quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Você quer mesmo viver 100 anos?

A Aparecida mora no meio do sertão do Nordeste. Anda longe pra trazer vasilha d'água na cabeça desde mocinha. Casou com o Antônio porque o pai dela queria (mas até que ela gostava um pouco dele também). Enquanto tinha força, trabalhou na roça o dia inteiro, de segunda a domingo. Agora, ela tem 60 anos e ela e o Antônio moram com o filho mais velho.

A Cláudia mal ficou mocinha e arrumou o primeiro namorado, ficou grávida. Teve que largar os estudos, mas também o namorado arrumou um emprego eles casaram e ela não quis voltar a estudar. Amigos dela, só os do benzinho e os da família dela. Fora ir pra igreja, ela sai uma vez ou outra, sempre com o marido ou com as crianças (são 3 filhos), só pra visitar a família dela ou a dele ou algum programa sem graça.

O Saulo até que aproveitou bem a adolescência, mas aí conheceu uma menina, começaram a namorar e casaram. Depois que o primeiro filho nasceu, a mulher virou uma chata. Enche o saco o tempo todo enquanto ele está em casa, e quando ele sai é amolação também, até quando ele faz hora extra no trabalho. Desde quando começou a trabalhar, nunca fez uma coisa que gostava, ficava naquela de "depois eu consigo uma coisa melhor".

Você vai perguntar pra qualquer um deles, eles vão falar que querem viver muito. Mas deste jeito? Tem gente que na verdade não quer viver muito, tem é medo de morrer. Porque a gente cresce ouvindo falar de Inferno e coisas do tipo. Passa a vida tentando não ir pro Inferno depois de morrer e vive o Inferno aqui. Você já acordou um dia com vontade de sumir do mapa? Viver muito com uma vidinha mais ou menos é benção ou é castigo?

Você chega na velhice. Você vê que pouquíssimas vezes fez uma coisa que gostava ou que queria. Ficou uma parte da vida comendo carne de pescoço pensando no dia que ia vir o bife e a outra parte aceitando quietinho a carne de pescoço pra não perder. E vai olhando com inveja pra quem é o que você não foi, tem a coragem que você nunca teve, tem a juventude que você não tem mais, vive o que você não viveu. Assim é a história dos velhos rabugentos e das velhas alienadas. E tem gente que acha que eles têm a maior sabedoria, mas você vai ver a sabedoria deles é falta de coragem de viver, falta de coragem de pensar, preconceitos do tempo dos pais deles, e é claro a alienação das religiões que eles seguem.

Puxe conversa na rua pra ver se faz bons amigos. Se tiver uma oportunidade pra fazer sexo sem compromisso, largue de frescura e meta gostoso. Leia bons livros. Tenha bons pensamentos. Tenha aquela coisa boa que você faz sempre. Arrisque, sem fazer loucura, mas não aceite o mais ou menos por falta de coragem. Enfim, tente fazer de cada dia o melhor que você conseguir. Ah, e a vida é só aqui, então não deixe de ser, de fazer, de falar, de pensar só pra não ficar mal falado(a), pra cumprir alguma lei ou ordem babaca, pra Deus não castigar, pra ficar de bem com todo mundo. Você pode ter feito muita burrada na vida e já ter uma certa idade, mas se você faz alguma coisa pra consertar o que dá, é o que vale. Se for pra viver muito, que seja pra viver de verdade, né?

Abigail Pereira Aranha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Página no Facebook