quarta-feira, 16 de julho de 2014

15 de julho, Dia do Homem no Brasil, a Abigail P. Aranha comemorou com o pai dela

Abigail Pereira Aranha

Boa noite, meus amigos e minh@s inimig@s. Eu estava vendo umas coisas chatas na internet sobre o Dia do Homem no Youtube, uma cientista social falando bobagem, uma reportagem do Jornal da Gazeta sobre homens fazendo cirurgia plástica, o comediante Diogo Portugal fazendo piada sem graça, depois daquela piadinha de que alguns homens têm de esperar o Dia das Crianças. Mas este ano, vou marcar o 15 de julho de um jeito diferente. Eu vou falar de um homem que presta: o meu pai. É, amigos e inimig@s, o meu pai continua vivo, 65 anos, faz 66 em novembro, sabendo que tem uma filha que dá pra mais caras em um fim de semana que uma mulher do tempo dele na vida toda, e continua amando essa filha que ama muito o pai.

O meu pai foi mecânico uns mais de 40 anos. Ele com o trabalho dele e a minha mãe com o trabalho dela cuidaram de 8 filhos. Nós já ficamos no trabalho dele quando pequenos de vez em quando e com isso nós aprendemos o valor do trabalho. Ele foi um belo marido pra minha mãe e um belo pai. Ah, e ele também é belo pra caramba, hehehehe.

O meu pai só tinha terminado o Primeiro Grau, mas incentivava a gente a estudar e ler. No que ele sabia ele ajudava nas nossas tarefas de casa. Quando o meu irmão mais velho entrou no Científico, o meu pai ficou curioso com as matérias e o meu irmão foi explicando pra ele e outros irmãos mais novos ficaram ouvindo a explicação. O meu pai não tinha tempo pra ir à biblioteca da cidade, mas meu irmão tinha carteirinha de lá e trazia alguns livros de lá para ele. Isso começou mais ou menos quando eu nasci. Depois, ele fez um supletivo à noite com quase 50 anos para terminar o segundo grau. Chegava em casa tarde, arregaçado de cansaço, coitado, os filhos já tinham ido dormir e só a minha mãe estava acordada para recebê-lo, com o jantar na geladeira para esquentar. Terminou o supletivo, deu um tempo nessa vida, eu gostei porque eu pude voltar a pular no colo dele quando ele chegava à noite (todos gostavam quando ele chegava, mas os meus irmãos eram menos sem vergonha), depois foi fazer curso de pedreiro e de silk screen.

Ah, e o meu pai tem uma coisa legal também: ele já é aposentado pelo INSS mas continua trabalhando e, como tem 65 anos, não paga mais passagem nos ônibus, mas já pagou passagem para vários conhecidos desempregados procurando emprego. Ele também sempre ajudava pessoas honestas e esforçadas no que podia, e, não sei como, ele sabia identificar quais eram. Falando em esforço, depois de fazer supletivo ele conseguiu dar aulas de reforço para um rapaz e ele passou no vestibular de uma universidade federal, os dois são amigos até hoje. Ah, e ele também faz exercícios e às vezes cooper desde jovem, ele já chamou uns trintões barrigudos da vizinhança pra correr com ele e eles amarelaram. Nunca fumou, nunca bebeu, nunca "cheirou" e depois que se separou da minha mãe passou um tempo sem meter, mas ela insistiu tanto que eles voltaram. Voltaram a meter. Se eu não fosse filha, até eu dava também (não defendo o incesto, ele que é um gato e tem uma pica linda).

Eu estou contando esses casos, mas o que eu queria mesmo é dar uma introdução a travessura que eu montei pra esse 15 de julho. Primeiro, consegui uma folga no trabalho e viajei (moro em outra cidade). Já tinha combinado o esquema com alguns amigos que moram na cidade e o meu irmão que mora com ele. Saímos de madrugada afixando cartazes formato A3 falando do Dia do Homem e de questões dos homens em postes no caminho entre a casa dele e a garagem do transporte fretado onde ele trabalha (ah, é, ele também é motorista de ônibus). Ele viu três, porque já teve filha duma vaca que arrancou o resto de manhã mesmo. Fizemos uma faixa falando do Dia do Homem perto da casa dele. Essa tentaram tirar mas ficou até ele chegar. Mas eu terminei de dormir na casa de um dos amigos, fui pra casa do meu pai de manhã, depois que ele já tinha saído. Eu já tinha combinado com meu irmão, ele me esperou um pouco mais antes de sair para o trabalho dele para pegar as chaves da casa. Também foi pra deixar ir a esposa dele, que não vai com a minha cara de puta desde o 2º ano do Ensino Médio mas me respeita pelo meu pai e pelo meu irmão, e também não sabia de nada. Peguei as chaves, dei um beijo de despedida no meu irmão e entrei na casa. Depois chamei os meus homens e eles trouxeram a comida e me ajudaram a preparar. Alguns vizinhos me viram, e me conheciam, e só não acharam que eu estava de safadeza com a turma de homens entrando porque viram os rapazes com pacotes de arroz, de açúcar, de carne, etc.

Bom, a gente passou um bom tempo preparando a comilança mas deu pra separar um tempo para a prostituição, enquanto bolo assava ou carne cozinhava.

E o meu pai chegou, eram pouco mais de sete da noite. Abriu o portão, eu já estava preparada pra atender, já corri. "Papai, papai", sem querer brincar eu falei igual no tempo de criança quando ele chegava do trabalho. A gente se abraçou, eu encostando a cabeça no peito dele (eu não sou baixinha mas ele é bem alto). Alguém vazou no caminho que eu estava lá. Ele me disse que até veio mais rápido. Aí eu perguntei se ele havia visto a faixa lá fora, ele disse que não, fui com ele pra fora e mostrei: "15 de julho é o Dia do Homem no Brasil. Não é só pra lembrar da saúde, também é pra lembrar da dignidade" (a iluminação da rua é boa, deu pra ler). Então eu disse que a festa era pra ele, nossa família e os meus amigos homens. Dei um perfume do O Boticário de presente pra ele (prestigiando a campanha deles do Dia do Homem). O meu irmão, a minha cunhada, a minha mãe e outros irmãos vieram depois (eu avisei a eles).

Ah, e entre os amigos, cinco deles o meu pai já me pegou pelada com eles, dois em uma vez e três em outra. Esses nunca mais tinham encontrado o meu pai de novo e estavam meio tímidos, então eu disse brincando "todos os amigos aqui já me comeram no passado, podem vir pegar a mão do meu pai". Foi tom de brincadeira mas era verdade. E eram 17 amigos. O encontro também foi pra matar saudade também dos amigos homens que prestam.

Puxei o meu pai de leve pra dentro, a mesa cheia de comida pra nós. Ele se sentou com um pratinho de churrasco e um copo de refrigerante na mesa ao lado, eu queria ser pequena naquela hora só pra pular no colo dele de novo, e disse isso a ele. Me sentei do lado, começamos a conversar. Do trabalho dele, do meu, do trabalho dos meus irmãos, dos trabalhos de alguns amigos presentes, das eleições 2014, da Copa do Mundo, do 7 a 1 da Alemanha, do 3 a 0 da Holanda, de mecânica de ônibus, dos livros que ele leu, de casos com parentes e amigos dele da década de 70 pra cá, dos meus blogues e até de sexo. É, ele viu umas duas ou três vezes o meu blogue com putaria, e disse que a coragem pra escrever o que eu escrevo quase some perto das cenas da seção de safadeza. Aí eu fui falando de cunilíngua (chupar buceta), DP, facial, eu parecia que estava falando de culinária. Falei até de casos engraçados, alguns deles aconteceram com amigos presentes. Aí eles participaram da conversa. E o que chamou a atenção do meu pai foi que entre os elogios aos meus melões e à minha bunda de tanajura, os elogios ao meu boquete, os casos de MMMF (três homens e uma mulher) que deram errado, até o caso de um pum que eu soltei uma vez e interrompeu uma transa no meio, os rapazes falavam dos meus dotes culinários, da minha inteligência (não é pra tanto), da minha alegria, do quanto eu trouxe paz de espírito em problemas que eles tiveram, de ajuda que eles me deram ou eu dei pra eles. Isso a gente falava de outro assunto, falava "daquilo", depois ia pra outro assunto, depois voltava pra "aquilo".

Foi uma noite muito boa, com os meus amigos, os meus irmãos e o meu pai. Uns dois dias sem comprar pão nem preparar carne para a casa do meu pai. Muita comida (não, eu não fui comida depois que o meu pai chegou), muita bebida (café, suco, chá porque está frio), muita alegria. Foi um feliz Dia do Homem para nós.

2 comentários:

  1. Biga, resolvi.me dar ao trabalho de vir aqui procurar este seu post que fala sobre p Boticario para lhe perguntar se ela continua sendo sua perfumaria favorita, como sempre foi a minha, sua lesbofobica misogina. KKKLKKKK. VIVA P BOTICARIO! Continua fa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu estava com saudades, lésbica desgraçada. Já viu o que eu publiquei neste blogue desde a sua última visita? Eu nem vi a campanha d'O Boticário. Fiquei sabendo superficialmente e nem pensei em comentar. Mas obrigada por perguntar.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Página no Facebook