quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

"Mulheres e Discriminação Salarial": um pouco da desonestidade do movimento feminista

Estava visitando o blogue da Srta. Bia, o Groselha News e vou aproveitar para começar um texto que já pensava escrever há algum tempo.
O texto da Srta. Bia é "Mulheres e Discriminação Salarial", disponível em http://blogueirasfeministas.com/2011/05/mulheres-salario/. O começo do texto:
A manchete é: Mulheres ganham 20% a menos que homens, segundo o IBGE. Os comentários são:
- Essa diferença se explica pela menor produtividade que as mulheres costumam ter.
- As mulheres deveriam ganhar bem menos. Quando estão grávidas, saem várias vezes para ir ao médico.
- O homem produz em média 40% a mais do que a mulher (isso, quando esta está 100% disposta a trabalhar, sem problemas relacionados ao seu ciclo fértil ou a questões domésticas).
Olhando essas respostas parece que o mercado de trabalho capitalista sofre terrivelmente com as mulheres. Pois somos criaturas que não produzem o mesmo que os homens e são cheias de problemas pessoais para resolver. Olhe para sua colega de trabalho, ela é essa pessoa descrita aí em cima? Ela é alguém que não está disposta a trabalhar 100%? E se a resposta for sim, ela tem esse comportamento só por ser mulher? Não há nenhum homem que enrola no trabalho, que costuma chegar atrasado e é cheio de desculpas? Na primeira página de comentários dessa matéria há 14 comentários, apenas 1 concorda com a pesquisa, mas finaliza o comentário com: “Quem não reconhece o valor feminino não reconhece o valor da própria mãe”. É perceptível que mesmo com a ampla atuação das mulheres no mercado de trabalho, a maternidade parece perseguir a mulher, às vezes como uma benção que a faz ser praticamente uma santa, outras vezes como uma preguiçosa que não quer trabalhar pois só pensa nos filhos e nas cólicas menstruais.
A matéria citada informa o rendimento médio dos homens e o rendimento médio das mulheres, e este é menor que aquele. O mesmo princípio é usado pelo movimento negro para demonstrar que existe racismo nos salários, e pelo pouco que conheço do livro "Não somos racistas" de Ali Kamel, ele mostra que o problema é que a escolaridade média dos afrodescendentes é menor, e nisso ele "matou a charada". Em outra versão da lenda urbana, as mulheres ganham menos que os homens não só pelo mesmo trabalho como tendo a mesma escolaridade ou maior. Geralmente, cita-se a escolaridade média das mulheres e a escolaridade média dos homens, esta menor que aquela, além das médias dos salários. Bem, as próprias mulheres admitem no cotidiano dificuldade em Matemática e feministas pós-graduadas até existem, mas ainda não vimos nenhuma formada em Engenharia Civil ou com licenciatura em Matemática. Prezado leitor, isso não é um ataque pessoal e nem é suficiente para desqualificar uma mulher ou uma feminista no entendimento de dados. E também não é apenas um comentário, como você verá mais adiante.
Vejamos aqui um exemplo didático de o que é o movimento feminazista (falando em Nazismo, elas também usam o truque "uma mentira dita mil vezes se torna verdade"):
  1. A militante seleciona os comentários mais idiotas ou mal escritos do conjunto.
  2. A militante coloca tal conjunto como representante do pensamento de uma sociedade como um todo.
  3. Falácia da redução ao absurdo, ou você-é-débil-mental-mesmo-hein-meu-filho. Explicando: Olhe para sua colega de trabalho, ela é essa pessoa descrita aí em cima com a montagem que eu fiz de frases soltas de três autores diferentes?
E veja o galanteio "quem não reconhece o valor feminino não reconhece o valor da própria mãe" e o retorno que o desafortunado recebeu. Algumas feministas já disseram que o cavalheirismo é também parte da opressão do patriarcado. Pesquise "cavalheirismo machismo" no Google e o primeiro resultado é "Papeando.net :.: Cavalheirismo, a pior forma de machismo". Mas esse é outro assunto.
No entanto, os comentários citados (na íntegra) na verdade arrasam o argumento. De onde tiramos o item IV da lista:
  • Pegar a fala do discordante e selecionar apenas a parte que, isolada, pode ser usada para atacar o adversário e distorcer o que ele realmente disse da pior forma possível
Vamos aos comentários:
Odeio tudo isso 8 meses atrás
Todo ano é a mesma coisa, a mesma manchete. Por que os jornais não publicam os motivos pelos quais as mulheres recebem menos? Por que não publicam os nomes das empresas que "em tese" estariam cometendo discriminação em razão do sexo? Essa diferença se explica pela menor produtividade que as mulheres costumam ter, com poucas e raras excessões à essa regra, principalmente nos trabalhos braçais e que pagam por produção. A lei garante salários iguais para cargos e desempenhos iguais, e proíbe quailquer discriminação em razão de sexo, cor, idade.... Trabalho a 20 anos com RH e sei do que estou falando.
Verdão Verdão 8 meses atrás
As mulheres deveriam ganhar bem menos. Quando estão grávidas, saem várias vezes para ir ao médico. Tem licença de 04 meses remunerada (as vezes 06 meses). Quando retornam, se ausentam para levar o filho no médico, ir as reuniões de escolas, etc. E continuam recebendo o salário. Isso são direitos iguais? Porque as mulheres só brigam pela igualdade, para cargos leves ( deputado, gerência, analista, etc)? Alguém já viu alguma mulher brigando por um cargo que tem que carregar saco de farinha? Entregar botijão de Gás. Fazer serviço de pedreiro, preparar concreto, trabalhar de mecânico, padeiro, lixeiro, recapiar ruas, eletricista, marceneiro, etc. Isso elas não querem. Por isso é que tem que ganhar menos e, bem menos.
Bundelho 8 meses atrás
A matéria é muito tendênciosa. Há um fator determinante na questão salarial que ninguém aborda para não causar polêmica, ou ser acusado de discriminação. O fator em questão é a produtividade. Se forem apurar a produtividade média do trabalhador por sexo, verão que o homem produz em média 40% a mais do que a mulher (isso, quando esta está 100% disposta a trabalhar, sem problemas relacionados ao seu ciclo fértil ou a questões domésticas) ganhando somente 20% a mais que esta. Para a conta bater ou o homem deveria ganhar 40% a mais que a mulher ou esta deveria ser pelo menos 20% mais produtiva, para que se possa ser justificada a remuneração somente 20% inferior a do homem. Para que as mulheres ganhem a mesma coisa elas teriam que produzir a mesma coisa, algo bem improvável de acontecer. Como empresário, posso afirmar que cada centavo a mais que o homem ganha em relação à mulher é pouco ainda, se formos apurar a produtividade de ambos.
Neste último comentário, cabe observar que dizendo "100% disposta a trabalhar", o comentarista se referia ao ciclo menstrual e a questões domésticas (cuidado dos filhos? violência?), no entanto a Srta. Bia converte isso em "esta anta quer dizer que a sua colega de trabalho é uma vagabunda preguiçosa?" (termos mais chocantes apenas para o prezado leitor se dar conta, caso não tenha percebido antes).
No Groselha News, observemos que elogios como "Texto fundamental, Bia! Excelente!", "Bia, vc não poderia ter falado melhor" e "Post fantástico" são todos de mulheres. Os comentaristas acima parecem mais digno deles.
Poderia terminar nestes três comentários, mas vamos à nossa vez de sermos maus. Se, como a matéria sugere, as mulheres ganham tão menos que os homens em média, isso significaria que a prática é muito difundida e evidente, talvez até mesmo aceita. Mas...
  1. diferença de salários por sexo não é proibida pelo artigo 7 parágrafo XXX da Constituição Federal e artigos 5, 460 e 461 da Consolidação das Leis do Trabalho?
  2. a escritora pode citar uma empresa que paga menos a mulheres que a homens pelo mesmo trabalho? O único caso relatado que consegui encontrar foi este: "embora trabalhe no mesmo jornal e praticamente na mesma função que Políbio, seu salário é 20% menor do que o marido". De uma crônica, "A mulher machista", de Cynara Menezes, Carta Capital de 13.06.2011.
  3. tais diferenças, como os 20% da pesquisa do IBGE, não vêm de comparar o salário médio dos homens de todas as profissões com o salário médio das mulheres de todas as profissões e igualar 4 anos de Ciência da Computação a 4 anos de Letras como se ambos dessem a mesma perspectiva de empregos e salários?
  4. a dupla jornada de trabalho de alguns homens (dois empregos formais) não devia ter sido mencionada?
  5. o retromencionado artigo 7 parágrafo XXX da Constituição Federal não proíbe também a discriminação de gênero para a admissão? Não deveriam os homens, baseados neste e no artigo 373-A da CLT, denunciar empresas que não os contrataram para vagas como de assistente administrativo só porque exigiam mulheres sem justificativa plausível?
Abigail Pereira Aranha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Página no Facebook