quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Eu não quero sua piedade: trabalho sexual e política de trabalho


Belle Knox Headshot

Torne-se fã

Estrela pornô da Universidade Duke; feminista positiva para o sexo; ativista pelos direitos das trabalhadoras do sexo

Publicado: 14/04/2014 17:43 EDT Atualizado: 14/06/2014 05:59 EDT

PORN STAR

Joe Kohen via Getty Images

Recentemente, eu recebi um email de um homem de Colorado:

No início da sua história, você menciona que devido ao alto custo da [Universidade] Duke, e não querendo acabar com uma quantidade enorme de empréstimos, e também não tendo nenhum treinamento especial para outros tipos de trabalhos, você decidiu entrar no pornô. De certa forma, você está insinuando e fazendo o caso de você não ter uma escolha, e eu quero dizer escolha econômica.

Em outras palavras, se você tivesse outras habilidades socialmente aceitáveis para o mercado, muito provavelmente você teria feito outras coisas e não entrar em pornografia.

Falta de escolha econômica em primeiro lugar faz das outras opções que se seguem difíceis de aceitar como escolhas livres, devido a necessidades.

Ah, a troca desesperada. Este não é um ponto de vista único ou diferenciado. O conceito da troca desesperada permeia as discussões sobre trabalho sexual. Eu tenho sido confrontada com ele em entrevistas, nas discussões em aula, e nas comunicações com os amigos. Como eu poderia ser capacitada pela necessidade?

As pessoas supõem que o meu apoio às trabalhadoras do sexo e à pornografia é de alguma forma invalidado porque eu escolhi fazer pornô pelo dinheiro, em vez de por amor. Eles agem como se isso fosse alguma vitória chocante para eles, porque ser uma trabalhadora do sexo não foi o meu trabalho dos sonhos - porque quando eu era uma garotinha eu não escrevi "Eu quero ser uma estrela pornô" no dia de carreira, ou disse animadamente a todos em torno de mim sobre como eu estava animada para um dia fazer sexo diante das câmeras para o dinheiro. Ou porque o meu professor não me disse que eu poderia ser qualquer coisa que eu quisesse: uma astronauta, a presidente, mesmo uma estrela pornô! Aparentemente porque eu não sonhava em viver esta vida - porque era "necessário" - isso agora de alguma forma se reverte a ser moralmente errado, e eu me torno uma outra prostituta lamentável para ser rejeitada quando conveniente.

Pornografia não era minha única opção, mas foi a mais prudente, a mais perspicaz - negociar a menor quantidade do meu tempo para o lucro máximo, na minha agenda. Eu poderia facilmente ter tomado empréstimos para cobrir minha conta da faculdade, mas eu não quis. Por que ter dívida de US$ 50.000 ou mais quando isso simplesmente não era necessário? Eu não estava fazendo o que os economistas chamam de troca desesperada.

A troca desesperada no mercado de trabalho é uma motivada pela pobreza - pela necessidade - a analogia roubar-para-alimentar-sua-família. Sim, é claro que eu faço pornô por dinheiro. É um trabalho, não um retiro de verão. Por que outra razão nós trabalhamos por coisas se não para ver um lucro? A finalidade inteira de trabalho no mercado econômico é produzir algum resultado - seja dinheiro, bens, etc. A maioria das pessoas não trabalha todos os dias para se divertir; elas fazem isso porque elas querem - elas precisam de - algo em troca. Você honestamente acha que as pessoas que trabalham fritando hambúrgueres no McDonald's e respondendo aos clientes rudes em uma base diária iriam trabalhar todos os dias se elas não fossem pagas? Além disso, você pensa que quando criança o sonho de trabalho deles era fazer isso? É o desejo delas de melhores condições de trabalho, ou a defesa delas da sua indústria, de alguma forma o mais baixo por isso? Não.

O argumento de que as pessoas só deveriam trabalhar em empregos que eles gostam ou onde encontram capacitação vem de um lugar de privilégio. Evitar empréstimos estudantis significa que eu me coloco na posição de privilégio que me permite ser capaz de selecionar e escolher o meu empregador com mais cuidado, em vez de tomar o primeiro trabalho que se ofereceu para mim simplesmente para começar a me agarrar fora das dívidas. Nos Estados Unidos de hoje, os empregos são escassos e o desemprego está oscilando à beira de dois dígitos; a situação não é mais alegre para os graduados. É extremamente irrealista e hipócrita a agir como se todos nós pudéssemos ter a nossa profissão desejada, dos sonhos. Muitas vezes fazemos um trabalho que não gostamos, porque temos famílias para sustentar ou contas a pagar, ou, como a maioria do corpo discente com o qual espero me formar, empréstimos para pagar. Isso não faz os trabalhos deles imorais ou ilegítimos.

Eu estava lecionando em uma classe na semana passada e respondendo perguntas quando fui perguntada por uma aluna: "Você ainda faria pornô se você não precisasse do dinheiro?"

Eu respondi: "Não".

Ela parecia chocada. A classe inteira estava agitada. Eu me senti perplexa. Tudo parece tão intuitivo. Eu não trabalharia gratuitamente. Ninguém faria isso.

Mas o cerne da questão não é a idéia de eu estar envolvida em uma transação de benefício mútuo. A questão é que esta é o pornô. Todas as nossas discussões em torno de trocas desesperadas ou últimos recursos surgem quando nós discutimos mercados tabu - especialmente o trabalho sexual.

Se eu tivesse sido uma médica diante da classe, eu teria recebido a mesma pergunta?

Não. Porque ser médico é um emprego "respeitável". Mas a nossa idéia de respeitabilidade baseia-se em opressões sociais e econômicas, a saber: ser uma trabalhadora do sexo não é respeitável ou moralmente aceitável. Nós atribuímos um significado cultural ao sexo; é para a procriação e para a preservação da unidade familiar. Dizem-nos que é para romance, é especial, querido e não mercantilizado, mas, entretanto o sexo grita para nós de todos os outdoors e canais de televisão. O sexo pode ser usado para vender tudo, exceto o sexo em si. O trabalho sexual, então, é sujo, é desprezível, é algo que apenas as pessoas verdadeiramente desesperadas fazem. A piedade e a marginalização subsequente das trabalhadoras do sexo como pessoas a serem resgatadas, ou danadas, bens é manifestamente ofensiva e contribui para a caricatura da caminhante na rua: descarta e apaga a pessoa por trás do trabalho, não mais do que quando pintamos todos os trabalhadores de fast foods como pessoas que abandonaram a escola secundária. O desejo de ver as pessoas em um trabalho que nós não escolheríamos para nós mesmos como vítimas é imaturo e reacionário, e isso prejudica as pessoas dentro dessas profissões criando uma linha entre nós e elas.

Trabalho sexual é trabalho: é um emprego. Tenho sorte em que o emprego que eu escolhi para pagar minhas contas exatamente assim acontece de me capacitar e recompensar de maneiras que eu não imaginava que poderia. Eu amo meu emprego. Eu não nego por um segundo que esta não é a realidade para todos, e que nós precisamos de suas histórias também, mas não para serem roubadas, retrabalhadas e recontadas por acadêmicos ou políticos acenando bandeiras, ou faladas com fingimento e gravadas em putas produzidas em massa para dramas de televisão. O roubo das nossas vozes, nossas narrativas, nos desvaloriza como pessoas; e permite que sejamos silenciados.

Então, por favor, antes que você tenha pena de uma trabalhadora do sexo, ou fale comigo sobre o meu "desespero", considere o privilégio que você tem quando você olhar para mim, e perceber que você, também, se envolve em uma "troca desesperada" todos os dias que você dirige para ir trabalhar - se você é abençoado o suficiente para ter um emprego.

Siga Belle Knox no Twitter: www.twitter.com/belle_knox

Original inglês: "I Don't Want Your Pity: Sex Work and Labor Politics", The Huffington Post, http://www.huffingtonpost.com/belle-knox/sex-work-politics_b_5148528.html

Tradução: Abigail Pereira Aranha (vou comentar isso na próxima postagem)

Original text in English reproduced at Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: "I Don't Want Your Pity: Sex Work and Labor Politics", http://avezdoshomens2.blogspot.com/2015/10/i-dont-want-your-pity-sex-work-and.html
Tradução para o português no A Vez dos Homens que Prestam: "Eu não quero sua piedade: trabalho sexual e política de trabalho", http://avezdoshomens.blogspot.com/2015/10/eu-nao-quero-sua-piedade-trabalho.html
Tradución al español en Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: "Yo no quiero tu lástima: Trabajo Sexual y Política Laboral", http://avezdoshomens2.blogspot.com/2015/10/yo-no-quiero-tu-lastima-trabajo-sexual.html
Traduzione al italiano in Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: "Io non voglio la tua pietà: Lavoro Sessuale e Politica di Lavoro", http://avezdoshomens2.blogspot.com/2015/10/io-non-voglio-la-tua-pieta-lavoro.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário