sábado, 25 de julho de 2015

A revolução femdom

Abigail Pereira Aranha

O maior bem que os antissocialistas fizeram à esquerda foi associar uma liberação sexual, ou a defesa dela, ao Feminismo e ao Socialismo. Isso levou para a militância socialista uma multidão de homens inteligentes e de bom caráter que não sabiam a diferença entre combater o Socialismo-Feminismo e ter inveja do prazer sexual dos outros, até descobrirem pessoalmente já dentro do movimento. Foram pelo menos quarenta anos, da década de 60 até a década de 2000, que os cristãos tradicionais consolidaram o LGBT-Socialismo com cinco linhas de ação. A primeira foi consolidar a imagem do antissocialista como um cristão tradicional e do cristão tradicional como um provinciano imbecil e frustrado. A segunda foi ajudar a espalhar as lendas que a parte mais lésbica e insana do movimento feminista fazia contra a prostituição feminina e a pornografia. A terceira foi tentar associar qualquer manifestação de interesse de um rapaz pelas mulheres ou pela pornografia heterossexual a desde desrespeito à mulher até uma futura perversão sexual como zoofilia. A quarta foi ajuntar os irmãos na fé contra espantalhos, como aulas de Educação Sexual e produções artísticas não-puritanas, enquanto o movimento esquerdista trabalhava de verdade dentro e fora das igrejas. E a quinta, em que eles conseguiram mais resultados, foi conseguir mobilizar o Estado, universidades e empresas privadas para proteger "a moral e os bons costumes", fortalecendo o que já estava sendo tomado pelo Lesbossocialismo e o mito de um poder cristão-burguês.

Quando os cristãos tradicionais e os direitistas se deram conta, eles foram dormir afugentando os rapazes que se aproximavam das filhas ou das irmãs que iam à igreja e acordaram com u'a Marcha das Vadias no caminho do trabalho. E a pouca resistência cristã ao Socialismo junta evangélicos, protestantes e católicos na internet, dizendo coisas que eles não podem dizer nas próprias igrejas ou mesmo nas próprias casas. E muitos ainda não entenderam: os rapazes tentam resgatar o puritanismo do século XIX, as moças tentam não se parecer com as monstruosidades da militância lésbica. Assim, eles ainda ajudam o movimento feminista-socialista pela própria imagem que passam, as moças de neuróticas sexualmente reprimidas e os rapazes de "cabaços" revoltados.

Mas dessa vez, eu vou abordar a chamada Revolução Sexual de um jeito diferente. Vou começar por um deslize no verbete da Wikipedia.

A revolução sexual (também conhecida globalmente como uma época de "liberação sexual") é uma perspectiva social que desafia os códigos tradicionais de comportamento relacionados à sexualidade humana e aos relacionamentos interpessoais. O fenômeno ocorreu em todo o mundo ocidental dos anos 1960 até os anos 1970. Muitas das mudanças no panorama desenvolveram novos códigos de comportamento sexual, muitos dos quais tornaram-se a regra geral de comportamento.

A liberação sexual incluí uma maior aceitação do sexo fora das relações heterossexuais e monogâmicas tradicionais (principalmente do casamento). A contracepção e a pílula, nudez em público, a normalização da homossexualidade e outras formas alternativas de sexualidade e a legalização do aborto foram fenômenos que começaram a ganhar força nas sociedades ocidentais.

(...) No final dos anos 1970 e 1980, a recentemente conquistada "liberdade sexual" foi explorada pelo grande capital que procurava lucrar numa sociedade mais aberta, com o advento da pornografia pública e da pornografia hardcore.

(https://pt.wikipedia.org/wiki/Revolu%C3%A7%C3%A3o_sexual)

Quem escreveu deixou escapar uma coisa importante: com tanta liberação feminina, como é que "o capital" conseguiu VENDER pornografia? Melhorando a pergunta: por que os rapazes comprariam pornografia se diversões estilo American Pie estavam ao alcance deles na rua? Vou contar alguns casos mais modernos.

1) Gisela Campos publicou o texto "Onde estão os homens?" na seção Mulher 7 x 7 do portal da revista Época. Ela disse que "simplesmente está faltando homem no pedaço" e "pra onde eu olho, vejo amigas lindas, maravilhosas, independentes e... solteiras". Mas quando um comentarista disse que "se sou um cara com boa aparência e boa situação financeira, na mesma faixa etária [dos 30 anos], darei preferência às mais novas", foi chamado de babaca.[01]

2) "A estudante dinamarquesa Nikita Klaestrup, de 20 anos, presidente da organização juvenil do Partido Conservador Dinamarquês em Lolland-Falster, (...) postou uma foto sensual em seu Instagram (...), e foi o suficiente para gerar uma onda de comentários."[02]. Na mesma época (junho de 2015), o governo da Dinamarca estava fazendo uma campanha "faça sexo pelo país" porque o país estava abaixo da taxa de reposição e a população estava diminuindo e envelhecendo.[03]

3) "Ronaldinho Gaúcho seca decote de repórter colombiana" (UOL Esporte, 27 de junho de 2015)[04]: "A repórter da Fox Sports Érika Fernández foi cumprimentar Ronaldinho Gaúcho e o jogador se mostrou muito feliz em atendê-la. Pouco discreto, o brasileiro baixou os olhos na direção do generoso decote da jornalista e ficou alguns segundos nesta posição. Antes, ela já havia ganhado um abraço apertado com direito a carinho nas costas feito pelo brasileiro." A matéria diz que "ela não é conhecida por ser das mais discretas e já fez uma aparição em seu programa apenas com uma pintura corporal", mas depois conta que o jogador flertou outras jornalistas no Brasil. Ou seja, a moça do decote é só "ousada", mas o jogador de futebol que admirou o decote é um indelicado assanhado.

4) O Yahoo! Brasil colocou uma lésbica, Carol Patrocínio, na seção de sexualidade, a Preliminares. No texto "Seis passos para se aproximar de uma mulher sem parecer um tarado"[05], ela consegue dizer que "nós adoramos homens" e que "todo homem é uma ameaça até que deixe de ser". Entre as dicas que ela dá aos homens, lugares bons para abordagens são "lugares que ela pode sair quando quiser".

5) Várias cidades de vários países têm vagões e ônibus "rosas" no transporte coletivo, onde homens são proibidos de entrar, sob a alegação de evitar estupros e assédios sexuais. Que tal separarmos vagões e ônibus exclusivos para brancos para que as raças inferiores parem de nos roubar? Mesmo as lesbofeministas que são contra os "vagões rosas" argumentam que o verdadeiro problema é o "machismo".

6) Uma campanha "Don't Be That Guy", no Canadá, tinha cartazes como "só porque você a ajudou a ir pra casa, isso não significa que você tenha que se servir". Quando veio o contra-ataque "Don't Be That Girl" no campus da Universidade de Alberta com cartazes como "só porque você se arrependeu de um encontro de uma noite, isso não significa que ele não foi consensual", a professora Cristina Stasia reagiu no Twitter dizendo: "ei, defensores do estupro, que tal 'não seja este cara. Não estupre'".[06] Para a colunista lésbica Lauren Strapagiel, do Canada.com, passar da síndrome do pânico de homem para os falsos relatos de estupros "transforma uma campanha contra ataques sexuais em uma campanha de apologia ao estupro".[07]

7) Nos Estados Unidos, há quem defenda que uma relação sexual em que o homem mentiu para a mulher para transar com ela seja considerada ESTUPRO. A legislação sobre isso por estado pode ser vista em http://rapebyfraud.com/state-by-state-information-on-rape-by-fraud. São dois problemas: o primeiro é o cara precisar mentir para uma mulher para conseguir sexo (não é um problema individual, lésbica idiota), o segundo é ele ser preso por ter conseguido.

Mas onde eu estou tentando chegar? Conservadores cristãos, de que liberação sexual vocês tanto falam? Que a chamada Revolução Sexual foi um movimento contra o Cristianismo, vocês acertaram. Mas não aconteceu uma Revolução Sexual. Aconteceu uma revolução femdom: o prazer foi principalmente das mulheres, o prazer dos homens foi mais de contemplar o prazer delas do que um prazer deles próprios.

Para quem ainda não entendeu: 1) Que Revolução Sexual aconteceria na mesma época, e supostamente feita pelos mesmos atores, do Manifesto SCUM e do Lesbianismo Político[08]? 2) Como pode um bar ter uma placa de proibição de "excesso de carinho" de casais geralmente héteros em uma cidade brasileira em que é ilegal discriminar casais homossexuais? 3) Por que as categorias mais acessadas por mulheres no Pornhub são, nessa ordem, "lésbicas" e "gays", e "for women" só aparece em quarto lugar?[09] 4) Se era tão reprovável a Bíblia cristã dizer que a mulher devia ser submissa ao marido, mesmo dizendo coisas como "vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela" (Ef 5: 25); por que o nome Mohamed, o mesmo do profeta do Alcorão que permitia escravidão sexual e agressões físicas contra mulheres[10], entrou na lista dos 100 nomes mais comuns da Inglaterra na mesma época e em um dos mesmos lugares principais da Segunda Onda do Feminismo[11]? 5) Como aconteceu a prisão de uma professora nos Estados Unidos por ter feito sexo com três alunos (rapazes) duas semanas depois de aprovado o casamento gay para todos os estados?[12]

Há alguns anos eu defino o Feminismo como a justificação e a glorificação do universo feminino em tudo da mediocridade pra baixo, e usar isso como a medida-padrão da sociedade em geral. E também tenho dito que o lesbianismo não é preferência sexual de mulher por mulher, é narcisismo mais horror a pica, é uma degeneração psiquiátrica. Nestes sentidos, toda mulher feminista é lésbica e todo Feminismo é promoção do lesbianismo. Mas não é promoção do lesbianismo no sentido de incentivar a mulher a não gostar de homem sexualmente, é no sentido de incentivar a mulher a admirar a própria pobreza de espírito. E nesta pobreza de espírito se inclui o prazer dela de excitar sexualmente os homens em geral, mas racionar o sexo em si; o prazer de ser uma mulher fisicamente interessante para os homens, mas ser indisponível e intimidadora para eles.

P. S.: Eu já estava com esse texto em mente quando um amigo compartilhou esta pérola:


Enquanto eu escrevo isto, meus filhos estão dormindo em seu quarto, Loretta Lynn está no aparelho de som, e minha esposa está fora em um namoro com um homem chamado Paulo. É o seu segundo encontro desta semana; seu quarto este mês até o momento. Se ele for como os outros, ela vai voltar para casa no meio da noite, rastejar na cama ao meu lado, e me contar tudo sobre como ela e Paulo tiveram relações sexuais. Eu não vou explodir de raiva ou ferver de ressentimento. Vou dizer-lhe que é uma história quente e eu estou feliz que ela se divertiu. É quente porque ela está animada, e eu estou feliz porque eu sou um feminista.

NOTAS:

[01] O texto e alguns comentários estão em http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2012/01/onde-estao-os-homens-arrogancia-e.html

[02] http://sapeandonosofa.blogspot.com.br/2015/06/militante-conservadora-da-dinamarca.html

[03] http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2015/07/14/com-campanhas-e-subsidios-do-governo-dinamarca-apela-por-mais-filhos.htm

[04] http://uolesporte.blogosfera.uol.com.br/2015/06/27/ronaldinho-gaucho-seca-decote-de-reporter-colombiana

[05] https://br.mulher.yahoo.com/blogs/preliminares/6-passos-para-se-aproximar-uma-mulher-sem-110347666.html

[06] A postagem da professora com uma foto do cartaz, um cartaz da campanha Don't Be That Guy e vários cartazes misândricos podem ser vistos em http://www.avoiceformalestudents.com/banners-and-posters-of-misandry

[07] http://o.canada.com/news/dont-be-that-girl-posters-edmonton-anti-rape

[08] http://pt.dicionariafeminista.wikia.com/wiki/Lesbianismo_Pol%C3%ADtico

[09] http://www.ultracurioso.com.br/7-coisas-que-voce-nao-sabia-sobre-a-audiencia-feminina-em-sites-pornos

[10] O dr. Ahmad Shafaat escreveu "Algumas observações importantes quanto ao tema 'casamento'" (http://www.islamicperspectives.com/Algumas.htm) tentando suavizar. Ele diz que os países islâmicos são "uma sociedade feminista já há 14 séculos" e que a Revista Veja, aquela associada ao pensamento de direita no Brasil, é "uma publicação que tem assiduamente atacado a religião islâmica e seus seguidores de forma sistemática e desprovida de base". Eu digo desde 2011 que se uma de cada cinco mulheres no mundo é muçulmana e dizem que o Islamismo é misógino, alguma coisa está errada. Esse aqui "entregou" mais que "pizza delivery" em fim de semana!

[11] "Mohamed é o nome mais popular no Reino Unido em 2014", Antena Lusa, 04 de dezembro de 2014, http://www.antenalusa.pt/mohamed-foi-o-nome-mais-popular-reino-unido-em-2014

[12] http://www.independent.co.uk/news/world/americas/brianne-altice-utah-high-school-english-jailed-after-admitting-sexually-abusing-three-male--teenage-student-10381580.html

Questo testo in italiano senza vignetta di dissolutezza in Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: La rivoluzione femdom, http://avezdoshomens2.blog.com/2015/07/25/la-rivoluzione-femdom
Questo testo in italiano con vignetta di dissolutezza in Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: La rivoluzione femdom, http://avezdoshomens2.blogspot.com.br/2015/07/la-rivoluzione-femdom.html
Eso texto en español sin viñeta de putaría en Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: La revolución femdom, http://avezdoshomens2.blog.com/2015/07/25/la-revolucion-femdom
Eso texto en español con viñeta de putaría en Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: La revolución femdom, http://avezdoshomens2.blogspot.com.br/2015/07/la-revolucion-femdom.html
This text in English without licentiousness cartoon at Men of Worth Newspaper / Concrete Paradise: The femdom revolution, http://avezdoshomens2.blog.com/2015/07/25/the-femdom-revolution
This text in English with licentiousness cartoon at Periódico de Los Hombres de Valía / Paraíso Tangible: The femdom revolution, http://avezdoshomens2.blogspot.com.br/2015/07/the-femdom-revolution.html
Texto original em português sem cartoon de putaria no A Vez das Mulheres de Verdade: A revolução femdom, http://avezdasmulheres.blog.com/2015/07/25/a-revolucao-femdom
Texto original em português com cartoon de putaria no A Vez dos Homens que Prestam: A revolução femdom, http://avezdoshomens.blogspot.com.br/2015/07/a-revolucao-femdom.html
Seção de sexo, safadeza, putaria, mulher pelada, pornografia
Sezione de sesso, libertinaggio, lussuria, donna nuda, pornografia
Section of sex, lust, licentiousness, naked woman, pornography
Sección de sexo, perrez, putaría, mujer desnuda, pornografía

3 comentários:

  1. Lesbianismo politico, na verdade é só feminismo mesmo.
    Eu só acho que o pessoal conservador deveria se juntar e fazer filhos, contra-cultura é isso, juntar-se com os amigos fazer a turminha separar os casais...

    ResponderExcluir
  2. Ainda não chegamos na liberdade sexual.

    ResponderExcluir

Página no Facebook