quarta-feira, 29 de julho de 2015

A pedofilia e os anos dourados da direita

Abigail Pereira Aranha

Vou ter de dar um puxão de orelha nos amigos cristãos de direita, mas desde o começo eu entrei pra somar. Como eu sou anarquista, ateia e contra a castidade, eu posso observar alguns erros da direita e dos cristãos antiesquerdistas que eles podem nem perceber que são erros. O caso das matérias na imprensa associando a página Tioastolfo ao Robson Otto Aguiar e ao Emerson Eduardo Rodrigues acabou ilustrando o que eu estou tentando explicar desde exatamente 49 dias antes com o texto "Esqueça a pedofilia, o perigo é outro". É melhor eu passar para o leitor ler tudo que tentar resumir: o texto está em http://avezdoshomens.blogspot.com/2015/06/esqueca-pedofilia-o-perigo-e-outro.html. Alguns comentários na postagem do Portal R7 no Facebook de u'a matéria da Rede Record de anteontem podem ser ilustrativos:


Vera Santo Isso e só um dos milhares exemplo de que o sistema do Brasil e fraco e nao funciona.E eles desafiam mesmo ,fazendo e acontecendo.Por que nao sao punidos.

Etelvino Torres Fuzilamento pra esse demônio

Evanildo Gomes Um tiro de escopeta no meio da testa resolve tudo isso, mas no Brasil, vão prender o cara, pra engordar ele mais ainda às nossas custas, é por isso que ele não está dando a mínima, em dizer tudo isso em seu blog, manda pra Indonésia, e me avisa o dia da execução.

Miriam Santos Quando o Brasil tiver pena de morte aí melhora, nossos governantes não tá né aí as coisas não acontece com eles acordam por favor.

Eliane Esteves Eu quero ver ele desafiar a Deus.

Iloi Lavratti Pena de morte para estupradores!...

Rafael Moraes Esse estrupador não era para prender e sim para matar

Cibele Santos Meu deus q absurdo e kd a prisão perpétua e kd a pena d morte , sei la o mundo ta perdido não sei d mais nada .

Estrela Sol No Brasil, você rouba, mata, estupra, desafia a polícia e a justiça e ainda vira notícia. Lamentável.

José Ricardo Campos Segundo o humaniza sus ele é um povre coitado doente.

Precisa de tratamento médico, se bem que chumbo seria mais adequado.

Quem destes comentaristas não for de direita disse o que um direitista poderia ter dito. Vou sair um pouco do assunto pra dizer uma coisa que eu deixei passar: mesmo que existisse uma campanha esquerdista para que a pedofilia fosse classificada como doença, isso não significaria não punir sexo com crianças. Um pedófilo que estuprasse uma criança seria preso como estuprador de vulnerável (artigo 217-A do Código Penal), não pela pedofilia, com pena reduzida (artigo 26 parágrafo único) em medida de segurança, que pode ser tratamento ambulatorial ou internação em hospital de custódia e tratamento psiquiátrico, como regulado no Título VI, "Das medidas de segurança", artigos de 96 a 99. Os liberais estão apanhando de esquerdistas, inclusive do próprio Humaniza Redes, por esta gafe.

O meu assunto aqui é como a questão da pedofilia pode enterrar a direita, como eu avisei 51 dias atrás.

Até pelo menos a década de 90, só mentes muito brilhantes ou ex-militantes de esquerda hostilizados pelos ex-companheiros sabiam que ser contra o Socialismo não significava necessariamente ser de direita cristã, mas o público geral já sabia que ser contra o moralismo puritano ou discordar do darwinismo social significava aderir, conscientemente, ao movimento esquerdista pelo menos em parte. E não digo isso só no Brasil. Não apenas o movimento liberal, o antissocialismo perdeu colaboradores valiosos, gente inteligente, culta e de ótimo caráter, porque não estava clara a diferença entre combater uma censura nacional à internet como acontece na China e um microempresário instalar spywares e bloquear acesso a blogues nos computadores da própria empresa; ou entre lutar para evitar um racionamento como o de Cuba ou da Venezuela e amaldiçoar a existência do salário mínimo; ou entre lutar pelo direito de ser heterossexual (não contra os homossexuais, mas contra o Movimento LGBT) e nunca ter uma boa foda na vida; ou entre ser uma mulher antifeminista e ser uma megera com cara de mal resolvida sexualmente. Então, a defesa do Cristianismo tradicional inclusive nos Estados Unidos e do pensamento de direita no Brasil ficaram por conta de meia dúzia de cidadãos comuns que arregaçaram as mangas para defender o que pregavam, em geral em iniciativas particulares na internet; enquanto o Socialismo cresceu inclusive nos Estados Unidos. O próprio movimento liberal tem um problema: por que nenhuma empresa privada é conhecida por defender as ideias liberais, mas qualquer empresa de ônibus com cinco linhas pode anunciar um "compromisso com o meio ambiente", por exemplo? Este é um bom assunto para outro texto.

Aqui eu chamo a atenção do parceiro Emerson Eduardo Rodrigues para o nome "Movimento Capitalista" do grupo que ele criou: o nome pode ser uma boa publicidade, até uma zoeira com os esquerdopatas, mas não pode simbolizar um erro. Muitos liberais defendem o Capitalismo, mas ninguém quer destruir o Capitalismo, pelo menos não alguém que tenha poder. O que os socialistas querem destruir é a democracia e o Cristianismo. Ops! O leitor não sabia que o Emerson tinha essa iniciativa? Ele também tem um trabalho antifeminista há uns 10 anos, mesmo quem duvide de que ele era o Nessahan Alita não pode negar que ele é antifeminista. Isso tem a ver com aquela incriminação dele hoje e em 2011. E o Robson tem o blogue Expressotemdetudo onde ele publicou há pouco tempo uma entrevista com o Emerson sobre aquele caso de, usando o termo do Romeu Tuma Junior, assassinato de reputação. Peço ao leitor que mantenha essas informações em mente.

O que fez o pensamento de direita cristã, especificamente, ganhar espaço foi aquele trabalho de pessoas esparsas na internet e a própria ascensão da esquerda ao poder formal no mundo. O poder dá aos políticos de esquerda e aos movimentos de esquerda a chance de fazer "cagada". Então, aparecem cada vez mais negros contra o Movimento Negro, gays contra o gayzismo, pobres contra os partidos de esquerda, mulheres contra o Feminismo. E a direita começa a ser procurada. Eu mesma, com aquele meu perfil que eu mostrei e os meus leitores mais velhos conhecem, tenho a grande maioria dos amigos cristãos tradicionais ou de direita, que eu fui achando ou que me acharam. A esquerda cresceu pelas falhas da direita cristã, a direita cristã ganhou visibilidade e atratividade pelas falhas da esquerda. Até pelo menos a década de 90, muita gente boa se aliou à esquerda só para não ser associado à direita cristã. De uns 20 anos pra cá, muita gente boa se aliou à direita porque a esquerda mostrou que consegue ser pior. Mas o problema é que parece que alguns direitistas acreditam mesmo que este sucesso veio das pregações economicistas ou puritanas.

E o que isso tem a ver com pedofilia? Só para dar uma ideia, eu vi na mesma quinzena (a primeira de julho) a palavra "pedofilia" ser aplicada por um ateu antipetista à Igreja Católica; por mulheres antifeministas, comentando na página Mulheres Contra o Feminismo, a uma professora presa por ter transado com três alunos de 16 e 17 anos (idade em que, de acordo com alguns estudiosos bíblicos, Maria já era mãe de Jesus Cristo); por liberais como Alexandre Borges e Rodrigo Constantino ao PT só porque o Humaniza Redes publicou no Facebook uma postagem distinguindo a pedofilia do estupro de vulnerável; e por comentaristas esquerdistas ao autor da mesma postagem. Entenderam agora que defesa da pedofilia não existe, existem casos de estupro de vulnerável?

Eu mesma comecei um trabalho na internet em 2006 que não tinha muitas pretensões, só me mostrar como uma mocinha com raciocínio normal e moralidade normal usando a internet para compartilhar algumas ideias. Entre essas ideias, a de que uma mocinha pode compartilhar pornografia e ter uma vida de putaria sem deixar de ser normal, hehehehe. Deste trabalho, eu ganhei leitores que são meus amigos virtuais até hoje. Só pela minha filosofia e pela minha atividade na área sexual na época, eu seria acusada de contribuir para o machismo cristão pelas mulheres feministas e de contribuir para o feminismo ateu pelas mulheres cristãs tradicionais. Eu não teria espaço na direita cristã porque eu não acredito em Deus, na religião, na castidade, no casamento ocidental convencional e na ideia de que o empresariado privado pode resolver tudo; mas eu nunca confiei na esquerda porque eu sabia que aquela conspiração de ricos planejando o mal dos pobres ou de homens oprimindo as mulheres era muito mal contada, mesmo que a esquerda tivesse a única voz ouvida na escola. Mas eu conhecia a produção cultural da militância socialista. E a da militância liberal?

Repito: o que dá visibilidade à direita cristã hoje é que a esquerda mostrou como é louca. Mas se formos ver nas ruas (ou na internet mesmo) o que quem é de fora entende como pensamento de direita, o que a gente pode receber de respostas? 1) privatização geral; 2) redução de impostos; 3) Estado mínimo (ou o fim do Estado); 4) "livre negociação" dos direitos trabalhistas; 5) pena de morte; 6) família tradicional; 7) defesa da "moral e os bons costumes". Bom, eu estou só imaginando. Mas até essa lista, se for verdade, já mostra como até nisso a esquerda brasileira está com pelo menos 20 anos de vantagem. 1) As privatizações e as concessões antes do governo Lula tiveram coisas escandalosas denunciadas pela própria esquerda na época. 2) Vários países desenvolvidos têm carga tributária maior que a nossa, aí a esquerda diz que é o burguês que é pão-duro e não gosta de pagar imposto pra ajudar os pobres. 3) A esquerda associa os defensores do Estado Mínimo aos pilantras que patrocinam campanha política para enriquecer com dinheiro público em privatizações e terceirizações e aos pãos-duros que moram na área nobre. 4) Qualquer proletário que já saiu de um emprego quer ver a Justiça do Trabalho continuar existindo. 5 a 7) Nem todo direitista é cristão pró-estupro moralista gay homofóbico, assim como nem sempre é burguês, mas até essa confusão a esquerda conseguiu construir.

Aquele combate dos direitistas a uma defesa da pedofilia pela esquerda é só um exemplo de um erro grave: a direita cristã brasileira morreu na guerra cultural de tiro pelas costas. Intelectualmente, se tirarmos as críticas legítimas e demolidoras às atrocidades dos políticos socialistas e da militância de esquerda, uns 90% dos escritores de direita e das comunidades de direita em redes sociais do século XXI foram enterrados no século XIX pelo Manifesto Comunista e nem sabem disso. Pensadores liberais e, mais ainda, estrategistas liberais, pelo menos no Brasil, são pouquíssimos e com um trabalho que só se fez conhecido pela internet. Ainda assim porque a esquerda não tinha chegado ao poder formal antes, como aconteceu na China ou em Cuba. E quando eles apareceram, a militância socialista já estava nas universidades, na imprensa, na produção de livros didáticos e até nas igrejas tradicionais. Se quem estava escrevendo em jornais, em livros de Geografia ou em trabalhos técnicos não era militante esquerdista, estava intimidado pela militância, e em geral se rendia por escolha. Então, o povo não conhecia um pensador liberal de verdade, com a possível exceção de uma coluna de jornal de algum herói isolado. Talvez o leitor não tenha se dado conta: quando o escândalo do Mensalão estourava no Jornal Nacional, em 2005, os dois partidos que tinham "liberal" no nome "sumiram" quase ao mesmo tempo. O Partido Liberal se fundiu ao PRONA em outubro de 2006 e a fusão é o Partido da República, o Partido da Frente Liberal mudou de nome para Democratas em 2007. Pior: a oposição neoliberal-fascista ao Partido dos Trabalhadores era principalmente aquele DEM e o Partido da Social-Democracia Brasileira, e Social-Democracia é esquerda moderada. Entenderam a gravidade? Num escândalo do Mensalão que poderia fazer o Socialismo impronunciável pelos próximos 20 anos, o Liberalismo "não existia" no mundo das ideias ou das palavras, a não ser onde a esquerda dizia que ele estava. Porque o esquerdismo tomou o controle cultural. Por isso que quando o esquerdismo passa vergonha, ele pode jogar fora a "parte gasta" e continuar vivo. Alguns exemplos, para que os leitores direitistas fiquem alertas: 1) Há esquerdistas dizendo que o PT é de direita ou de centro-direita desde o primeiro mandato de Lula. 2) Já apareceram lésbicas feministas com cartazes contra os "vagões rosas" em um protesto em São Paulo. 3) Eu já vi uma mulher de esquerda dizer no Facebook que a Marcha das Vadias foi feita por moças de "classe média", como se isso fosse incompatível com ser socialista. 4) Já existe um "Feminismo 2.0" da "ex-feminista" Tammy Bruce, que gravou um vídeo que começo diz que o Feminismo foi bom para as mulheres e no fim discute, de leve, direitos humanos dos homens (um texto a respeito está em http://www.criticapolitica.org/2015/03/feminismo-20-para-acabar-com-o-discurso.html e, para termos uma ideia do que eu estou dizendo, a legenda em português é dos Tradutores de Direita).

Voltando à questão da pedofilia, aquele caso do Humaniza Redes pode ser um indicativo de que a esquerda pode estar com pelo menos uma elite de tamanho visível que conseguiu se livrar da histeria e do analfabetismo funcional que a militância produziu na população geral. E não digo "população geral" apenas como um proletário de salário mediano. Aquela também é regra geral entre os graduados e pós-graduados nas universidades, no meio empresarial e no jornalismo. Não é só gente medíocre que se vende ao Socialismo ou ao governo por status. Alguns são idiotas de verdade onde não se sente falta da inteligência.

Aliás, eu volto àquele caso da Mulheres Contra o Feminismo: elas comemoravam a prisão de uma professora por sexo hétero nos Estados Unidos duas semanas depois da aprovação nacional, no mesmo país, do casamento gay. Não foram os homossexuais que venceram a família tradicional. Nem são tantos assim os homossexuais interessados em casamento formal, e mesmo que fossem, eles estariam interessados em imitar a família tradicional, não em destrui-la. Foi a "Gaystapo" que venceu o povo de verdade. E neste caso específico, guardem as minhas palavras: a esquerda pode ganhar neste caso, de novo, mostrando que os que comemoraram a prisão da professora pelo "MMMF" foram os mesmos contra o casamento gay, associando a oposição ao homossexualismo à repressão a uma foda boa fora do casamento. E o pior é que, se eu estiver prevendo o futuro ou se isso já tiver mesmo acontecido, eles vão estar certos. Já há no Facebook a página Free Brianne Altice (libertem Brianne Altice): https://www.facebook.com/pages/Free-Brianne-Altice/865479950170263. E a descrição da página diz que a professora realizou o sonho de qualquer garoto.

Ah, eu gostaria de indicar o meu alerta modesto que eu escrevi em novembro: "Cristãos tradicionalistas de direita, defendam os direitos humanos: VOCÊS vão precisar deles", em http://jornaldohomem.blogspot.com.br/2014/11/cristaos-tradicionalistas-de-direita.html. Aconteceu aqui com o Robson Otto Aguiar e o Emerson Eduardo Rodrigues. Poucas horas antes de sair aquela matéria do R7, eu mesma denunciei o verdadeiro culpado ao Ministério Público, mandando um print screen que eu mesma fiz do culpado confessando em página do Tumblr que conseguiu incriminar o Robson. Mas o pior é que gente de direita acha que eles são mesmo criminosos. Gente que se diz de direita acreditou mesmo que alguém faz uma página que defende o estupro e o Nazismo e dá o nome completo! Que a Rede Record finja acreditar nisso para expor o Emerson em represália a denúncias contra a Igreja Universal do Reino de Deus, vá lá. Mas direitistas acreditarem DE VERDADE?! A oposição a "tudo que está aí" parecendo os mesmos beneficiários do assistencialismo estatal que ela considera alienados (e são) consumindo jornalecos sensacionalistas?! Isso foi a guerra cultural: o movimento liberal não produziu uma contraofensiva cultural notável à estupidificação que a esquerda fez no sistema educacional, então os populares que professam ser de direita foram eles próprios quase tão afetados pela estupidificação quanto o cidadão mediano.

Eu acho que descobri qual a ideia daquela postagem diferenciando pedofilia de abuso sexual de crianças, se existia alguma segunda intenção: tirar da direita cristã, como disseram os autores de "O Livro Negro do Comunismo", "o privilégio de dizer a verdade". Essa questão de sexo é um ponto fraco da direita e dos cristãos. A direita cristã mostra uma visão romântica do século XIX e do século XX até a década de 90. Seriam anos dourados em que não havia Socialismo nem Feminismo, em que os homens e as mulheres eram felizes porque tinham casamentos arranjados pelos pais e filmes eram considerados pornográficos só porque tinham cenas de beijos (sério!), em que as esposas eram submissas aos maridos porque nem elas queriam o mercado de trabalho da época nem os maridos queriam uma vaca histérica em casa depois do trabalho desgastante (deles). Mas era a mesma época, especialmente da década de 60 para frente, em que o movimento socialista estava trabalhando com a dominação cultural, tanto em doutrinação falaciosa quanto em sabotagem mental. E o lesbossocialismo conquistou as igrejas pela luta contra a prostituição e a pornografia, o que já era parte dos próprios projetos feministas, enquanto deformava as igrejas por dentro. Para dar um exemplo, a Damares Alves, na mesma palestra em que ela denunciava um plano da esquerda para promover a pedofilia, usou aquela lenda feminista de que uma em cada quatro mulheres já foi estuprada. Naquela época, estava sendo construída a imagem de que os antissocialistas eram sempre cristãos e os cristãos eram sempre provincianos iletrados em guerra contra a informação, o prazer sexual e qualquer coisa agradável da vida. A direita parecia querer levar o mundo de volta aos anos dourados. Mas quem pode estar voltando para lá é ela própria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Página no Facebook