sábado, 5 de dezembro de 2015

Salon: Falsas acusações de estupro realmente acontecem, mas os cartazes de Edmonton não são o veículo apropriado para falar sobre eles. (OK, então nos diga QUANDO podemos falar de falsas acusações sem sermos vilipendiados)

Os cartazes "Don't Be That Girl" em Edmonton têm suscitado grande controvérsia e merecem a atenção deste blog. Eu faço um prefácio das minhas observações com esta: eu gostaria de ver uma discussão séria sobre estupro, consentimento, assumir a culpa de qualquer um que seja acusado de estupro (homem ou mulher), e arrependimento. Estas são questões que não podem ser reduzidas a slogans de cartazes. O que é necessário é a educação sobre o estupro. Mulheres mentem sobre as cenas de estupro por alguém conhecido frequentemente para defender sua "feminilidade", o seu papel de gênero atribuído - elas estão mentindo para encobrir o ter relações sexuais porque, vai o consenso, não se supõe que as mulheres tenham relações sexuais. (Homens defendem a sua "masculinidade" mentindo que eles fazem mais sexo do que eles realmente fazem - mas esses tipos de mentiras geralmente não machucam pessoas.) As mulheres jovens, e os homens jovens, precisam ser ensinados que as mulheres jovens experimentam pesar depois de ligações casuais a proporções muito mais elevadas do que seus pares do sexo masculino, e que isso pode levar a falsas alegações de estupro. É tudo bastante complicado, e não se presta a slogans tamanho pôster.

Apesar de que eu não criei os posters "Don't Be That Girl", isso injetou acusações falsas de estupro dentro do discurso público, e isso é uma coisa boa.

Uma escritora do Salon não está feliz com os cartazes. Ela banalizou o problema do falso estupro, mas sem constrangimento e com relutância reconheceu que as alegações de estupros falsos acontecem. Suas observações estão dizendo: "Não é que as falsas acusações não acontecem, ou que a destruição que elas causam não seja real. O problema é a suposição defensiva idiota que uma campanha expressamente criou para educar homens e mulheres sobre consentimento merece uma resposta odiosa, de apontar o dedo." A manchete diz que os apoiadores dos cartazes "fumaram maconha".

Na minha experiência, é quase impossível injetar o tópico de "falsa alegação de estupro" dentro do discurso público sem algo como isto ser a resposta padrão: "Bem, sim, as falsas alegações de estupro realmente são um saco para as pessoas a quem elas acontecem, mas não é apropriado falar sobre elas neste caso."

OK, então me diga: quando é que podemos falar sobre elas?

Diga-me o que é uma ocasião apropriada para levantar o assunto sem ser insultado ou caluniado?

Duke lacrosse? Lembro-me de que uma blogueira feminista muito proeminente escreveu o seguinte quando o caso estava desabando sobre o julgamento: "Eu tive que ouvir como os pobres jogadores de lacrosse queridos na Duke estão sendo perseguidos só porque eles seguraram alguém e a fuderam contra sua vontade, não estupro, é claro, porque as acusações foram jogadas fora. Alguns meninos brancos não podem atacar sexualmente uma mulher negra mais sem pessoas recebendo toda a ferida quanto a isso? Muito injusto."

Hofstra? Um escritor de um importante jornal americano escreveu o seguinte sobre os homens acusados falsamente, inocentes após a sua falsa acusador confessar: "Os cinco foram libertados depois de conseguir o bom susto que eles mereceram bem". Um apresentador de televisão proeminente disse aos jovens na sua cara: "talvez se você se tivesse se levantado a um nível mais elevado de conduta", isso não teria acontecido com você.

E quanto à recente atrocidade que visitou Matt Folino em Pittsburgh? A KDKA-TV foi criticada por uma leitora por simplesmente transmitir a história. Ela escreveu o seguinte: "Enquanto eu simpatizo com sofrimento deste homem jovem, acho que é preocupante que a KDKA escolheu estar de acordo com esta história à luz dos recentes acontecimentos na vizinha Steubenville."

Francamente, eu não tenho certeza de que sequer haja um bom momento para falar sobre o nosso assunto sem que alguém banalize a situação dos injustamente acusados, ou pior, que os ridicularize e os insulte. A única vez que é politicamente correto levantar o assunto é depois que um homem passou anos na prisão e exames de DNA o inocentam. Aqueles de nós que querem falar sobre como evitar que os inocentes sofram provações injustas (por exemplo, a erosão dos direitos do devido processo legal para os homens universitários acusados de crimes sexuais) são marcados como "apologistas do estupro" e "misóginos."

Você acha que eu estou brincando? Quando é que um blogue progressista vai falar sobre este site sem assumir que consideramos acusações de estupro improcedentes como falsas acusações de estupro?

As reações aos cartazes "Don't Be That Girl" são ofensivas. Aqui estão alguns que parecem ser típicas:

*Há um "medo que isso possa dissuadir vítimas de agressão sexual de relatar seus incidentes à polícia."

Não há nenhuma evidência para apoiar isso. As vítimas de estupro sabem que não estão mentindo sobre o estupro, e elas sabem esses cartazes não são dirigidos a elas. Mas as vítimas de estupro invariavelmente expressam desdém pelas denunciantes de estupro falsos. A indústria de queixa sexual não favorece a vítimas de estupro quando ela desculpa falsas acusações por fingir que elas são um mito quando todos sabem que elas não são um mito. É fundamental - não apenas para os homens inocentes que possam ter sido injustamente acusados, mas também para as vítimas de estupro, também - que o grito de "estupro" de uma mulher seja reservado para aqueles momentos em que o estupro acontece. Cada mentira de estupro diminui a integridade percebida de cada vítima de estupro. É tristemente irônico que a indústria de queixa sexual não tem interesse em abordar este problema uma vez que, em quase todos os casos falsos de estupro, um juiz adverte a mentirosa sobre o estupro sobre os danos que ela tem feito para vítimas de estupro.

*A Diretora Executiva do Centro de Agressão Sexual de Edmonton, Karen Smith, disse: "estou muito desapontada que essas pessoas decidiram não reconhecer que há um problema significativo de agressão sexual em nossa comunidade."

A suposta preocupação de Smith é o epítome de um non sequitur. Não se segue que dizer que as mulheres não façam acusações falsas de estupro implica uma crença de que o estupro não é um problema. Este é o blog líder nos Estados Unidos dedicado a dar voz às vítimas de falsas acusações de estupro, e qualquer sugestão de que o estupro não é um problema não é tolerada aqui. O estupro é um problema; falsas acusações de estupro também são um problema. Não é um jogo de soma zero, e a sociedade está suficientemente madura para ter preocupação com as vítimas de ambos.

*Dizer que as mulheres não façam falsas alegações de estupro é "apologia ao estupro", de acordo com Lise Gotell, presidente do departamento de mulheres e estudos de gênero da Universidade de Alberta.

Os xingamentos de Gotell são nada menos do que moralmente grotescos e uma afronta à comunidade dos acusados injustamente. Sua tentativa de banalizar a vitimização dos acusados injustamente é projetada para silenciar qualquer defesa para eles, e ela deve ser sancionada por isso. Infelizmente, a lealdade da academia para a política de identidade de grupo e o politicamente correto sugerem que isso não vai acontecer.

* O estupro é um problema mais grave do que falsas acusações de estupro, então os posters são ofensivos.

O câncer é pior é que o enfisema. Isso não justifica silenciar qualquer discussão sobre o último.

_______________________

É hora de ter uma discussão madura sobre estas questões sem reduzir os defensores dos acusados injustamente à caricatura.

A indústria de queixa sexual tem fundamento em discordar com qualquer um que insiste que cada alegação de estupro infundada era uma mentira, ou com quem tenta mudar toda discussão sobre o estupro em um discurso sobre alegações falsas de estupro.

Mas a comunidade dos acusados injustamente é justificadamente infeliz por que a simples sugestão de que falsas acusações são um problema provoca indignação e xingamentos extremos.

Original em inglês: "Salon: False rape claims do happen, but the Edmonton posters are not the appropriate vehicle to talk about them. (Okay, so tell us WHEN we can talk about false claims without being vilified)", Community of the Wrongly Accused, 11 de julho de 2013, http://www.cotwa.info/2013/07/salon-false-rape-claims-do-happen-but.html.

Tradução: Abigail Pereira Aranha

Nenhum comentário:

Postar um comentário