domingo, 23 de março de 2014

Câmara Municipal de Belo Horizonte e imprensa mineira manginam sobre "vagão rosa", e olha só quem fala contra

Projeto cria vagão só para mulheres no metrô de Belo Horizonte

O espaço destinado ao público feminino é uma tentativa do parlamentar de evitar o assédio, especialmente em horários de pico

Juliana Ferreira

Publicação: 14/03/2014 06:00 Atualização: 14/03/2014 11:17

O “vagão rosa”, que circula há oito anos no metrô do Rio de Janeiro e recentemente foi implantando em Brasília, pode ter sua próxima parada em Belo Horizonte. Um projeto de lei pretende obrigar os responsáveis pelo trem metropolitao a destinar um vagão exclusivo para mulheres. A proposta foi apresentada pelo presidente da Câmara da capital, o vereador Léo Burguês (PTdoB), no fim do ano passado. Polêmica, a ideia será debatida hoje em audiência pública da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor, na Praça da Estação. O espaço destinado ao público feminino é uma tentativa do parlamentar de evitar o assédio, especialmente em horários de pico. Segundo ele, 10 mil mulheres pediram uma solução para os constrangimentos que sofrem diariamente, por meio de um abaixo-assinado.

Segundo o vereador, as vítimas de assédio nos vagões superlotados têm medo de denunciar os crimes. “No horário de pico, os passageiros viajam muito apertados, momento em que acontece a ação contra as mulheres. Não há uma estatística real a respeito. É dever do poder público zelar pela integridade dos cidadãos”, defende.

O autor da proposta cita também o bom desempenho do “vagão rosa” no Rio de Janeiro e na capital federal. A medida é objeto de projetos de lei nas câmaras municipais de São Paulo e Salvador. Em Belo Horizonte, o PL 893/13 determina que a empresa responsável pela operação do sistema, a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), seja multada em R$ 1.500 caso permita que homens entrem no vagão exclusivo. Os outros poderão ser usados por ambos os sexos.

Apesar dos argumentos, o Conselho Estadual da Mulher de Minas Gerais, vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social de Minas Gerais (Sedese), é contra a ideia. Segundo a presidente da entidade, Neusa Cardoso Melo, o projeto é “excludente” e cria uma situação de discriminação. “Aqui em Minas, com exceção de determinados momentos de pico, o metrô não tem um acúmulo tão grande de passageiros que leve a uma coisa dessas”, criticou.

Estado de Minas, Belo Horizonte, 14/03/14, http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2014/03/14/interna_gerais,507775/projeto-cria-vagao-so-para-mulheres-no-metro-de-belo-horizonte.shtml.

Comentários de A Vez das Mulheres de Verdade / A Vez dos Homens que Prestam

Gente, depois dessa eu vou montar uma campanha pelos ônibus e trens exclusivos para brancos. Afinal, a gente não pode deixar que os negros continuem roubando nossas carteiras no transporte coletivo.

Mas sabe que essa matéria mostra como o lesbonazismo está decadente? O Leo Burguês já foi do PSDB e dá uma dessas de que as mulheres são assediadas pelos homens (ele não é um deles?) e têm medo de procurar a delegacia exclusiva para mulheres onde o homem é culpado até provar a inocência?

E quem dá uma nota de lucidez na matéria? A "presidenta" do Conselho Estadual da Mulher de Minas Gerais! E o que ela diz?

Segundo a presidente da entidade, Neusa Cardoso Melo, o projeto é "excludente" e cria uma situação de discriminação.

Quiá, quiá, quiá, quiá, quiá!

Abigail Pereira Aranha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Página no Facebook