quinta-feira, 18 de junho de 2015

Associação universitária de defesa do crime organizado emite nota de repúdio à cultura do estupro e ao incentivo à violência

POSTURA INADEQUADA

Professor causa revolta entre alunos por incitar violência no Facebook

Ele postou uma notícia aparentemente falsa sobre um juiz que teria soltado um ladrão que o assaltou na porta do Fórum, e disse que esperava que o suspeito estuprasse as mulheres da família do magistrado


Depois da repercussão, postagem foi apagada de Facebook do professor

PUBLICADO EM 17/06/15 - 12h39

JULIANA BAETA

O professor chefe do departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Viçosa (UFV) causou um alvoroço entre os alunos após compartilhar uma notícia falsa e incitar a violência na rede social. Estudantes ligados a movimentos estudantis se reuniram nessa quarta-feira (17) para definir quais atitudes tomariam a respeito do comportamento do professor. Em nota, no fim da noite, a UFV decidiu abrir sindicância para apurar o caso.

Joaquim Sucena Lannes, compartilhou a suposta notícia no último dia 15 com a seguinte manchete: "Juiz solta ladrão e é assaltado por ele na saída do Fórum", onde ele também postou sua opinião: "Bem feito. Tomara que futuramente este marginal entre na casa do juiz, estupre a mulher dele, a filha e outras mulheres da família dele. Aí quem sabe ele possa ver quem merece ficar solto e quem merece ficar preso. Bem feito".

Mas a suposta notícia não foi divulgada em nenhum portal de credibilidade ou de jornalismo, e também não cita nem o nome do juiz nem do suspeito, apenas que o caso teria acontecido em uma cidade do Rio Grande do Sul. A imagem que ilustra a notícia é de um jovem segurando uma metralhadora.

Além de dar aulas práticas em laboratório na universidade, Lannes também leciona assessoria de imprensa para os alunos. Taiane Souza, aluna do 5° período de Comunicação Social da universidade, conta que os estudantes estão organizando uma reunião nesta quarta para decidir o que fazer em relação ao docente.

No início, a UFV, por meio de nota, chegou a informar que não se manifestava sobre comentários de professores, técnicos administrativos e estudantes em ambientes particulares, como perfis de redes sociais. Mas diante da repercussão do caso, e apresentação de requerimento por parte dos estudantes do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, a universidade resolveu abrir a sindicância. Procurado pela reportagem, o professor não atendeu as ligações. Depois da repercussão, ele apagou a postagem.

Já os professores do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Viçosa afirmaram ser ''contrários a todo tipo de violência, incitação ao ódio, preconceito, assédio ou discriminação de qualquer natureza''.

Os professores explicaram ainda que "estão atentos aos acontecimentos recentes e aguardam o desenvolvimento dos fatos para se posicionar sobre situações específicas".

Em nota divulgada na noite dessa quarta-feira, a Reitoria da Universidade Federal de Viçosa (UFV) se manifestou sobre o assunto:

A Reitoria da Universidade Federal de Viçosa (UFV) vem a público manifestar-se sobre o recente episódio de denúncia contra um de seus professores, em razão de declarações publicadas em perfil particular nas redes sociais, com o objetivo de esclarecer o posicionamento da Instituição e demais encaminhamentos administrativos com relação ao fato.

A administração não considera legítimo exigir pensamento unânime dos membros da comunidade universitária, muito menos impedir que se manifestem na esfera particular sobre qualquer assunto. Todavia, ciente das liberdades democráticas e firme na defesa dos direitos individuais, a Instituição lamenta manifestações que seguramente não refletem o pensamento da maioria de seus membros.

Sendo assim, reafirmamos o compromisso da administração superior da UFV em combater todas as formas de opressão, dentro e fora dos campi. Em nossa gestão, a violência não pode ser relativizada e não será! Este compromisso ultrapassa nosso papel na Reitoria e deve ser incorporado como um pressuposto da vida coletiva na defesa de direitos fundamentais. Essa foi e será a nossa defesa.

Após o protocolo de ofício de estudantes à direção do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCH), foi determinada a abertura de uma sindicância para apurar os fatos, conforme previsto no Regimento e no Estatuto da UFV. Apenas dessa forma a Instituição será capaz de assegurar amplo direito de defesa às partes envolvidas, reforçando os princípios democráticos que pautam nossas ações.

Nilda de Fátima Ferreira Soares

Reitora da Universidade Federal de Viçosa


FOTO: REPRODUÇÃO FACEBOOK

Nos comentários, professor continuou defendendo o seu posicionamento

Atualizada às 10h11, do dia 18 de junho de 2015.

O Tempo, Belo Horizonte, 17 e 18 de junho de 2015, http://www.otempo.com.br/super-noticia/professor-causa-revolta-entre-alunos-por-incitar-viol%C3%AAncia-no-facebook-1.1056140

Comentários do Jornal dos Homens que Prestam

Redijo o presente não com escopo de me retratar, mas para expressar minha preocupação com o fato de que mentiras descabidas, redigidas em linguagem supostamente jornalística são verossímeis atualmente no Brasil.

Isso é um sintoma de que algo vai mal na política nacional, e demonstra que representantes dos poderes da República vem protagonizando atos capazes de deixar o povo estarrecido. Por isso qualquer absurdo se torna crível no Brasil de hoje em dia!

Exemplos não faltam, tais como a proposta de reforma do Código Penal, que quer punição mais rígida para quem pescar cetáceos em época de gestação, ao passo que torna o aborto de um ser humano um crime de menor potencial ofensivo, cuja pena máxima seria de dois anos de detenção e jamais teria o condão de colocar ninguém na cadeia.

Quem disse isso? O professor Joaquim Sucena Lannes? O Infonauta, que publicou a notícia falsa? Não! Foi o Joselito Muller, em 15 de maio de 2013, por causa de outra notícia falsa que fez sucesso. A postagem onde ele diz isso é "Quando mentiras cretinas passam a se tornar verossímeis, é sinal que o país vai mal" (https://joselitomuller.wordpress.com/2013/05/15/quando-mentiras-cretinas-passam-a-se-tornar-verossimeis-e-sinal-que-o-pais-vai-mal). E a piada que deu origem até a processo em Brasília foi até leve: "Senado aprova pagamento de bolsa mensal de R$ 2.000,00 para garotas de programa" (https://joselitomuller.wordpress.com/2013/05/10/senado-aprova-pagamento-de-bolsa-mensal-de-r-2-00000-para-garotas-de-programa).

E a reitoria da UFV está chefiada por uma mulher, que é claro que é uma lesbofeminista. Eu só não digo "tinha que ser mulher" porque os homens feministas estão piores. Mas é isso aí. A UFV não pode se manifestar sobre os gays que cometeram um assédio com atentado ao pudor ao deputado e pastor Marco Feliciano em um avião, ou aos anônimos que ameaçaram estuprar a esposa e a filha dele; mas pode abrir sindicância contra os professores da universidade que esperam que aconteça o mesmo com juízes frouxos. A UFV não é a patroa do Paulo Ghiraldelli, que desejava que a jornalista Rachel Sheherazade fosse estuprada por desagradar a militância petista; mas é a patroa deste professor, que manifestou publicamente que espera que esse juiz perceba, pela dor, a desonra a que está submetendo a si mesmo e ao Poder Judiciário só para agradar o PT e salvar o seu emprego com o seu status. A UFV não pode se manifestar sobre o Facebook fazer desaparecer postagens sem aviso e aplicar bloqueio dos perfis de muitos antiesquerdistas e antifeministas, mas pode se manifestar com a omissão quando uma postagem de um dos seus professores, de indignação contra um juiz que soltou um bandido, é apagada (Por ele mesmo? Pelo Facebook?). A UFV não pode se manifestar sobre a colocação ridícula das universidades brasileiras no mundo ou sobre a obrigação por lei de aceitar que analfabetos indisciplinados entrem na sua graduação como um enxame de abelhas, mas pode publicar uma nota, mostrando que se importa, sobre uma picuinha de lésbicas psicóticas que deviam estar estudando em vez de policiar a internet.

A UFV tem o compromisso "em combater todas as formas de opressão, dentro e fora dos campi". Desde que não seja de lésbicas parasitas contra homens, de analfabetos funcionais contra professores, de militantes parasitas contra a educação ou de menores criminosos contra trabalhadores.

Abigail Pereira Aranha

Apêndice

Juiz solta ladrão e é assaltado por ele na saída do Fórum. Infonauta, 12/06/2015. Disponível em http://infonauta.ga/juiz-solta-ladrao-e-e-assaltado-por-ele-na-saida-do-forum.

Juiz solta ladrão e é assaltado por ele na saída do Fórum

12/06/2015

BANDIDOS ROUBAM BMWUm juiz de uma cidade o interior do Rio Grande do Sul ficou em apuros na tarde de ontem. O mesmo resolveu soltar um assaltante que constava com 10 passagens pela policia por roubo, furto, homicídio, latrocínio e sequestro, dizendo que o rapaz não apresentava risco, e que a justiça não deveria mantê-lo preso pois suas condutas tinham um reduzido grau de reprovabilidade.

Após decretar a soltura do jovem, o mesmo não tendo como ir para a casa, munido de um fuzil AK 47 assaltou um senhor que estava entrando em seu veiculo. Até ai tudo normal, porém o senhor assaltado tratava-se do próprio juiz que o havia liberado.

O juiz ficou surpreso com a atitude do rapaz que fugiu e até o momento não foi localizado. "O que me espantou foi o fato de eu ter liberado ele, e em menos de 10 minutos ele conseguiu um fuzil, arma essa que é restrita ao exercito. Essa juventude anda muito violenta. Eu não imaginava que ele fosse tão perigoso. Se ele for preso vou meter a caneta nele" disse o juiz enfurecido.

rs bm

Uma das vítimas do ladrão alertou quanto a periculosidade do mesmo. "É a 3° vez que ele me rouba. Eu falei pro juiz que ele era perigoso e ele não acreditou. Esses juízes vivem no país das maravilhas e tratam bandidos como santos. Bem feito" desabafou dona Cleydiane.

Até o fechamento dessa noticia o jovem não havia sido localizado.

c6guisuaamnzg2ejh2zms21iv

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Página no Facebook