sábado, 27 de junho de 2015

O mito do desenvolvimento e o futuro do Terceiro Mundo, de Celso Furtado: esquerdista desmascara em 1973 as melancias de hoje

O mito do desenvolvimento e o futuro do Terceiro Mundo

Celso Furtado

O estudo preparado para o Clube de Roma sobre as conseqüências a longo prazo da expansão da economia mundial tem sido objeto de amplo debate nos países industrializados. (1) Mas nos países do Terceiro Mundo, que seriam os mais diretamente afetados, caso fossem postas em prática as medidas de política econômica e social preconizadas nesse estudo, o interesse pela matéria tem sido pequeno. Muitas pessoas viram nesse trabalho um elemento adicional da campanha, orquestrada nos Estados Unidos, pelo controle da natalidade nos países pobres, campanha essa que não discrimina entre nações com 300 habitantes por km2 e outras com uma densidade demográfica 30 vezes menor. Outras pessoas identificam nele uma peça na campanha visando a reestabelecer uma rígida tutela sobre os países do Terceiro Mundo, exatamente quando estes começam a libertar-se dos supostos "automatismos dos mercados", graças aos quais os preços dos produtos que exportam puderam ser mantidos baixos em benefício dos países industrializados.

Ora, seria difícil exagerar a importância desse estudo, não tanto pelo que ele pretende demonstrar mas pelas inferências que decorrem dos esquemas nele apresentados. Pela primeira vez dispomos de uma tentativa de análise do comportamento da economia mundial em seu conjunto. Até o presente, os economistas se haviam limitado ao estudo da estrutura e funcionamento de subsistemas, isto é, de economias nacionais ou regionais. Assim, nos últimos vinte anos, os americanos realizaram toda uma série de estudos sobre as tendências a longo prazo da economia dos Estados Unidos, particularmente no que respeita ao comportamento futuro da demanda de recursos naturais não renováveis. Essas projeções são feitas a partir da hipótese implícita de que o mundo fora dos Estados Unidos é ilimitado; o que se tem em vista é determinar o grau de dependência futura do país com respeito à oferta externa de recursos e as possíveis repercussões nos preços de mercado decorrentes do crescimento da demanda de outros países industrializados. Dados recentes publicados pelo Ministério do Interior do governo dos Estados Unidos indicam, por exemplo, que dos treze principais produtos minerais requeridos para o funcionamento da economia do país todos menos um (fosfatos) serão principalmente importados no fim do século atual. Já em 1985 nove dos referidos produtos serão principalmente importados, enquanto em 1970 apenas cinco dependiam mais da importação do que da produção interna. O abastecimento de um produto como o cobre, com respeito ao qual os Estados Unidos eram auto-suficientes em 1970, no ano 2000 dependerá de importações em 56 por cento. A situação do enxofre é idêntica. Se passarmos para os combustíveis, encontraremos tendência similar, pois de grande exportador de petróleo que foi no passado, esse país se está transformando em grande importador. Segundo as previsões do Ministério do interior, o valor das importações americanas de petróleo passará, a preços de 1970, de 8 bilhões de dólares nesse ano, para 31 bilhões em 1985 e 64 bilhões quinze anos depois.

O estudo preparado para o Clube de Roma não se preocupa diretamente com o problema da crescente utilização pela economia norte-americana e de outros países industrializados dos recursos naturais do Terceiro Mundo, e muito menos com as conseqüências para esses países desse processo. A atenção dos autores esteve concentrada na seguinte questão: que acontecerá se todos os países persistem no propósito de continuar expandindo sua produção? A resposta fornecida pelos computadores é inequívoca: a pressão sobre os recursos não renováveis e o grau de poluição do meio físico serão tão altos (ou, alternativamente, o custo do controle da poluição será tão grande) que o sistema tenderá inexoravelmente para o colapso. Cabe acrescentar que, em razão da estrutura do sistema, grande parte do que acontecerá no futuro decorre de decisões tomadas no passado ou que estão sendo tomadas hoje sem consciência de suas repercussões. Assim, a poluição a ser combatida no futuro decorre em grande parte de decisões tomadas em anos passados; a oferta de mão-de-obra a ser absorvida nos próximos vinte anos resulta de nascimentos já ocorridos, etc.

A novidade desse estudo não está nos materiais que utiliza ou nas relações de causalidade que postula e sim no fechamento do sistema em escala planetária, o que foi possível graças a enormes recursos de computação. A hipótese de um mundo exterior ilimitado, implícita nos modelos anteriores, pôde ser abandonada. Esse passo decisivo permitiu que se explicitasse um dado fundamental com o qual o homem jamais quis confrontar-se: fato elementar de que o processo civilizatório, tal qual o praticamos, é de caráter essencialmente predatório, quando observado de um ângulo mais geral; a criação de valor, em nossa civilização, engendra processos não reversíveis de desorganização do mundo físico; assim, grande parte de nossos processos produtivos implicam em transformação de energia disponível em energia não disponível, o que é um processo não reversível, conforme nos explica a termodinâmica. (2) A tendência do leitor congenitamente otimista, nascido neste mundo de alucinante progresso, é retorquir: previsões desse tipo falharam porque não levaram em conta o progresso técnico. Ora esse argumento é inconsistente, pois antes nunca se havia fechado o sistema, ou seja, nunca se havia passado da análise parcial à global. O progresso técnico pode mesmo acelerar o seu ritmo, sem que por isso nossa civilização seja menos predatória.

O modelo utilizado para as projeções é inobjetável do ponto de vista de sua consistência interna. Ocorre, porém, que sua estrutura foi estabelecida a partir de dados que refletem o comportamento das economias atualmente industrializadas, ou melhor, refletem o processo de industrialização ocorrido nas chamadas economias cêntricas ou dominantes. Os autores do estudo foram explícitos, dede o começo, com respeito à metodologia adotada.

"A base do método", nos dizem, "é o reconhecimento de que a estrutura de qualquer sistema - as múltiplas relações, circulares, interligadas e às vezes assincrônicas, entre seus componentes - é freqüentemente tão importante na determinação de seu comportamento quanto seus próprios componentes de per si" (pág. 31). E mais adiante acrescentam: "... neste ponto é necessário um alto grau de agregação para manter o modelo inteligível... As fronteiras nacionais não são levadas em consideração. Desigualdades de distribuição de alimentos, recursos e capital estão incluídas implicitamente nos dados, mas não foram explicitamente calculadas ou representadas graficamente no produto" (pág. 94).

A pergunta que cabe formular é a seguinte: dispomos de conhecimento suficiente da estrutura do sistema econômico mundial para projetar as suas tendências a longo prazo? Tem validade, por exemplo, a afirmação que fazem os autores de que "a medida que o resto do mundo for se desenvolvendo do ponto de vista econômico, seguirá basicamente os padrões de consumo norteamericanos"? (pg. 109). Nessa afirmação vai um desconhecimento total da especificidade do fenômeno do subdesenvolvimento, o qual não constitui uma fase no processo de desenvolvimento, como pretende a escola de Rostow, e sim uma deformação provocada pelas relações particulares surgidas entre países dominantes e países dependentes a partir da Revolução Industrial. (3) Não é muito o que sabemos do fenômeno do subdesenvolvimento, mas o que sabemos é suficiente para nos convencer de que o atual processo de industrialização da periferia do mundo capitalista (processo baseado na substituição de importações a serviço de minorias privilegiadas ou de exportação de mão-de-obra barata em indústrias de exportação) é estruturalmente distinto do processo de industrialização dos centros dominantes da economia mundial, ocorrido nos dois primeiros terços deste século, e que serviu de base para estabelecer a estrutura do referido modelo.

A industralização do centro do sistema capitalista baseou-se, essencialmente, na difusão dos frutos do progresso técnico, isto é, na criação de mercados de massa. Essa industrialização, no quadro das economias nacionais, realizou-se paripassu com a elevação de salários reais, o que não impediu que se mantivesse, sem maiores alterações, a renda altamente concentrada. Porque a renda se mantém altamente concentrada, a necessidade de introduzir novos produtos é permanente; mas ao se elevarem os salários reais formam-se os mercados de massa à la americana, o que abre o caminho às economias de escala de produção.

A experiência de países como o Brasil, o México e a Índia está demonstrando que esse modelo de industrialização não se reproduz na perfieria do mundo capitalista. A reprodução pelas minorias dominantes desses países dos estilos de vida dos países ricos exige tal concentração de renda que o processo de industrialização tende a ser basicamente diferente. Trata-se de transpor, para países em que o capital acumulado por habitante é relativamente exíguo, formas de consumo que são a resultante de forte acumulação de capital obtida através de um longo processo de industrialização e de relações internacionais de dominação. A fim de que cinco por cento da população do Brasil desfrute de níveis de vida que correspondem a uma renda média de três mil dólares, quando a renda média do país é de quatrocentos, oitenta por cento da população tendem a ser totalmente excluídas dos benefícios dos incrementos de produtividade, o que dá lugar a um tipo de estrutura industrial sem qualquer correspondência com a dos países industrializados, quando nestes a acumulação de capital era similar à de que dispõe o Brasil hoje.(4)

A estrutura de um modelo da economia mundial deverá, para ser realista, ter em conta essa diferença qualitativa entre o capitalismo cêntrico ou dominante e o capitalismo periférico ou dependente. (5) O primeiro está baseado na introdução de novos produtos e na difusão do uso de novos produtos, isto é, no consumo de massa; o segundo se baseia na imitação tecnológica e na concentração da riqueza e da renda. Como é no âmbito periférico que tem lugar a grande expansão demográfica, a ignorância dessa disparidade estrutural leva necessariamente a resultados irrealísticos nas projeções de tendências.

O postulado da existência de uma economia capitalista mundial com estrutura homogênea constitui a razão de ser das conclusões cataclísmicas a que leva o estudo que estamos considerando. Ora, a única coisa que sabemos de seguro sobre a industrialização dos países de capitalismo periférico é que as grandes massas não têm acesso aos frutos do incremento de produtividade. Um modelo que tivesse em conta que apenas cinco por cento dos bilhões que vivem e crescem no Terceiro Mundo terão efetivamente acesso ao american way of life e que os 95 por cento restantes permanecerão perto do nível de subsistência, produziria necessariamente conclusões muito distintas. O crescimento demográfico prosseguirá, nos países do Terceiro Mundo, enquanto existam terras a serem ocupadas - o que ainda é regra geral em quase toda a América Latina, grande parte da África e certas regiões da Ásia - ou enquanto a intensificação no uso da terra se possa realizar sem aumento excessivo nos custos de produção em termos de hora de trabalho. (6) Contudo, pelo fato mesmo de que o grosso da população dos países do Terceiro Mundo permanece perto do nível de subsistência, e nada indica que tal situação se modificará, a evolução demográfica desses países continuará a depender da disponibilidade de terras (ou da possibilidade de intensificar o uso destas) nos respectivos países. Não se exclui a hipótese de uma série de cataclismas locais, como o que atualmente ocorre num grupo de países da África Ocidental, os quais atuarão como um freio ao crescimento demográfico. O que parece pouco realista é supor que tais cataclismas tenham repercussões maiores nos países ricos, ou ponham em perigo o funcionamento do sistema econômico mundial.

Se considerarmos à parte o grupo de países capitalistas de economia dominante, veremos que para estes o problema é muito mais de dependência com respeito à importação de matérias-primas - em razão do esgotamento das próprias reservas - do que de crescimento exponencial da demanda. O lento crescimento demográfico conjugado a uma alta renda per capita produz um lento crescimento da demanda de produtos básicos, inclusive alimentos em bruto, ao mesmo tempo que se eleva a possibilidade de reciclagem de certos metais. Assim, o consumo de cobre por habitante triplicou nos Estados Unidos, entre 1900 e 1940; mas entre este último e 1970 manteve-se praticamente estável. O consumo de aço por habitante mais que triplicou nesse país, entre 1900 e 1950, mas permaneceu estável nos últimos vinte anos. Em realidade, o consumo de metais básicos por habitantes é aproximadamente igual num importante grupo de países industrializados (grupo que inclui os Estados Unidos, a Alemanha Ocidental, o Japão, a Suécia) se bem que dentro desse grupo as diferenças de renda per capita variem de 1 para 2. Não há dúvida de que no último quarto de século houve um considerável aumento da demanda de produtos básicos em um grupo de países industrializados que haviam acumulado um grande atraso em sua industrialização, com respeito aos Estados Unidos. Mas a própria experiência norte-americana está aí para demonstrar que a curva desse crescimento é assintótica. Essa não linearidade da demanda de produtos básicos foi aliás incorporada ao modelo que estamos considerando. (7)

Se dispuséssemos de meios para projetar separadamente as economias capitalistas cêntricas e as periféricas, estaríamos seguramente muito mais próximos da realidade do que com o modelo de estrutura integrada elaborado pelo grupo do M. I. T. A hipótese de colapso somente teria fundamento se o sistema tendesse a generalizar em escala planetária a atual forma de vida (e de desperdício de recursos) dos países capitalistas cêntricos. Ora, a tendência estrutural do sistema é exatamente no sentido inverso, ou seja, para concentrar a renda e a riqueza em benefício dos países ricos, em escala planetária, e dentro dos países pobres em benefício das minorias ricas.

Chegamos, assim, por meios indiretos, a uma conclusão da maior importância: o estilo de vida produzido pelo capitalismo industrial deve ser preservado para uma minoria, pois toda tentativa de generalização do mesmo ao conjunto da humanidade provocará necessariamente um colapso global do sistema. Esta conclusão tem imenso significado para os países do Terceiro Mundo, pois ela põe em evidência que o desenvolvimento econômico que vem sendo preconizado e praticado nesses países - o suposto caminho de acesso às formas de vida dos atuais países desenvolvidos - é um simples mito. Sabemos agora que os países do Terceiro Mundo não poderão jamais desenvolver-se, se por isso deve entender-se ascender às formas de vida dos atuais países desenvolvidos. Se por um milagre esse desenvolvimento viesse a ocorrer, o sistema entraria necessariamente em colapso. Pode-se levar mais longe o raciocínio e afirmar: a forma que assume atualmente a industrialização periférica, com exclusão das grandes massas dos benefícios dos aumentos de produtividade do trabalho, não decorre do acaso nem somente da malícia das elites dos países do Terceiro Mundo; ela também resulta da necessidade de conciliar o grande desperdício de recursos inerente ao sistema com a rigidez crescente da oferta de certos recursos naturais não renováveis. Essa conciliação é evidentemente realizada em função dos interesses das economias dominantes.

Identificar as tendências estruturais de um sistema social não significa prever o seu futuro. A história é um processo aberto à intervenção humana. Não se exclui a hipótese de que ocorram em um número crescente de países do Terceiro Mundo mutações sociais, das quais resultem alterações na estrutura do sistema econômico. Poderiam tais mudanças pôr em marcha forças tendentes a produzir o colapso do sistema global, caso propiciem a generalização à maioria da população dos benefícios do desenvolvimento econômico? Nada indica que uma tal situação venha a produzir-se, pois o caminho que tenderiam a adotar esses países, em tal hipótese, seria o de redução de consumo das elites privilegiadas. É evidente que em um país como o Brasil, onde um por cento da população se apopria de uma parte tão grande da renda como a que corresponde à metade da população mais pobre, o caminho mais curto para difundir os benefícios do desenvolvimento passa pela redução do consumo da minoria privilegiada. Em outras palavras: toda modificação das tendências atuais provavelmente assumirá a forma de uma orientação global do sistema econômico, ao nível nacional, visando a subordinar a alocação dos recursos escassos a critérios sociais.

Contudo, seria ingênuo postular que todo sistema econômico orientado com critérios sociais está isento de tendências predatórias com respeito ao meio físico. A quem caberá definir a função de bem-estar social? Quem arbitrará entre vantagens presentes e futuras, entre vantagens em benefícios de pessoas já nascidas e pessoas a nascer no próximo século? De decisões intertemporais deste tipo depende a preservação ou a destruição dos recursos não renováveis e a acumulação de poluentes. Se o capitalismo agrava o caráter predatório do comportamento dos grupos sociais, não o explica em sua totalidade. Tudo indica que o homem continuará a transformar o mundo físico, e o fará provocando processos de desorganização irreversíveis.

A primazia do interesse social, no que respeita à utilização de recursos escassos, poderá, contudo, abrir o caminho para modificações estruturais de grande alcance. Essa afirmação é particularmente verdadeira com respeito a países que enfrentam uma grande penúria de capital, como são os do Terceiro Mundo. A adoção de critérios sociais nesses países produzirá necessariamente sociedades muito mais igualitárias do que aquelas que atualmente existem nos países capitalistas cêntricos, ou que existiram nesses países em toda a história de sua industrialização. Ora, nada é tão específico da civilização criada pelo capitalismo industrial quanto o seu caráter não igualitário. A riqueza dessas sociedades mascara esse fenômeno, o qual não escapa, contudo, a qualquer observador mais arguto. Esse não-igualitarismo está na base do sistema de inscrições que move a economia capitalista e permeia toda a escala de valores pela qual se orienta. As elites ditam os padrões de comportamento em função dos quais novos produtos são permanentemente criados. Visto o problema de outro ângulo: para que os grupos de altas rendas mantenham o seu consumo em expansão, novos produtos e novos modelos devem surgir de forma permanente e a obsolescência social dos que existem deve ser acelerada. Existe uma inter-relação entre a rapidez desse fluxo renovador do consumo dos grupos de rendas altas, a taxa de lucro e o grau de concentração da renda. Não há dúvida que o capitalismo cêntrico depende, igualmente, para o seu normal funcionamento, da produção em massa para o consumo. Mas são os grupos de altas rendas que precisam ser excitados para manter os seus gastos de consumo em expansão, pois o consumo das massas tende a acompanhar o nível dos salários reais, comportando-se como variável dependente. Além do mais, os padrões de rápida obsolescência estabelecidos para aumentar o consumo dos grupos de altas rendas tendem a propagar-se ao conjunto da economia, dando origem ao considerável desperdício que caracteriza o capitalismo industrial.

É evidente que esse sistema é totalmente inadequado para elevar o nível de vida das grandes massas do Terceiro Mundo. E também é evidente que, eliminada a tutela das elites na definição dos padrões de consumo, o sistema produtivo poderá mais facilmente orientar-se no sentido de simplificar o consumo e dotar de longevidade o que produz. Em outras palavras: o progresso técnico orientar-se-ia no sentido de economizar tudo que é escasso e não de acelerar a obsolescência dos bens finais. Sendo assim, uma reorientação do desenvolvimento nos países do Terceiro Mundo contribuiria para reduzir o desperdício dos recursos não renováveis que caracteriza o sistema atual. Mas daí não se pode deduzir que a pressão sobre esses recursos se reduza, pois o menor consumo das elites poderá ser mais que compensado pelo maior consumo das massas. O máximo que se pode afirmar é que essa pressão será muito inferior à que existiria caso se difundissem as formas de vida que atualmente prevalecem nos países de capitalismo dominante.

Cabe deduzir do que vem de ser afirmado que também marcharemos para o colapso a que se refere o estudo do M.I.T., caso os países do Terceiro Mundo abandonem o estilo de desnvolvimento elitista que praticam atualmente? Chegaremos a essa conclusão se ignorarmos outros aspectos do problema. A reorientação do desenvolvimento não poderá ter lugar senão naqueles países em que se produza um grande reforçamento dos centros internos de decisão. Seria difícil conciliar essa reorientação com a permanência do controle dos sistemas industriais locais pelas empresas multinacionais, cuja força deriva de uma tecnologia que por definição seria inadequada ao novo estilo de desenvolvimento. Por outro lado, a partir do momento em que as fontes de recursos não renováveis (inclusive os solos utilizados na produção agrícola) sejam nacionalmente controladas e postas a serviço da nova política de desenvolvimento, a repercussão nos preços internacionais dos produtos básicos terá que ser considerável. A ficção dos mercados internacionais desses produtos tenderá a desaparecer e os aspectos essencialmente políticos da formação dos preços relativos dos mesmos virá plenamente à luz. Nestas condições, os preços relativos dos produtos não renováveis tenderão a elevar-se, o que obrigará os países ricos a reorientar o progresso técnico no sentido de poupar esses bens. Concomitantemente, como conseqüência da modificação dos preços relativos em favor dos produtos não renováveis, importantes transferências de renda se fariam em benefícios dos países do Terceiro Mundo, o que facilitaria o desenvolvimento destes e reduziria o ritmo de acumulação dos países ricos. Como são os países do Terceiro Mundo que estarão utilizando mais racionalmente os recursos não renováveis, o efeito final da transferência de renda no uso desses recursos será positivo.

Em síntese: uma análise mais detida da estrutura do sistema capitalista, na fase atual de industrialização da periferia, indica que as grandes massas são atualmente excluídas dos frutos dos aumentos de produtividade. Por outro lado, no caso de emergência de mutações sociais, muito provavelmente tenderá a prevalecer um estilo de desenvolvimento fundamentalmente diverso preocupado prioritariamente com necessidades cuja satisfação pode ser generalizada ao conjunto da população. Nas duas hipóteses a pressão sobre os recursos não renováveis tenderia a ser consideravelmente menor do que a que se deduz das projeções do estudo do M.I.T. Para as massas crescentes que, após dois séculos de Revolução Industrial, vivem ao nível de subsistência, a ameaça real consiste em permanecerem onde estão, enquanto os seus respectivos países se dotam de fachadas industriais em benefício de minorias locais e grupos ligados às economias dominantes. O cenário descrito pelos técnicos do M.I.T., que implica na ascensão dessas massas a níveis de consumo similares aos das populações da Europa ocidental atual para logo em seguida enfrentarem o Julgamento Final, constitui simples fantasia, ainda que fascinante, digna de um cérebro eletrônico.


(1) Cf. The Limits to Growth (Universe Books, New York, 1972). Este estudo foi preparado no Massachussetts Institute of Technology por Donella H. Meadows, Dennis L. Meadows, Jorgen Randers e William W. Behrens III. Sobre a metodologia adotada nesse trabalho veja-se J. W. Forrester, Industrial Dynamics (Cambridge, Mass. 1961) e World Dynamics (Cambridge, Mass. 1971).

(2) Para uma apresentação sistemática desse problema veja-se o trabalho magistral do Prof. Nicholas Georgescu-Roegen, The Entropy Law and the Economic Process (Cambridge, Mass. 1971).

(3) Cf. Celso Furtado, Teoria e Política do Desenvolvimento Econômico (4ª edição, São Paulo, 1972), passim.

(4) Sobre a distribuição da renda nos países da América Latina veja-se Celso Furtado, Formação Econômica da América Latina, pp. 100-110. As estatísticas disponíveis com respeito ao processo de industrialização dos Estados Unidos, da França, da Inglaterra e da Alemanha indicam uma aparente estabilidade na repartição tanto social como funcional da renda, no correr do último século, tidos em conta os efeitos da política social. Vejam-se os dados reunidos a esse respeito por Jean Marchal e J. Lecaillon, in La répartition du Revenu national, volumes I e II (Editions Gênin, Paris, 1958). Os dados referentes ao Brasil não somente indicam um grau de concentração muito mais elevado que em qualquer país industrializado, mas também uma agravação dessa concentração nas fases de intensificação do crescimento econômico. Por exemplo: durante o decênio dos 60 a renda por habitante aumentou de um terço no Brasil, mas todo o benefício do aumento se concentrou nos 20 por cento mais ricos da população, particularmente nos 5 por cento mais ricos, cuja renda per capita dobrou durante esse decênio.

(5) Esse modelo deverá igualmente ter em conta o grau de mobilidade internacional da mão-de-obra. A população mundial não está distribuída em um sistema de vasos comunicantes. Portanto, a pressão exercida sobre os recursos em um país não se comunica necessariamente aos demais.

(6) A ignorância dos aspectos institucionais ligados à utilização da terra leva os autores do estudo do M.I.T. a afirmar: "Se terras boas e férteis ainda fossem facilmente encontradas e pudessem ser cultivadas, não existiria nenhuma barreira econômica para alimentar os famintos e nenhuma opção social difícil a ser feita" (pág. 52). Ora, em um país como o Brasil a abundância de terras cultiváveis não utilizadas, muitas vezes de fácil acesso, não impede que uma parte importante da população rural apresente todos os sintomas de extrema subnutrição. Nesse, como noutros países da América Latina, é comum ver os minifundistas empilhados em terras insuficientes para absorver a capacidade de trabalho de uma família ao lado de latifúndios que utilizam menos de um décimo das terras de que dispõem. Veja-se Celso Furtado, Formação Econômica da América Latina, pp. 89-99.

---

FURTADO, Celso. O mito do desenvolvimento e o futuro do Terceiro Mundo. Argumento, nº 1, ano 1, outubro de 1973. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, pág. 46-53. A nota de rodapé nº 7 está faltando no original.

O Puritano-Feminismo episódio 24: CONAR que ignorou cerca de 300 homens censura boazuda a reboque de 60 feminazistas

Considerado "sensual demais", cartaz da Itaipava com Aline Riscado, a "Verão", é suspenso

20/06/2015 - 14h00

CAROL PRADO

DE SÃO PAULO

Uma propaganda da cerveja Itaipava com Aline Riscado, a "Verão", foi suspensa por determinação do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar), por ser considerada "sensual demais".

O cartaz, instalado em pontos de venda da marca, mostra a modelo segurando duas embalagens da bebida, uma de 300 ml e outra de 350 ml. Embaixo de seus seios, aparece a inscrição 600 ml.

Segundo o conselho, cerca de 60 consumidores enviaram reclamações sobre essa e uma segunda peça publicitária da Itaipava, sem Aline, na qual uma modelo aparece com roupas justas ao lado da frase "20% casa, 30% comida, 50% roupa lavada".

A maioria dos registros apontou machismo e apelo excessivo à sensualidade nos comerciais.

A entidade absolveu a propaganda com porcentagens, acatando a defesa da marca, que alegou se tratar de uma formulação humorística.

Já para o cartaz com Aline, ex-bailarina do "Domingão do Faustão" (Globo), o Conar aceitou no último dia 11 a acusação de uso exagerado da sensualidade. Uma liminar para suspensão do comercial já havia sido expedida na abertura do processo, em maio.

Procurado, o Grupo Petrópolis, que administra a Itaipava, informou que "aceita e acata a decisão do Conar".


Folha de São Paulo, seção F5,
http://f5.folha.uol.com.br/voceviu/2015/06/1645377-considerado-sensual-demais-cartaz-da-itaipava-com-aline-riscado-a-verao-e-suspenso.shtml

Comentários de A Vez das Mulheres de Verdade / A Vez dos Homens que Prestam

Eu já ia chamar a atenção dos amigos conservadores no Facebook e no Google Plus: atribuir ao Feminismo a liberalidade sexual heterossexual, no pressuposto de que ela existe, é um FAVOR ao movimento esquerdista. Então, eu vejo a matéria acima compartilhada pelo amigo de um amigo do Facebook.

Se lembram de quando a série de propagandas "Mulheres Evoluídas", da Bombril, teve o maior número de denúncias da história do CONAR, cerca de 300, e não deu em nada? Pois é, para o crime de sensualidade, bastou um quinto, 60 "consumidores".

E vejamos que para o CONAR, para a Carol Prado, que assina esta matéria e a maior parte da população brasileira, crime de injúria contra homem é piada e piada com mulher... simpática é caso judicial.

De resto, deixo o que eu disse em duas postagens. Agosto de 2011: "O feminazismo chegou à Justiça - parte 2: CONAR retira propagandas 'impróprias' a mando de mocréias feministas, mas permite outra que ofende os homens", http://avezdasmulheres.blog.com/2011/08/26/o-feminazismo-chegou-a-justica-parte-2. Novembro do ano passado: "Da colaboração na calúnia contra o antifeminismo ao cretino que pensa que é Deus, o Poder Judiciário se afundando na desonra", http://avezdasmulheres.blog.com/2014/11/15/poder-judiciario-se-afundando-na-desonra

E deixo também uma piadinha (para os amigos não-brasileiros, a explicação está a partir dos 2:30 do vídeo em https://www.youtube.com/watch?t=160&v=Dq3PvGnmS9A ou na transcrição na minha postagem "A internet e os porteiros dos céus"):


Abigail Pereira Aranha

sexta-feira, 26 de junho de 2015

segunda-feira, 22 de junho de 2015

A internet e os porteiros dos céus

Abigail Pereira Aranha

Atrizes pornô odeiam "50 Tons de Cinza" – e explicam por quê

Nadia Styles, Mercedes Carrera e Nina Elle elencaram cinco motivos para odiar a obra

Por: as 9:21 pm em 20/02/2015


Nadia Styles, Mercedes Carrera e Nina Elle odeiam '50 Tons de Cinza' (Crédito: Reprodução)

Nadia Styles, Mercedes Carrera e Nina Elle odeiam '50 Tons de Cinza' (Crédito: Reprodução)

Você pode até tentar fugir, mas a verdade é que ele voltou a tona: "50 Tons de Cinza" é, mais uma vez, o assunto da vez. Tudo por causa do lançamento do filme homônimo, que conta a história de uma relação sado-masoquista entre Anastasia Steele (vivida por Dakota Johnson) e Christian Grey (interpretado por Jamie Dornan).

O tema apimentado da trama chamou a atenção também de Nadia Styles, Mercedes Carrera e Nina Elle. As três tem propriedade quando o assunto é sexo na tela: elas são atrizes pornô – e gravaram um vídeo para te convencer a não assistir ao filme.

A peça em questão foi criada pelo grupo humorístico Funny or Die. No vídeo, as atrizes elencam cinco razões pelas quais toda estrela pornográfica odeia "50 Tons de Cinza".

Confira o vídeo (em inglês):

http://vip.abril.com.br/atrizes-porno-odeiam-50-tons-de-cinza-e-explicam-por-que

Dos livros às redes sociais

Pessoal, eu vou expor o que eu pensei no caminho até chegar nessa matéria e assistir o vídeo do qual ela trata e vai parecer esquisito, mas espero que seja edificante. É sobre a comunicação de massa, as universidades e a divulgação de informações. Quase todos os colunistas e jornalistas e quase todos os professores e pesquisadores universitários são como porteiros do conhecimento do mundo real: ficam na entrada para controlar quem entra e o que sai. Pra começar, eu, sendo ateia, me lembrei de um texto bíblico e vou fazer uma analogia: "Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que fechais aos homens o reino dos céus; e nem vós entrais nem deixais entrar aos que estão entrando." (Mt 23:13) "Na época de Esdras (vide livro bíblico de mesmo nome, no capítulo 7) os escribas eram sacerdotes copistas, extremamente cuidadosos, da Torá (Lei de Moisés). Porém, nos dias de Jesus, os escribas eram indivíduos com muito estudo e conhecimento, que dedicavam boa parte de suas vidas ao estudo e instrução da Lei (não necessariamente eram sacerdotes). Interpretavam e ensinavam as Leis de Moisés (chamada de Torá escrita), associadas a alguns princípios jurídicos e culturais (Torá oral ou 'Tradição dos antigos' – capítulo 15 de Mateus e capítulo 7 de Marcos)."[1] "Formavam os fariseus a mais importante das escolas judaicas, de caráter religioso, que funcionaram, depois que, 150 anos antes do nascimento de Cristo, mais ou menos, o espírito de profecia já tinha deixado de existir. Receberam aquele nome porque eles, na sua vida, separavam-se de todos os outros judeus, aspirando a mais do que uma simples santidade e exato cumprimento de deveres religiosos: mas a sua separação consistia principalmente em certas distinções a respeito do alimento e de atos rituais. A maior parte das vezes isso era apenas exterioridade religiosa, sem profundeza de religião (Mt 23.25 a 28), embora, em geral, não fossem faltos de sinceridade. Não tardou muito tempo para que esta seita obtivesse reputação e poder entre o povo - e passava já como provérbio o dizer-se que se apenas duas pessoas entrassem no céu, uma delas havia de ser fariseu."[2] Mas foi para estes grupos que Jesus mandou uma indireta, em outra ocasião, sobre o que eles planejavam fazer com ele: "mas aqueles lavradores disseram entre si: Este é o herdeiro; vamos, matemo-lo, e a herança será nossa." (Mc 12:7)

Mas isso não é uma coisa recente dos países com governo de esquerda no poder formal. Isso tem a ver com a própria história da comunicação de massa. Vou considerar o século XIX nos países desenvolvidos. Primeiro, era uma minoria que sabia ler e escrever. Segundo, a produção de material impresso era cara. Terceiro, até o século XVII, na Europa desenvolvida, "ateu" era um insulto e só no século XVIII, na Europa desenvolvida, se registra alguém se autodenominando ateu, e ainda assim significando não-crente no Deus judaico-cristão. Com isso tudo, quase nenhuma pessoa inteligente poderia publicar alguma coisa impressa sem se preocupar com políticos, ricaços, beatos ou analfabetos. Isso pressupondo que essa pessoa soubesse escrever, para começar.

Mas mesmo sendo medíocre, nenhum escritor, jornalista ou professor universitário ouviu de um editor que havia gente melhor que poderia estar no lugar dele, chegando ao ponto de uma teoria do Direito Divino dos Reis, uma bajulação carola de quinta categoria, ser considerada filosofia política nos séculos XVI e XVII. Ah, e o livro "De Defensio Fidei Catholicae adversus Anglicanae sectae errores", de Francisco Suárez, 1613, que refutava essa teoria, foi condenado e queimado na França e na Inglaterra.

Não tenho como provar, mas muitos escritos valiosos ou pelo menos decentes se perderam para sempre porque foram destruídos, foram ignorados até serem consumidos pelo tempo ou nem puderam ser publicados. O slogan "leia livros" já foi válido, hoje é um clichê obsoleto de burgueses fanfarrões pseudointelectuais que, para começar, confundem o formato de uma obra cultural com o conteúdo em si, e talvez devam ser informados de que blogues não são (sempre) coisa de jovem sem o que dizer e o que fazer (a Presidência da República tem um blogue). Pelo menos no Brasil de hoje, livros impressos só são indicáveis, com cada vez mais cautela, para informação técnico-científica. Lendo livros, nós podemos ganhar conhecimentos valiosos, mas vamos achar menos uma história do conhecimento do que uma história da sobrevivência da estupidez. Só pra você entender: era uma vez um médico que descobriu que a taxa de mortalidade por infecção hospitalar caía drasticamente quando o médico... lavava as mãos antes dos procedimentos médicos; ele propôs que os médicos do hospital onde ele trabalhava lavassem as mãos e foi demitido.

Chegando o movimento socialista em alguns países, nem sempre chegando ao poder formal, os meios de comunicação de massa e os corpos docentes das universidades uniram a pseudofilosofia socialista ao clientelismo e ao apadrinhamento. Ainda se produziu muita coisa de boa qualidade, mas gradativamente saiu o bom para entrar o medíocre, saiu o medíocre para entrar o ridículo, saiu o ridículo para entrar o anedótico. Mas o pior é que ter estado na imprensa ou na televisão ou ter algo para um currículo acadêmico se tornaram valores em si mesmos, em vez de reconhecimento de alguma qualidade que os justificasse. Vou mostrar ao leitor um caso que aconteceu no Brasil na semana passada (eu já tinha em mente escrever este texto há mais de três meses, foi bom ter demorado), que pode esclarecer isso melhor do que eu poderia tentar explicar genericamente. Uma menina levou uma pedrada supostamente por evangélicos porque ela é de uma religião afrobrasileira. Um jornalista, Ricardo Boechat, afirmou que as igrejas evangélicas neopentecostais incentivam a intolerância religiosa. Um pastor de uma igreja evangélica, Silas Malafaia, desafiou o jornalista a um debate ao vivo para provar o que estava dizendo. Olha só o que o jornalista responde no programa de rádio que ele apresenta (grifos meus, erros no original):


O pastor Silas Malafaia, uma figura que dispensa maiores apresentações, acabou de colocar no Twitter dele um desafio pra debater comigo ao vivo, pra eu parar de falar asneiras no programa de rádio, "sozinho é mole, deixa de ser falastrão, não incite o ódio". "Avisa ao jornalista Boechat que está falando asneira, dizendo que pastores incitam os fiéis a praticar intolerância. Verdadeiro idiota". Ô, Malafaia, vai procurar uma rola, vai. Não me enche o saco. Você é um idiota, um paspalhão, um pilantra, tomador de grana de fiel, explorador da fé alheia, e agora vai querer me processar pelo que acabei de falar. Que é que você faz? Você gosta muito é de palanque. Eu não vou te dar palanque porque tu é um otário, tu é um paspalhão. O que eu falei e repito, e não vou participar de debate com você porque eu não vou te dar confiança, é o seguinte: que é no âmbito de igrejas neopentecostais que estão acontecendo atos de incitação à intolerância religiosa. Mais do que em outros ambientes. Em nenhum momento, em nenhum momento, é pegar as minhas falas que estão todas gravadas, eu disse qualquer coisa que generalizasse esse comentário, qualquer coisa. Até porque, diferente de você, não sou um idiota. Então você é homofóbico, você é uma figura execrável, horrorosa, e que toma dinheiro das pessoas a partir da fé. Você é rico. Eu não sou rico porque tomei dinheiro das pessoas pregando salvação depois da morte. O meu salário, os meus bens, o meu patrimônio veio do meu suor, não veio do suor alheio. Você é um charlatão, cara, que usa o nome de Deus, de Cristo, pra tomar dinheiro de fiéis. Você é tomador de grana, você e muitos outros. Tenho medo de você não, seu otário. Vai procurar uma rola, repetindo em português bem claro.

(https://youtu.be/Dq3PvGnmS9A?t=2m30s)

Isto é a imponência de alguém na imprensa ou em um corpo docente de universidade. Chamar alguém para um debate público é ser idiota, não ser um idiota é ser chamado e fugir. Recusar-se a encontrar uma pessoa para um debate ao vivo é não ter medo dela. Essa farsa de superioridade é cada vez mais normal na imprensa e na universidade, tanto entre professores quanto entre alunos, visível ao público ou em mensagem privada no Facebook.

Outra: o normal em uma conversa no Brasil, em vez de uma pessoa mostrar bons argumentos e surpreender dizendo a formação que tem a alguém que pergunta, é a pessoa mostrar, depois da falta de argumentos, o currículo que tem como se fosse resposta. Aqui vai o currículo do jornalista:

Reconhecido como um dos jornalistas mais bem informados do país, Ricardo Boechat comanda a programação da BandNews FM das 7h30 às 9h de segunda a sexta-feira, ao lado de Eduardo Barão e Tatiana Vasconcellos. Ganhador de três prêmios Esso, começou a carreira no início da década de 70 e passou por O Globo, Estado de S. Paulo e Jornal do Brasil. Atualmente, apresenta também o Jornal da Band.

(http://bandnewsfm.band.uol.com.br/Apresentador.aspx?COD=11)

Alguém vai dizer que uma coisa não exclui a outra, que uma fala lamentável como aquela não exclui o currículo que ele tem. ESSE é o problema! Nossas redações de jornais e revistas estão repletas de vadias, lésbicas velhas e afeminados viajando pelo país e ao exterior para aproveitar hotéis cinco estrelas e passeios turísticos e voltar com um texto que sabem que o diretor de jornalismo vai aceitar. Nossas universidades também amam alunos e professores em eventos pomposos para apresentar trabalhos inúteis que pouquíssimas pessoas vão saber que existem. Todas essas pessoas, ou quase todas, vão à fonte do conhecimento ou da notícia para garantir que eles não saiam de lá. Isso, como eu tentei mostrar, não é coisa nova, mas piorou de poucas décadas para cá.

Ah, e eu vou mostrar uma particularidade do Brasil, mas se você não é do Brasil eu peço a sua atenção. Por que quase não se comenta na imprensa ou nas escolas e universidades que nenhuma universidade brasileira está entre as 100 maiores do mundo ou, até pouco tempo atrás, nem entre as 200, se o país está entre as dez maiores economias do mundo? Por que quase não se comenta que o Brasil tem historicamente um dos piores resultados do PISA, em alguns anos já teve O PIOR? Pior: por que os graduandos e especialistas em Pedagogia são os que mais se calam sobre isso, mas são os que mais se preocupam com "projetos sociais"? Nem se chega à vergonha de perceber que o curso de Pedagogia, o curso de Jornalismo ou os cursos de licenciatura foram usados como Cavalo de Troia de uma militância, que depois de afundar o país, desvalorizou o próprio diploma desses cursos. Não é só pelo costume com a ideologia socialista desde o primeiro grau. Não é só porque os professores deles foram, em geral, os estudantes mais medíocres da escola pública e também militantes de esquerda. É também porque tanto os pedagogos e jornalistas quanto os estudantes de Pedagogia, os estudantes de Jornalismo e os professores brasileiros têm de proteger o seu status. Não pode "vazar" que as melhores universidades do Brasil são quase irrelevantes no contexto mundial e que o diplomado pode nem ser plenamente alfabetizado. Já houve um tempo em que mesmo um professor medíocre e intratável tinha um domínio do que ensinava que era notório. Hoje, até isso se perdeu, cada vez mais se pode humilhar um especialista na sua própria área com um comentário curto em sala de aula ou dois comentários no Facebook (até ele bloquear o autor). Voltando ao caso do Ricardo Boechat, aquilo é o que um jornalista com aquele gabarito fez em um programa de rádio. E o cidadão comum, ou o universitário comum, dá pra imaginar?

O azar deles é que a internet livre da forma como conhecemos (que, aliás, começou como uma ideia militar genial) surgiu e se popularizou nos países desenvolvidos e alguns em desenvolvimento antes de um governo socialista formal.

A mediocridade geral faz a internet também medíocre em geral, mas gente de boa cabeça também entra com bom (ou ótimo) conteúdo. Em um país de idiocracia, são os bons que perdem ou nunca podem ter espaço na grande mídia. Até a década de 90, apareciam em jornais e revistas, com boa vontade, em uma seção de cartas de leitores ou em um artigo de seção de opinião. A internet, em especial a blogosfera, a vlogosfera e as redes sociais, é um grande canal para quem tem a compartilhar algo bom (ou mau, mas importante) e deixar isso acessível, em tese, a qualquer pessoa que possa entender o idioma.

Eu mesma tenho alguns blogues e estou em redes sociais, publico algumas ideias na forma de textos que sem a internet só seriam conhecidas por poucos parentes e amigos. Eu comecei a partir de algumas observações do cotidiano, eu tinha 15 anos, mas eu já sabia que se eu seguisse o conselho de ler mais antes de escrever o que eu já observava, eu estaria reconhecendo o direito de quem sabia mais, sabia que eu dizia a verdade e poderia estar dizendo de me calar, não a autoridade da mesma pessoa para dizer alguma coisa. Eu preferi compartilhar o que eu tinha pra dizer mesmo que alguma impressão estivesse errada a perder anos antes de confirmar, como aconteceu, que era aquilo mesmo ou pior. Por este trabalho na internet, alcancei pessoas que não saberiam da minha existência de outra forma. E algumas dessas pessoas eu também conheci pela mesma internet, algumas delas de Portugal, Estados Unidos, Itália e Trinidad e Tobago, e foi muito gratificante conhecer tanto o que essas pessoas são quanto o que elas pensam e dizem. Você mesmo(a), se não me conhece no mundo físico e gostou de algum texto meu, isso é um prazer pra mim (sou uma fornicária, mas prazer nunca é demais, hehehehe).

Aí, os "convencionais" se deram mal. E parecem que ainda não se deram conta de que não estão mais na década de 90. Os grandes veículos de comunicação ainda insistem em produzir celebridades que sem eles teriam sua existência ignorada merecidamente. Mesmo eu sendo uma mocinha normal sem muito currículo, digo sem medo que a grande diferença entre eu e grande parte dos jornalistas do Brasil e de outros países é que eles estão no jornal X ou no canal Y e eu não, e SÓ POR ISSO eu sou relativamente desconhecida e eles não.

É aí entram os dois casos que eu citei. Vou começar pelo caso Silas Malafaia versus Ricardo Boechat. O pastor tem, na televisão, um espaço pequeno pago. Na internet, ele tem um canal no Youtube, e de lá ele fez um desafio de Davi pra Golias: "eu vou te engolir". E este pastor, este homem cristão com decência e coragem para dizer a verdade, pode engolir mesmo. No caso das garotas no vídeo do canal humorístico, a E. L. James, que escreveu aquela série de livros, é uma paspalha que conseguiu ser produzida pelo mercado literário e pelo cinema. No mundo todo, os livros dela venderam mais de 100 milhões de cópias, mas o filme rendeu quase 570 milhões de dólares. Assumindo um preço do ingresso de 8 dólares, média nos Estados Unidos, isso prova que as mulheres que viram o filme foram, por baixo, 30 milhões a menos do que as leram os livros. E ainda se promete continuação daquela porcaria. Mas o vídeo sobre "5 razões por que atrizes pornôs odeiam 50 Tons de Cinza", que é legal e de detonar, teve cerca de 3,2 milhões de visualizações até quando escrevi este texto, quatro meses depois de postado, e sem todo o pedestal que a outra teve. Se a E. L. James soube desse vídeo com atrizes pornôs, e ela já conseguiu ser malhada por conservadores e por mulheres feministas, e tiver algum resto de decência mental, está mais arrependida de nos obrigar a saber da sua existência do que já esteve feliz com o sucesso.[3]

Ainda abordando os dois casos. A pornografia e a nudez feminina são a coisa mais procurada na internet e geram uma parte considerável, mesmo caindo, do comércio eletrônico. Por isso, mesmo a contragosto, as publicações tradicionais não podem ignorar que a indústria pornográfica existe, a não ser, talvez, que esteja destinada a um público que também quer ignorá-la. E o Cristianismo sério encontra u'a má vontade na televisão e no jornalismo impresso que pode vencer até a capacidade financeira de conseguir um espaço. Mas, por causa da internet, cristãos que conhecem e levam a sério as doutrinas conseguem se encontrar e edificar uns aos outros.

Ah, e mais uma nota. Eu vi aquela matéria da revista VIP em uma postagem de um amigo meu no Facebook, o Filezinho Recife, que ele compartilhou em 24 de fevereiro da página da Playboy Brasil. Ele se lembrou de mim para me marcar. E ele é do estado de Pernambuco, eu sou de Minas Gerais, e nos descobrimos através de um grupo secreto de "material adulto". Ficamos amigos, isso foi há mais de dois anos e meio, porque eu compartilhei no grupo a tradução de um artigo da Hustler listando 10 pornstars inteligentes (o Ron Jeremy e 9 atrizes). Daí até hoje, eu compartilho com ele o que eu escrevo, e putarias também, ele se lembra de mim quando compartilha coisas ligadas a sexualidade, pornografia e antifeminismo. Esta é pelo menos a quarta coisa que ele compartilhou comigo que baseou alguma postagem minha. Uma das outras é um artigo de uma das garotas do vídeo que ele leu e fez questão de me indicar: "Mercedes Carrera's #ImmoralSupport - Moral Panic: Pornography and Gaming". Traduzi para o português, o espanhol e o italiano.

Quem antes só assistia televisão para ver o jornal hoje lê notícias, talvez os mesmos textos, na internet. Em algumas matérias de grandes jornais na internet, a área de comentários é mais jornalística do que o texto comentado. Pesquisas que até 20 anos atrás seriam longas e exigiriam deslocamento físico pelo menos para a biblioteca pública municipal em horário comercial podem ser feitas (ou encontradas) pela internet, talvez nas lacunas do expediente de trabalho (aliás, eu consultei a Wikipedia para escrever esse texto, hehehehe). Bons livros silenciados, desconhecidos ou mal mencionados até em publicações especializadas em cultura podem ser encontrados na íntegra em versão digital. Pessoas de uma competência excepcional e até grupos inteiros que tiveram espaço negado nos grandes veículos por pressão esquerdista, como Ativistas de Direitos Humanos dos Homens e Meninos ou a direita no Brasil, conseguiram se juntar na internet, publicar suas ideias, compartilhar informações e se definir pelos próprios escritos até ganhar espaços esporádicos nos veículos tradicionais, a contragosto, não raro para tentar desqualificá-los. Já houve um tempo em que mesmo quando "especialistas" e jornalistas admitiam a contragosto algo que tentaram esconder, em alguns casos por décadas, porque chegou ao conhecimento público, eles ainda podiam fazer isso não como quem reconhece a verdade, mas como quem decreta os fatos. Hoje, tanto banalidades quanto notícias de verdade são publicadas no jornal porque são conhecidas do público, e não vice-versa. Se não fosse a internet razoavelmente livre de alguns países, o mundo todo seria ainda mais esquerdista, anorgásmico, mal informado e ridículo. Ainda há muito a ser feito, mas quem estava na portaria dos céus já não determina como antes quem entra e o que sai.

P. S. (25 de junho): em uma casualidade, concluí as traduções para o inglês, o espanhol e o italiano no aniversário da Nadia Styles (http://www.pornhub.com/pornstar/nadia-styles). Espero que ela goste deste presente, hehehehe!

NOTAS:

[1] "Escribas, fariseus e saduceus", Wésley de Sousa Câmara, Bíblia a Fundo, http://www.bibliaafundo.net/2010/06/escribas-fariseus-e-saduceus.html

[2] Bíblia Online, Dicionário Bíblico, verbete "fariseus", http://www.bibliaonline.net/dicionario/?acao=pesquisar&procurar=fariseus&exata=on&link=bol&lang=pt-BR

[3] Mesmo assim, devo tomar nota de algumas coisas preocupantes que eu observei enquanto estava escrevendo. O vídeo "5 Reasons Pornstars Hate 50 Shades of Grey" tem um "Aviso de conteúdo. Este vídeo pode ser impróprio para alguns usuários. Faça login para confirmar sua idade". O que não acontece com nenhum vídeo do canal oficial do Cinquenta Tons de Cinza no Youtube (https://www.youtube.com/user/FiftyShadesMovie/videos), alguns dos quais são chamadas para a televisão, inclusive para o Super Bowl. De acordo com a página do filme, http://fiftyshadesofgreyonlinemovie.com, a classificação indicativa é 13 anos. A série não é pornografia para mulheres? Eu tenho explicado nos meus blogues pelo menos desde 2010: a censura à nudez e à pornografia é um Cavalo de Troia para a censura socialista; e a censura "cristã", a censura feminista e a censura estatal não excluem uma às outras, como comprovou uma notícia que eu trouxe aqui em 2013 (notícia, aliás, que um amigo do Facebook compartilhou me pedindo comentários).

Questo testo in italiano senza foto di dissolutezza in Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: Internet ei portinaii del cielo, http://avezdoshomens2.blog.com/2015/06/25/internet-ei-portinaii-del-cielo
Questo testo in italiano con foto di dissolutezza in Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: Internet ei portinaii del cielo, http://avezdoshomens2.blogspot.com/2015/06/internet-ei-portinaii-del-cielo.html
Eso texto en español sin fotos de putaría en Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: El Internet y los porteros del cielo, http://avezdoshomens2.blog.com/2015/06/25/el-internet-y-los-porteros-del-cielo
Eso texto en español con fotos de putaría en Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: El Internet y los porteros del cielo, http://avezdoshomens2.blogspot.com/2015/06/el-internet-y-los-porteros-del-cielo.html
This text in English without licentiousness photos at Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: The internet and the gatekeepers of heaven, http://avezdoshomens2.blog.com/2015/06/25/the-internet-and-the-gatekeepers-of-heaven
This text in English with licentiousness photos at Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: The internet and the gatekeepers of heaven, http://avezdoshomens2.blogspot.com/2015/06/the-internet-and-gatekeepers-of-heaven.html
Texto original em português sem fotos de putaria no A Vez das Mulheres de Verdade: A internet e os porteiros dos céus, http://avezdasmulheres.blog.com/2015/06/22/a-internet-e-os-porteiros-dos-ceus
Texto original em português com fotos de putaria no A Vez dos Homens que Prestam: A internet e os porteiros dos céus, http://avezdoshomens.blogspot.com/2015/06/a-internet-e-os-porteiros-dos-ceus.html
Seção de sexo, safadeza, putaria, mulher pelada, pornografia
Sezione de sesso, libertinaggio, lussuria, donna nuda, pornografia
Section of sex, lust, licentiousness, naked woman, pornography
Sección de sexo, perrez, putaría, mujer desnuda, pornografía

Mercedes Carrera

Nadia Styles

Nina Elle

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Denunciar direitistas cristãos por compartilhar nudez no Facebook? Por que não?

Abigail Pereira Aranha

Olá, meus amigos e minh@s inimig@s! Eu estava quase publicando esse texto quando vejo esta pérola, de uma amiga nova do Facebook:


Adriana Ferreira

Eu, uma mãe de família, fui denunciada por compartilhar nudez. Isso confere?

(https://www.facebook.com/photo.php?fbid=905974652801268&set=a.628041677261235.1073741830.100001662266109&type=1&theater)

Esclarecendo para quem não é do Brasil: quem está com as caras na montagem são a nossa presidente Dilma Rousseff e o ex-humorista e ainda apresentador Jô Soares. A piada foi por uma bajulação disfarçada de entrevista da srta. Dilma no Programa do Jô. Para os amigos entenderem melhor, um bom texto é "O triste fim de carreira de Jô Soares: a visita da saúde em audiência", do Rodrigo Constantino (http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/democracia/o-triste-fim-de-carreira-de-jo-soares-a-visita-da-saude-em-audiencia). Ah, e o que chamaram de entrevista foi no dia 12 de junho, que aqui no Brasil é o Dia dos Namorados. Descobrimos depois que o entrevistador, que também é diretor de teatro, tem quatro peças que juntam mais de 7 milhões de reais de recursos públicos de "incentivo à cultura" (http://www.puggina.org/imagem-comentada/205).

Bom, agora vou ao que eu já ia escrever, e que o caso acima acabou acrescentando.

Eu escrevi em 24 de agosto de 2010:

Você já usou um computador que se o endereço da página tem "sexta", a página fecha em nome da moral e dos bons costumes? Você já foi a uma lan house que proíbe acesso a páginas de safadeza? Uma droga, né?

Já seria muito se isso fosse coisa de mulheres de personalidades medíocres que seguraram sexo pra levar o marido pro altar, de vadias hipócritas que engravidaram pra viver de pensão mas pagam de religiosas e de homens que cresceram educados por essas criaturas. Mas não para por aí. Enquanto algumas mulherzinhas histéricas e desgraçadas fazem uma luta contra o sexo para que as jovenzinhas cabeça vazia possam levar o namorado desesperado por sexo pro altar, e alguns homens que são mandados pela mulher querem compensar a falta de moral tentando determinar o que alguém pode ou não ver na internet, eles estão ajudando a criar uma censura.

O texto é "Essa é pra cambada de idiotas moralistas verem pra que serve filtro de internet" (está em http://avezdasmulheres.blog.com/2010/08/24/pra-cambada-de-idiotas-moralistas). Depois deste parágrafo, eu copio duas notícias, uma de que páginas de direitos humanos eram censuradas na China com alegação de que eram pornográficas e outra de que um software chinês de instalação obrigatória nos computadores chineses supostamente para bloquear conteúdos adultos também fazia o mesmo para conteúdo político.

No dia 03 de junho, a Silvania Beatriz Delduque publica esta postagem:


Silvania Beatriz Delduque

A babaquice PTista "never stops"!

Denunciaram a imagem do Professor Olavo que usei para divulgar o hangout de ontem intitulado "Os próximos passos contra o PT" .

Notem que é imputada a acusação de nudez no momento da denúncia... a PTzada sempre se utiliza do mesmo ardil débil. Tsc,tsc,tsc.

Aqui vai o link do hangout p/ quem ainda não assistiu: https://www.youtube.com/watch?v=1PBPDJS_VME

Abobados PTistas... essa tática torpe não funciona.

(https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10206543984335276&set=a.10204673747260518.1073741847.1140947900)

Comentei no original (vou acrescentar os atalhos aqui):

Silvania Beatriz Delduque, você vai estranhar, mas eu tomei a liberdade de me marcar na foto.

Amigos que comentaram, alguns de vocês deram umas tiradas ótimas. Alguns de vocês comentaram que é uma tentativa de censura dos petralhas, mas parece que não entenderam: a própria ideia dessa tentativa significa que eles podem conseguir.

E por que eu me marquei na foto? Porque isso prova que a repressão ao sexo e a repressão política como um todo podem vir das mesmas pessoas. Eu tenho alguns blogues e venho dizendo isso há alguns anos. Só que eu dediquei uma postagem a isso, era novembro de 2014.

Quem ainda não entendeu, vou pegar o meu próprio caso. Quem visitar o meu perfil e o meu blogue A Vez dos Homens que Prestam vai ver que eu defendo o ateísmo, a liberalidade sexual, a prostituição e a pornografia. E vai ver no meu perfil que a maioria dos meus amigos é direitista ou cristã, quase sempre ambos. Aí, já aconteceu várias vezes de o Emerson Oliveira do Logos Apologética, amigo comum meu e do professor, tomar suspensão do Facebook por defender a direita e o Cristianismo e eu tomar suspensão por compartilhar safadeza. Uma vez, o Blogger fez o blogue do Júlio Severo sumir, depois quis apagar todos os blogues de putaria, o que ia acabar com o meu. Eu já paguei um pau pro Alexandre Borges na página dele e ele parece que apagou: na década de 60, o pai impedia o namorado da filha de chegar perto dela, já estavam correndo a Segunda Onda do Feminismo, o Manifesto SCUM e o Vaticano II e só descobrimos agora. E por aí vai.

O meu texto de novembro de 2014 é "Viva a prostituição, a pornografia e... as liberdades civis", do dia 20. No dia 30 do mesmo mês, fui descobrir em março quando um amigo meu do Facebook compartilhou comigo, a Mercedes Carrera publicou na The Real Porn Wikileaks o artigo "Mercedes Carrera’s #ImmoralSupport – Moral Panic: Pornography and Gaming", do qual eu publiquei a tradução em http://avezdasmulheres.blog.com/2015/03/18/pgrafia-e-csura-artigos-excelentes. Vou adiantar: é sobre o envolvimento do movimento feminista na censura aos jogos com argumentos semelhantes aos da censura à pornografia (ambos refutados por pesquisas sérias).

Amigos cristãos, eu nunca acreditei no Cristianismo nem no valor da castidade. Eu não defendo nem vivo uma vida de puta louca, mas defendo e pratico uma vida sexual responsável não-monogâmica desde os meus 14 anos, porque nunca um argumento para a castidade me pareceu coerente. E assim como a castidade nunca me pareceu razoável, a censura ao sexo e à nudez sempre me pareceu uma atitude sem lógica em nome de algo também sem lógica. Então, se aquelas duas senhoras se perguntam por que foram censuradas no Facebook por suposta publicação de nudez, eu me pergunto o contrário: por que NÃO aconteceria uma censura política em nome da censura a nudez?

Associação universitária de defesa do crime organizado emite nota de repúdio à cultura do estupro e ao incentivo à violência

POSTURA INADEQUADA

Professor causa revolta entre alunos por incitar violência no Facebook

Ele postou uma notícia aparentemente falsa sobre um juiz que teria soltado um ladrão que o assaltou na porta do Fórum, e disse que esperava que o suspeito estuprasse as mulheres da família do magistrado


Depois da repercussão, postagem foi apagada de Facebook do professor

PUBLICADO EM 17/06/15 - 12h39

JULIANA BAETA

O professor chefe do departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Viçosa (UFV) causou um alvoroço entre os alunos após compartilhar uma notícia falsa e incitar a violência na rede social. Estudantes ligados a movimentos estudantis se reuniram nessa quarta-feira (17) para definir quais atitudes tomariam a respeito do comportamento do professor. Em nota, no fim da noite, a UFV decidiu abrir sindicância para apurar o caso.

Joaquim Sucena Lannes, compartilhou a suposta notícia no último dia 15 com a seguinte manchete: "Juiz solta ladrão e é assaltado por ele na saída do Fórum", onde ele também postou sua opinião: "Bem feito. Tomara que futuramente este marginal entre na casa do juiz, estupre a mulher dele, a filha e outras mulheres da família dele. Aí quem sabe ele possa ver quem merece ficar solto e quem merece ficar preso. Bem feito".

Mas a suposta notícia não foi divulgada em nenhum portal de credibilidade ou de jornalismo, e também não cita nem o nome do juiz nem do suspeito, apenas que o caso teria acontecido em uma cidade do Rio Grande do Sul. A imagem que ilustra a notícia é de um jovem segurando uma metralhadora.

Além de dar aulas práticas em laboratório na universidade, Lannes também leciona assessoria de imprensa para os alunos. Taiane Souza, aluna do 5° período de Comunicação Social da universidade, conta que os estudantes estão organizando uma reunião nesta quarta para decidir o que fazer em relação ao docente.

No início, a UFV, por meio de nota, chegou a informar que não se manifestava sobre comentários de professores, técnicos administrativos e estudantes em ambientes particulares, como perfis de redes sociais. Mas diante da repercussão do caso, e apresentação de requerimento por parte dos estudantes do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, a universidade resolveu abrir a sindicância. Procurado pela reportagem, o professor não atendeu as ligações. Depois da repercussão, ele apagou a postagem.

Já os professores do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Viçosa afirmaram ser ''contrários a todo tipo de violência, incitação ao ódio, preconceito, assédio ou discriminação de qualquer natureza''.

Os professores explicaram ainda que "estão atentos aos acontecimentos recentes e aguardam o desenvolvimento dos fatos para se posicionar sobre situações específicas".

Em nota divulgada na noite dessa quarta-feira, a Reitoria da Universidade Federal de Viçosa (UFV) se manifestou sobre o assunto:

A Reitoria da Universidade Federal de Viçosa (UFV) vem a público manifestar-se sobre o recente episódio de denúncia contra um de seus professores, em razão de declarações publicadas em perfil particular nas redes sociais, com o objetivo de esclarecer o posicionamento da Instituição e demais encaminhamentos administrativos com relação ao fato.

A administração não considera legítimo exigir pensamento unânime dos membros da comunidade universitária, muito menos impedir que se manifestem na esfera particular sobre qualquer assunto. Todavia, ciente das liberdades democráticas e firme na defesa dos direitos individuais, a Instituição lamenta manifestações que seguramente não refletem o pensamento da maioria de seus membros.

Sendo assim, reafirmamos o compromisso da administração superior da UFV em combater todas as formas de opressão, dentro e fora dos campi. Em nossa gestão, a violência não pode ser relativizada e não será! Este compromisso ultrapassa nosso papel na Reitoria e deve ser incorporado como um pressuposto da vida coletiva na defesa de direitos fundamentais. Essa foi e será a nossa defesa.

Após o protocolo de ofício de estudantes à direção do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCH), foi determinada a abertura de uma sindicância para apurar os fatos, conforme previsto no Regimento e no Estatuto da UFV. Apenas dessa forma a Instituição será capaz de assegurar amplo direito de defesa às partes envolvidas, reforçando os princípios democráticos que pautam nossas ações.

Nilda de Fátima Ferreira Soares

Reitora da Universidade Federal de Viçosa


FOTO: REPRODUÇÃO FACEBOOK

Nos comentários, professor continuou defendendo o seu posicionamento

Atualizada às 10h11, do dia 18 de junho de 2015.

O Tempo, Belo Horizonte, 17 e 18 de junho de 2015, http://www.otempo.com.br/super-noticia/professor-causa-revolta-entre-alunos-por-incitar-viol%C3%AAncia-no-facebook-1.1056140

Comentários do Jornal dos Homens que Prestam

Redijo o presente não com escopo de me retratar, mas para expressar minha preocupação com o fato de que mentiras descabidas, redigidas em linguagem supostamente jornalística são verossímeis atualmente no Brasil.

Isso é um sintoma de que algo vai mal na política nacional, e demonstra que representantes dos poderes da República vem protagonizando atos capazes de deixar o povo estarrecido. Por isso qualquer absurdo se torna crível no Brasil de hoje em dia!

Exemplos não faltam, tais como a proposta de reforma do Código Penal, que quer punição mais rígida para quem pescar cetáceos em época de gestação, ao passo que torna o aborto de um ser humano um crime de menor potencial ofensivo, cuja pena máxima seria de dois anos de detenção e jamais teria o condão de colocar ninguém na cadeia.

Quem disse isso? O professor Joaquim Sucena Lannes? O Infonauta, que publicou a notícia falsa? Não! Foi o Joselito Muller, em 15 de maio de 2013, por causa de outra notícia falsa que fez sucesso. A postagem onde ele diz isso é "Quando mentiras cretinas passam a se tornar verossímeis, é sinal que o país vai mal" (https://joselitomuller.wordpress.com/2013/05/15/quando-mentiras-cretinas-passam-a-se-tornar-verossimeis-e-sinal-que-o-pais-vai-mal). E a piada que deu origem até a processo em Brasília foi até leve: "Senado aprova pagamento de bolsa mensal de R$ 2.000,00 para garotas de programa" (https://joselitomuller.wordpress.com/2013/05/10/senado-aprova-pagamento-de-bolsa-mensal-de-r-2-00000-para-garotas-de-programa).

E a reitoria da UFV está chefiada por uma mulher, que é claro que é uma lesbofeminista. Eu só não digo "tinha que ser mulher" porque os homens feministas estão piores. Mas é isso aí. A UFV não pode se manifestar sobre os gays que cometeram um assédio com atentado ao pudor ao deputado e pastor Marco Feliciano em um avião, ou aos anônimos que ameaçaram estuprar a esposa e a filha dele; mas pode abrir sindicância contra os professores da universidade que esperam que aconteça o mesmo com juízes frouxos. A UFV não é a patroa do Paulo Ghiraldelli, que desejava que a jornalista Rachel Sheherazade fosse estuprada por desagradar a militância petista; mas é a patroa deste professor, que manifestou publicamente que espera que esse juiz perceba, pela dor, a desonra a que está submetendo a si mesmo e ao Poder Judiciário só para agradar o PT e salvar o seu emprego com o seu status. A UFV não pode se manifestar sobre o Facebook fazer desaparecer postagens sem aviso e aplicar bloqueio dos perfis de muitos antiesquerdistas e antifeministas, mas pode se manifestar com a omissão quando uma postagem de um dos seus professores, de indignação contra um juiz que soltou um bandido, é apagada (Por ele mesmo? Pelo Facebook?). A UFV não pode se manifestar sobre a colocação ridícula das universidades brasileiras no mundo ou sobre a obrigação por lei de aceitar que analfabetos indisciplinados entrem na sua graduação como um enxame de abelhas, mas pode publicar uma nota, mostrando que se importa, sobre uma picuinha de lésbicas psicóticas que deviam estar estudando em vez de policiar a internet.

A UFV tem o compromisso "em combater todas as formas de opressão, dentro e fora dos campi". Desde que não seja de lésbicas parasitas contra homens, de analfabetos funcionais contra professores, de militantes parasitas contra a educação ou de menores criminosos contra trabalhadores.

Abigail Pereira Aranha

Apêndice

Juiz solta ladrão e é assaltado por ele na saída do Fórum. Infonauta, 12/06/2015. Disponível em http://infonauta.ga/juiz-solta-ladrao-e-e-assaltado-por-ele-na-saida-do-forum.

Juiz solta ladrão e é assaltado por ele na saída do Fórum

12/06/2015

BANDIDOS ROUBAM BMWUm juiz de uma cidade o interior do Rio Grande do Sul ficou em apuros na tarde de ontem. O mesmo resolveu soltar um assaltante que constava com 10 passagens pela policia por roubo, furto, homicídio, latrocínio e sequestro, dizendo que o rapaz não apresentava risco, e que a justiça não deveria mantê-lo preso pois suas condutas tinham um reduzido grau de reprovabilidade.

Após decretar a soltura do jovem, o mesmo não tendo como ir para a casa, munido de um fuzil AK 47 assaltou um senhor que estava entrando em seu veiculo. Até ai tudo normal, porém o senhor assaltado tratava-se do próprio juiz que o havia liberado.

O juiz ficou surpreso com a atitude do rapaz que fugiu e até o momento não foi localizado. "O que me espantou foi o fato de eu ter liberado ele, e em menos de 10 minutos ele conseguiu um fuzil, arma essa que é restrita ao exercito. Essa juventude anda muito violenta. Eu não imaginava que ele fosse tão perigoso. Se ele for preso vou meter a caneta nele" disse o juiz enfurecido.

rs bm

Uma das vítimas do ladrão alertou quanto a periculosidade do mesmo. "É a 3° vez que ele me rouba. Eu falei pro juiz que ele era perigoso e ele não acreditou. Esses juízes vivem no país das maravilhas e tratam bandidos como santos. Bem feito" desabafou dona Cleydiane.

Até o fechamento dessa noticia o jovem não havia sido localizado.

c6guisuaamnzg2ejh2zms21iv

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Página no Facebook