terça-feira, 28 de junho de 2016

Não existe no Brasil um braço auxiliar melhor para a esquerda do que a direita (Luciano Takaki)

Não existe no Brasil um braço auxiliar melhor para a esquerda do que a direita

Luciano Takaki

11 de junho às 21:07

Não existe no Brasil um braço auxiliar melhor para a esquerda do que a direita. Os direitistas brasileiros são extremamente burros e caricatos e por incrível que pareça ainda mais que burros que a esquerda.

Os principais disseminadores das ideias de esquerda realmente leram os autores de esquerda. Podemos ver isso no debate entre o Kim e a presidente da UNE. Percebemos que ela realmente leu Marx e autores de esquerda, enquanto que o Kim tinha um conhecimento extremamente vago e não leu os principais autores de direita. O Nando Moura, por exemplo, deixa claro que não lê absolutamente nada. Nem os autores que cita.

Mas não para por aí. Essa direita não percebe que ela também é responsável pelo crescimento da esquerda. Atualmente, a esquerda está mais desacreditada pela crise política do que pela disseminação de ideias direitistas. 99% dos direitistas são paga pau do Regime Militar acreditando que ele salvou o Brasil do comunismo sem perceber que a sua repressão criou a imagem de que é a direita é má e a esquerda boa. Antes disso, viam os governos aristocratas como maus e os democráticos como bons, mas mesmo com a história dizendo o contrário, a maioria das pessoas acreditam que houve um avanço.

Os direitistas brasileiros são todos idiotas úteis de esquerdistas que dizem odiar a esquerda. Os olavistas ainda têm motivos para serem respeitados: eles não são legalistas e constitucionalistas e estimulam leituras de autores como Scruton, Burke, Voegelin, Chesterton, etc. Já os legalistas são os piores de todos. Suas leituras se limitam a um Reinaldo de Azevedo da vida e um post ou outro do MBL e defendem a Constituição com unhas e dentes mesmo sendo positivista ao extremo. Esse tipo apanha em qualquer tipo de debate e o seu intelecto não fica muito longe dos que praticam vomitaço ou mostram a bunda em protesto. A diferença de um para o outro é que um não pensa e outro tem fé cega em folhas de papel.

Não existe mais nenhuma solução para o Brasil sobre isso. Os idiotas úteis de direita tenderão a atrapalhar muito os direitistas sérios, pois os esquerdistas que disseminam a esquerda não são burros ao contrário do que os direitistas pensam. Eles usarão os direitistas caricatos pra mostrar como a direita é: uma gente burra, desinformada, autoritária, bitolada e moralmente retrógrada. E eles terão razão!

Só dou uma dica: aprendam com uma coisa com os esquerdistas: leiam os autores de direita e parem de defender folhas de papel.

https://www.facebook.com/luciano.takaki.lemos/posts/551895414998105

Comentários de A Vez das Mulheres de Verdade / A Vez dos Homens que Prestam

"Atualmente, a esquerda está mais desacreditada pela crise política do que pela disseminação de ideias direitistas". O autor resumiu bem a situação da direita, mas resumiu também o porquê do próprio texto dele. Em 2006, nós já sabíamos da existência do Mensalão e a direita ainda era alguns grupos de discussão insignificantes na internet, alguns poucos blogues com cara de fóssil e um ou outro colunista de jornal ou revista que só burgueses de terceira geração liam. Se não fosse o governo Dilma Rousseff ter crescimento -4% no primeiro ano do segundo mandato, o autor não estaria defendendo a monarquia no Facebook. Mas ele está certo em boa parte.

Bom, ainda há um outro problema: por que os autores de direita chegaram ao ponto de não só serem riscados do mapa nas universidades, também de vermos um direitista recomendar aos próprios companheiros que o leiam? Dizem que os opostos se atraem, errado, isso é desconversa de namorada de cafajeste. São os semelhantes que se atraem, a não ser quando eles são repulsivos e mostram um a miséria do outro. Então, podemos dizer que os escritores atraem os leitores e os leitores do mesmo escritor se atraem. Eu não leio autores de direita com voracidade porque eu não sou de direita e sou até mesmo anticonservadora, antiliberalismo, antilibertarianismo. Eu não aguento ler dois artigos do Rodrigo Constantino seguidos, quando o assunto dos dois é Liberalismo, se o que ele escreve for mesmo baseado em livros que ele leu, imagino os livros e desanimo. Eu, por outro lado, já tive amigos que leem o que eu publico na internet que ou me viram citar um livro e o procuraram (às vezes em versão digital) ou me pediram indicação de livros, também tenho postagens nos meus blogues que são traduções de textos compartilhados por amigos leitores. Você vai ver na página do Olavo de Carvalho no Facebook quase toda postagem dele tendo alguém pedindo recomendação de um livro sobre um assunto específico, perguntando se o professor leu tal livro e o que achou, compartilhando artigos ou vídeos. Então, quem são os leitores do autor de direita ou liberal-conservador? São os puritanos com uma visão de mundo cada vez menos levada a sério de 50 anos pra cá? Ou é pior ainda, esse escritor de direita mal tem leitores mesmo entre eles, portanto mal se distingue as ideias deste escritor das de qualquer brasileiro de hoje que tem criação interiorana mas faz um bom uso da internet?

Na verdade, a esquerda prosperou, por exemplo, no Brasil porque a oposição que ela tinha era o povo nasci-católico-vou-morrer-católico. Mas isso não significa que esquerda versus direita tenha sido, algum dia, inteligência versus burrice. A esquerda tem mesmo, hoje, tanta gente mentalmente desequilibrada ou só burra na militância que parece que é aquelas atrocidades que o autor citou. Mas alguém numa cúpula superior do esquerdismo deve ter mesmo o controle de um vomitaço e coisas do nível. Outra: tanto "os esquerdistas que disseminam a esquerda não são burros ao contrário do que os direitistas pensam" que a esquerda visível começou, no Brasil e no mundo, com gente que pelo menos era inteligente, como o Emir Sader, a Marilena Chauí ou o Fernando Henrique Cardoso. A esquerda no geral, pelo menos a visível, realmente se degenerou intelectualmente, mas já tinha captado quase todas as cabeças pensantes antes. Então, a luta contra o totalitarismo de esquerda é criar algo intelectualmente digno fora dela, assim como a luta contra o Feminismo é tirar a mulher da instância máxima da vida social. Se não existir inteligência fora da esquerda, a luta contra a burrice, a insanidade e a maldade vai ser de esquerdistas moderados contra esquerdistas extremistas; no mínimo, advertências de esquerdistas ajuizados para esquerdistas imprudentes. O que, aliás, já está acontecendo dentro do Feminismo.

Abigail Pereira Aranha

Nenhum comentário:

Postar um comentário