sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

A liberação sexual das mulheres: a pílula anticoncepcional

A liberação sexual das mulheres

Os homens foram os principais responsáveis pela chamada "liberação sexual das mulheres" - não as feministas.

Se você ouvir as feministas sempre zunindo sobre a pílula contraceptiva, e explicando como foi que as mulheres rapidamente "se liberaram" sexualmente quando elas foram capazes de por as suas mãos nela, reduzindo assim a sua dependência final dos homens, você pode ser perdoado por pensar que as feministas haviam realmente inventado a coisa.

Elas não inventaram. As feministas não tiveram nada a ver com isso.

Ela foi fabricada por um homem - um cientista médico. E o trabalho dele foi baseado principalmente no trabalho dos outros cientistas do sexo masculino que foram antes dele.

Você também seria levado por mulás feministas a acreditar que os homens, em seu desejo desesperado de manter as mulheres na coleira, foram totalmente contrários à pílula. E as feministas gostariam ainda de persuadi-lo que elas mesmas lutaram politicamente, e com sucesso, contra o gênero masculino, a fim de forçar os homens a aceitar a pílula como um meio válido de contracepção; um meio que deu às mulheres a "vantagem"

Isto é lixo total e absoluto.

Eu era realmente um homem jovem quando a "pílula" começou a entrar no mercado, e posso garantir a vocês sem reservas que eram os homens (como eu) que não podiam esperar para colocar suas mãos na coisa - ou, mais precisamente, que não podiam esperar para ter suas mulheres engolindo-a.

Mas, como é habitual, as feministas têm mentido e enganado sobre esta questão - e, como é de costume, elas na maioria das vezes distorcem nossa História de tal forma que retrata os homens do passado como os opressores mais perversos das mulheres.

Assim, elas também afirmam, por exemplo, que só quando as próprias feministas chegaram à cena para proteger as mulheres contra o abuso tirânico do poder masculino as mulheres foram verdadeiramente "liberadas" da opressão dos homens.

Bem, como alguém que foi sexualmente ativo na época em que a pílula se tornou disponível no Reino Unido, é aqui como a situação era realmente naqueles dias.

irritada

Eu me lembro muito claramente da chegada de grupos histriônicos de mulheres hostis, irracionais se autodenominando "feministas" no fim da década de 1960 e no início dos anos 1970.

Elas pareciam surgir do nada; como fantasmas na noite.

Feministas "normais" tinham estado em torno por algum tempo, e estávamos acostumados a elas. Elas articularam um ponto de vista feminino. Elas foram fofas, amorosas, muito femininas, e elas dançavam em volta com os pés descalços, beijando os rapazes e levando-os sem rumo na grama.

Faça amor, não faça guerra!

Estas "novas" feministas, no entanto, pareciam mais uma militar lésbica rosnando. Elas latiam. Elas gritavam. Elas rosnavam. E eles pareciam fazer pouca coisa além de escarnecer e ridicularizar os homens da forma depreciativa mais hedionda.

mulher irritada

Mesmo recém-nascidos do sexo masculino foram por vezes excluídos das suas reuniões - tão odiados que eram por essas não-mulheres.

Não. Eu não estou exagerando.

Machos pequenos foram excluídos.

Quase nada a ver com homens foi denunciado como tão insano por estas "caprichosas", e seu único propósito realmente parecia ser nada mais do que injetar ódio ao macho em nossa cultura e fabricar, a partir de ar rarefeito, acusações falsas e injustificadas a fim de, pelo que parecia, desculpar uma atitude abertamente agressiva em relação aos homens.

A nação na maioria das vezes olhou para estas mulheres com desdém, e esperava que eles fossem embora.

Lamentavelmente, elas não foram.

Elas ficaram.

No próprio final dos anos 60 as mulheres estavam de fato a serem "liberadas" da cozinha, em parte graças ao advento da pílula, mas principalmente devido à chegada de muitas outras tecnologias para a casa média (tais como o carro e a máquina de lavar roupa) - exatamente perto de todas as quais foram criadas por homens.

Mas os homens também estavam sendo liberados em virtude do fato de que a pílula lhes permitiu muito maior liberdade com relação às suas próprias atividades sexuais.

Quando a namorada dele estava a tomar a pílula, o homem ficou com muito menos chance de ser responsável por uma gravidez que, naqueles dias, praticamente o forçava a se casar.

grávida

Na verdade, os homens jovens da década de 60, e aqueles que vieram antes deles, pareciam ser permanentemente incomodados por suas namoradas para discutir um casamento precoce sempre que elas abriam as pernas mais do que nove graus.

No entanto, é justo dizer que, para a maioria das meninas, naqueles dias, o casamento era realmente a melhor maneira de escapar de suas casas e se libertarem das restrições de seus pais. O casamento foi considerado por mulheres jovens como sendo o melhor caminho para suas próprias liberdades - não (como feministas diriam a você) para um de opressão ao longo da vida pelos homens com quem eles queriam se casar.

E assim, "eu vou dar-lhe sexo se você me der casamento" resumiu muito da negociação de gênero antes do advento da pílula.

casamento luxúria

(O mesmo tipo de coisa muitas vezes é verdade hoje. Mas, ao passo que, naqueles dias, viver juntos "no pecado" (ou seja, não-casados) não era considerado adequado por quase ninguém, hoje, não só é uma coisa aceitável, é quase obrigatório.)

Se você ouvir as feministas, no entanto, você terá a impressão de que os rapazes jovens mal podiam esperar para prender as fêmeas potenciais no casamento, para seus próprios propósitos dominadores, e de que a obtenção de uma esposa era uma prioridade que estava sempre em suas mentes.

Esta é uma noção absurda. E quem sabe alguma coisa sobre homens jovens sabe muito bem que seus desejos carnais têm muito pouco a ver com estabelecer relações monogâmicas permanentes, de longo prazo.

De fato, foi o gênero feminino que quase sempre igualou sexo e casamento, e não os homens. Esta é a VERDADE da questão.

As mulheres queriam o casamento depois do sexo - e frequentemente antes dele - enquanto os homens, mais comumente, não.

O casamento era uma prioridade elevada para as mulheres. E por isso, se as feministas estão certas sobre o casamento ser um meio pelo qual os homens oprimem as mulheres, então é claramente o caso de que as mulheres estavam realmente implorando para serem oprimidas.

casamento

Além disso, e mais importante para o homem jovem lascivo, a pílula dispensava a necessidade de usar preservativos que dessensibilizam e/ou de ter que retirar o pênis exatamente no momento em que ele realmente o queria lá.

A pílula foi uma absoluta dádiva de Deus para o homem sexualmente ativo.

E dizer que as mulheres rapidamente viram a pílula como uma espécie de tecnologia médica "libertadora" é distorcer a verdade completamente. Quando muito, elas viram a pílula como dar aos seus parceiros masculinos a licença para brincar com outras fêmeas sem ter que correr risco de quaisquer consequências - particularmente a de ser descoberto!

Pergunte a qualquer homem que era sexualmente ativo na época em que o gênero estava mais interessado em usar a pílula, e logo você vai descobrir que eram os homens, em vez das mulheres, que estavam MUITO mais entusiasmados com a pílula ser usada.

Na maioria dos casos, as mulheres tinham de ser pressionadas por seus homens para usar a pílula. Não era algo que as mulheres estavam ansiosas para fazer. De fato, por muitos anos antes, encontrar uma mulher jovem que estava realmente a tomar a pílula era equivalente a ganhar na loteria.

homem sorrindo

"Sim, irmão. Eu encontrei uma."

E "Ela está tomando a pílula? Ela está tomando a pílula?" era exatamente a primeira pergunta que os jovens gostariam de fazer sobre sua nova namorada.

A maioria das mulheres, no entanto, eram simplesmente muito "envergonhadas" para usar a pílula. Eles viram o seu uso como um "sinal de promiscuidade" - e assim fizeram muitos outros. Elas eram susceptíveis de ser chamadas de "putas" por suas próprias mães e suas amigas se fosse descoberto que elas "usavam a pílula", e os homens muitas vezes, por isso, tinha muita dificuldade em convencer as suas parceiras do sexo feminino de que a pílula era, na verdade, uma "boa ideia".

E aquelas mulheres que eventualmente tomavam coragem suficiente para usar a pílula muitas vezes escondiam o fato de que elas o faziam.

Outro motivo por que mulheres comuns permaneceram relutantes em usar a pílula era porque ela estava sendo tão fortemente defendida pelas feministas!

A última coisa que a maioria das mulheres no início dos anos 70 queria fazer era se associarem de alguma forma com um grupo de mulheres pouco atraentes, sem feminilidade e hostis que gritavam e derramavam nada além de veneno em cima de seus homens.

Certamente não foram as mulheres ou as feministas que conseguiram encorajar as mulheres a usar a pílula para se liberarem sexualmente. Foram homens que eventualmente convenceram as suas mulheres a usar a pílula por causa de sua própria liberdade sexual.

Claro que foi.

Tem sido sempre o caso que os homens compõem o gênero que quer muito mais sexo, e que são as mulheres que tendem a restringi-lo.

língua para fora

Com o passar dos anos, a pílula se tornou mais e mais aceitável para as mulheres.

Também era verdade que as mulheres que se sabia que usavam a pílula eram muito mais procuradas pelos homens. Isto não é surpreendente, pois o mesmo é verdade hoje. Mulheres, por isso, começaram a tomar a pílula a fim de se tornarem mais "disponíveis" e, portanto, mais atraentes.

Acho surpreendente que as feministas tenham sido, por tanto tempo, capazes de fugir com a mentira de que, de alguma forma, foram aquelas que conduziram o caminho a seguir quando ele veio para liberar as mulheres sexualmente. Nada poderia estar mais longe da verdade. Quando muito, as feministas, na verdade, retardaram a liberação sexual das mulheres, porque a maioria das mulheres simplesmente não queria ser vista como sendo como elas.

As feministas as repeliam.

E a grande maioria das mulheres, como os homens, viam as "novas" feministas como sem atrativos, frias, hostis e emocionalmente "sem gênero".

As mulheres mais jovens hoje têm sido doutrinadas com as inverdades que elas foram sexualmente liberadas pelas feministas. A verdade é que os homens liberaram sexualmente a eles próprios quando criaram e fabricaram a pílula, e, ao fazê-lo, eles liberaram essas mesmas mulheres com quem eles queriam ter relações sexuais.

E exatamente o mesmo acontece hoje. São homens jovens que "persuadem" e adulam as mulheres jovens a se liberarem sexualmente. São homens jovens que tentam e assediam mulheres jovens em fazer isso.

Na verdade, tão forte são alguns desses homens jovens em seus empreendimentos, que eles acabam em um monte de problemas!

E alguns até mesmo acabam na prisão.

É absurdo acreditar que as feministas misândricas que não podem conviver com homens DE QUALQUER FORMA realmente encorajaram as mulheres a se tornar mais envolvidas sexualmente com eles.

Pense nisso. Se as feministas tivessem realmente conseguido seu caminho, as mulheres jovens teriam se isolado em clãs somente de mulheres gritando "abuso" contra os homens que passassem.

É decididamente muito o que elas fazem hoje.

E é ridículo acreditar que os homens jovens se sentaram, mexendo com seus botões, esperando pacientemente por feministas para conseguir que as mulheres "se abrissem".

Quando a pílula surgiu no mercado, foram os homens que foram lá, literalmente, como um tiro.

homem correndo

Eles estavam desesperadamente incentivando as suas mulheres a tomar a pílula - emocionalmente chantageando-as em fazê-lo, suplicando a elas, pelo menos, "a experimentá-la", prometendo-lhes um possível futuro casamento se elas o fizessem, ou ameaçando deixá-las se eles não o fizessem.

E, entre eles - sussurro, sussurro - a pergunta ubíqua era, "Ela está usando a pílula? Ela está usando a pílula?".

Se não, a atratividade dela despencou, e suas atenções se voltavam para outras garotas na pista de dança que poderiam estar a tomar a pílula.

Foram os homens que verdadeiramente liberaram as mulheres sexualmente porque eles estavam desesperadamente liberando sexualmente a si mesmos.

E, na época, eles tiveram um tempo muito difícil convencendo as mulheres de que o sexo sem casamento era uma coisa positiva para AMBOS os sexos e, além disso, que as mulheres não iriam realmente apodrecer no Inferno se eles usassem o sexo como uma forma de se divertirem.

A pílula permitiu a homens e mulheres se abraçarem, passar a mão, chupar e fazer sexo, sem roupa, e sem a probabilidade elevada anterior de gravidez, que quase invariavelmente levava a ambas as partes a se comprometer uma com a outra - por toda a vida; como o casamento era uma vez não vai ser.

A pílula liberou ambos os sexos a este respeito.

Mas, como é geralmente o caso, foram os homens que fizeram a liberação - e as mulheres na maioria das vezes seguiram a sua liderança.

O movimento feminista na época pouco fez além de retardar esse progresso por demonizar os homens e envenenar as relações ainda mais próximas que estavam então em desenvolvimento entre os gêneros.

faça amor, não faça guerra

E enquanto os movimentos "Flower Power" dos anos 60 com seus slogans e manifestações "faça amor, não faça guerra" estavam impactando sobre o autoritarismo do governo e de quem estava no poder, em geral, as "novas" feministas estavam ocupadas com agitação de um ódio entre os jovens "amantes" porque, eu imagino, elas eram simplesmente muito pouco atraentes pessoalmente para fazer parte de tudo isso.

E a sua vingança crescente em direção ao sexo masculino rapidamente matou um movimento que visava promover a "paz e amor", e o substituiu por um que promulgou uma ideologia que era baseada principalmente em um desejo de agitar um ódio contra os homens.

Feminismo.

Original em inglês: "The Sexual Liberation of Women: Contraceptive Pill", Angry Harry, http://www.angryharry.com/esTheSexualLiberationofWomen.htm

Tradução: Abigail Pereira Aranha

Nota da tradutora

Em uma homenagem às boas relações entre homens e mulheres, no bom e no duplo sentido, obrigada ao amigo Bradon Kamato pela indicação deste texto e dos textos:

"13 Lies Men Tell Themselves to Stay in Bad Relationships", tradução publicada em 15 de setembro.

"Watching porn does not cause negative attitudes to women, study finds", tradução publicada em 25 de setembro.

"Why Governments Love Feminism", tradução publicada em 13 de outubro de 2015.

O meu amigo escolheu a tradutora certa. Além de usar a pílula anticoncepcional, a tradutora não se incomoda em ser chamada de "puta", porque ela não se incomoda com a divulgação da verdade, quiá, quiá, quiá, quiá, quiá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário