quinta-feira, 23 de junho de 2011

O que Fulano faz com a liberdade e os progressos de hoje é problema dele? O que a gente tenta fazer com a nossa é solução!

Abigail Pereira Aranha

Igualdade de gênero virou fachada pra mulher infernizar o marido com ameaça de fazer uma denúncia e ele ir pra cadeia.

Democracia racial virou fachada pra crioulos sem vergonha na cara entrarem na faculdade, no mercado de trabalho e na política.

Liberdade sexual virou uma moça reprimida usar roupa de puta ou uma senhora que todo mundo acha a maior santarrona ir a um sex shop escondida pra comprar alguma coisa pra usar com o marido.

Inclusão social virou obras em invasões de lugares abandonados que chamam de bairros e usar a miséria pra ganhar a vida.

E o que é que eles vão fazer com essa tal liberdade?

A gente já encontrou virgens por opção, monogâmicos por opção, assexuais por opção. Só não encontramos na internet mulheres que transam sem compromisso por opção. E várias mulheres que defendem o lesbianismo ou o direito à diversidade de orientação sexual já me atacaram por causa das minhas putarias.

Os afrodescendentes, as mulheres, os deficientes que conseguiram uma vaga na faculdade, no mercado de trabalho, na política em nome da justiça social (pelo menos a maioria) depois de tudo vão cuidar da própria carreira, da própria vaidade e vão se lixar pro mundo, vão fazer como os brancos malvados faziam e ainda vão chamar os que lutam por algum ideal de maconheiros e desocupados.

A mulher que era (ainda é, né?) vítima da sociedade machista vai sair pra rua como uma puta e esnobar os homens que prestam pra soltar pra todos os homens cafajestes e babacas. Ou vai transar com um homem trabalhador (ou só um playboy rico) pra engravidar e viver de pensão.

A liberdade de religião vai ser pra pessoa escolher os deuses da terra onde ela habita ou os de outras terras que eles não tiraram da lama. Eles vão respeitar os ateus, assim, quem estupra uma criança, abre a mãe de cima a baixo com canivete, desvia dinheiro dos impostos que era pra saúde é porque não tem Deus, mas eles respeitam os ateus.

E se existem câmeras nas ruas, scanners nos aeroportos que vêem você sem roupa, filtros na internet, filtros de spam no e-mail, namorados e namoradas que não têm perfis separados em redes sociais, tudo bem. Quem obedece as leis, acredita em Deus, não vê sexo na internet, não chifra o marido ou a esposa, não discute com sobrinho de juiz não tem o que temer, né?

Liberdade de expressão, de opinião, de religião virou liberdade de ser otário e de cabeça medíocre?

  • Vamos trocar a Marcha das Vadias pela Marcha da Putaria. Vamos trocar um bando de sirigaitas com roupa de pistoleira ou de topless, que vivem com cara de bunda e sai com traficantes e ainda quer respeito, por uma grande trepada coletiva na rua.
  • Vamos trocar o Orgulho Gay pelo ter vergonha de não conseguir encostar ou pensar no sexo oposto.
  • Vamos trocar as passeatas pra conseguir obras nos bairros mais horríveis da cidade pela união dos vizinhos para eles ajudarem mais uns aos outros, melhorar o bairro e votar igual gente grande na próxima eleição.
  • Vamos trocar as greves que param INSS, escola e hospital de pobre por três meses pelo companheirismo dos trabalhadores, para nós trabalhadores sermos mais felizes no trabalho e enfrentarmos nossos problemas em vez de cada um fazer o que pode pra perseguir ou prejudicar o outro.
  • Vamos defender a privacidade na rua, no atendimento por telefone, no acesso a pornografia na internet, na nossa vida em geral quando não fazemos mal a ninguém e acabar com a privacidade na hora de prejudicar alguém. Em vez do contrário.
  • Vamos trocar as passeatas e os abaixo-assinados em defesa da religião e da família pela defesa do ateísmo, da anarquia e do dar nosso amor e nossa presença pra quem mais merece.
  • Vamos usar o e-mail pra mandar alguma coisa que preste, que mereça poder ser vista pelo mundo inteiro.
  • Vamos parar de dizer e fazer o que quiser pra dizer e fazer algo que preste, ou que deve ser dito e feito.

O que a gente defende é a ditadura. A ditadura da vergonha na cara, da pessoa ter esforço, caráter, educação. E se a pessoa está sendo prejudicada, ou se a sociedade tem problemas sérios, que ela use a sua liberdade e o que puder usar pra trazer soluções, pra própria vida e pra vida do próximo.

Ah, e muita gente que diz que defende a liberdade também gosta de censurar o que não gosta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Página no Facebook