quinta-feira, 26 de junho de 2008

Aparência é pouco, o importante é atitude

A Sabrina tem 19 anos, tem seios grandes e uma bunda grande e adora uma roupa curta. Mas ela é muito alienada, e pra algumas coisas ela é bem antiga. Pra ela, mulher só deve transar com o marido. E os homens que olham pra ela achando que ela é liberada e topa tudo, coitados. Já teve homem que tentou dar cantada nela e até apanhar dela apanhou. Toda vez que um homem olha muito pra ela, ela logo diz que é noiva. Homem não consegue chegar perto dela. Ela não conversa com homem. Os três amigos homens dela são bichas. Acredita que ela ainda é virgem e quer se casar virgem? Ela é até evangélica, não aquela evangélica mas é.

O Jacques tem 18 anos, tem um cabelo arrepiado e é bem estilo heavy metal. Detesta ler, detesta estudar. Mal lê os livros da escola, aliás ele é um péssimo aluno. Ele gosta mesmo é de ouvir heavy metal e andar com a turminha dele, que são outros esquisitos. Ele é muito, mas muito sem idéias.

O Robson tem 35 anos, é cheio de tatuagens e tem piercing na sobrancelha. Das tatuagens dele, uma tem uma caveira horrorosa. Mas o rapaz é mais moralista que muito crente. Ele tem um ciúme da filha dele de 12 anos que dá medo. Ele parece um cão de guarda.

Enquanto a mocinha que anda de blusa decotada e shortinho tiver aquelas velhas idéias repressoras sobre sexo e mal transar com um homem só, tudo bem. Enquanto o grupinho de jovens tatuados só ouvir música ruim e usar drogas, tudo bem. Enquanto os jovens que usam roupa preta detestarem política e aproveitarem o quanto podem na casa do papai e da mamãe até irem procurar emprego com um visual de gente normal, tudo bem. Tudo bem que eu digo é que tudo continua como está. O mundo dos caretas continua.

Quem tem boas idéias e atitudes pra mudar se mostra por elas. Quem não tem muito o que mostrar, apela pra aparência.

Está certo que a aparência pode mostrar uma série de coisas pra quem sabe ver, mas quem não tem muito o que mostrar acaba forçando, sendo artificial.

Rebeldia sem causa e sem conteúdo é coisa de mané. Abaixo toda rebeldia que não contesta nada, que não luta por nada, que não constrói nada. Abaixo toda rebeldia sem rumo. Abaixo toda rebeldia que não traz mudança.

Abigail Pereira Aranha

quinta-feira, 5 de junho de 2008

Eu sou mulher sem ser alienada, falsa, fútil, antipática e reprimida

Abigail Pereira Aranha
Eu sou mulher e nunca fui estúpida com ninguém.
Eu sou mulher e nunca desprezei quem me tratou bem.
Eu sou mulher e nunca descontei problema e TPM em quem apareceu na minha frente.
Eu sou mulher e cuido da minha aparência, mas não mexo no meu cabelo, não uso maquiagem e detesto conversa sobre chapinha, batom, esmalte e coisas do gênero.
Eu sou mulher e cuido da minha alimentação, mas detesto conversa sobre dieta para emagrecer.
Eu sou mulher e apesar de a Natureza me ter dado mais peito e bunda, eu não saio por aí com uma roupa de puta, e mesmo sem mostrar o corpo que eu tenho com 17 anos eu sou mais querida pelo que eu sou e transo com mais gatinhos que as reprimidas que saem por aí com uma roupa de puta.
Eu sou mulher e nunca tive aquela coisa de ter 10 pares de sapatos e um guarda-roupa cheio de roupas que eu usei a metade uma ou duas vezes.
Eu sou mulher e sempre que eu tinha que falar de uma pessoa eu nunca falava uma coisa com ela e outra bem diferente com outra pessoa.
Eu sou mulher e sempre que eu tinha que falar algo de alguém eu procurava falar com a pessoa e sem perder o respeito.
Eu sou mulher e detesto conversar sobre a vida dos outros, a não ser que acrescente à vida de quem conversa.
Eu sou mulher e consigo falar de política ou algum outro assunto importante sem parecer uma lésbica metida a sabichona.
Eu sou mulher e detesto novela. Prefiro documentário ou jornal. Ou então um filme de sexo mesmo.
Eu sou mulher e tento sempre ter uma cara de quem está de bem com a vida, mesmo que eu tenha tido alguma amolação.
Eu sou mulher e não sou uma chata mal humorada, porque eu não sou uma domamaria mal comida e quando uma coisa me chateia eu encaro de frente. Além de que a vida é melhor quando você tem na cabeça que a vida pode ser boa e você atrai as pessoas quando mostra simpatia.
Eu sou mulher e não falo por indiretas.
Eu sou mulher e tenho auto-estima de verdade, não sou uma lésbica babaca metida a besta.
Eu sou mulher e não acredito em horóscopo e misticismo. E eu sou atéia de verdade, não uma lésbica com raiva de Deus.
Eu sou mulher e nunca quis casar pra montar nas costas do marido.
Eu sou mulher e nunca precisei ter um homem aos meus pés pra me sentir bem. Ele pode estar se divertindo ao meu lado. Ou do lado de dentro.
Eu sou mulher e faço sexo por prazer e sem compromisso de casamento. Ah, e gosto de transar com dois ou três ao mesmo tempo.
Eu sou mulher e se um homem gostoso, de pau grande, inteligente e bacana quiser me comer, eu digo que ele pode ficar à vontade. Ou se eu ficar com vontade, eu mesma agarro ele (claro que eu vou com calma, sem assustar já assustando). Nos dois casos, a camisinha já vai estar na bolsa.
Eu sou mulher e o que me dá tesão é um homem lindo, com um corpo bem feito, com um pau grande e com uma boa cabeça, não um velho barrigudo com carro importado e cartão de crédito.
Eu sou mulher e não procuro príncipe encantado. Eu transei com vários foi de safadeza mesmo, hehehehe.
Não é da natureza da mulher ser burra, alienada, falsa, fútil, antipática e reprimida. Tanto que eu não sou.
~ * ~ * ~ * ~ * ~ * ~
02 - http://candyclips.net/doubleanal/52/pichunter.html (tem dupla anal, pra quem gosta)

Página no Facebook