domingo, 21 de setembro de 2014

Seu cérebro e pornografia: não é vício

Original de 16 de setembro de 2014 por Dr. David Ley, tradução publicada no dia 19 no A Voice for Men Brasil

Tem havido uma enorme quantidade de hipérbole sobre o uso de pornografia, com muitos autores e catastrofistas alegando que ver pornô provoca alterações neuroquímicas perigosas no cérebro. Mas uma pesquisa inovadora diz que isso não é verdade e que as pessoas que são os usuários problemáticos de pornografia são realmente pessoas com libido alta, não as pessoas cujos cérebros foram deformado sexo e pornografia.

Defensores populares da antipornografia como YourBrainonPorn e o grupo chamado Fight The New Drug argumentam que o uso da pornografia é um problema de saúde pública, não uma questão de liberdade de expressão. Essas pessoas muitas vezes afirmam que se as pessoas e a sociedade tivessem ideia do dano que o uso de pornografia estaria causando aos nossos cérebros, que nós o regularíamos isso em nós no acesso público que é permitido.

Nos últimos anos, esses argumentos baseados em medo invocam frequentemente jargões sobre efeitos no cérebro e disparam para todos os lados termos como explosões de dopamina e dessensibilização para descrever o que supostamente acontece no cérebro de pessoas que assistem muita pornografia. A ciência do cérebro está na moda atualmente e chama a atenção começar a usar jargões sobre o cérebro e neurociência em argumentos porque soa tão ridiculamente convincente e científico. O problema é que há uma extrema escassez de pesquisa que realmente considere o cérebro e os comportamentos das pessoas que usam a pornografia, e nenhuma pesquisa experimental qualitativa que tenha analisado os cérebros daqueles supostamente viciados em pornografia. Então, todos esses argumentos são teorias e baseados em retórica, inferências e aplicação de resultados de outras pesquisas para tentar explicar os comportamentos sexuais.

Uma nova, interessantíssima e nova pesquisa foi feita que realmente examinou os cérebros de supostos viciados em sexo, e adivinhem? Os resultados são um pouco diferentes da retórica. Na verdade, os resultados não apoiam a afirmação de que o vício em sexo é real, ou refletem quaisquer tipos de problemas cerebrais.

Na pesquisa convidado para a apresentação no jornal socioafetive Neuroscience of Psychology , os autores Steele, Staley, Fong e Prause utilizaram testes de eletroencefalografia (EEG) para examinar os efeitos de erotismo visual no cérebro de pessoas que sentiram que tinham problemas para controlar seu uso da pornografia. Cinquenta e dois viciados em sexo, incluindo homens e mulheres, tiveram a atividade elétrica de seu cérebro examinada enquanto olhavam para imagens eróticas. A teoria do vício em sexo prevê que estes indivíduos mostrariam padrões cerebrais compatíveis com os de viciados em cocaína, que demonstram mudanças elétricas específicas na atividade cerebral em resposta a estímulos relacionados com a droga. Proponentes do vício em sexo, de Rob Weiss a Patrick Carnes, têm sustentado que o sexo e pornografia são “como a cocaína” no cérebro.

Mas, quando eletroencefalografias (ou EEGs) foram administradas a esses indivíduos no momento em que viam estímulos eróticos, os resultados foram surpreendentes e absolutamente inconsistentes com a teoria vício em sexo. Se ver pornografia realmente estava a habituar (ou dessensibilizar), como fazem as drogas, então ver pornografia teria uma resposta elétrica diminuída no cérebro. Na realidade, nestes resultados, não houve tal resposta. Em vez disso, no geral, demonstraram aumento de respostas elétricas cerebrais dos participantes diante do imaginário erótico mostrado era exatamente como os cérebros de “pessoas normais”, como tem sido demonstrado em centenas de estudos.

Ah, mas os proponentes do vício em sexo podem argumentar que isso é porque esses viciados em pornografia têm uma resposta mais forte a estímulos sexuais e é por isso que eles são viciados. Esta é uma das razões que as teorias da dependência em pornografia e sexo são tão difícil de se defender – são falsificáveis pela apresentação apresentar elementos opostos como parte de sua teoria e têm argumentos muito fluidos, que explicam quando os dados ou resultados não correspondem às suas teorias.

Aqui é onde os autores deste estudo foram muito inteligentes. Os pesquisadores incluíram medições de desejo sexual ou libido e múltiplas medições de vício em sexo nos questionários administrados aos participantes. Os resultados deste estudo de EEG foram previstos pelas medidas de libido, e não houve relação entre as medidas de vício em sexo para as medidas neurais. Em outras palavras, os resultados das EEG aumento da resposta a estímulos eróticos foram consistentes com as respostas de pessoas que têm níveis mais elevados de desejo sexual. Os supostos viciados em sexo deste estudo têm cérebros que se parecem com os de outras pessoas, que têm alta libido, mas não se identificam como viciados em sexo.

Outra parte desta análise sofisticada é que os pesquisadores analisaram os diferentes testes que mediram os aspectos do vício em sexo / hipersexualidade e nos testes que mediram libido. Eles, então, realizaram análises estatísticas para identificar se algum destes resultados dos testes variou de forma consistente com a diferença de respostas cerebrais. Mais uma vez, os testes de dependência sexual não tinha qualquer ligação com as conclusões neurais. Mas uma parcela significativa da variação de respostas neurais era explicável por nível de desejo sexual dos participantes – quando participantes relataram níveis mais elevados de libido, eles também demonstraram menos respostas neurais aos estímulos sexuais que foram mostrados. Esta foi um fato surpreendente, sugerindo que as pessoas com alta libido podem achar a pornografia menos interessante e, portanto, têm menor resposta neural – isso é consistente com outros estudos, que mostraram que as pessoas com altos níveis de desejo sexual têm menos resposta ao erotismo visual. Mas isso não é exclusivo para viciados em sexo e foi previsível por níveis de desejo sexual, não sintomas de vício em sexo. Os maiores níveis de sintomas de dependência sexual, não importa quais das três escalas de vício em sexo foram usadas, não teve relação com a resposta neural para as imagens eróticas mostrados.

Defensores do vício da pornografia certamente dirão “Ahá! Veja, aí está, viciados em pornografia têm uma resposta mais baixa, e é por isso que eles são viciados, eles ficam insensíveis. “Mas lembre-se, foi a medida de libido que previu diminuição da resposta neural, e não medidas de problemas sexuais ou até mesmo o uso do pornô. Mesmo entre o grupo de estudo de usuários de pornografia problemáticos, havia vários níveis de libido. E assim como pessoas que não têm problemas para controlar seu uso de pornografia, são os maiores níveis de desejo sexual que permitem prever esta diminuição do efeito. Muitas pessoas com alta libido têm este mesmo efeito, mas não relatam problemas para controlar o uso da pornografia.

Pode-se argumentar que este é apenas um estudo e apenas uma medida da atividade do cérebro. Proponentes do vício da pornografia, sem dúvida, argumentarão que outros tipos de estudos do cérebro, tais como ressonância magnética, MEGs, SPECT, ou outros exames cerebrais irão mostrar os efeitos que eles crêem estar lá. Eu tenho certeza que outros irão argumentar que olhar para uma imagem erótica estática é de alguma forma diferente de olhar para “pornô em Internet de alta velocidade.” O interessante nesses argumentos é que eles estão argumentando contra a validade da ciência, afirmando que a sua teorias são de alguma forma mais verdadeiras e confiáveis do que a pesquisa científica ou dados reais. Em outras palavras, será que eles só acreditam em dados quando eles confirma suas teorias? Se assim for, eu sinto muito, isso é chamado de viés de confirmação, não ciência.

Este estudo foi criticado recentemente, mas as críticas são esmagadoramente infundadas:

  • Não houve “grupo de controle” – na verdade, este estudo utilizou uma organização “intra-sujeitos”, onde os próprios sujeitos foram seu próprio grupo de controle. Isso é metodologicamente rigoroso e bem aceito;
  • Os resultados das análises que não foram significativas não foram descritos na publicação – esta é uma prática científica comum e os autores geralmente estão dispostos a compartilhar os resultados dessas análises a pedido;
  • Este estudo utilizou método científico muito bom, na criação de um estudo para testar a “teoria” de que o uso da pornografia funciona “como” um vício de drogas. Isto é como a boa ciência funciona, testando teorias;
  • Por não haver uma definição ou critérios para dependência de sexo / pornografia aceita, o estudo múltiplo usado comumente usou avaliações para vício em sexo;
  • O uso da tecnologia EEG é um método aceitável, extensivamente utilizado em pesquisa sobre as dependências e permitiu uma comparação válida, útil desses resultados para a pesquisa existente sobre vício em drogas e álcool. Os resultados do P300 citados no estudo são internamente e externamente consistentes com as suas próprias conclusões e com a literatura anterior e apoiam a interpretação de que os sujeitos apresentaram uma resposta neural baseada na libido e excitação sexual, não demonstrando alterações no cérebro que são indicativos de uma resposta aditiva (vício).

O peso crescente da investigação científica, em oposição à especulação e teorização, está indicando que o vício em sexo não é uma construção distinta, mas reflete os comportamentos dos indivíduos com maiores níveis de desejo sexual e libido, especialmente porque esses comportamentos levam as pessoas a conflitos com valores sociais em torno de sexo. Como qualquer outra característica humana, o desejo sexual ocorre ao longo de um espectro, com ampla gama de variação individual. Os problemas e queixas relatadas por autoidentificados viciados em pornografia e sexo têm a ver com o contexto em que esses indivíduos estão expressando ou perseguindo sua alta libido, não com uma única doença.

Os proponentes do vício em pornografia e sexo podem fazer bem em começar a mudar o seu discurso, de atacar a pornografia e sexo para aumentar o diálogo sobre como o desejo sexual e a expressão sexual pode entrar em conflito com os valores e ideais sociais públicos / privados. Ao invés de alardear o perigo da pornografia, eles podem ser mais eficazes e baseados em evidências defendendo a informação sobre os diferentes níveis de desejo sexual e da necessidade, tanto da sociedade do indivíduo, de ser responsável e lidar devidamente com essas diferenças.

Traduzione in italiano da Abigail Pereira Aranha senza libertinaggio in Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: Il tuo cervello sul porno: NON è coinvolgente, http://avezdoshomens2.blog.com/2014/09/21/il-tuo-cervello-sul-prn-non-e-coinvolgente
Traduzione in italiano da Abigail Pereira Aranha senza libertinaggio in Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: Il tuo cervello sul porno: NON è coinvolgente, http://avezdoshomens2.blogspot.com/2014/09/il-tuo-cervello-sul-porno-non-e.html
Tradución en español por Abigail Pereira Aranha sin putaría en Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: Su cerebro en el porno: no es adictivo, http://avezdoshomens2.blog.com/2014/09/21/su-cerebro-en-el-p-no-es-adictivo
Tradución en español por Abigail Pereira Aranha sin putaría en Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: Su cerebro en el porno: no es adictivo, http://avezdoshomens2.blogspot.com/2014/09/su-cerebro-en-el-porno-no-es-adictivo.html
Original text in English at A Voice for Men: Your brain on porn: It’s NOT addictive, http://www.avoiceformen.com/sexual-politics/evo-psych/your-brain-on-porn-its-not-addictive
Original text in English without debauchery copied at Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: Your brain on porn: It’s NOT addictive, http://avezdoshomens2.blog.com/2014/09/21/your-brain-on-p-its-not-addictive
Original text in English without debauchery copied at Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: Your brain on porn: It’s NOT addictive, http://avezdoshomens2.blogspot.com/2014/09/your-brain-on-porn-its-not-addictive.html
Tradução em português no A Voice for Men Brasil: Seu cérebro e pornografia: não é vício, http://br.avoiceformen.com/ciencia/seu-cerebro-e-pornografia-nao-e-vicio
Tradução em português sem putaria copiada no A Vez das Mulheres de Verdade: Seu cérebro e pornografia: não é vício, http://avezdasmulheres.blog.com/2014/09/21/seu-cerebro-e-p-nao-e-vicio
Tradução em português sem putaria copiada no A Vez dos Homens que Prestam: Seu cérebro e pornografia: não é vício, http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2014/09/seu-cerebro-e-pornografia-nao-e-vicio.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Página no Facebook