terça-feira, 28 de junho de 2016

Estudaço (Guilherme Gama)


Estudaço

Guilherme Gama

07 de junho às 12:05

Já que os mamíferos tupiniquins gostam de lançar epopéias e correntes repletas de simbologias de boteco, indo de vomitaços e cagaços até beijaços e deitaços, sugiro a próxima bola da vez: ‪#‎estudaço‬.

Agora que os iluminados demonstraram que já descobriram todas as funcionalidades anatômicas de seus corpinhos, vamos ver o que faz essa coisa feia chamada cérebro?

No estudaço, teremos o tema Feminismo, na seguinte programação:

— estudar sobre como 13% das mulheres ganham salários inferiores aos dos homens (R$ 246 a menos), porque eles trabalham 5 horas à mais na semana; e não porque elas são mulheres;

— estudar sobre como os homens representam 91,5% dos assassinados, enquanto que as mulheres apenas 8,5% do total de 64.970 homicídios, em 2014;

— estudar sobre como morreram 6.934 homens por violência doméstica, enquanto morreram por violência doméstica apenas 1.836 mulheres, do total de 8.770 homicídios, em 2010;

— estudar sobre como uma mulher é morta a cada 1 hora 57 minutos no Brasil, ao passo que, quando ela morre, já morreram 11 homens assassinados;

— estudar sobre como mulheres registraram 1.000.000 (mi) de denúncias falsas; resultando em mais de 50.000 pais inocentes nas prisões espanholas;

— estudar sobre como Jandira Fecali, Maria do Rosário e Jean Wyllys barraram os Projetos de Lei que aumentam a pena de criminosos e estupradores, punindo, no fim das contas, as mulheres;

— estudar sobre como, dos 65 mil assassinatos no ano de 2014, apenas 2% dos casos foram solucionados pela Justiça, encontrando os responsáveis e descobrindo suas motivações;

— estudar sobre como o governo gasta 50 vezes mais dinheiro no combate ao câncer de mama do que o câncer de próstata, que mata mais do que o primeiro;

— estudar sobre como o direito de votar ou de ir para a universidade já existiam ANTES da "Segunda Onda Feminista" dos anos 60;

— estudar sobre como o Movimento Sufragista Feminino não era um "movimento feminista", e, sim, composto de mulheres pró-vida, pró-família e conservadoras;

— estudar sobre como, do 1/4 das universitárias "violadas", 42% das "vítimas" voltaram a ter encontros sexuais com o suposto violador;

— estudar sobre como a mulher que mora com um maridão machista e opressor tem 91,5% de chance a mais de NÃO SER AGREDIDA, do que se morasse com outra mulher;

— estudar sobre como a primeira idéia revolucionária que classificava as mulheres como seres preciosos e importantes foi da Igreja Católica, que, por isso, passou a ser perseguida por imperadores pagãos;

— estudar sobre como a vida começa na concepção, quando os gametas masculino e feminino se unem, formando um embrião à priori do sexo FEMININO, e que, portanto, o aborto promove FEMINICÍDIO;

— estudar sobre o porquê do silêncio ensurdecedor do Feminismo no tocante aos mais de 300 bordéis da Holanda, paraíso das drogas, que, das 5 mil prostitutas, mais de duas mil sofrem como escravas sexuais;

— estudar sobre como as 16 mulheres mais corajosas da história, as carmelitas de Compiègne , foram degoladas pela Revolução Francesa enquanto sorriam para o carrasco e cantavam Veni Creator Spiritus.

Simples, no, mamita? Após esse #Estudaço, você, cara troglodita de classe média, poderá finalmente ser liberta da senzala ideológica que o teu Movimento lhe aprisionou.

Além de tirar algum proveito (que não seja DORMIR) na ocupação das escolas — justamente pra defenderem que querem "mais estudos" —, vocês poderão evoluir seus QI's de beterraba.

Pela liberdade da mulher não ser manipulada; pela liberdade da mulher não ser feminista!

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=901918029918303&set=a.137702869673160.24788.100003003447522

Comentários de A Vez das Mulheres de Verdade / A Vez dos Homens que Prestam

Bom, gatinho, vou te corrigir em alguns pontos:

1) "Jandira Fecali, Maria do Rosário e Jean Wyllys barraram os Projetos de Lei que aumentam a pena de criminosos e estupradores, punindo, no fim das contas, as mulheres": o não aumento da pena do crime não prejudica a vítima. O que prejudica a vítima é a não punição. Você citou no item seguinte que só 2% dos assassinatos de 2014 foram solucionados. Alguns conservadores propõem a pena de morte. Adianta?

2) Você cita o Movimento Sufragista e direitos femininos de antes da década de 1960 e comete o mesmo erro dos conservadores em geral: o movimento feminista começou em meados do século XIX, não na década de 1960, e a Primeira Onda foi mesmo de mulheres conservadoras.

3) "A primeira idéia revolucionária que classificava as mulheres como seres preciosos e importantes foi da Igreja Católica". Qualquer feminista mediana pode te apontar divindades femininas em culturas de milênios atrás ou na América e na Oceania antes da colonização europeia, mas o pior não é isso. Você está entregando que a Igreja Católica produziu o Feminismo. Você está explicando por que o antifeminismo não tem apoio político dos conservadores cristãos. Você está explicando por que o Ativismo de Direitos Humanos dos Homens só começou na década de 1990 como dissidência masculina do movimento feminista. Você está explicando por que o antifeminismo conservador cristão, mesmo hoje, é nostalgia dos anos 1950, exaltação da falta de sexo, crítica às radfems e, no máximo, compartilhamento de dados trazidos pelos masculinistas.

4) "Silêncio ensurdecedor do Feminismo no tocante aos mais de 300 bordéis da Holanda, paraíso das drogas, que, das 5 mil prostitutas, mais de duas mil sofrem como escravas sexuais". Silêncio ensurdecedor coisa nenhuma! As propostas do movimento feminista e dos capachos delas nos meios políticos locais são duas: criminalizar a prostituição e a pornografia ou o Modelo Nórdico, em que a prostituta não é punida mas o cliente é multado ou preso. As duas propostas muito louvadas pelos conservadores cristãos.

Mas o seu texto foi muito bom. Me admira ter durado no Facebook até agora. Vou copiar nos meus blogues. Beijos. Viva o ateísmo e a prostituição! Abaixo o Feminismo!

Abigail Pereira Aranha

Nenhum comentário:

Postar um comentário