segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Rixas no Inferno (seja entregue a Satanás)

Abigail Pereira Aranha

Olá, meus amigos! Eu já vi alguns de vocês mostrarem que estão enfastiados com a cidade onde vocês moram, o estado / a província, o país, o mundo. O pior é que vocês estão certos, vocês não estão desatentos para as coisas boas da vida (elas existem), vocês não estão entendendo mal o mundo, os homens não estão ignorando as mulheres que prestam ao redor deles (onde?). E digo até que a solução do Brasil e de outros países é aquela do apóstolo Paulo para aquele caso da igreja de Corinto de um homem que estava abusando da madrasta: "seja entregue a Satanás para destruição da carne, para que o espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus" (1Co 5: 5).

O problema em vários países hoje não é uma oligarquia sórdida abusando de um povo honesto, é da entronização da mediocridade como padrão da vida social. O abuso de poder e de paciência não é mais de um punhado de insanos poderosos, é de legiões de imbecis em posições de comando ou de status. Mas mesmo numa posição de comando ou de privilégio, um pobre de espírito terá inveja e medo da virtude, da inteligência e do mérito, ou pelo menos incapacidade para perceber o valor destes. Um analfabeto pode chegar ao poder, cercar-se de gente culta e sábia, respeitar a produção intelectual dessa equipe mesmo sem muito apreço ao estudo em si, e fazer um governo relativamente bom. O problema é quando desde o poder formal constituído até jornais locais de cidades pequenas vão se transformando em pedestais, megafones e ferramentas da miséria de espírito, da miséria de intelecto e da vaidade vazia. Então, as pessoas sábias e inteligentes não vão estar só fora das posições de autoridade, elas vão estar quase fora da vida social.

Eu posso dar vários exemplos no Brasil, e o leitor de outros países talvez possa dar exemplos daí também, de insanidade mental e desqualificação intelectual como rotinas da vida social. Mentiras feministas de falsidade grosseira ganham pedestais nos maiores veículos de comunicação de massa, mesmo que centenas ou milhares de pessoas já tenham publicado na internet a destruição de cada uma delas. Nenhum jornal traz manchete sobre as vítimas honestas da criminalidade em um ano no Brasil, mas um criminoso negro morto por um cidadão honesto em legítima defesa pode ser o assunto do resto da semana. Grupos militantes ou religiões pregam a morte de tais grupos de pessoas há décadas ou séculos, e é quem os denuncia por isso quem prega o ódio. Qualquer vídeo amador de tortura contra um animal gera indignação dos mesmos que nunca se manifestaram contra o "aborto pós-nascimento". Em um debate ou uma palestra de um país normal, um idiota histérico e intelectualmente desqualificado seria mais humilhado não apenas quanto piores os argumentos, também quanto mais tenta chamar a atenção com eles. Em uma idiocracia, é a pessoa honrada e mentalmente saudável quem é silenciada por gente intelectualmente, moralmente e psiquiatricamente desqualificada.

Os amigos já devem ter notado que os heróis homens da década de 1980 ou 1990 estão ganhando desenhos com versões infantilizadas, como o "Esquadrão de Heróis", e filmes com versões menos viris. Nos filmes e seriados de antigamente, o herói homem não precisava ser máquina de bater e matar para mostrar que era macho. Às vezes as cenas não tinham muito mais ação que uma briga de colégio hoje, como o seriado brasileiro "O Vigilante Rodoviário"; ou os filmes tinham pancadaria com humor, como os com Terence Hill e Bud Spencer; ou o seriado era de ação, mas com mais inteligência do que luta, como o "Profissão: Perigo" com o McGyver; mas os heróis eram machos. Ah, e por falar no Vigilante Rodoviário, a atual esposa do ator, Carlos Miranda, era fã dele com 5 anos de idade[01], então tínhamos seriados viris com garotinhas assistindo. Mas em alguns filmes deste século XXI, o vilão tem mais personalidade que o herói; outros não têm herói, a trama toda é de caras maus contra caras maus. Por quê? É como disse o escritor Ruy Barbosa, em 1914, mas se cumprindo hoje, e não apenas no Brasil: "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto"[02].

Aliás, uma vantagem que eu tenho de ser mulher é que se eu tentar ser a alegria dos homens, eles podem me devolver alegria também. E a nossa alegria não é só de, por exemplo, eu servir sorvete aos amigos nos meus peitões no calor e eles retribuírem me servindo sorvete na "colherzinha", como fiz com alguns neste sábado. Às vezes, eu converso com um amigo que eu encontro na rua, ou um homem desconhecido no ônibus, eu estou passando por um aborrecimento e ele tenta me agradar e consegue, e vice-versa. Ou revido um desaforo de outra mulher com uma gracinha e alguns homens riem. Até no Facebook já aconteceu de eu animar um amigo em conversa por mensagem. Eu já tenho horas de aborrecimento, principalmente com o universo feminino, sendo mulher; se eu fosse homem, eu seria um serial killer.

Mas uma nação não se faz com cretinos, vagabundos e pilantras. Se são essas pessoas que têm valor e status, as pessoas honradas vão imitá-las ou mandar a cidade e a nação ao Diabo. Nos dois casos, a honra e o trabalho delas vão fazer falta, só resta aos medíocres aproveitar o que sobra enquanto podem.

Aqui, eu vou dar exemplos disso na área de Direitos Humanos dos Homens e Meninos. Aliás, ser uma mulher contra o Feminismo nem sempre é ser uma mulher defensora dos direitos dos homens. O antifeminismo feminino é, quase sempre, o feminismo conservador, portanto não é uma preocupação com os homens honestos, mas com o mal que o feminismo esquerdista está trazendo às mulheres. Como os homens heterossexuais de caráter foram desumanizados, uma denúncia da porcaria será melhor ouvida se vier de mulheres, inclusive feministas "moderadas".[03]

Enquanto alguns paspalhos publicam e outros fazem coro a um trabalho da Universidade da Califórnia dizendo que os homens clientes de prostitutas são do mesmo perfil dos estupradores[04], a socióloga inglesa Catherine Hakim propõe legalizar a prostituição para diminuir a violência contra as mulheres[05].

O jornalista brasileiro Ricardo Setti, homem, publica "Vejam as fotos de mulheres soldados de diversos países. É uma conquista, mas problemas e preconceitos continuam a existir"[06]. 7 meses antes, ele compartilhou na própria coluna: "'Chega de igualdade! Mulher não dá para ser soldado!' – diz capitã dos 'marines' dos EUA"[07].

Uma reportagem da revista brasileira IstoÉ de outubro de 2008 com o título "Basta de igualdade", mostra, por exemplo, o caso de uma executiva: "Logo após o parto, teve de fazer uma escolha: cuidar da filha de apenas um mês e meio ou lutar por uma promoção. Bárbara encarou uma viagem às pressas a Chicago (EUA) para uma reunião com o McDonald's. 'Mesmo sabendo que tinha o direito à licença-maternidade, tive medo de sofrer uma retaliação na empresa', confessa. 'Quando cheguei ao hotel, via escorrer pela pia o excesso de leite dos meus seios. Chorei a noite inteira e me sentia culpada por estar ali enquanto a minha filhinha precisava de mim.'"[08]. Outro efeito da maior participação feminina no mercado de trabalho: mulheres que selecionam candidatas a empregos rejeitam mulheres bonitas[09].

Em 2014, a universitária Amna Bawazeer morreu de ataque cardíaco no campus para mulheres da Universidade Rei Saud, na Arábia Saudita, porque os paramédicos, homens, foram proibidos de entrar para socorrê-la[10]. Machismo do Oriente Médio? Em 2013, uma jovem, Emily Hamlin, morreu depois de passar mal no banheiro da academia Planet Fitness em Bay Shore, Nova Iorque, o único funcionário presente, por ser homem, não podia entrar no banheiro feminino para socorrê-la.[11] Parece que ele soube do caso em 2011 em São Paulo de uma estudante que passou mal no banheiro, por embriaguez, uma segurança (mulher) tentou socorrê-la mas precisou chamar um homem, um bombeiro, que passava por ali e depois ele foi acusado de estupro (a garota tinha fantasia por bombeiros e se ofereceu para o rapaz, ele aceitou, mas nenhum dos dois tinha camisinha)[12]. Aliás, como as mulheres estão fazendo a heterossexualidade masculina cada vez mais perigosa, devemos ter notícias em breve de países com militância feminista considerável com decréscimo populacional.

Sabe o que eu acho? Eu acho é pouco! Eu já ganhei alguns poucos comentários antipáticos de misóginos que não me conheciam, então eu mostrei um pouco do meu trabalho desde 2006, meu blogue A Vez dos Homens que Prestam. Aí, faço minhas as palavras de Jesus quando ia para a cruz: "Porque, se ao madeiro verde fazem isto, que se fará ao seco?" (Lc 23: 31) De coração, eu espero que seja tarde demais para as mulheres não-feministas criticarem a militância feminista, como fez Umnia Shahid em "An open letter to feminists"[13], se elas nunca foram a uma página feminista repudiar as calúnias contra todos os homens, mas vêm aos nossos blogues e perfis de redes sociais dizer que nós odiamos as mulheres porque condenamos a estultice feminina.

Se a maioria dos mortos por acidente de trabalho, acidentes de trânsito, doenças profissionais e suicídios é de homens, mas a sociedade leva mais a sério, por exemplo, lésbicas desocupadas enxergando machismo na temperatura do ar condicionado[14], o homem que presta é convidado a desistir ou da honra ou da sociedade. Mas os homens que disseram à sociedade "não fodam a gente, queremos entrar para oferecer o melhor" foram ignorados; os que disseram "foda-se, estamos fora e vamos oferecer o mínimo" foram vistos. Se homens sendo 90% da população de rua não incomodam, homens solteiros vivendo com mais tempo, qualidade de vida e folga financeira que o colega de trabalho casado com o dobro do salário, sim. Foi assim que o antifeminismo masculino só ganhou espaço na grande mídia, de má vontade, por causa dos MGTOW (Men Going Their Own Way) nos Estados Unidos ou da Real no Brasil. É por causa deles que Helen Smith escreveu "Men on Strike: Why Men Are Boycotting Marriage, Fatherhood, and the American Dream - and Why It Matters" (Homens em greve: por que os homens estão boicotando o casamento, a paternidade e o Sonho Americano - e por que isso importa). É por causa deles que Phyllis Schlafly e Suzanne Venker, que se dizem antifeministas, escreveram "The Flipside Of Feminism: What Conservative Women Know – And Men Can't Say" (O lado mau do Feminismo: o que as mulheres conservadoras sabem – e os homens não podem dizer). Que as mulheres poderosas e maravilhosas reinem sobre ruínas! Foi para isso que "nós" expulsamos os homens da política, dos altos escalões das empresas, das universidades e até da criação dos próprios filhos. Quem é salvo não precisa escolher lado nas guerras no Inferno.

NOTAS:

[01] "O vigilante rodoviário", IstoÉ Gente, http://www.terra.com.br/istoegente/67/reportagem/rep_carlos_miranda.htm

[02] http://pt.wikiquote.org/wiki/Ruy_Barbosa

[03] É brincadeira! Eu ainda estava escrevendo este texto, dois dias antes de publicar, quando vi um amigo meu no Facebook compartilhar o artigo "Meet the feminist who is sticking up for men" (Conheça a feminista que está agindo em defesa dos homens), publicado por Peter Lloyd no Telegraph em 13 de abril (http://www.telegraph.co.uk/men/thinking-man/11527238/Meet-the-feminist-who-is-sticking-up-for-men.html), sobre Christina Hoff Sommers. Eu digo há anos que o Feminismo é transformar o pior do universo feminino em padrão de pensamento e conduta da vida social e Christina disse: "Eu fui à batalha contra as feministas de linha dura e com pânico de sexo como Andrea Dworkin. O meu lado venceu nos argumentos, mas o lado delas silenciosamente assumiu todas as vagas de professores assistentes". Este artigo está na seção "Men" (homens) do portal. Pesquisando na mesma seção por "Paul Elam", fundador do A Voice for Men, o único artigo que faz referência a ele é sobre a pílula anticoncepcional masculina, publicado pelo mesmo Peter Lloyd em 25 de novembro de 2014 ("Why there won't be a male pill any time soon", http://www.telegraph.co.uk/men/active/mens-health/11244229/Why-there-wont-be-a-male-pill-any-time-soon.html). Foi uma fala dele sobre a pílula LOGO DEPOIS da fala de uma escritora FEMINISTA, Ariel Levy, que é A FAVOR da pílula, e o comentário "Quando eu apresento as visões de Paul Elam a Rebecca Fleming, chefe de imprensa da Associação de Planejamento Familiar do Reino Unido, eu espero uma explosão de raiva. 'Nós realmente concordamos com ele', ela diz.". O que isso significa, e que eu já sabia antes de fazer essa pesquisa por "Paul Elam"? Primeiro, que a grande imprensa já está tentando salvar o Lesbonazismo reprovando as loucuras publicamente conhecidas do movimento sem dar visibilidade aos antifeministas, "como se a Liga Juvenil Anti-Sexo [do livro "1984"] de George Orwell tivesse ocupado o feminismo", nas palavras da própria Christina Hoff Sommers. O próprio título do artigo "Conheça a feminista que está agindo em defesa dos homens" sugere que a defesa dos direitos dos homens não exige uma luta contra o Feminismo, pode ser uma divisão interna dele próprio. Segundo, que a imprensa é feminista o suficiente para uma seção masculina de um grande jornal (este ainda tem uma) insistir no monopólio da virtude da militância socialista como um todo e do Feminismo em particular. Portanto, enquanto qualquer "fake" grosseiro feito especificamente para caluniar os ativistas de direitos dos homens ou qualquer homem que mate meia dúzia de mulheres, ambos sem ligação com o movimento masculinista e repudiados em peso pelo mesmo, provam para qualquer emasculado tagarela como somos maus e loucos; a existência de mulheres feministas que odeiam homens "juntas" com mulheres feministas simpáticas não seria sinal de algo errado no movimento, apenas erros de uma facção equilibrados por outra, uma autocrítica que daria mais virtude ao movimento como um todo, senão também ao próprio vício, do que a própria parte virtuosa sozinha. A Christina Hoff Sommers é hostilizada pelas feministas radicais. Mas podemos ver feministas boazinhas como ela em evidência em breve.

[04] "Homem que paga por sexo tem muito em comum com estuprador, diz estudo", Jairo Bouer, 01/09/2015, http://doutorjairo.blogosfera.uol.com.br/2015/09/01/homem-que-paga-por-sexo-tem-muito-em-comum-com-estuprador-diz-estudo

[05] "Autora defende a legalização da prostituição para reduzir estupros e crimes sexuais", R7, 06/08/2015, http://noticias.r7.com/internacional/autora-defende-a-legalizacao-da-prostituicao-para-reduzir-estupros-e-crimes-sexuais-06082015

[06] Ricardo Setti, 26/11/2014, http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/vasto-mundo/veja-as-fotos-de-mulheres-soldados-de-diversos-paises-e-uma-conquista-mas-problemas-e-preconceitos-continuam-a-existir

[07] Ricardo Setti, 12/04/2014, http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/politica-cia/chega-de-igualdade-mulher-nao-da-para-ser-soldado-diz-capita-dos-marines-dos-eua. Publicado por Luis Dufaur, no blog Conservador, em 22 de agosto de 2012.

[08] "Basta de igualdade", IstoÉ, 08/10/2008, http://www.istoe.com.br/reportagens/3942_BASTA+DE+IGUALDADE

[09] "Para os pesquisadores, não há dúvidas que as mulheres belas sofrem preconceito no mercado de trabalho. Após os resultados, eles consultaram cada uma das empresas que recebeu os currículos. Segundo eles, o levantamento indicou que a área de recursos humanos de uma empresa costuma ser praticamente toda feminina. A maioria das funcionárias responsáveis pela seleção tem entre 23 e 34 anos e são solteiras. Por medo de competitividade, elas conscientemente ou inconscientemente rejeitam mulheres mais bonitas do que elas." ("Mulheres bonitas têm mais dificuldade para arrumar um emprego", O Globo, 06/12/2010, http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/mulheres-bonitas-tem-mais-dificuldade-para-arrumar-um-emprego-2914966)

[10] "Saudi university student dies of heart attack after male paramedics were barred from women-only campus to treat her", Daily Mail, 07/02/2014, http://www.dailymail.co.uk/news/article-2553721/Saudi-university-student-dies-heart-attack-male-paramedics-barred-women-campus-treat-her.html

[11] "Family's fury as woman, 22, dies in gym bathroom after male employee 'refuses to enter female locker room'", Daily Mail, 24/06/2013, http://www.dailymail.co.uk/news/article-2347204/Familys-fury-woman-22-dies-gym-bathroom-male-employee-refuses-enter-female-locker-room.html

[12] Quem pesquisar sobre o caso vai achar o nome do homem (Luciano Ferreira), mas não o da suposta vítima. Quando a gerente da empresa de segurança (mulher) disse que a vítima estava consciente do que estava fazendo, título de matéria do UOL Notícias: "Após gerente relativizar estupro, boate da Daslu demite empresa de segurança em São Paulo" (21/06/2011, http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2011/06/21/apos-gerente-relativizar-estupro-boate-da-daslu-demite-empresa-de-seguranca-em-sp.htm). A versão da defesa como publicada no jornal Agora São Paulo explica muita coisa: "'O Luciano diz que conheceu a menina, ela disse que tinha terminado um relacionamento, que tinha uma certa atração por bombeiros e que queria muito ficar com ele', relatou a advogada Fernanda do Rosário. (...) 'Eles tinham feito um acordo. Como nenhum dos dois tinha preservativo, não haveria ejaculação. Ele não conseguiu segurar. Como ela não tomava remédios, ficou com medo de engravidar'" ("Defesa diz que vítima tinha atração por bombeiro", 22/06/2011, http://www.agora.uol.com.br/saopaulo/ult10103u933393.shtml)

[13] "An open letter to feminists", Umnia Shahid, The Express Tribune, 25/07/2015, http://tribune.com.pk/story/926118/an-open-letter-to-feminists

[14] "Women shiver at work in 'sexist' air conditioning", Telegraph, 03/08/2015, http://www.telegraph.co.uk/news/science/science-news/11780469/Women-shiver-at-work-in-sexist-air-conditioning.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Página no Facebook