domingo, 22 de dezembro de 2013

A culpa do fracasso de um protesto feminista no Rio de Janeiro: a agressividade de TODOS os homens e de ALGUMAS mulheres

Toplessaço atrai poucas mulheres dispostas a exibirem os seios

Agência Brasil

O protesto marcado pelo Facebook tinha mais de 8 mil pessoas confirmadas, mas só seis mulheres tiveram coragem de exibir os seios na manhã deste sábado (21), na praia de Ipanema, na altura do Posto 9. O evento batizado de toplessaço foi organizado contra a repressão a uma atriz, no dia 14 de novembro, que posava para fotos de divulgação de uma peça, no Arpoador, quando foi abordada por Policiais Militares e obrigada a se cobrir.

Apesar do pouco número de participantes, o toplessaço atraiu um grande número de curiosos e de profissionais de imprensa e serviu para despertar a discussão sobre o tema. A argentina Natália Lorenzo, que mora no Brasil há dez anos, se surpreendeu com a curiosidade das pessoas.

"Acho que a repressão ainda é grande, por isso nós mulheres temos que vir fazer essas coisas. Na Argentina também é proibido, o que é ridículo. Isto aqui é uma manifestação, não é uma promoção, não estou aqui para me mostrar", disse Natália, que pintou nas costas a frase "Este corpo é meu".

A pensionista Olga Solon, de 73 anos, que atualmente mora em Portugal, decidiu apoiar o protesto, mostrando os seios. "Eu sou adepta de tudo, de topless, de praia de nudismo. O corpo não tem nada de mais. O Posto 9 sempre foi o reduto do topless. Eu moro na Europa e lá isso é perfeitamente normal", disse Olga.

A estudante Carolina Jovino compareceu ao protesto e pintou em seu abdômen a frase com a pergunta "Liberdade ofende?". "É o meu corpo e eu tenho total liberdade de mostrar. Eu não tenho porque esconder uma parte do corpo. Sinceramente, eu não sei porque isso ainda choca as pessoas. Queria que me dissessem por que o meu peito é mais obsceno que o peito de um homem?", questionou Carolina, que cursa Ciências Sociais na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

A comerciante Aparecida Gadelha foi uma das primeiras e retirar a parte de cima do biquíni. Ela fez questão de ressaltar que se tratava de um ato político e que as mulheres não estava se exibindo. "Nós não estamos aqui para aparecer. Você não aparece na Marques de Sapucaí quase pelada [no Carnaval]? Por que não podemos ficar de topless?", questionou Aparecida.

Para a cineasta Ana Paula Nogueira, o protesto era uma forma de elevar o Rio ao que já acontece em outras partes do mundo. "Temos que tornar o Rio uma cidade mais cosmopolita, mais moderna. Vamos sediar as Olimpíadas e temos que ser como as outras cidades são no mundo. Por que não ser uma cidade moderna em termos de atitude?", perguntou.

Ela considerou que a baixa adesão ao protesto foi motivada pela repercussão negativa na rede social: "A agressividade dos homens e de algumas mulheres no Facebook foi uma coisa absurda. Mas esse assédio vai passar como já passou em outros lugares. Daqui a pouco, vai ser uma coisa natural", disse Ana Paula, cercada por dezenas de fotógrafos, cinegrafistas e muitos curiosos, que insistiam em tirar fotos com celulares.

Alguns homens também decidiram participar do protesto e compareceram usando a parte de cima do biquíni, como forma de chamar a atenção para o assunto. "Eu acho que o ponto que as mulheres querem protestar é pela atitude não só dos homens, mas também de outras mulheres, em torno do corpo feminino. É isso que se quer desmistificar. Não há só uma violência física, mas também uma violência moral contra a mulher", disse Renan Elias de Oliveira Carlo, estudante de química no Instituto Federal do Rio de Janeiro. O protesto ocorreu de forma pacífica e os policiais militares apenas ficaram observando de longe, sem intervir.

(Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 21/12/13, http://www.jb.com.br/rio/noticias/2013/12/21/toplessaco-atrai-poucas-mulheres-dispostas-a-exibirem-os-seios)

Comentários de A Vez das Mulheres de Verdade / Jornal dos Homens que Prestam

Sobre a sociedade que trata a mulher como objeto sexual e proíbe a mulher de mostrar os peitinhos na praia, indico o texto "Os países de usuários de maconha que criminalizam a erva". O que me chamou a atenção aqui, além da histeria de sempre, foi os dois últimos parágrafos. Primeiro o penúltimo:

A agressividade dos homens e de algumas mulheres no Facebook foi uma coisa absurda.

"O" é um artigo definido. E se o leitor se lembra das aulas de Língua Portuguesa ou já leu uma gramática, já deve ter visto algo assim:

Artigos definidos: tem a função de caracterizar o ser ou objeto em particular.

Artigos indefinidos: tem a função de apresentar um elemento qualquer de uma espécie, ou seja, sem particularizar.

Fonte: InfoEscola. Ou seja, a agressividade contra a mulher que tenta ser livre caracteriza todos os homens. E também caracteriza ALGUMAS mulheres. As que não estão com "elas", claro. Todos os homens são agressivos e machistas, inclusive os citados no último parágrafo:

Alguns homens também decidiram participar do protesto e compareceram usando a parte de cima do biquíni, como forma de chamar a atenção para o assunto. "Eu acho que o ponto que as mulheres querem protestar é pela atitude não só dos homens, mas também de outras mulheres, em torno do corpo feminino. É isso que se quer desmistificar. Não há só uma violência física, mas também uma violência moral contra a mulher", disse Renan Elias de Oliveira Carlo, estudante de química no Instituto Federal do Rio de Janeiro. O protesto ocorreu de forma pacífica e os policiais militares apenas ficaram observando de longe, sem intervir.

Os policiais que fizeram com aquela senhorita aquilo que motivou este protesto (quantos eles eram? 10? 20?) representavam A POLÍCIA. E mais do que a Polícia, representavam A CIDADE, A SOCIEDADE BRASILEIRA, OS HOMENS. E os que ficaram parados só olhando representam o quê? O pavor que seis feminazistas provoca no patriarcado? E os rapazes que participaram do protesto, ou o Renan, eles não são homens? Eles não são estupradores em potencial, fêmeas incompletas, abortos ambulantes? Eles não estão entre OS homens agressivos?

Abigail Pereira Aranha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Página no Facebook