quarta-feira, 30 de julho de 2014

Produtor da TotalSex lamenta o suicídio da atriz pornô Keity Bittencourt, e nós também, enquanto feministas preferem falar de outros suicídios

Luto (Brad Montana)

O pornô nacional perdeu, no último domingo, um de seus novos talentos. A atriz Keity Bittencourt, que recentemente participou da enquete A Novata Sensação, suicidou-se em São Paulo. A notícia foi divulgada por um produtor e confirmada por amigos. Keity já havia gravado para todas as produtoras em atividade no Brasil e contracenaria comigo na semana que vem. A notícia de que uma jovem, na faixa dos 20 anos (não sei a sua data de nascimento), tira a própria vida é de entristecer qualquer pessoa. Não sei detalhes do que houve, tampouco o que a levou a tomar tal decisão. Espero, sinceramente, que os filmes adultos e trabalhar com sexo não tenham sido um fardo e causa. Aproveito para dizer a todas as meninas que me acompanham nas redes sociais e leem esse blog o seguinte: a jornada de todos nós é dura, é difícil. Mas não adianta fugir, endoidar ou se matar. Somos capazes de rever as nossas escolhas e promover mudanças em nossas vidas. É preciso fazer bom uso de nosso livre arbítrio e ter força e determinação para seguir em frente, de cabeça erguida. Tenham convicção de que o trabalho de vocês NÃO É ERRADO, pois se fosse seria crime, E NÃO É! Não se deixem abater pela hipocrisia e falso moralismo. O mundo precisa de mulheres corajosas como vocês para tratar as suas mazelas mais profundas e intrínsecas. E quando tiverem dúvida, se sentirem sozinhas, observem atentamente o quanto cativaram e despertaram admiração em pessoas que nunca as viram pessoalmente. Há algo de especial nisso.

Giro de Notícias do TotalSex, 17/07/14, http://www.totalsexbr.blogspot.com.br/2014/07/giro-de-noticias-do-totalsex.html

Comentários de A Vez das Mulheres de Verdade / A Vez dos Homens que Prestam

Só corrijo o amigo Brad Montana em uma coisa: se a pornografia fosse crime em uma sociedade hipócrita que se borra por vacas anorgásmicas, como a prostituição já foi até muito poucos anos atrás, isso não provaria que ela é condenável. Eu nem tinha ouvido falar da Keity Bittencourt, mas pelo menos pelo suicídio em si eu faço minhas as demais palavras dele. Mas este caso serve para desmascarar duas mentiras de lesbofeministas e de manginas carolas: o de que gostar de pornografia é objetificar a mulher e o de que o Feminismo quer dar dignidade a todas as mulheres.

Na parte da primeira mentira, o que produtores de pornografia já fizeram tratando alguma mulher como pessoa, só que eu já vi? 1) aquela nota; 2) PornHub participando do Pink October de 2012; 3) matéria da revista Hustler listando 10 estrelas pornôs inteligentes, o Ron Jeremy mais 9 atrizes (a matéria original parece que sumiu, mas gravei e prometo publicar, como já fizemos a tradução para o português); 4) a Playboy fez uma lista semelhante, com 10 atrizes ou ex-atrizes (você pode ver no Cogumelo Louco). Só lembrando para analfabetos diplomados e lésbicas intelectuais de fachada que o contrário de "todo A é B" não é "todo A é não-B", mas "algum A é não-B", provamos que a tese "produzir ou gostar de pornografia é tratar a mulher como objeto" é mentira - a não ser que você concorde com as mais loucas declarações feministas de que sexo hétero é estupro e a mulher heterossexual serve ao machismo.

Na parte da segunda mentira, o que as lesbonazistas já deixaram de fazer em favor de uma mulher, ou até fizeram contra, só que eu já vi? 1) nem mencionar o nome da Keity; 2) nem menção a Paula Sladewsky, que já posou para a Playboy e cujo corpo foi encontrado queimado em uma lata de lixo; 3) o "desejo de estupro" a Rachel Sheherazade não teve uma palavra de um blogue feminista, salvo uma postagem da múmia pseudoateia Asa Heuser de má vontade por insistência de leitores (mas quando Cláudio de Moura Castro, poucos meses antes, brincou em uma palestra sobre o Plano Nacional de Educação dizendo que "já que todo mundo botou um negócio no plano, um artiguinho, eu também quero propor um artiguinho no plano: um bônus para as caboclinhas de Pernambuco e do Ceará conseguirem se casar com os engenheiros estrangeiros, porque aí eles ficam e aumentam o capital humano no Brasil" teve nota de repúdio encaminhada ao Senado pela União Brasileira de Mulheres); 4) a atriz pornô Valentina Nappi foi associada à "cultura do estupro" por uma feminazista justamente por defender que as mulheres parem de se isolar dos homens (comento melhor em http://avezdoshomens.blogspot.com/2014/06/uma-mulher-defendendo-que-o-sexo.html); 5) a lésbica gorda estúpida da Gail Dines quer criminalizar a pornografia e a prostituição, o que só vai mandar mulheres pra cadeia por picuinha e deixar as que escaparem, aí sim, reféns do crime organizado ou de políticos e policiais corruptos; 6) Nadia Styles, depois de entrar para a Pink Cross e voltar para o pornô: "eu cortei laços com elas dois ou três meses depois que eu procurei sua ajuda. Sua agenda não se ajustava ao que eu queria para mim mesma. (...) Eu agora compreendo que me afiliei a uma pessoa / fundação que era contra a pornografia. Honestamente, naquele momento em que eu deixei a indústria, não tinha nada a ver com a indústria".

Quando feministas (homens e mulheres) lembraram que alguns machistas condenavam Elisa Samudio por ter sido atriz pornô, o Feminismo estava defendendo a moça não como mulher ou como ex-atriz pornô, mas como vadia que se meteu com o cara errado.

E quando os feministas se importam com suicídio de mulher envolvendo material sexual? Quando é uma mulher "comum" que, digo sem medo de errar, descobriu que o cara legal e trabalhador para quem ela é "rigorosa" pode ter visto as fotos que ela ofereceu ao namorado. E qual a crítica que os feministas fazem? Que existem homens heterossexuais que gostaram de ver fotos de mulher pelada (não são estas palavras que eles vão dizer, mas o "problema" para eles é este). Exemplo: "Mais uma adolescente comete suicídio depois de fotos íntimas vazarem na Internet", na página Fatos Políticos, 21/11/13, http://www.fatospoliticos.com.br/2013/11/mais-uma-adolescente-comete-suicidio-depois-de-fotos-intimas-vazarem-na-internet (veja principalmente os comentários). Talvez eles acusem esses "consumidores" de hipocrisia, se o fizerem vai ser sempre para não comentar a hipocrisia dessas moças. E é essa a descoberta do público que traz a vergonha que faz as moças das fotos e dos vídeos "íntimos" se suicidarem: não de que elas fazem sexo porque gostam, mas de que elas têm um duplo padrão para os homens, menosprezando os certos para valorizar os errados. Escrevi sobre isso em 2012 e 2013 (comentando o caso da Júlia Rebeca). Afinal, nunca é uma moça conhecida por ser liberal nem um namorado conhecido por ser ótimo homem. E o motivo para o Feminismo lembrar o suicídio dessas moças é defender o pior da mulher usando o caráter dos melhores homens.

Quem mais respeita, valoriza ou mesmo admira uma mulher por ser atriz pornô, prostituta ou apenas sem-vergonha são os homens que prestam. Quem mais admira essa mesma mulher por ter algo mais (como inteligência), também. No outro extremo, quem mais despreza, ataca ou odeia essa mesma mulher são as feministas e as puritanas anorgásmicas. Qualquer prostituta simpática pode confirmar isso.

Abigail Pereira Aranha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Página no Facebook