segunda-feira, 27 de outubro de 2014

O espantalho 2: todos contra o Homem do Saco

Pedofilia, a pop star medíocre do estado policial - parte 2: diga não ao Homem do Saco

Abigail Pereira Aranha

O título não foi colocado no campo certo para os nossos queridos leitores poderem escapar de filtros de administrador que tem inveja de pinto que sobe e encheção de saco de qualquer outra pessoa.

Veja também: Pedofilia, a pop star medíocre do estado policial - parte 1: por que um crime tão incomum virou preocupação nacional?

"Eu não conheço ninguém sério que queira legalizar a pedofilia, e vocês?" A frase, com a qual também concordo, é da Lola Aronovich (http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2010/09/familia-brasileira-corre-perigo-e-gente.html). Mas o pessoal com 30, 40 anos hoje já ouviu falar do "Homem do Saco", aquele que pegava crianças desobedientes, quando criança. E a pedofilia é o Homem do Saco da gente grande.

Aliás, pedofilia é atração sexual por crianças e não é crime. O que é crime é abuso sexual de vulneráveis. Por isso, vou colocar "pedofilia" entre aspas deste ponto em diante, a não ser que o termo esteja na definição original.

Como apontei na parte 1, há dois anos atrás, o leitor já achou uma estatística informativa sobre "pedofilia"? Se achou, depois de quantos números vagos? Por exemplo, já lemos que o Brasil "ocupa a terceira posição no ranking dos que mais consomem" material "pedófilo" na internet (citado por Higor Jorge, "Brasil ocupa terceiro lugar em casos de pedofilia", 05 de abril de 2011, http://www.higorjorge.com.br/383/brasil-ocupa-terceiro-lugar-em-casos-de-pedofilia-entrevistados-higor-jorge-jesse-coelho-e-rony-vainzof-correio-popular-de-campinas). O leitor já ouviu falar de um portal "pedófilo"? Ainda volto a este ponto.

O Mídia Sem Máscara e outras páginas de direita ainda insistem em ligar a esquerda à "pedofilia". Volto a eles em outro texto. Por enquanto, repito o que escrevi em 05 de agosto de 2014, em "O Puritano-Feminismo episódio 17: mulheres tradicionais contra mulheres feministas e todas contra as mulheres licenciosas (ou: Leis de De Morgan aplicadas ao "machismo" e Feminismo)":

Se lembram daquele caso da Rawan, a menina do Iêmen de 8 anos que foi casada com um homem de 40 e morreu na lua-de-mel? O caso foi condenado por católicos tradicionais (Perigo Islâmico) e por esquerdistas (Pragmatismo Político). O Liberdade Econômica fez uma postagem intitulada "Menina islâmica de 8 anos morre após lua de mel com marido de 40. Esquerdistas querem isso para o Brasil", mas o portal lésbico e africanista Geledés reproduz o Opera Mundi, também esquerdista, dizendo que uma lei que tentou colocar a idade mínima de 17 anos para o casamento "foi rejeitada por parlamentares conservadores". E por que eu estou falando disso? Porque o ABUSO SEXUAL DE CRIANÇAS (pedofilia é ATRAÇÃO), como vocês podem ver, pode ser usado por um lado para demonizar o outro. Faço minhas as palavras da lesbonazista Lola Aronovich: "Eu não conheço ninguém sério que queira legalizar a pedofilia, e vocês?". Mas enquanto ela acusa os antifeministas de promover a pedofilia, Camila Hochmüller Abadie, no Mídia Sem Máscara, acusa o governo do PT de usar a vacina contra o HPV como "preparação para a legalização da pedofilia (isso na melhor das hipóteses)". Quanto mais sujo um lado ficar, melhor pro outro. Aí, a gente não sabe se a mulher que só quer meter gostoso está colaborando para o aborto feminista ou o estupro machista, mas para a pedofilia com certeza. Ainda bem que eu não cuido mais de crianças, hehehehe.

Repito aquela pergunta: o leitor já ouviu falar de um portal "pedófilo"? O leitor já viu uma postagem de blogue defendendo a pedofilia? Muito pouco provável. Então, por que o combate à "pedofilia" aqui na internet? Para censurar a internet em nome de um espantalho. Porque o antiesquerdismo (que inclui a direita) se concentra aqui. Porque o antifeminismo (que inclui o masculinismo) começou aqui e se concentra aqui.

E em nome do combate à "pedofilia" também se faz combate à pornografia em outros países. No Brasil, o XVideos foi denunciado ao Ministério Público por "pedofilia" em 2012 (só um jumento que nem sabe o endereço do XVideos pensaria em levar esta denúncia a sério). Em 2008, publiquei sobre um caso de uma zinha que procurou encrenca com o grupo Gang Bang Brazil sob o pretexto de "defender os direitos de meus filhos que são menores e segundo o código civil brasileiro não devem e nem podem receber emails do tipo" (http://avezdasmulheres.blog.com/2008/12/15/nova-tentativa-de-golpe-contra-o-gang-bang-brazil).

Acusar uma pessoa de qualquer crime é algo que não se faz sem provas (ou a denúncia nem deve ser aceita). Dizer que uma pessoa cometeu um crime que não cometeu é calúnia, que é crime. Com "pedofilia", assédio sexual, estupro e agressão física contra mulher não devia ser diferente, mas é. Diga que um negro cometeu um roubo e, se o objeto roubado não estiver com ele, é você quem vai preso; diga, sem provar nada, que esse negro agrediu uma mulher ou acariciou uma criança e ele é condenado dentro e fora do sistema judiciário. O homem pode ser "pedófilo" por ser um antifeminista com argumentos que incluem "15 perguntas que as feministas não conseguirão te responder" (Silvio Koerich, que ganhou um clone para provar o "argumento" de que ser antifeminista é ser "pedófilo" e também racista); ou por ser um filósofo e jornalista que denuncia a decadência cultural e política do Brasil há 20 anos (Olavo de Carvalho, segundo Alexandre Melo); ou por ser ateu militante (Haroldo Galves).

E a confusão mental e conceitual é tamanha que é senso comum que quase todos os casos de abuso sexual de crianças e adolescentes são cometidos por adultos NÃO-pedófilos: é o caso de um homem não consegue "arrumar mulher" e abusa de uma criança geralmente da família. Também é de conhecimento geral que são pouquíssimos casos reais de abuso sexual de menores em que o abusador tem material erótico mostrando crianças. Também sabemos que os poucos abusadores de menores com vários casos são de homens ricos e influentes com adolescentes, e são vários casos exatamente porque eles estão protegidos por esquemas de corrupção. Nenhum Zé Carroceiro pega três pré-adolescentes por aí antes de ser linchado. Portanto, a campanha contra a "pedofilia" não passa de uma artimanha com fins espúrios usando como pretexto uma prática já condenada pela população em geral. Ah, já ia me esquecendo: um dos objetivos da campanha contra a "pedofilia" é associar a prostituição a um caso Rawan.

Não é por acaso que quase ninguém aterrorizado com a "pedofilia" sabe que, depois de 10 anos seguidos de crescimento no número e na taxa por 100.000 habitantes por ano, temos mais de 50.000 homicídios por ano: é confusão de palavras, é confusão de ideias, é confusão de proporções.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Página no Facebook