sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Desejo sexual feminino: olha como mulher é falsa

Gente, essas mulheres são de uma falsidade impressionante (eu sou mulher, mas sou humilde de reconhecer os defeitos meus e das outras). A gente já sabia que elas fingem orgasmo, fingem amor, fingem que gostam de sexo, fingem que o filho é do marido, agora a gente descobre que, em matéria de sexo, mulher mente até em pesquisa científica. Essa saiu numa reportagem da revista Época, que eu vou reproduzir em baixo. Só pra adiantar um pouquinho:

Existe uma distância entre o que as mulheres manifestam fisicamente e o que elas declaram sentir. As cenas de sexo entre mulheres, por exemplo, foram as que causaram maior excitação física entre as mulheres heterossexuais – mas aparecem em segundo na lista de respostas sobre as imagens mais excitantes.

Gente, será que eu e vocês que estão lendo não sabemos mais o que significa ser lésbica? Pois é, a falsidade feminina daria vontade de rir se não fosse uma coisa muito séria.

Beijos

Abigail Pereira Aranha



O que desperta o desejo sexual feminino

Novos estudos sobre revelam um abismo entre o que as mulheres sentem e o que dizem sentir

Ivan Martins e Francine Lima. Com reportagem de Laura Lopes


Ida Bauer aparece nos textos de Sigmund Freud, o pai da psicanálise, sob o nome fictício de Dora. É uma moça bonita, de 15 anos, perturbada por tosses nervosas e incapacidade ocasional de falar. Chegou ao divã do médico vienense queixando-se de duas coisas: assédio sexual de um amigo da família e indisposição do pai em protegê-la. Freud aceitou os fatos, mas desenvolveu uma interpretação própria sobre eles. O nervosismo e as doenças se explicavam porque a moça se sentia sexualmente atraída pelo molestador, mas reprimia a sensação prazerosa e a transformava, histericamente, em incômodo físico. Como Ida se recusou a aceitar essa versão sobre seus sentimentos, largou o tratamento. Peter Kramer, biógrafo de Freud, diz que os sintomas só diminuíram quando ela enfrentou o pai e o molestador, tempos depois. Freud estava errado; ela, certa. Anos mais tarde, refletindo sobre a experiência, Freud escreveu uma passagem famosa: “A grande questão que nunca foi respondida, e que eu ainda não fui capaz de responder, apesar de 30 anos de pesquisa sobre a alma feminina, é: o que querem as mulheres?”.

Meredith Chivers, uma jovem pesquisadora da Universidade Queen, no Canadá, acredita que pode finalmente responder à pergunta. Sem os preconceitos e a ortodoxia de Freud, e com recursos experimentais que ele não tinha, reuniu 47 mulheres e 44 homens em laboratório e aplicou o mesmo teste a todos eles: viram oito filmes curtos sobre sexo, com temas variados, enquanto seus órgãos genitais eram monitorados por sensores capazes de medir a ereção masculina e a lubrificação feminina. Ao mesmo tempo, Meredith pediu que indicassem, num sensor eletrônico, quanto estavam excitados com cada cena projetada. Essa era a parte subjetiva do teste.

Os resultados foram sensacionais. Meredith descobriu, primeiro, que as mulheres, sejam elas hétero ou homossexuais, se estimulam com uma gama muito variada de cenas. Homem e mulher transando, mulheres transando, homens transando, quase tudo foi capaz de produzir excitação física nas mulheres. Até cenas de coito entre bonobos (os parentes menores e mais dóceis dos chimpanzés) causaram alterações genitais nas voluntárias, embora tenham deixado os homens indiferentes. Qualquer que seja a sua orientação sexual, eles parecem ser mais focados em suas preferências. Homossexuais se excitam predominantemente com cenas de sexo entre homens ou com cenas de masturbação masculina. Heterossexuais se interessam por sexo entre mulheres, sexo entre homens e mulheres e atividades que envolvam o corpo feminino, mesmo as não-sexuais. O estudo sugere que as mulheres são mais flexíveis em sua capacidade de se interessar. Seu universo sexual é mais rico.

A outra surpresa da pesquisa de Meredith, talvez sua descoberta mais importante, foi a constatação de que existe uma distância entre o que as mulheres manifestam fisicamente e o que elas declaram sentir. As cenas de sexo entre mulheres, por exemplo, foram as que causaram maior excitação física entre as mulheres heterossexuais – mas aparecem em segundo na lista de respostas sobre as imagens mais excitantes. Ocorre o mesmo com sexo entre dois homens. Os sensores vaginais mostram ser esse o terceiro tipo de cena que mais excita as mulheres, mas ele aparece na quinta posição nas declarações. O fenômeno de divergência entre corpo e mente não poupa os macacos. Meredith diz que o relato subjetivo das mulheres sobre os bonobos não é coerente com a excitação física que elas demonstram. “O que eu descobri foi que as mulheres ficaram fisicamente excitadas (com os macacos), mas não declararam se sentir dessa forma”, ela disse em entrevista a ÉPOCA. Os homens demonstram um grau de coerência mais elevado entre as medidas objetivas e subjetivas. Eles declaram gostar daquilo que fisicamente os comove, embora também se confundam com escolhas, por assim dizer, difíceis. No instrumento em que registram suas preferências, os homens heterossexuais marcaram as cenas de masturbação femininas como as mais excitantes, vencendo por pouco o sexo entre duas mulheres. Mas os sensores genitais mostraram coisa diferente: a vitória pertence claramente às cenas de sexo entre mulheres. A conclusão é que também entre os homens há uma diferença entre excitação mental e excitação física, mas ela parece ser muito menor do que entre as mulheres.

Revista Época, 03/02/2009, http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI25697-15228,00-O+QUE+DESPERTA+O+DESEJO+SEXUAL+FEMININO.html

Um comentário:

  1. "existe uma distância entre o que as mulheres manifestam fisicamente e o que elas declaram sentir"

    Isso é o que tanto falamos em nossas comunidades "machistas". As mulheres falam que gostam dos bonzinhos e acabam "dando" para os cafas.

    Ao contrário da maioria dos caras destas comunidades, eu não condeno as mulheres por serem assim. Elas estão apenas agindo como fêmeas. Só mesmo as feministas e mulheres menos femininas para gostarem de homens que não se pareçam com machos de verdade.

    Porque a mulher, então, não fala a verdade? Eu acredito que tem um lado cultural forte nisso tudo. Como as mulheres sempre tiveram mais restrições do que os homens em falar sobre sexo, seus desejos, assim como demonstrar sentimentos (na verdade, os homens sempre demoonstraram mais sentimentos do que as mulheres. Chorar é só um deles, sendo o único que os homens reprimem mais que as mulheres). Isso foi evoluindo nas mulheres, até criar este padrão mental.

    Nossa Evolução tornou os homens mais objetivos do que as mulheres em suas vontades. Como eu disse, tem o lado cultural, mas os custumes podem provocar mudanças biológicas. Biologicamente, então, digo que homens e mulheres pensam e sentem de maneira diferentes.

    Nada do que li neste texto me surpreendeu. Já vi psicológos dizendo que a mulher também é mais suscetível a "mudar de time", podendo deixar uma vida heterossexual para viver como lésbica. Isso em homens parece impossível. A mulher parece ter uma certa flexibilidade sexual, podendo adotar gostos sexuais diferentes daqueles com os quais nasceu. Fazer um machão virar boneca ou vice-versa não acontece, para a tristeza de todos os pais que tentam curar seus filhos do homossexualismo.

    ResponderExcluir

Página no Facebook