a castidade, eu posso observar alguns erros da direita e dos cristãos antiesquerdistas que eles podem nem perceber que são erros. O caso das matérias na imprensa associando a página Tioastolfo ao Robson Otto Aguiar e ao Emerson Eduardo Rodrigues acabou ilustrando o que eu estou tentando explicar desde exatamente 49 dias antes com o texto "Esqueça a pedofilia, o perigo é outro". É melhor eu passar para o leitor ler tudo que tentar resumir: o texto está em http://avezdoshomens.blogspot.com/2015/06/esqueca-pedofilia-o-perigo-e-outro.html. Alguns comentários na postagem do Portal R7 no Facebook de u'a matéria da Rede Record de anteontem podem ser ilustrativos:


Vera Santo Isso e só um dos milhares exemplo de que o sistema do Brasil e fraco e nao funciona.E eles desafiam mesmo ,fazendo e acontecendo.Por que nao sao punidos.

Etelvino Torres Fuzilamento pra esse demônio

Evanildo Gomes Um tiro de escopeta no meio da testa resolve tudo isso, mas no Brasil, vão prender o cara, pra engordar ele mais ainda às nossas custas, é por isso que ele não está dando a mínima, em dizer tudo isso em seu blog, manda pra Indonésia, e me avisa o dia da execução.

Miriam Santos Quando o Brasil tiver pena de morte aí melhora, nossos governantes não tá né aí as coisas não acontece com eles acordam por favor.

Eliane Esteves Eu quero ver ele desafiar a Deus.

Iloi Lavratti Pena de morte para estupradores!...

Rafael Moraes Esse estrupador não era para prender e sim para matar

Cibele Santos Meu deus q absurdo e kd a prisão perpétua e kd a pena d morte , sei la o mundo ta perdido não sei d mais nada .

Estrela Sol No Brasil, você rouba, mata, estupra, desafia a polícia e a justiça e ainda vira notícia. Lamentável.

José Ricardo Campos Segundo o humaniza sus ele é um povre coitado doente.

Precisa de tratamento médico, se bem que chumbo seria mais adequado.

Quem destes comentaristas não for de direita disse o que um direitista poderia ter dito. Vou sair um pouco do assunto pra dizer uma coisa que eu deixei passar: mesmo que existisse uma campanha esquerdista para que a pedofilia fosse classificada como doença, isso não significaria não punir sexo com crianças. Um pedófilo que estuprasse uma criança seria preso como estuprador de vulnerável (artigo 217-A do Código Penal), não pela pedofilia, com pena reduzida (artigo 26 parágrafo único) em medida de segurança, que pode ser tratamento ambulatorial ou internação em hospital de custódia e tratamento psiquiátrico, como regulado no Título VI, "Das medidas de segurança", artigos de 96 a 99. Os liberais estão apanhando de esquerdistas, inclusive do próprio Humaniza Redes, por esta gafe.

O meu assunto aqui é como a questão da pedofilia pode enterrar a direita, como eu avisei 51 dias atrás.

Até pelo menos a década de 90, só mentes muito brilhantes ou ex-militantes de esquerda hostilizados pelos ex-companheiros sabiam que ser contra o Socialismo não significava necessariamente ser de direita cristã, mas o público geral já sabia que ser contra o moralismo puritano ou discordar do darwinismo social significava aderir, conscientemente, ao movimento esquerdista pelo menos em parte. E não digo isso só no Brasil. Não apenas o movimento liberal, o antissocialismo perdeu colaboradores valiosos, gente inteligente, culta e de ótimo caráter, porque não estava clara a diferença entre combater uma censura nacional à internet como acontece na China e um microempresário instalar spywares e bloquear acesso a blogues nos computadores da própria empresa; ou entre lutar para evitar um racionamento como o de Cuba ou da Venezuela e amaldiçoar a existência do salário mínimo; ou entre lutar pelo direito de ser heterossexual (não contra os homossexuais, mas contra o Movimento LGBT) e nunca ter uma boa foda na vida; ou entre ser uma mulher antifeminista e ser uma megera com cara de mal resolvida sexualmente. Então, a defesa do Cristianismo tradicional inclusive nos Estados Unidos e do pensamento de direita no Brasil ficaram por conta de meia dúzia de cidadãos comuns que arregaçaram as mangas para defender o que pregavam, em geral em iniciativas particulares na internet; enquanto o Socialismo cresceu inclusive nos Estados Unidos. O próprio movimento liberal tem um problema: por que nenhuma empresa privada é conhecida por defender as ideias liberais, mas qualquer empresa de ônibus com cinco linhas pode anunciar um "compromisso com o meio ambiente", por exemplo? Este é um bom assunto para outro texto.

Aqui eu chamo a atenção do parceiro Emerson Eduardo Rodrigues para o nome "Movimento Capitalista" do grupo que ele criou: o nome pode ser uma boa publicidade, até uma zoeira com os esquerdopatas, mas não pode simbolizar um erro. Muitos liberais defendem o Capitalismo, mas ninguém quer destruir o Capitalismo, pelo menos não alguém que tenha poder. O que os socialistas querem destruir é a democracia e o Cristianismo. Ops! O leitor não sabia que o Emerson tinha essa iniciativa? Ele também tem um trabalho antifeminista há uns 10 anos, mesmo quem duvide de que ele era o Nessahan Alita não pode negar que ele é antifeminista. Isso tem a ver com aquela incriminação dele hoje e em 2011. E o Robson tem o blogue Expressotemdetudo onde ele publicou há pouco tempo uma entrevista com o Emerson sobre aquele caso de, usando o termo do Romeu Tuma Junior, assassinato de reputação. Peço ao leitor que mantenha essas informações em mente.

O que fez o pensamento de direita cristã, especificamente, ganhar espaço foi aquele trabalho de pessoas esparsas na internet e a própria ascensão da esquerda ao poder formal no mundo. O poder dá aos políticos de esquerda e aos movimentos de esquerda a chance de fazer "cagada". Então, aparecem cada vez mais negros contra o Movimento Negro, gays contra o gayzismo, pobres contra os partidos de esquerda, mulheres contra o Feminismo. E a direita começa a ser procurada. Eu mesma, com aquele meu perfil que eu mostrei e os meus leitores mais velhos conhecem, tenho a grande maioria dos amigos cristãos tradicionais ou de direita, que eu fui achando ou que me acharam. A esquerda cresceu pelas falhas da direita cristã, a direita cristã ganhou visibilidade e atratividade pelas falhas da esquerda. Até pelo menos a década de 90, muita gente boa se aliou à esquerda só para não ser associado à direita cristã. De uns 20 anos pra cá, muita gente boa se aliou à direita porque a esquerda mostrou que consegue ser pior. Mas o problema é que parece que alguns direitistas acreditam mesmo que este sucesso veio das pregações economicistas ou puritanas.

E o que isso tem a ver com pedofilia? Só para dar uma ideia, eu vi na mesma quinzena (a primeira de julho) a palavra "pedofilia" ser aplicada por um ateu antipetista à Igreja Católica; por mulheres antifeministas, comentando na página Mulheres Contra o Feminismo, a uma professora presa por ter transado com três alunos de 16 e 17 anos (idade em que, de acordo com alguns estudiosos bíblicos, Maria já era mãe de Jesus Cristo); por liberais como Alexandre Borges e Rodrigo Constantino ao PT só porque o Humaniza Redes publicou no Facebook uma postagem distinguindo a pedofilia do estupro de vulnerável; e por comentaristas esquerdistas ao autor da mesma postagem. Entenderam agora que defesa da pedofilia não existe, existem casos de estupro de vulnerável?

Eu mesma comecei um trabalho na internet em 2006 que não tinha muitas pretensões, só me mostrar como uma mocinha com raciocínio normal e moralidade normal usando a internet para compartilhar algumas ideias. Entre essas ideias, a de que uma mocinha pode compartilhar pornografia e ter uma vida de putaria sem deixar de ser normal, hehehehe. Deste trabalho, eu ganhei leitores que são meus amigos virtuais até hoje. Só pela minha filosofia e pela minha atividade na área sexual na época, eu seria acusada de contribuir para o machismo cristão pelas mulheres feministas e de contribuir para o feminismo ateu pelas mulheres cristãs tradicionais. Eu não teria espaço na direita cristã porque eu não acredito em Deus, na religião, na castidade, no casamento ocidental convencional e na ideia de que o empresariado privado pode resolver tudo; mas eu nunca confiei na esquerda porque eu sabia que aquela conspiração de ricos planejando o mal dos pobres ou de homens oprimindo as mulheres era muito mal contada, mesmo que a esquerda tivesse a única voz ouvida na escola. Mas eu conhecia a produção cultural da militância socialista. E a da militância liberal?

Repito: o que dá visibilidade à direita cristã hoje é que a esquerda mostrou como é louca. Mas se formos ver nas ruas (ou na internet mesmo) o que quem é de fora entende como pensamento de direita, o que a gente pode receber de respostas? 1) privatização geral; 2) redução de impostos; 3) Estado mínimo (ou o fim do Estado); 4) "livre negociação" dos direitos trabalhistas; 5) pena de morte; 6) família tradicional; 7) defesa da "moral e os bons costumes". Bom, eu estou só imaginando. Mas até essa lista, se for verdade, já mostra como até nisso a esquerda brasileira está com pelo menos 20 anos de vantagem. 1) As privatizações e as concessões antes do governo Lula tiveram coisas escandalosas denunciadas pela própria esquerda na época. 2) Vários países desenvolvidos têm carga tributária maior que a nossa, aí a esquerda diz que é o burguês que é pão-duro e não gosta de pagar imposto pra ajudar os pobres. 3) A esquerda associa os defensores do Estado Mínimo aos pilantras que patrocinam campanha política para enriquecer com dinheiro público em privatizações e terceirizações e aos pãos-duros que moram na área nobre. 4) Qualquer proletário que já saiu de um emprego quer ver a Justiça do Trabalho continuar existindo. 5 a 7) Nem todo direitista é cristão pró-estupro moralista gay homofóbico, assim como nem sempre é burguês, mas até essa confusão a esquerda conseguiu construir.

Aquele combate dos direitistas a uma defesa da pedofilia pela esquerda é só um exemplo de um erro grave: a direita cristã brasileira morreu na guerra cultural de tiro pelas costas. Intelectualmente, se tirarmos as críticas legítimas e demolidoras às atrocidades dos políticos socialistas e da militância de esquerda, uns 90% dos escritores de direita e das comunidades de direita em redes sociais do século XXI foram enterrados no século XIX pelo Manifesto Comunista e nem sabem disso. Pensadores liberais e, mais ainda, estrategistas liberais, pelo menos no Brasil, são pouquíssimos e com um trabalho que só se fez conhecido pela internet. Ainda assim porque a esquerda não tinha chegado ao poder formal antes, como aconteceu na China ou em Cuba. E quando eles apareceram, a militância socialista já estava nas universidades, na imprensa, na produção de livros didáticos e até nas igrejas tradicionais. Se quem estava escrevendo em jornais, em livros de Geografia ou em trabalhos técnicos não era militante esquerdista, estava intimidado pela militância, e em geral se rendia por escolha. Então, o povo não conhecia um pensador liberal de verdade, com a possível exceção de uma coluna de jornal de algum herói isolado. Talvez o leitor não tenha se dado conta: quando o escândalo do Mensalão estourava no Jornal Nacional, em 2005, os dois partidos que tinham "liberal" no nome "sumiram" quase ao mesmo tempo. O Partido Liberal se fundiu ao PRONA em outubro de 2006 e a fusão é o Partido da República, o Partido da Frente Liberal mudou de nome para Democratas em 2007. Pior: a oposição neoliberal-fascista ao Partido dos Trabalhadores era principalmente aquele DEM e o Partido da Social-Democracia Brasileira, e Social-Democracia é esquerda moderada. Entenderam a gravidade? Num escândalo do Mensalão que poderia fazer o Socialismo impronunciável pelos próximos 20 anos, o Liberalismo "não existia" no mundo das ideias ou das palavras, a não ser onde a esquerda dizia que ele estava. Porque o esquerdismo tomou o controle cultural. Por isso que quando o esquerdismo passa vergonha, ele pode jogar fora a "parte gasta" e continuar vivo. Alguns exemplos, para que os leitores direitistas fiquem alertas: 1) Há esquerdistas dizendo que o PT é de direita ou de centro-direita desde o primeiro mandato de Lula. 2) Já apareceram lésbicas feministas com cartazes contra os "vagões rosas" em um protesto em São Paulo. 3) Eu já vi uma mulher de esquerda dizer no Facebook que a Marcha das Vadias foi feita por moças de "classe média", como se isso fosse incompatível com ser socialista. 4) Já existe um "Feminismo 2.0" da "ex-feminista" Tammy Bruce, que gravou um vídeo que começo diz que o Feminismo foi bom para as mulheres e no fim discute, de leve, direitos humanos dos homens (um texto a respeito está em http://www.criticapolitica.org/2015/03/feminismo-20-para-acabar-com-o-discurso.html e, para termos uma ideia do que eu estou dizendo, a legenda em português é dos Tradutores de Direita).

Voltando à questão da pedofilia, aquele caso do Humaniza Redes pode ser um indicativo de que a esquerda pode estar com pelo menos uma elite de tamanho visível que conseguiu se livrar da histeria e do analfabetismo funcional que a militância produziu na população geral. E não digo "população geral" apenas como um proletário de salário mediano. Aquela também é regra geral entre os graduados e pós-graduados nas universidades, no meio empresarial e no jornalismo. Não é só gente medíocre que se vende ao Socialismo ou ao governo por status. Alguns são idiotas de verdade onde não se sente falta da inteligência.

Aliás, eu volto àquele caso da Mulheres Contra o Feminismo: elas comemoravam a prisão de uma professora por sexo hétero nos Estados Unidos duas semanas depois da aprovação nacional, no mesmo país, do casamento gay. Não foram os homossexuais que venceram a família tradicional. Nem são tantos assim os homossexuais interessados em casamento formal, e mesmo que fossem, eles estariam interessados em imitar a família tradicional, não em destrui-la. Foi a "Gaystapo" que venceu o povo de verdade. E neste caso específico, guardem as minhas palavras: a esquerda pode ganhar neste caso, de novo, mostrando que os que comemoraram a prisão da professora pelo "MMMF" foram os mesmos contra o casamento gay, associando a oposição ao homossexualismo à repressão a uma foda boa fora do casamento. E o pior é que, se eu estiver prevendo o futuro ou se isso já tiver mesmo acontecido, eles vão estar certos. Já há no Facebook a página Free Brianne Altice (libertem Brianne Altice): https://www.facebook.com/pages/Free-Brianne-Altice/865479950170263. E a descrição da página diz que a professora realizou o sonho de qualquer garoto.

Ah, eu gostaria de indicar o meu alerta modesto que eu escrevi em novembro: "Cristãos tradicionalistas de direita, defendam os direitos humanos: VOCÊS vão precisar deles", em http://jornaldohomem.blogspot.com.br/2014/11/cristaos-tradicionalistas-de-direita.html. Aconteceu aqui com o Robson Otto Aguiar e o Emerson Eduardo Rodrigues. Poucas horas antes de sair aquela matéria do R7, eu mesma denunciei o verdadeiro culpado ao Ministério Público, mandando um print screen que eu mesma fiz do culpado confessando em página do Tumblr que conseguiu incriminar o Robson. Mas o pior é que gente de direita acha que eles são mesmo criminosos. Gente que se diz de direita acreditou mesmo que alguém faz uma página que defende o estupro e o Nazismo e dá o nome completo! Que a Rede Record finja acreditar nisso para expor o Emerson em represália a denúncias contra a Igreja Universal do Reino de Deus, vá lá. Mas direitistas acreditarem DE VERDADE?! A oposição a "tudo que está aí" parecendo os mesmos beneficiários do assistencialismo estatal que ela considera alienados (e são) consumindo jornalecos sensacionalistas?! Isso foi a guerra cultural: o movimento liberal não produziu uma contraofensiva cultural notável à estupidificação que a esquerda fez no sistema educacional, então os populares que professam ser de direita foram eles próprios quase tão afetados pela estupidificação quanto o cidadão mediano.

Eu acho que descobri qual a ideia daquela postagem diferenciando pedofilia de abuso sexual de crianças, se existia alguma segunda intenção: tirar da direita cristã, como disseram os autores de "O Livro Negro do Comunismo", "o privilégio de dizer a verdade". Essa questão de sexo é um ponto fraco da direita e dos cristãos. A direita cristã mostra uma visão romântica do século XIX e do século XX até a década de 90. Seriam anos dourados em que não havia Socialismo nem Feminismo, em que os homens e as mulheres eram felizes porque tinham casamentos arranjados pelos pais e filmes eram considerados pornográficos só porque tinham cenas de beijos (sério!), em que as esposas eram submissas aos maridos porque nem elas queriam o mercado de trabalho da época nem os maridos queriam uma vaca histérica em casa depois do trabalho desgastante (deles). Mas era a mesma época, especialmente da década de 60 para frente, em que o movimento socialista estava trabalhando com a dominação cultural, tanto em doutrinação falaciosa quanto em sabotagem mental. E o lesbossocialismo conquistou as igrejas pela luta contra a prostituição e a pornografia, o que já era parte dos próprios projetos feministas, enquanto deformava as igrejas por dentro. Para dar um exemplo, a Damares Alves, na mesma palestra em que ela denunciava um plano da esquerda para promover a pedofilia, usou aquela lenda feminista de que uma em cada quatro mulheres já foi estuprada. Naquela época, estava sendo construída a imagem de que os antissocialistas eram sempre cristãos e os cristãos eram sempre provincianos iletrados em guerra contra a informação, o prazer sexual e qualquer coisa agradável da vida. A direita parecia querer levar o mundo de volta aos anos dourados. Mas quem pode estar voltando para lá é ela própria.

terça-feira, 28 de julho de 2015

Robson "Otto" Aguiar: MARCELLO CONFESSOU QUE ELE QUIS ME PREJUDICAR (NÃO...

Robson "Otto" Aguiar: MARCELLO CONFESSOU QUE ELE QUIS ME PREJUDICAR (NÃO...

Desonrados do Judiciário à imprensa: Record "acredita" que Robson Otto Aguiar colocou o próprio nome em blogue ensinando o estupro e em fotomontagem com um denunciador da Igreja Universal do Reino de Deus - e Lola Aronovich aproveita a deixa para... dizer a verdade

Abigail Pereira Aranha

Olá, meus amigos e minh@s inimig@s. Eu estou acompanhando desde a hora do almoço de ontem o caso do Tio Astolfo noticiado nos jornais ontem. Pra quem desconfiava que eu sou fake de homem, eu confesso: eu sou o Jack Bauer, devo ficar 24 horas acompanhando a treta.

Vou começar com uma mensagem que mandei nas páginas do Facebook da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. E por que eu fiz isso antes de mandar uma denúncia na página do Ministério Público? O primeiro motivo foi uma modesta estratégia de não tratá-los sequer como burocratas respeitáveis do Judiciário de uma democracia medíocre. Tratar essa turma como "doutores" não vai nos render nada. O segundo motivo é que o autor da página tem proteção de policiais federais. Segue a minha mensagem, que foi parecida com a minha denúncia:


Ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal
Porque vocês estão dando suporte às páginas tioastolfo.com e dogolachan.org? Estão querendo criar um factóide para transformar a discordância do Feminismo em caso de polícia?

Nós sabemos que silviokoerich.com e silviokoerich.org eram clones para caluniar quem não baixa a cabeça para o Lesbofeminismo. Vocês acreditam mesmo que quem é contra discursos de ódio de feministas contra homens é pedófilo e estuprador de mulheres adultas ao mesmo tempo? Estão querendo alimentar calúnias contra o Emerson Eduardo Rodrigues pra acabar o que não conseguiram em 2012?

E por que vocês estão vazando para o Marcelo Valle Silveira Mello quem está denunciando ele para a polícia?

Vão lá fazer o papel de jagunço da Marcha das Vadias pra ficar em paz com o Planalto. Continuem só se manifestando para reclamar do salário enquanto desarmam o cidadão de bem e caçam quem faz uma página do Facebook dizendo o que lésbicas mal acostumadas não querem. Vocês vão brincar de Charles Bronson até a aposentadoria se não tomarem um tiro de um menor ou uma falsa denúncia de estupro de uma parasita universitária antes.

Mas não venham matar a mensageira. Eu sou só uma popular de saco cheio da falta de bolas do Judiciário. Quem mais está vendo vocês como qualquer sinecura inútil para o cidadão honesto?

Pouco depois, o Marcelo Valle publica isto: "Joguei o B.O do site TioAstolfo nas costas do Robson 'Otto' Aguiar".


Volto eu a mandar mensagens para a Polícia Federal e o Ministério Público, e digo que eles têm de escolher entre a desonra e a guerra. Isso também na denúncia, que acabei fazendo depois, dando o endereço da página mas também mandando esse print screen.

Eu já tinha em mente escrever mais sobre como o "povo" está mais esquerdista do que a esquerda. Semana passada mesmo, eu dei uma dura em um "jornal cultural" requentava o clichê de pedofilia na Igreja Católica na mesma semana em que a própria esquerda diferenciava pedofilia de abuso sexual de menores. Então, mal chegou a noite, o Portal R7 fez uma imitação de notícia falsa em que eles pareceram acreditar que o autor do TioAstolfo era o Robson Otto Aguiar só porque o Marcello Valle Silveira Mello assinava como tal em um blogue defendendo estupro, pedofilia e Nazismo. Para quem viu um perfil falso se passando pelo de uma certa pessoa em rede social, a farsa é clara. Mas pior que isso, a matéria mostra uma fotomontagem em que o Emerson Eduardo Rodrigues estaria segurando um exemplar do Mein Kampf, do Hitler, e o Emerson é descrito no que chamam de matéria como sendo o Otto. Como o Emerson já fez um grupo no Orkut para divulgar os podres da Igreja Universal do Reino de Deus, eles quiseram fazer uma represália pessoal e talvez adoçar a boca da Rainha Louca, que o Edir Macedo apoiou nas eleições. Aqui vai o meu comentário no Facebook do R7:


Ei, Portal R7, vocês acreditam mesmo em blogueiro que põe o nome completo em um blogue defendendo o estupro? E olha só, o cara da montagem ridícula que é a foto 4 da matéria não é aquele que fez a comunidade "Caixa Preta da Universal" no Orkut? Aí, maconheiros estagiários de Jornalismo, enquanto vocês estavam redigindo mais um textinho mundo cão, eu estava publicando um print screen do VERDADEIRO dono do blogue, MARCELLO VALLE SILVEIRA MELLO, confessando que estava jogando o B. O. pro Robson e enviando o mesmo para o Ministério Público e para a Polícia Federal.

Postagem do Portal R7: https://www.facebook.com/portalr7/posts/10153403660486638

Matéria: http://noticias.r7.com/cidades/fotos/blogueiro-que-ensina-a-estuprar-desafia-policia-federal-nao-vou-parar-27072015

Confissão de MARCELLO VALLE SILVEIRA MELLO: marcellovallesilveiramello.tumblr.com/post/125095500572/joguei-o-bo-do-site-tioastolfo-nas-costas-do

Ainda na página do portal R7 no Facebook, um comentário de um amigo do Robson:


Vocês erraram na materia:
http://noticias.r7.com/cidades/fotos/blogueiro-que-ensina-a-estuprar-desafia-policia-federal-nao-vou-parar-27072015#!/foto/1

O blogueiro não é quem vocês informaram e sim, marcello:
https://scontent-gru1-1.xx.fbcdn.net/hphotos-xat1/v/t1.0-9/s720x720/11813341_672706346194243_650676967506295396_n.jpg?oh=1fbeed6d55fd830cf4ac832cc99b9fed&oe=56135FF4

o mesmo tem ligação com um grupo antigo chamado HDB - homens de bem que incentivava o odio na epoca do orkut...

este grupo: https://www.facebook.com/groups/724861377583034/ tem postado informações como ip do site...

conseguimos descobrir que foi hospedado em kuala lumpur e o site tem dominio em singapura...

O mesmo tem duas paginas que você deveriam ter conferido na pagina sobre o autor

http://ask.fm/puahatebrasil e http://ask.fm/titioastolfo

O facebook da pessoa acusada injustamente e que tem denunciado o marcello que realmente é quem escreve é https://www.facebook.com/robson.otto.aguiar?fref=ufi

favor retratar-se ...

(https://www.facebook.com/portalr7/posts/10153403660486638?comment_id=10153403914561638)

Então, o Emerson vai visitar o Twitter da Lola Aronovich, que já sabia que ele era o Nessahan Alita e que já tentou ligá-lo aos blogues criminosos silviokoerich.com e silviokoerich.org em 2011 e 2012. E o que ele vê ela dizer?


Lola Aronovich ‏@lolaescreva

Besteira, Unesp http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,unesp--mp-e-policia-federal-apuram-site-que-faz-apologia-ao-estupro,1732877 Ñ precisa investigar: site é de Marcelo Mello, q atualmente mora em Curitiba http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2013/10/sanctos-soltos-voltam-aterrorizar.html

(https://twitter.com/lolaescreva/status/625779972981030912)

Emerson Eduardo Rodrigues Setim Sério meus confrades. Eu estou respeitando mais as feministas que parecem que estão sendo "justas", do que esta pseudo direita covarde que não se pronuncia. Hoje dou 10 pra Lola Aronovich e zero para esta direita hedonista e covarde.


Lola Aronovich ‏@lolaescreva

Otto,apontado como autor do site de ódio,é outro mascu asqueroso. Mas o site é deste Marcelo http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2014/12/meu-boletim-de-ocorrencia-contra-os.html

(https://twitter.com/lolaescreva/status/625753985882923008)

Emerson Eduardo Rodrigues Setim
Eu nunca pensei que falaria isto: HOJE EU DOU 10 para a LOLA Aronovich. Ela poderia ser oportunista e covarde hoje, e sair me acusando do nada de forma sacana e pilantra. Bom, ela sabe de fato quem está por trás destes sites de ódio. QUANTO SERÁ QUE A IGREJA UNIVERSAL ESTÁ PAGANDO PARA O MARCELO FAZER ISTO? PORQUE SAIU COM DESTAQUE NO R7 UMA MONTAGEM COM A MINHA FOTO, DESCARADA?

E eu vou ao perfil dela e acho mais esta:


Lola Aronovich ‏@lolaescreva

O site ensinando estupro http://oglobo.globo.com/rio/pagina-na-internet-ensina-como-estuprar-meninas-vieram-ao-mundo-pra-isso-16975052 é de autoria do mascu sancto Marcelo Mello, q vive me ameaçando http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2014/12/meu-boletim-de-ocorrencia-contra-os.html

(https://twitter.com/lolaescreva/status/625717848028131328)

Poxa, Lola, além de você escrever como gente alfabetizada e ser casada com um homem, e um homem que ganha menos, você ainda deixa de acusar um inimigo que você sabe que é inocente? Sacanagem! Tô brincando. Faço minhas as palavras do Emerson.

E olha só: hoje faz exatos 50 dias que eu escrevi "Esqueça a pedofilia, o perigo é outro". Muitos leitores direitistas não entenderam nada. Até bloqueio no Facebook eu ganhei. Vamos ver se entendem agora.

Apêndice

Esqueça a pedofilia, o perigo é outro, A Vez dos Homens que Prestam, 08/06/2015. Disponível em http://avezdoshomens.blogspot.com/2015/06/esqueca-pedofilia-o-perigo-e-outro.html.

Esqueça a pedofilia, o perigo é outro

Pelo amor de Deus, você já se deu conta de que pedofilia não existe?! De acordo com a CID (Classificação Internacional de Doenças):

F65.4 Pedofilia

Preferência sexual por crianças, quer se trate de meninos, meninas ou de crianças de um ou do outro sexo, geralmente pré-púberes ou no início da puberdade.

(http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/WebHelp/f60_f69.htm)

Agora, vamos imaginar uma menina, por exemplo, de 9 anos. Qual a largura máxima que a vagina dela suporta? Qual a distância da vulva até a cabeça do útero? Os leitores homens sabem como é fazer penetração em uma vagina de uma mulher adulta sem lubrificação? Pelo amor de Deus! Você entendeu agora o que é um homem PREFERIR sexualmente uma criança a pelo menos uma garota adolescente? A pedofilia, por esta definição, é tão inverossímil e ridícula que é uma generosidade ela estar na Classificação Internacional de Doenças: devia estar em uma classificação internacional de calúnias e difamações.

O que não é inverossímil nem ridículo de forma alguma, embora possa ser uma calúnia, é o abuso sexual de menores (até 14 anos?). E mesmo isso, que é chamado de pedofilia, temos que dividir em dois casos. O sexo ou o ato lascivo com crianças só acontece quando o autor não consegue tê-lo com mulheres sexualmente amadurecidas (ou, no caso de autoras mulheres, quando ela não se sente à vontade para tê-lo com homens). Onde isso acontece com alguma frequência são os mesmos lugares onde mulheres e homens mal se encostam e onde também é comum sexo de homens e mulheres com animais. O sexo ou o ato lascivo de adultos com adolescentes pode ser um caso semelhante ao mesmo com crianças, mas também pode ser um interesse sexual normal da parte adulta recusado pela parte adolescente, ou até mesmo algo consensual entre os dois registrado como abusivo por terceiros.

Aliás, voltando à parte conceitual, o artigo "O perfil do pedófilo: uma abordagem da realidade brasileira", de Joelíria Vey de Castro e Cláudio Maldaner Bulawski, publicado na Revista Liberdades nº 6, de janeiro a abril de 2011 (http://www.revistaliberdades.org.br/site/outrasEdicoes/outrasEdicoesExibir.php?rcon_id=74), diz que:

Já, do ponto de vista médico, de acordo com Jim Hopper, pesquisador da Faculdade de Medicina da Universidade de Boston, a "pedofilia é um conceito de doença que abarca uma variedade de abuso sexual de menores, desde homossexuais que procuram meninos na rua, até parentes que mantêm relações sexuais com menores dentro de seus lares."

Curioso ser justamente um médico quem dá um conceito que pode ser criminal. E no parágrafo seguinte, os autores mencionam (depois de mostrar) a "divergência conceitual entre médicos e psicanalistas", o que só mostra que alguma coisa está errada. Eis o meu ponto.

Para começar, a acusação de pedofilia, na segunda definição, é algo tão grave que não pode ser feito sem provas nem gerar prisão sem um processo legal legítimo. Talvez o acusado deva mesmo ser protegido pelo próprio sistema judiciário até a comprovação da culpa, se houver, exatamente pela indignação popular. Isso não pode uma acusação tão banal quanto dizer "sua irmã é vadia" que pode destruir a vida de qualquer inocente, como já temos vários casos conhecidos.

Quem realmente está em perigo na questão da pedofilia são os ativistas de direitos humanos dos homens e meninos, MGTOW, e, no caso brasileiro, a Real (não, nenhum destes defende a pedofilia, lésbica imbecil). E também os cristãos conservadores de direita. Por quê? Quantos deles têm filhos? Pelo que eu sei, tirados os cristãos conservadores, muito poucos. Os que não têm filhos dificilmente teriam. Nós sabemos que o Lesbofeminismo não fez apenas os casamentos já existentes estarem em perigo. Também tornou o próprio relacionamento entre homens e mulheres (não apenas afetivo-sexual) mais pobre, desagradável e perigoso para os homens do que nunca. O Feminismo não fez apenas as mulheres estarem cada vez mais repulsivas, antipáticas e ridículas, também fez as senhoritas que ainda abrem a possibilidade do casamento cada vez exigir mais e oferecer menos. E por que falei de filhos? Porque se um daqueles homens não tem um filho seu, qualquer menino do qual ele se aproxime só pode ser filho de outro homem. E este homem, fora a possibilidade mais confortante de ser um cristão ou um ateu sério, será um frouxo, um afeminado, talvez um muçulmano, um feminista, ou um divorciado sem a guarda do filho. E o mais provável é que o menino esteja sob a "proteção" direta de u'a mãe feminista ou da escola esquerdista.

A grande mídia de todos os países desenvolvidos tentou matar os movimentos de direitos dos homens pelo silêncio, entramos na internet. Tentaram nos censurar nas redes sociais, em especial no Facebook, ainda estamos ativos. Tentaram nos asfixiar pela difamação na grande mídia em matérias esporádicas escritas de má vontade, ainda estamos ativos e soltos. Tentar enterrar as nossas ideias, as nossas denúncias e o nosso estilo de vida conosco parece uma boa opção, não acham?

Ah, e um outro grupo em perigo, isso não está muito evidente agora, é o das mulheres heterossexuais agradáveis, de mentalidade normal e não-castas. Estas mulheres serão, também, antifeministas. É o meu caso. E eu também não tenho filhos. Você me daria um emprego de babá do seu filho ou de professora do primeiro grau se fosse dono de uma escola ou diretor de uma escola pública, conhecendo meu trabalho defendendo o ateísmo e a licenciosidade? Se sim, obrigada, eu não te decepcionaria. Mas se não, temos duas situações. Se eu fosse trabalhar com crianças, porque eu tentaria induzir uma criança a uma sexualidade precoce? Mesmo se eu falar de sexualidade (hétero) ou do aparelho genital com crianças, vai ser sempre inapropriado? Se eu fosse trabalhar com adolescentes e encontrasse um rapaz, por exemplo, de 13 anos que já está interessado nas meninas? Gente, uma coisa é eu molestar um adolescente, outra coisa é este adolescente me molestar, uma terceira é este adolescente (já preparado biologicamente para o sexo, vamos nos lembrar) se interessar em fuder comigo e eu gostar da ideia. E na última hipótese, os amigos concordam que o corpo e a cabeça do garoto podem estar em boas mãos? Xi, perdi a minha vaga de professora! Mas neste caso, devo dizer, o porrete vem dos dois lados: dos esquerdistas que defendem toda forma de amor (a heterossexualidade é uma imposição da sociedade machista gay homofóbica) e dos direitistas puritanos.

O combate à pedofilia será tão irracional e calunioso quanto o combate à violência contra a mulher (que, embora plausível, é outra ficção: o que existe são crimes comuns de autores homens contra vítimas mulheres). Os antifeministas (homens e cada vez mais mulheres) nos trazem com frequência casos de prisão, agressão e até linchamentos de homens inocentes acusados de estupro ou assédio sexual contra mulheres, e isso citando só casos em que essa inocência foi reconhecida depois e cuja fonte é u'a matéria curta de um grande jornal. Já sabemos que a maioria das queixas de assédio sexual e agressões contra mulheres é inventada, que agredir mulheres nunca foi permitido ou atenuado por lei no Ocidente cristão e mesmo para o homicídio menos de 10% dos assassinos brasileiros são condenados e presos. Então, defender mudanças nas leis quase sempre é sensacionalismo, é só consequência se a solução for implantada e não trouxer melhora. Mas entre os mesmos antifeministas, na maioria conservadores, é comum encontrar defensores de penas mais duras, não raro de morte, para a pedofilia, que, espero que o leitor tenha entendido, é em si mesma uma invencionice patética. Pior: o discurso deles contra os pedófilos e os acusados de estupro de crianças é o mesmo, trocadas as palavras específicas, dos homens e mulheres feministas que condenam o estupro de mulheres ou defendem o feminicídio (tese em que um homem assassinar uma mulher deve ser pior do que matar um ser humano). Mais: as mentiras usadas por conservadores e por esquerdistas contra a pornografia adulta, em especial a relação dela com a pedofilia, são exatamente as mesmas.

E quando eu digo "mesmo discurso" (ou pior), não me refiro só a erro de forma ou de argumento, eu me refiro a um discurso de formato socialista, de pedir leis piores para um Estado já tomado pelo Socialismo e pelo Feminismo. E essa estrutura legal vai se voltar contra quem? Basicamente, contra os criminosos políticos e vítimas de picuinhas, como sempre aconteceu na pena de morte. Vincular a pornografia adulta à pornografia infantil (indigna de nota até prova em contrário) para censurá-la pode satisfazer puritanos gimnofóbicos, mas vai ajudar o Socialismo lésbico. Chegamos ao cúmulo de o Jornal do Brasil confessar uma falsa comunicação de crime de pornografia com menores contra o XVideos ao Ministério Público Federal brasileiro em fevereiro de 2011[1]. Coisa que só quem desconhece o portal pode imaginar que seja verdade. E este foi o mês anterior ao da última postagem do maior blogue antifeminista brasileiro, O Perdedor Mais Foda do Mundo (http://silviokoerich.blogspot.com), antes de ser clonado com a ajuda direta do governo Dilma Rousseff. E os clones silviokoerich.com e silviokoerich.org defendiam a pedofilia.

Acusar esquerdistas de promover a pedofilia será uma calúnia que só fortalecerá a esquerda. Combater a ficção grosseira da pedofilia também só fortalecerá a esquerda. Este é o verdadeiro perigo.

NOTA:

[1] "MP investiga site de pornografia adolescente", 22/02/2011, http://www.jb.com.br/pais/noticias/2011/02/22/mp-investiga-site-de-pornografia-adolescente


domingo, 26 de julho de 2015

Unidos contra os espíritos do mal

Abigail Pereira Aranha

Vamos fazer uma brincadeira? Eu digo uma palavra e você vai pensar em organizações, repartições públicas, publicações da imprensa, etc que tenham esta palavra no nome. A palavra é "mulher". ONU Mulher, PSDB Mulher, Secretaria de Políticas para as Mulheres, Delegacia da Mulher, M de Mulher (do portal da Editora Abril), Mulher 7 por 7 (do portal da Revista Época). O termo é "igualdade racial". Estatuto da Igualdade Racial, Secretaria de Políticas para a Igualdade Racial. A palavra é "gay", "LGBT" ou "homofobia". Blogay (do portal UOL), iGay (do portal iG), Núcleo de Combate a Crimes Homofóbicos da Defensoria Pública do Estado da Paraíba. A palavra é "capitalismo". Rede Globo, revista Veja, PSDB. Entendeu a piada?

Que discurso dominante, hegemônico, opressor é esta ideologia capitalista-fascista-cristã-machista-gay-homofóbica que não se chama pelo próprio nome? Ah, ela é tão impositiva que não precisa mostrar um nome. Tá, então OS INIMIGOS vão dar um nome pra ela. Foi o que o Manifesto Comunista fez com o capitalismo. E os adeptos de uma ideologia ou membros de uma comunidade poderiam se identificar um nome que foi criado por zombadores ou inimigos? Poderiam. Foi o que os cristãos fizeram (At 11: 26).

E tem outra: quando alguém que chegou ao poder quis ficar escondido? O nome da cidade de Laodiceia vem de Laodice, a primeira esposa do imperador Antíoco II. O Taj Mahal foi uma homenagem do imperador Shah Jahan à sua esposa que morreu de parto, construído por 20 mil escravos de várias partes do Oriente. Só dois exemplos.

Vou explicar com um exemplo que eu achei por acaso ontem. Uma juíza lesbossocialista disse que "afastar a exigência da representação" no caso de violência contra mulheres "e assim tornar incondicionada a iniciativa do Ministério Público no exercício da ação penal" foi "aplaudido por grande parte de ativistas e movimentos feministas", mas é a "manifestação mais contundente de machismo"[1]. Se a intenção era ajudar uma mulher agredida que retirava a queixa de agressão por medo do marido, o machismo está no agressor e em quem quis ajudar a vítima. Assumindo que machismo significa bater em mulher, estuprar mulher, passar a mão na bunda de uma mulher de minissaia no ônibus, se a defesa do machismo não está em lugar nenhum, mas ninguém denuncia que "machismo" é um termo feminista criado para objetivos feministas, as lésbicas podem achar machismo em qualquer lugar, porque o "machismo" é delas (o termo).

E também ontem eu achei por acaso uma postagem da página Capitalistas Sem Capital[2]: "Se o capitalismo é tão bom, por que existem centenas de partidos com 'socialismo' e 'comunismo' na sigla e nenhum 'Partido Capitalista do Brasil'?" Não é que o capitalismo seja pior que o Socialismo. Um momento: por que um grupo além de não usar o seu nome verdadeiro vai se identificar pelo nome do inimigo? Este entregou mais do que "pizza delivery" em fim de semana. Na verdade, os socialistas e os LGBT-feministas não estão lutando contra opressores. Eles são opressores eles mesmos lutando contra os discordantes deles próprios. Por isso, por exemplo, misoginia está nos dicionários, mas misandria (ódio aos homens) não está: eles também querem apagar as denúncias que os seus opositores fazem contra o bem que eles praticam. Por isso os feministas e os socialistas têm espaço farto em jornais, revistas e em grandes portais da internet como Yahoo e UOL, lésbicas denunciando que a sociedade é machista-homofóbica, negros denunciando que a sociedade é racista e até o líder de um movimento de sem-teto, Guilherme Boulos, ataca a direita em uma coluna no jornal Folha de São Paulo; tudo isso enquanto alguns colegas deles se dedicam a "derrubar" as páginas de Direitos Humanos dos Homens e Meninos, de direita ou de Orgulho Branco que encontram no Facebook, ou a denunciar blogues gratuitos com este conteúdo à Polícia Federal por discurso de ódio. E eles fazem tudo isso como quem luta contra estruturas de hostes espirituais malignas que nem dão os seus nomes, mas são onipresentes. É que não é ali que estão os poderosos.

NOTAS

[1] "Os paradoxais desejos punitivos de ativistas e movimentos feministas", Maria Lucia Karam, http://justificando.com/2015/03/13/os-paradoxais-desejos-punitivos-de-ativistas-e-movimentos-feministas

[2] https://www.facebook.com/capitalistasemcapital/photos/a.566584910123895.1073741828.566577393457980/789093627873021

sábado, 25 de julho de 2015

A revolução femdom

Abigail Pereira Aranha

O maior bem que os antissocialistas fizeram à esquerda foi associar uma liberação sexual, ou a defesa dela, ao Feminismo e ao Socialismo. Isso levou para a militância socialista uma multidão de homens inteligentes e de bom caráter que não sabiam a diferença entre combater o Socialismo-Feminismo e ter inveja do prazer sexual dos outros, até descobrirem pessoalmente já dentro do movimento. Foram pelo menos quarenta anos, da década de 60 até a década de 2000, que os cristãos tradicionais consolidaram o LGBT-Socialismo com cinco linhas de ação. A primeira foi consolidar a imagem do antissocialista como um cristão tradicional e do cristão tradicional como um provinciano imbecil e frustrado. A segunda foi ajudar a espalhar as lendas que a parte mais lésbica e insana do movimento feminista fazia contra a prostituição feminina e a pornografia. A terceira foi tentar associar qualquer manifestação de interesse de um rapaz pelas mulheres ou pela pornografia heterossexual a desde desrespeito à mulher até uma futura perversão sexual como zoofilia. A quarta foi ajuntar os irmãos na fé contra espantalhos, como aulas de Educação Sexual e produções artísticas não-puritanas, enquanto o movimento esquerdista trabalhava de verdade dentro e fora das igrejas. E a quinta, em que eles conseguiram mais resultados, foi conseguir mobilizar o Estado, universidades e empresas privadas para proteger "a moral e os bons costumes", fortalecendo o que já estava sendo tomado pelo Lesbossocialismo e o mito de um poder cristão-burguês.

Quando os cristãos tradicionais e os direitistas se deram conta, eles foram dormir afugentando os rapazes que se aproximavam das filhas ou das irmãs que iam à igreja e acordaram com u'a Marcha das Vadias no caminho do trabalho. E a pouca resistência cristã ao Socialismo junta evangélicos, protestantes e católicos na internet, dizendo coisas que eles não podem dizer nas próprias igrejas ou mesmo nas próprias casas. E muitos ainda não entenderam: os rapazes tentam resgatar o puritanismo do século XIX, as moças tentam não se parecer com as monstruosidades da militância lésbica. Assim, eles ainda ajudam o movimento feminista-socialista pela própria imagem que passam, as moças de neuróticas sexualmente reprimidas e os rapazes de "cabaços" revoltados.

Mas dessa vez, eu vou abordar a chamada Revolução Sexual de um jeito diferente. Vou começar por um deslize no verbete da Wikipedia.

A revolução sexual (também conhecida globalmente como uma época de "liberação sexual") é uma perspectiva social que desafia os códigos tradicionais de comportamento relacionados à sexualidade humana e aos relacionamentos interpessoais. O fenômeno ocorreu em todo o mundo ocidental dos anos 1960 até os anos 1970. Muitas das mudanças no panorama desenvolveram novos códigos de comportamento sexual, muitos dos quais tornaram-se a regra geral de comportamento.

A liberação sexual incluí uma maior aceitação do sexo fora das relações heterossexuais e monogâmicas tradicionais (principalmente do casamento). A contracepção e a pílula, nudez em público, a normalização da homossexualidade e outras formas alternativas de sexualidade e a legalização do aborto foram fenômenos que começaram a ganhar força nas sociedades ocidentais.

(...) No final dos anos 1970 e 1980, a recentemente conquistada "liberdade sexual" foi explorada pelo grande capital que procurava lucrar numa sociedade mais aberta, com o advento da pornografia pública e da pornografia hardcore.

(https://pt.wikipedia.org/wiki/Revolu%C3%A7%C3%A3o_sexual)

Quem escreveu deixou escapar uma coisa importante: com tanta liberação feminina, como é que "o capital" conseguiu VENDER pornografia? Melhorando a pergunta: por que os rapazes comprariam pornografia se diversões estilo American Pie estavam ao alcance deles na rua? Vou contar alguns casos mais modernos.

1) Gisela Campos publicou o texto "Onde estão os homens?" na seção Mulher 7 x 7 do portal da revista Época. Ela disse que "simplesmente está faltando homem no pedaço" e "pra onde eu olho, vejo amigas lindas, maravilhosas, independentes e... solteiras". Mas quando um comentarista disse que "se sou um cara com boa aparência e boa situação financeira, na mesma faixa etária [dos 30 anos], darei preferência às mais novas", foi chamado de babaca.[01]

2) "A estudante dinamarquesa Nikita Klaestrup, de 20 anos, presidente da organização juvenil do Partido Conservador Dinamarquês em Lolland-Falster, (...) postou uma foto sensual em seu Instagram (...), e foi o suficiente para gerar uma onda de comentários."[02]. Na mesma época (junho de 2015), o governo da Dinamarca estava fazendo uma campanha "faça sexo pelo país" porque o país estava abaixo da taxa de reposição e a população estava diminuindo e envelhecendo.[03]

3) "Ronaldinho Gaúcho seca decote de repórter colombiana" (UOL Esporte, 27 de junho de 2015)[04]: "A repórter da Fox Sports Érika Fernández foi cumprimentar Ronaldinho Gaúcho e o jogador se mostrou muito feliz em atendê-la. Pouco discreto, o brasileiro baixou os olhos na direção do generoso decote da jornalista e ficou alguns segundos nesta posição. Antes, ela já havia ganhado um abraço apertado com direito a carinho nas costas feito pelo brasileiro." A matéria diz que "ela não é conhecida por ser das mais discretas e já fez uma aparição em seu programa apenas com uma pintura corporal", mas depois conta que o jogador flertou outras jornalistas no Brasil. Ou seja, a moça do decote é só "ousada", mas o jogador de futebol que admirou o decote é um indelicado assanhado.

4) O Yahoo! Brasil colocou uma lésbica, Carol Patrocínio, na seção de sexualidade, a Preliminares. No texto "Seis passos para se aproximar de uma mulher sem parecer um tarado"[05], ela consegue dizer que "nós adoramos homens" e que "todo homem é uma ameaça até que deixe de ser". Entre as dicas que ela dá aos homens, lugares bons para abordagens são "lugares que ela pode sair quando quiser".

5) Várias cidades de vários países têm vagões e ônibus "rosas" no transporte coletivo, onde homens são proibidos de entrar, sob a alegação de evitar estupros e assédios sexuais. Que tal separarmos vagões e ônibus exclusivos para brancos para que as raças inferiores parem de nos roubar? Mesmo as lesbofeministas que são contra os "vagões rosas" argumentam que o verdadeiro problema é o "machismo".

6) Uma campanha "Don't Be That Guy", no Canadá, tinha cartazes como "só porque você a ajudou a ir pra casa, isso não significa que você tenha que se servir". Quando veio o contra-ataque "Don't Be That Girl" no campus da Universidade de Alberta com cartazes como "só porque você se arrependeu de um encontro de uma noite, isso não significa que ele não foi consensual", a professora Cristina Stasia reagiu no Twitter dizendo: "ei, defensores do estupro, que tal 'não seja este cara. Não estupre'".[06] Para a colunista lésbica Lauren Strapagiel, do Canada.com, passar da síndrome do pânico de homem para os falsos relatos de estupros "transforma uma campanha contra ataques sexuais em uma campanha de apologia ao estupro".[07]

7) Nos Estados Unidos, há quem defenda que uma relação sexual em que o homem mentiu para a mulher para transar com ela seja considerada ESTUPRO. A legislação sobre isso por estado pode ser vista em http://rapebyfraud.com/state-by-state-information-on-rape-by-fraud. São dois problemas: o primeiro é o cara precisar mentir para uma mulher para conseguir sexo (não é um problema individual, lésbica idiota), o segundo é ele ser preso por ter conseguido.

Mas onde eu estou tentando chegar? Conservadores cristãos, de que liberação sexual vocês tanto falam? Que a chamada Revolução Sexual foi um movimento contra o Cristianismo, vocês acertaram. Mas não aconteceu uma Revolução Sexual. Aconteceu uma revolução femdom: o prazer foi principalmente das mulheres, o prazer dos homens foi mais de contemplar o prazer delas do que um prazer deles próprios.

Para quem ainda não entendeu: 1) Que Revolução Sexual aconteceria na mesma época, e supostamente feita pelos mesmos atores, do Manifesto SCUM e do Lesbianismo Político[08]? 2) Como pode um bar ter uma placa de proibição de "excesso de carinho" de casais geralmente héteros em uma cidade brasileira em que é ilegal discriminar casais homossexuais? 3) Por que as categorias mais acessadas por mulheres no Pornhub são, nessa ordem, "lésbicas" e "gays", e "for women" só aparece em quarto lugar?[09] 4) Se era tão reprovável a Bíblia cristã dizer que a mulher devia ser submissa ao marido, mesmo dizendo coisas como "vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela" (Ef 5: 25); por que o nome Mohamed, o mesmo do profeta do Alcorão que permitia escravidão sexual e agressões físicas contra mulheres[10], entrou na lista dos 100 nomes mais comuns da Inglaterra na mesma época e em um dos mesmos lugares principais da Segunda Onda do Feminismo[11]? 5) Como aconteceu a prisão de uma professora nos Estados Unidos por ter feito sexo com três alunos (rapazes) duas semanas depois de aprovado o casamento gay para todos os estados?[12]

Há alguns anos eu defino o Feminismo como a justificação e a glorificação do universo feminino em tudo da mediocridade pra baixo, e usar isso como a medida-padrão da sociedade em geral. E também tenho dito que o lesbianismo não é preferência sexual de mulher por mulher, é narcisismo mais horror a pica, é uma degeneração psiquiátrica. Nestes sentidos, toda mulher feminista é lésbica e todo Feminismo é promoção do lesbianismo. Mas não é promoção do lesbianismo no sentido de incentivar a mulher a não gostar de homem sexualmente, é no sentido de incentivar a mulher a admirar a própria pobreza de espírito. E nesta pobreza de espírito se inclui o prazer dela de excitar sexualmente os homens em geral, mas racionar o sexo em si; o prazer de ser uma mulher fisicamente interessante para os homens, mas ser indisponível e intimidadora para eles.

P. S.: Eu já estava com esse texto em mente quando um amigo compartilhou esta pérola:


Enquanto eu escrevo isto, meus filhos estão dormindo em seu quarto, Loretta Lynn está no aparelho de som, e minha esposa está fora em um namoro com um homem chamado Paulo. É o seu segundo encontro desta semana; seu quarto este mês até o momento. Se ele for como os outros, ela vai voltar para casa no meio da noite, rastejar na cama ao meu lado, e me contar tudo sobre como ela e Paulo tiveram relações sexuais. Eu não vou explodir de raiva ou ferver de ressentimento. Vou dizer-lhe que é uma história quente e eu estou feliz que ela se divertiu. É quente porque ela está animada, e eu estou feliz porque eu sou um feminista.

NOTAS:

[01] O texto e alguns comentários estão em http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2012/01/onde-estao-os-homens-arrogancia-e.html

[02] http://sapeandonosofa.blogspot.com.br/2015/06/militante-conservadora-da-dinamarca.html

[03] http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2015/07/14/com-campanhas-e-subsidios-do-governo-dinamarca-apela-por-mais-filhos.htm

[04] http://uolesporte.blogosfera.uol.com.br/2015/06/27/ronaldinho-gaucho-seca-decote-de-reporter-colombiana

[05] https://br.mulher.yahoo.com/blogs/preliminares/6-passos-para-se-aproximar-uma-mulher-sem-110347666.html

[06] A postagem da professora com uma foto do cartaz, um cartaz da campanha Don't Be That Guy e vários cartazes misândricos podem ser vistos em http://www.avoiceformalestudents.com/banners-and-posters-of-misandry

[07] http://o.canada.com/news/dont-be-that-girl-posters-edmonton-anti-rape

[08] http://pt.dicionariafeminista.wikia.com/wiki/Lesbianismo_Pol%C3%ADtico

[09] http://www.ultracurioso.com.br/7-coisas-que-voce-nao-sabia-sobre-a-audiencia-feminina-em-sites-pornos

[10] O dr. Ahmad Shafaat escreveu "Algumas observações importantes quanto ao tema 'casamento'" (http://www.islamicperspectives.com/Algumas.htm) tentando suavizar. Ele diz que os países islâmicos são "uma sociedade feminista já há 14 séculos" e que a Revista Veja, aquela associada ao pensamento de direita no Brasil, é "uma publicação que tem assiduamente atacado a religião islâmica e seus seguidores de forma sistemática e desprovida de base". Eu digo desde 2011 que se uma de cada cinco mulheres no mundo é muçulmana e dizem que o Islamismo é misógino, alguma coisa está errada. Esse aqui "entregou" mais que "pizza delivery" em fim de semana!

[11] "Mohamed é o nome mais popular no Reino Unido em 2014", Antena Lusa, 04 de dezembro de 2014, http://www.antenalusa.pt/mohamed-foi-o-nome-mais-popular-reino-unido-em-2014

[12] http://www.independent.co.uk/news/world/americas/brianne-altice-utah-high-school-english-jailed-after-admitting-sexually-abusing-three-male--teenage-student-10381580.html

Questo testo in italiano senza vignetta di dissolutezza in Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: La rivoluzione femdom, http://avezdoshomens2.blog.com/2015/07/25/la-rivoluzione-femdom
Questo testo in italiano con vignetta di dissolutezza in Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: La rivoluzione femdom, http://avezdoshomens2.blogspot.com.br/2015/07/la-rivoluzione-femdom.html
Eso texto en español sin viñeta de putaría en Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: La revolución femdom, http://avezdoshomens2.blog.com/2015/07/25/la-revolucion-femdom
Eso texto en español con viñeta de putaría en Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: La revolución femdom, http://avezdoshomens2.blogspot.com.br/2015/07/la-revolucion-femdom.html
This text in English without licentiousness cartoon at Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: The femdom revolution, http://avezdoshomens2.blog.com/2015/07/25/the-femdom-revolution
This text in English with licentiousness cartoon at Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: The femdom revolution, http://avezdoshomens2.blogspot.com.br/2015/07/the-femdom-revolution.html
Texto original em português sem cartoon de putaria no A Vez das Mulheres de Verdade: A revolução femdom, http://avezdasmulheres.blog.com/2015/07/25/a-revolucao-femdom
Texto original em português com cartoon de putaria no A Vez dos Homens que Prestam: A revolução femdom, http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2015/07/a-revolucao-femdom.html
Seção de sexo, safadeza, putaria, mulher pelada, pornografia
Sezione de sesso, libertinaggio, lussuria, donna nuda, pornografia
Section of sex, lust, licentiousness, naked woman, pornography
Sección de sexo, perrez, putaría, mujer desnuda, pornografía

sábado, 18 de julho de 2015

Do monopólio da virtude à propriedade do crime: o Facebook vai defender o ódio lésbico?


"Moça, não sou obrigado ser feminista", https://www.facebook.com/forafeminismo2/photos/a.816366398446830.1073741828.753226151427522/885866768163459

Cê diz que a nossa bunda é grande, espera até ver o nosso ódio

Trepadeira sim!

Machismo, racismo não passarão!

Postagem da moça da foto, https://www.facebook.com/babi.rdrg/posts/982586225125508, compartilhada na página "A Mulher negra e o Feminismo":

Bárbara Rodrigues

12/07/2015 às 14:57

Denúncia:

Amigues, na página 'moça, não sou obrigado a ser feminista' está sendo feita a exposição NÃO AUTORIZADA de uma foto minha, feita na última Marcha das Vadias e cedida para a página Africannes. Conto com o auxílio de vocês para tirarmos a postagem do ar

Comentários de A Vez das Mulheres de Verdade / A Vez dos Homens que Prestam

Se o Facebundão apagar a foto, estará cometendo crime de favorecimento real (Art. 349 do Código Penal). Aí, vamos denunciar o Facecorno à polícia.

Ah, e já viu o bandido autorizar o boletim de ocorrência, lésbica demente?

Abigail Pereira Aranha

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Por que eu acho "O Outro Lado do Feminismo" um livro reprovável, se eu sou mulher e antifeminista (ou: o flipside ainda é o mesmo disco)

Abigail Pereira Aranha

Nota 1: anteontem, eu publiquei trechos de uma discussão na página Mulheres Contra o Feminismo, que está usando a foto da capa do livro como foto de perfil. Mera coincidência. Eu já estava com esse texto em mente meses antes. O caso só confirma o que eu já ia dizer.

Nota 2: 15 de julho é o Dia do Homem no Brasil. Este texto também é para os rapazes.

Parte 1: o livro

Já temos uma tradução para o português do livro "The Flipside Of Feminism: What Conservative Women Know - And Men Can't Say", de Phyllis Schlafly e Suzanne Venker. O título da tradução é "O Outro Lado do Feminismo", já é um mau começo (eu ainda vou explicar melhor). Phyllis Schlafly já escreve contra o Feminismo há um bom tempo, ela tem, por exemplo, o artigo "What’s Wrong with 'Equal Rights' for Women?", de 1972 (que pode ser visto em http://genius.com/Phyllis-schlafly-whats-wrong-with-equal-rights-for-women-annotated). O livro também conta que Phyllis teve um certo sucesso na vida e que isso prova que a mulher não é impedida de ser bem sucedida se ela se esforçar para isso. As autoras estão certas, mas pela metade. Se uma mulher talentosa e com cara de gente normal procurasse o sucesso e o reconhecimento com trabalho honesto na década de 60, a tendência no Ocidente era que ela conseguisse, como Phyllis conseguiu. Mas na mesma época, várias lésbicas descompensadas ou intelectualmente medíocres conseguiram um reconhecimento comparável exatamente por viver de militância no Feminismo disfarçada de trabalhos produtivos como o de professora universitária. Hoje, Phyllis Schlafly e Suzanne Venker conseguem ter menos celebridade como escritoras do que uma legião de mulheres colunistas de jornal intelectualmente medíocres, algumas das quais defendem o LGBT-Feminismo ocasionalmente quando não estão dissertando sobre amenidades, fofocas de celebridades, beleza, etc. Pareceu que eu me dispersei, né? Primeiro, havia espaço para Phyllis Schlafly ganhar a vida pelos próprios méritos e para outras mulheres menos talentosas de lá até hoje ganharem a vida com uma militância insana e parasita que ela viu nascer. Na década de 2010, esta militância está espalhada pela imprensa e pela vida cultural do país dela (e do Brasil e de outros países) e tirou gente como ela de lá. Ainda parece confuso? Vou repetir um trecho de um dos meus próprios escritos:

As mulheres devem o Feminismo aos seus direitos no Ocidente desenvolvido, e não vice-versa. Eu disse isso em março de 2013 e continuo dizendo. Mas todas as mulheres da mediocridade para baixo são representadas pelo Feminismo, porque o Feminismo é, no mínimo do que as próprias feministas dizem, uma união de mulheres. (...)

Quando eu disse que uma mulher é representada pelo Feminismo, não disse que uma mulher típica é simbolizada pela lésbica psicopata mal encarada que é a típica militante. O Feminismo é pior do que a falta de padrões morais, estéticos, intelectuais e comportamentais para as mulheres: é tornar elas próprias o padrão para si mesmas e toda a sociedade.

("Mulheres Contra o Feminismo e o Feminismo contra elas - parte 2: por que isso NÃO é bom para os antifeministas", 06 de setembro de 2014, http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2014/09/mulheres-contra-o-feminismo-e-o_6.html)

Querido leitor, posso pedir para você aceitar aquela minha definição do Feminismo? Por quê? Não há um pacote de princípios e de metas que possa definir o Feminismo ao longo de toda a sua história. Já houve um tempo em que as mulheres feministas eram contra o aborto, contra o voto feminino e contra o lesbianismo, por exemplo. Qualquer kit de ideias que nós possamos pensar, como "feministas defendem o aborto, o lesbianismo, só mulheres em cargos políticos" não é consenso nem entre as feministas militantes atuais. Então, entender o Feminismo como a exaltação do universo feminino, em especial a pior parte dele, como o cânon de toda a sociedade pode ser a única compreensão que faz sentido e que possibilita aos antifeministas alguma ação eficaz.

Agora, volto ao livro. Bom, vou citar um trecho de um artigo sobre o lançamento dele, "5 Ways Feminism Has Ruined America", publicado em 04 de março de 2011 no blogue Washington Whispers:

Do livro e da nossa entrevista recente, Whispers puxou esta lista:

Cinco Formas Como o Feminismo Arruinou os Estados Unidos

1. Ele fere o casamento. As mulheres querem esperar para poderem ter suas identidades mais tempo e os homens estão encontrando sexo fácil, tirando uma grande razão para o casamento.

Pausa para um palavrão cabeludo. Se isso fosse verdade, o Feminismo seria uma benção. Continuando.

2. Enfraquece a criação dos filhos. Mais crianças estão nas creches onde a disciplina é frouxa, resultando em uma "epidemia" de más crianças, obesidade infantil e "bullying".

3. Armadilha das duas rendas. Com tanto o marido quanto a esposa trabalhando, é difícil viver sem os confortos da vida.

4. Enfraquece os esportes universitários. O Título IX encerrou muitos esportes apenas para homens em algumas faculdades.

5. Emascula os homens. É melhor ser um covarde que falar com firmeza e encarar acusação de assédio ou machismo.

(http://www.usnews.com/news/blogs/washington-whispers/2011/03/04/5-ways-feminism-has-ruined-america)

Ah, e "flip side", de acordo com o Merriam-Webster, é:

1: o lado de um disco que tem uma música que não é tão popular e bem conhecida quanto a outra no outro lado

2: a parte ou o resultado mau ou desagradável de alguma coisa

(http://www.merriam-webster.com/dictionary/flipside)

Então, eu traduziria o título "The Flipside Of Feminism: What Conservative Women Know - And Men Can't Say" como "O lado mau do Feminismo: o que as mulheres conservadoras sabem - e os homens não podem dizer". "O outro lado" já foi uma pisada em ovos.

O livro "The Flipside Of Feminism" em particular (eu vi uma prévia da tradução para o português e outra do original) foi escrito com a linha principal de mostrar como o Feminismo fez mal À MULHER. Acho que agora você vai entender por que eu dei aquele conceito esquisito de Feminismo: este livro é feminista. Considerando a vida do homem honesto pobre e as agressões à dignidade dos homens, que eu já percebia no mundo real e no mundo virtual, mostrar os males do Feminismo em função do que aconteceu ÀS MULHERES que se beneficiaram dele me deu vontade de vomitar. A diferença entre o antifeminismo de Phyllis Schlafly e Suzanne Venker e o Feminismo que elas condenam é tão secundária na teoria e imperceptível na prática quanto as diferenças entre uma facção moderada e uma radical quaisquer do próprio feminismo militante. O livro ainda insiste na lenda urbana de que o Feminismo promove sexo fácil, coisa que só provincianos sexualmente frustrados acreditam. O que faz a diferença entre uma antifeminista como as autoras do livro e uma feminista, além de admirar ou não a vida da dona de casa dos anos 50 que se horrorizava com o prazer sexual dos outros? E o que tem a ver com este livro que em 2014, três anos depois do lançamento deste, a psicóloga Helen Smith lançou "Men On Strike: Why Men Are Boycotting Marriage, Fatherhood and the American Dream - and Why It Matters" (tradução: "homens em greve: por que os homens estão boicotando o casamento, a paternidade e o Sonho Americano - e por que isso é importante")? Este último vai mostrar que quando "The Flipside Of Feminism" estava sendo escrito, a opção de estilo de vida que a sra. Phyllis Schlafly escolheu na década de 70 quase deixou de existir, por falta de homens interessados em dar o suor pra se arrebentar.

Até pelo menos o começo da década de 2000, os antifeministas eram, a grosso modo, mulheres provincianas sexualmente reprimidas, velhotes puritanos sensacionalistas, cafajestes mal informados, burgueses de segunda geração e rapazes virgens revoltados que tinham uma visão romântica do século XIX. E até então, o antifeminismo também era, a grosso modo, uma pregação cristã tradicional. Não apenas textos que tinham ideias cristãs e ideias antifeministas juntas, também existiam textos e livros que faziam o antifeminismo deixar de ser razoável para quem não acreditava em Deus ou na castidade, como é o meu próprio caso. E tudo isso em uma época em que ainda existia gente intelectualmente respeitável nas universidades e nos jornais defendendo as ideias esquerdistas. Ah, e acusar as feministas de incentivar a putaria foi de matar. Com tudo isso, muitos homens intelectualmente e moralmente formidáveis foram para o movimento feminista-esquerdista, ou se solidarizaram com ele, só para não se associarem aos moralistas cristãos de direita, e alguns só passaram ao antifeminismo depois ver a podridão por dentro.

Na década de 2000, a militância feminista-socialista e uma legião de manginas (lembrando: mangina é um homem que defende tudo que uma mulher faz só porque ela é mulher) se tornaram mais visíveis na classe política, nas universidades, na imprensa, no meio empresarial, nos altos escalões do serviço público e das empresas privadas e até nas igrejas cristãs tradicionais. E mostraram as porcarias de que são capazes de pensar, dizer e fazer. E os socialistas não tinham assumido o poder formal antes da popularização da internet em vários países desenvolvidos ou em desenvolvimento, como os Estados Unidos e o Brasil. Então, cada vez mais pessoas comuns com raciocínio normal puderam mostrar o universo feminino e o rumo para onde os feministas estavam nos levando apenas mostrando observações do mundo real e matérias da própria "mainstream media". Ninguém ali era sociólogo, jornalista, professor universitário ou pastor, mas para muitos leitores, era a primeira vez que alguém dizia algo sobre o assunto que parecia fazer sentido. Então, cada vez mais pessoas de raciocínio lúcido se encontraram, e essas pessoas foram fazendo fóruns de discussão, se encontrando em redes sociais e algumas começaram a escrever seus próprios blogues e vlogues. O antifeminismo não cresceu parecendo coisa de gente lúcida porque os cristãos tradicionalistas "libertarians" conseguiram vender os anos 30 com uma imagem de comercial de margarina, o antifeminismo cresceu principalmente porque o Lesbossocialismo demostrou que conseguia ser pior.

Parte 2: e quem é a Abigail para falar de Phyllis Schlafly e Suzanne Venker?

Eu comecei dois blogues, possibilitados por aquela mesma internet livre e popular, em 2006. Os textos eram os mesmos, um blogue era com pornografia e outro sem. Eu tinha 15 anos na época, mas eu fazia algumas observações que eu acreditava que eu tinha que compartilhar. O livro "The Flipside Of Feminism" foi escrito em 2010 e lançado em 15 de março de 2011. Só em fevereiro de 2011, eu já tinha publicado em português, inglês e espanhol o texto "O machismo foi criado pelas mulheres - parte 4: se colocarmos o título certo, você pode não conseguir ler este texto (ou: por que uma sociedade machista discrimina a prostituição e a pornografia?)", onde eu dizia, por exemplo, que

Qualquer foto de mulher de decote e pernas e barriga de fora, as mulheres falam que a sociedade é machista, trata a mulher como objeto, resume a mulher ao sexo, etc. Então como nessa mesma sociedade machista a casa de prostituição voltada para satisfazer os homens sexualmente era criminosa até a primeira década do século XXI no Brasil?

Será que os homens construíram uma sociedade pra se encontrar com prostitutas às escondidas, ver Playboy no banheiro, ver filmes pornôs no quarto quando todo mundo na casa está dormindo? Os homens também constroem uma sociedade onde uma mulher pode ser discriminada ou perder o emprego porque fez um filme pornô ou posou pra uma revista de sexo?

(http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2011/02/o-machismo-foi-criado-pelas-mulheres.html)

No mesmo ano de 2010 em que o livro foi escrito, no dia 17 de dezembro, eu publiquei "O machismo foi criado pelas mulheres - parte 3: o seu modelo de mulher é a sua mãe?", onde eu dizia que

Você não gostaria de ver a mulher de antigamente de novo. A mulher de antigamente (sua avó ou a sua mãe) não conversava com homem porque isso "não é direito". Não trabalhava fora porque não era coisa de mulher direita. Não saía pra rua sozinha porque não era coisa de mulher direita. Numa situação assim, você não vai chegar perto de uma mulher, você não vai saber o que é uma perna de mulher.

E aí sabe o que vai acontecer? Uma beata medíocre encalhada qualquer com quem você puder se casar vai ser a única mulher de quem você pode conseguir alguma coisa. O homem bonzinho de hoje, recebendo sexo horrível de uma única mulher, migalhas de meia dúzia e desprezo do resto, está melhor que o homem do passado. E se a pistoleira de hoje mostra claramente que usa o corpo como arma, a "mulher de família" faz a mesma coisa. Um rapaz interessado numa "moça de respeito" vai conversar com os pais e os irmãos dela, de cabeça baixa, tenta provar que não está interessado em sexo, tem que provar que é de caráter, tem que provar que ganha bem pra sustentar a moça, tem que passar meses ou anos namorando com o velhote gordo e mal humorado que é o pai da moça vigiando, tem que fazer uns agrados pra família e não vai transar até o casamento. Isso quando o rapaz conhece a moça antes do dia do casamento (gente, as feministas não dizem que antigamente as mulheres às vezes não conheciam o marido antes do dia do casamento? Pois é, a recíproca é verdadeira). Tudo isso pro homem conseguir se casar com a única mulher em que vai encostar na vida. Não é muita humilhação pra um homem em uma sociedade dominada pelos homens?

(http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2010/12/o-machismo-foi-criado-pelas-mulheres_17.html)

No mesmo 2010, 26 de abril, eu publiquei "Não é o que você pode fazer por uma mulher, mas o que ela vai fazer por você", onde eu dizia que

Eu sou admirada dentro e fora da internet só porque eu tenho alguma inteligência, alguma humildade, procuro tratar todo mundo bem, tenho algum assunto que preste pra conversar, falo a verdade sobre as mulheres, assumo que gosto de sexo, defendo a safadeza com equilíbrio e responsabilidade e trepo com alguns gatinhos que prestam de vez em quando. Aos que gostam de mim, muito obrigada, mas eu não sou tão grande coisa assim. Mas quando vindo de uma mulher até educação é difícil, uma mulher com um mínimo de decência vale ouro.

(http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2010/04/nao-e-o-que-voce-pode-fazer-por-uma.html)

Agora, vou para 30 de junho de 2009, eu tinha 18 anos e escrevi "Sexo e amizade", onde eu escrevi que

Para muitos, parecem incompatíveis a amizade e o sexo. Na verdade, aprendemos a vincular o sexo ao casamento, daí o sexo fora do casamento é difícil para alguns enxergar como normal. Mas a ligação entre sexo e casamento não é obrigatória. São só regras de controle social e religioso que nos dizem que é. Então, é possível um homem e uma mulher terem um envolvimento sexual sem perspectiva de casamento e ainda assim terem estima um pelo outro. Eu já tive alguns amigos homens que tinham vergonha de me olhar como mulher, até que eu encostei os rapazes na parede. Encostei, beijei à força e peguei na ferramenta. (...)

Ah, se existe a amizade como sentimento, pode ser por alguma coisa de qualidade que um vê no outro. Se acontece o sexo, a relação é o sexo mais a amizade. Eu não estou considerando aqueles casos, até comuns, de homem que se finge de amigo para transar com a mulher, porque aí é sexo sem amizade.

(http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2009/06/sexo-e-amizade.html)

Agora, vamos para a minha menoridade. 16 anos, 12 de dezembro de 2007, texto "Mulher pelada vai ser sempre castigada?"

Os cristãos dizem que a pornografia é sinal da depravação da nossa sociedade. Mas fazendo isso, eles, em primeiro lugar, demonstram mais o próprio horror ao sexo por uma mentalidade contraditória, irracional e degradante do que uma suposta abundância de luxúria, como se a sexualidade em si, e não o exercício desajuizado dela, fosse problemática. Em segundo lugar, eles tentam provar uma coisa usando uma prova do contrário. Afinal, se na pornografia as mulheres são desinibidas e o sexo parece bom, e isso soa artificial, isso nos prova, como se já não soubéssemos, que homens e mulheres se encontrarem em situações normais e terem uma transa que é boa para eles não é uma coisa do cotidiano.

(...) Mas também é engraçado que nós nunca vemos ninguém daquela turma que defende a liberdade sexual da mulher dando a entender que fazer um material pornográfico é sinal de liberdade da mulher. Eles ainda acusam qualquer comercial com mulher de biquíni de ser objetificação machista do corpo da mulher. E os cristãos moralistas dizem que isso é banalização do corpo da mulher e do sexo.

(http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2007/12/mulher-pelada-vai-ser-sempre-castigada.html)

E eu já tinha escrito, oito meses antes, já com 16 anos, "A criminalização do sexo": está em http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2007/04/a-criminalizacao-do-sexo.html. Confesso! Eu via pornografia naquela época, sozinha e acompanhada.

Em 31 de agosto do mesmo ano de 2007, eu acho que nem conhecia os rapazes da Real, eu escrevi o texto "São os homens que não prestam?", onde eu disse

Vamos falar a verdade. Quais homens ficam com as mulheres mais bonitas e gostosas? Não são os que tem dinheiro? Quantos homens querem ser bons maridos pras mulheres e recebem patadas, reclamação uma atrás da outra, chifres? Quantos homens querem ter uma amizade com uma colega de trabalho, uma colega de escola, uma vizinha e só recebem patada, ou ela nem conversa a não ser quando precisa de alguma coisa? Quais homens têm as mulheres mais dedicadas? Não são os mais ditos machistas?

(http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2007/08/sao-os-homens-que-nao-prestam.html)

Voltando mais, vamos para 02 de junho de 2006, quando eu escrevi "Calma, rapaz, pode olhar pro meu corpo":

Bom, eu mal comecei este blog e já estava pensando nessas coisas por estes dias. Eu tenho 15 anos, como eu disse, e sabe como é a moça nessa idade. E eu me desenvolvi pra caramba. Os meus seios e a minha bunda já estão entre as maiores que eu já vi, e eu também cresci um bocado, estou com 1,63 m. Os homens olham pra mim. E onde está o problema? No máximo, o problema está em ser o Astolfo, que é um velho cachaceiro babaca, e não o Durval, que é mais velho e não muito bonito, mas é gentil e bom de papo.

E a mulher que posa de topless para um calendário, ou nua pra Playboy, ou faz um filme pornográfico, ela vale menos porque os homens vão ver o corpo dela? Parece que muita gente confunde uma mulher ser mais que o corpo com essa mulher ter horror ao "corpo" do homem, confunde uma mulher ter valor com ela nunca ter um orgasmo na vida nem parecer interessada em ter um. Está certo que, se eu fizer material pornô, naquela hora em que os homens me verem vão ver é o corpo mesmo. Mas por que eu não posso mostrar idéias bacanas ou um trabalho em uma boa causa em outros canais? E se eu sair da pornografia e for apresentadora de um programa de debates na televisão, por exemplo, e for uma apresentadora muito boa, muito bem informada, muito inteligente, qual o problema de um telespectador que já me viu na pornografia me ver ali? Ele vai ter de escolher se olha pro meu corpo ou pra minha inteligência?

(http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2006/06/calma-rapaz-pode-olhar-pro-meu-corpo.html)

Parte 3: por que eu repudio "O Outro Lado do Feminismo"

1) Mesmo eu tendo alguns escritos sobre o Lesbofeminismo e o universo feminino, o que eu escrevi foi amador, não chegou a formar um livro e nem eu nem o que eu escrevi teve publicidade nos jornais. Aparentemente, isso foi tudo que me tirou "autoridade".

2) Eu escrevi os textos que eu citei e centenas de outros como uma garota que observava o cotidiano e procurava tirar inferências como uma pessoa intelectualmente e moralmente normal. Se isso chamou a atenção de milhares de rapazes, não é que eu fosse uma garota especial, era que as garotas normais estavam em falta.

3) Quando eu comecei a escrever, eu não dava muita atenção ao Feminismo, mas eu sabia que a pobreza moral e mental do universo feminino precisava ser envergonhada publicamente. Eu só descobri depois que o Feminismo só é possível quando uma mulher medíocre não espera um dedo na cara. E que sem isso não se combate nem o Feminismo "mau".

4) Falta de pica não é atestado de caráter nem de inteligência para uma mulher. Nem falta de pica nem ser sustentada por um homem em troca de trabalho doméstico. Eu botei a cara na internet para mostrar isso, no tempo em que não se sabia a diferença entre mulher antifeminista e dona de casa puritana sexualmente frustrada.

5) Eu escrevia abertamente contra o Feminismo em inglês antes que o grupo Women Against Feminism existisse, em italiano antes que o Donne Contro Il Femminismo existisse e em português antes das Mulheres Contra o Feminismo.

6) Todo o meu modesto trabalho foi feito em blogues gratuitos e redes sociais, sem um computador meu próprio, às vezes com o companheirismo de amigos da vida real me acobertando quando eu era "de menor" e acessava pornografia em cybercafés. Eu já escrevia pelo menos desde os meus 16 anos que os homens de bom caráter precisam e merecem ser tratados pelas mulheres com atenção, carinho, valorização e sexo bom. A mulher que pensa neles como coadjuvantes do próprio movimento é necessariamente feminista, mesmo que defenda o tradicionalismo.

Questo testo in italiano senza film di dissolutezza in Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: Perché penso che "Il Flipside del Femminismo" è un libro riprovevole, dato che io sono una donna e antifemminista (o: il rovescio è ancora lo stesso LP), http://avezdoshomens2.blog.com/2015/07/15/il-flipside-del-femminismo-libro-riprovevole
Questo testo in italiano con film di dissolutezza in Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: Perché penso che "Il Flipside del Femminismo" è un libro riprovevole, dato che io sono una donna e antifemminista (o: il rovescio è ancora lo stesso LP), http://avezdoshomens2.blogspot.com/2015/07/perche-penso-che-il-flipside-del.html
Eso texto en español sin videos de putaría en Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: Por que pienso que "El Flipside del Feminismo" es un libro reprobable, dado que soy una mujer y anti-feminista (o: el reverso sigue siendo el mismo LP), http://avezdoshomens2.blog.com/2015/07/15/el-flipside-del-feminismo-libro-reprobable
Eso texto en español con videos de putaría en Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: Por que pienso que "El Flipside del Feminismo" es un libro reprobable, dado que soy una mujer y anti-feminista (o: el reverso sigue siendo el mismo LP), http://avezdoshomens2.blogspot.com/2015/07/por-que-pienso-que-el-flipside-del.html
This text in English without licentiousness videos at Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: Why do I think "The Flipside Of Feminism" is a reprehensible book, given I am a woman and anti-feminist (or: the flipside is still the same LP), http://avezdoshomens2.blog.com/2015/07/15/the-flipside-of-feminism-reprehensible-book
This text in English with licentiousness videos at Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: Why do I think "The Flipside Of Feminism" is a reprehensible book, given I am a woman and anti-feminist (or: the flipside is still the same LP), http://avezdoshomens2.blogspot.com/2015/07/why-do-i-think-flipside-of-feminism-is.html
Texto original em português sem vídeos de putaria no A Vez das Mulheres de Verdade: Por que eu acho "O Outro Lado do Feminismo" um livro reprovável, se eu sou mulher e antifeminista (ou: o flipside ainda é o mesmo disco), http://avezdasmulheres.blog.com/2015/07/15/o-outro-lado-do-feminismo-livro-reprovavel
Texto original em português com vídeos de putaria no A Vez dos Homens que Prestam: Por que eu acho "O Outro Lado do Feminismo" um livro reprovável, se eu sou mulher e antifeminista (ou: o flipside ainda é o mesmo disco), http://avezdoshomens.blogspot.com/2015/07/por-que-eu-acho-o-outro-lado-do.html
Seção de sexo, safadeza, putaria, mulher pelada, pornografia
Sezione de sesso, libertinaggio, lussuria, donna nuda, pornografia
Section of sex, lust, licentiousness, naked woman, pornography
Sección de sexo, perrez, putaría, mujer desnuda, pornografía

Thou Shalt Obey Thy Mother!

Tu deves obedecer à tua mãe!

¡Has de obedecer a tu madre!

Tu devi obbedire tua madre!

Página no Facebook