quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Eu respeito a sua irmã (ou filha) e como!

Abigail Pereira Aranha

Oi, meus amigos e minh@s inimig@s. Poucos dias atrás, eu estava com a minha família e eu tive algo para quebrar uma série de textos tristes. Um dos meus irmãos e meu pai estavam conversando com dois amigos em uma padaria, fazendo um café. Não foi em nossa cidade natal, foi em outra cidade onde eu morava e onde temos parentes que fomos visitar. Esses amigos eram alguns daqueles amigos que me embalaram em seus braços. Vou chamá-los de Alex e Nestor. Eles estão conversando, então eles tiveram uma breve conversa sobre mim e Alex disse: "Eu tenho um grande respeito pela Abigail". Nestor respondeu: "A Abigail merece muito respeito, ela é muito admirável". Alex respondeu: "Eu respeito ela e como". Foi uma piada não intencional. Todo mundo lá riu, discretamente. Eu estava chegando lá, mas eles não me viram. Saudei o povo: "Oi, gente, Abigail sou eu". Então, eles me viram. Mais risos, agora à vontade. Beijei-os, nós continuamos a conversa um pouco, e fomos para a casa do meu tio. Oh, quando estávamos saindo de lá, eu me coloquei entre meus amigos e disse: "meus amigos, as pessoas aqui não acreditam que uma garota pode ser respeitada e fodida". Coloquei meus braços em seus traseiros e eles colocaram cada um u'a mão no meu traseiro, e assim saímos de lá. As risadas eram tímidas. Eu quase não ouvi uma senhora dizendo: "eu estava achando engraçado porque eu pensei que ela estava indo para repreender esses meninos, mas ela é uma puta mesmo".

No meu currículo sexual, estão incluídos alguns amigos do meu pai e dos meus irmãos (bem, também amigos de minhas irmãs). Nas primeiras aventuras, parecia que eu era um menino indecente e eles eram donzelas virgens. Eles estavam com medo da minha família, com medo de perder a amizade. Alguns deles tinham aquela idéia de dois tipos de mulheres, as "respeitáveis" e as "putas", e ficaram envergonhados com as minhas aproximações porque me "respeitavam". Meu pai e meus irmãos homens me pegaram várias vezes nua na casa de um amigo ou "em ação" com um amigo (ou dois, três). Amigos meus e deles. Algumas amizades ficaram enfraquecidas, mas não tanto por causa da minha família, isto foi por causa da vergonha dos nossos amigos, mesmo quando minha família não sabia sobre o nosso contato sexual, por isso tive de restaurar o contato de vários amigos com a minha família. Tomei alguns deles para a casa de meu pai em algumas reuniões familiares. Eu tentei fazer piada quando eu estava com eles, tentando colocá-los mais de perto. Eu tive sorte, sempre eu tive sucesso. No começo, eu fiz o assédio sexual, após isso, eles se sentiram livres para fazer algumas aproximações. Alex e Nestor foram alguns desses amigos.

Com o Alex, que é um amigo e ex-colega de trabalho do meu pai, eu estava viajando em um ônibus intermunicipal em uma noite fria, quando eu tinha 16 anos, e eu estava carregando um cobertor, eu coloquei o cobertor sobre nós e ele pegava os meus seios, enquanto eu pegava o pau dele. Dei-lhe um boquete como eu pude, porque aquela posição era muito desconfortável. Meu pai e o filho do Alex, que era meu amigo de infância, estavam em assentos ao lado de nós e me viram chupando o pau dele como eu pude. Durou cerca de 10 segundos, porque eles, e nós, estávamos preocupados com algum passageiros nos pegar, mas eu consegui fazê-lo gozar. Depois disso, eu chamei meu amigo de infância para mudar de posição com o seu pai e fiz a mesma coisa com ele. Depois disso, eu fui até o meu pai para me sentar ao lado dele. Nós nos lembramos deste caso no caminho para a casa do meu tio, meu pai disse que ele ficou um pouco chocado naquele momento, mas achou engraçado algumas horas depois. Ah, duas semanas depois daquele caso, Alex me indicou para um trabalho em uma lanchonete onde ele tinha um amigo. Às vezes, ele foi lá e me chamou para um lanche e uma conversa, quando não havia mais clientes.

Com o Nestor, quando eu tinha 15 anos, eu estava voltando para casa à noite, quando ele também estava voltando para sua casa, de carro, ele disse que estava preocupado com a minha segurança, eu agradeci a ele e disse, em tom de brincadeira, que ele merecia fazer comigo o que os caras maus fariam, então eu mostrei a ele uma revista pornô de bolso que eu comprei naquele dia. Fizemos um pequeno desvio para uma rua tranquila, onde ele poderia ter um boquete e curtir minha periquita, mas nós interrompemos a "ação" e terminamos na frente da casa do meu irmão, onde eu morava, eu cavalguei sobre o Nestor no banco do motorista (posição horrível, mas aquilo foi engraçado), a rua também estava tranquila, mas o meu irmão nos viu. OK, porque ele percebeu que a iniciativa estupro era minha, hehehehe. Eu trouxe Nestor para a casa do meu irmão para um pouco de suco e pão de queijo, ele também é um amigo do meu irmão há muito tempo. Ele entrou um pouco tímido, mas normal, eu entrei com a minha calcinha na minha mão e u'a marca do espelho interno do carro em minha testa. Esta foi a nossa primeira vez, a próxima foi mais confortável, também quando eu estava voltando para casa à noite, mas fizemos tudo na casa dele, e era eu a visitante comendo um lanche, ele me deixou em minha casa com segurança e sem desrespeito, só com umas colheres de esperma na minha boca, hehehehe. Também nos lembramos destes dois casos (este irmão que estava conosco não é aquele, mas ele sabia sobre este caso).

Ah, quando eu tinha 15 anos, fui para a casa de um colega de classe para estudar Matemática, eu estava no primeiro ano do segundo grau. Seus pais são divorciados, ele morava com a sua mãe, que era uma lésbica feia ausente que ganhava pensão alimentícia. Quem estava lá éramos eu, este colega de classe, o seu irmão mais novo (14 anos), um outro colega de classe, e um menino no ano anterior (9º ano do primeiro grau) também estudando Matemática. A mãe não estava lá. Como estava quente, eu propus: vamos tirar nossas roupas? Eu fiquei nua primeiro, eu disse "ninguém aqui vai rir do pênis do companheiro", os meninos ficaram nus. Você não pode imaginar o que fizemos imediatamente depois. Estudamos Matemática. Mas em 5 minutos, eu tive uma idéia para o playground. Eu disse: "Vocês se lembram daqueles desenhos de faraós e escravos com abanadores ao lado? Vamos fazer uma brincadeira: dois de vocês vão me foder, enquanto os outros dois vão nos refrescar". Porque estava quente, e fazer dupla penetração quando está quente é difícil. Já que sexo com adolescentes dura menos, fiz dupla penetração com os quatro rapazes, alternadamente, em menos de 30 minutos. Nós voltamos para os livros, ainda nus. Os meninos ainda estavam mais inteligentes! Nós estudamos cerca de uma hora e brincamos novamente. Então, a minha irmã que conhecia dois destes meninos foi lá para falar umas coisas comigo, ela bateu a porta, nós a deixamos mal fechada, ela abriu e ela me viu tendo uma DP. Alguns segundos depois, vimos ela olhando para nós, paralisada. Eu fui em direção a ela alegremente, naturalmente, mas sem beijar o rosto dela já que ela viu o que estava na minha boca. Tivemos uma conversa, dei a ela um pouco d'água, ela voltou pra casa, e nós voltamos aos livros por mais duas horas. Ela me disse, um dia depois, que ela não imaginava uma dupla penetração antes de ver aquilo. Mas depois disso, seu relacionamento com seus dois amigos se tornou melhor, porque os meninos melhoraram em Matemática e muitas vezes me mencionaram agradecidos. Eu mesma apresentei a ela a outros dois, mas eu deixei claro: a única puta jovem praticante de gangbang em nossa família e nossa cidade era eu. Mas tudo correu bem, mesmo um desses novos amigos quase se tornou um namorado. Eles, eu e meu pai estavam juntos na casa do meu pai (e dela), minha irmã disse a ele: "Eu gostei tanto de você, eu gostaria de me casar com você, mas temos de ser apenas amigos, você comete prostituição com a minha irmã mais nova, eu sou evangélica e eu ainda sou virgem, eu prefiro não imaginar como eu poderia satisfazê-lo". Ele respondeu: "tenha calma, eu respeitaria você como a sua irmã". Eu disse: "esse é o problema, docinho, comer a cunhada não é permitido!" Todos nós rimos.

O principal motivo que fez com que tudo vá bem é eu valorizar os homens que prestam e, em consequência, eles me valorizarem. Eu tenho contato com bons homens em minha vida cotidiana, como todas as mulheres, a minha diferença é a minha estima pela ética e pela nobreza de espírito. Eu dou a minha preferência para eles, aberta a novos gatinhos que podem entrar na minha vida. Eu evito o sexo casual, embora eu tive relações sexuais com alguns amigos no nosso primeiro contato, por segurança. Então, meu pai e meus irmãos do sexo masculino não se incomodaram pela minha vida sexual na adolescência, porque eles não me viram muito perto de maus rapazes ou meninas más. Eu tento demonstrar com estes casos que um homem ter respeito por uma mulher não é o oposto de vê-la sexualmente. Como eu costumo dizer, se um homem respeitar uma mulher fosse ele se casar com ela antes de ter relações sexuais, a violência doméstica não seria a principal causa de mortes violentas para as mulheres. Cada caso de uma mulher assim chamada desrespeitada é uma mulher que se mantém perto de homens cretinos, uma mulher que considera a heterossexualidade em si como um ultraje ou algum homem ou mulher infeliz que quer possuir o corpo da filha ou da irmã e dá a ela e aos homens em torno dela o verdadeiro desrespeito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Página no Facebook