terça-feira, 27 de novembro de 2007

Você aceitaria um casamento aberto?

Abigail Pereira Aranha

Onde existe o sagrado, fechado para perguntas, onde o raciocínio lógico não entra, que esmaga o senso comum, que pune quem discorda, ele é o respaldo da atrocidade, a lógica do absurdo, a resposta estúpida para a pergunta inteligente, o premiador e o punidor que explica o acaso, a arbitrariedade que vence o bom senso, o medo que vence o bem viver. O casamento é sagrado. No caso cristão, o casamento foi instituído por Deus (Gn 2:24), que pune os que não o valorizam como sagrado (Hb 13:4).

O objetivo do casamento convencional, não apenas o cristão, não é a felicidade ou a satisfação sexual dos cônjuges. Dentro dele, quase sempre são negados não só o prazer sexual como a dignidade e a vida própria. Fora dele, muitas vezes são reservadas a discriminação e, em vários lugares, dificuldades até para a sobrevivência. Para os homens, o casamento é o recurso para terem filhos que sabem que são seus e a única forma aceita pela sociedade para conseguirem sexo. O casamento convencional também é um troféu. O "bom casamento" para uma mulher e para um pai geralmente é com um marido ou genro com boa situação social ou, pelo menos, boa situação financeira; para um homem, é com uma mulher atraente, estilo santa-na-rua-prostituta-na-cama ou, em lugares mais repressores, habilidosa nas "coisas de mulher" e com aversão ao sexo. Diz a Bíblia que "a mulher virtuosa é a coroa do seu marido" (Pv 12. 4). Quando alguém tem ciúme do seu cônjuge, demonstra que tem interesse em possuí-lo, não em fazê-lo feliz. A pessoa ciumenta tem o seu cônjuge como quem tem um carro.

Por quê o adultério é considerado tão mau? Muitas mulheres, mesmo em locais mentalmente desenvolvidos, abominam o sexo, deixando o prazer para os homens. Alguém já disse que para o homem o preço do sexo é o casamento e para a mulher o preço do casamento é o sexo. Se é assim, o marido traído viu alguém usufruir da mercadoria que ele pagou para ser só sua sem pagar. O adultério é mau porque o casamento é sagrado, naquele sentido acima. Também é aceito socialmente que alguém proíba o contato do cônjuge com o sexo oposto, podendo chegar a extremos de cárcere privado e assassinato movido por ciúmes, porque o casamento é sagrado.

E que tal um casamento em que cada cônjuge permite ao outro fazer sexo heterossexual com outra pessoa? Bizarro? Só se o normal for o casamento convencional, que pertence ao sagrado, do qual discordar é proibido. E se o outro achar alguém melhor de cama? E se o outro fizer comparações? É incômodo para muitas pessoas casadas que seus cônjuges descubram que há vida além do circuito casa-trabalho-igreja, e com sexo bom. Isso mostra que o casamento é baseado na possessividade e no egoísmo. Em geral, essas pessoas deixam a desejar em termos de forma física e desempenho sexual. E se o casamento acabar? A sustentação de quase todos os casamentos é a vida sexual, e a sustentação da vida sexual do casamento convencional é a repressão à vida sexual fora deles. Quando o casamento não tem qualquer atrativo além do sexo, ele não se acaba pelo sexo extraconjugal, pelas amizades de um cônjuge com gente do sexo oposto ou qualquer fator externo, ele acaba por si mesmo. Quando o casamento tem algo mais, não há por que temer que o sexo extraconjugal o comprometa. E o sexo dentro do casamento? Não tem por que acabar ou piorar.

Seria uma visão estranha assistir o seu cônjuge transando com outra pessoa? A estranheza seria porque aprendemos que sexo é só no casamento, e em si mesmo um assunto quase impronunciável. Como explicar aos filhos? É mais fácil explicar para eles do que para os adultos, porque o padrão do casamento convencional não está tão enraizado nas cabeças deles. Com quem abrir o casamento? Com amigos cujas mentes tenham boa aceitação à idéia.

Gente, já ia me esquecendo de dizer. Eu não sou casada e só tenho 16 anos. E como é que eu tenho uma idéia dessas? É que eu tenho vários amigos que me comem e eu ficava pensando: eu podia me casar com qualquer um deles e continuarmos nessa vida de concupiscência. Aí eu descobri que existia esse casamento aberto. Sabe quando você descobre que uma coisa que você queria inventar já existe?

Mas se for assim, pra que casar? Bom, vou inverter a pergunta: por que outro motivo além do sexo o casal vai ter ou manter um casamento convencional?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Página no Facebook